…o nosso Combóio!

9

…quando jovens, todos tivemos “o nosso combóio”, ou pelo menos, o combóio da nossa preferência, nós, vivendo numa aldeia perdida da Beira Litoral, numa região pouco povoada, onde só por volta do ano de 1907, começou a ser construído, um caminho de ferro.

jhn

…era a partir de Espinho em direcção a Oliveira de Azeméis, com um percurso muito acidentado, tudo feito com muito trabalho físico, onde a pá, a picareta ou a vagoneta, removiam terra, pedra ou cascalho das pequenas montanhas, para colocar nos vales ou terras alagadiças!.

der

…levando à construção de numerosas curvas, e claro, à opção pela “via estreita”!.

jmk

…trabalhando arduamente, um ano depois, procediam à sua inauguração e, talvez com bons resultados financeiros, pois  por volta do ano de 1911, resolveram estender a exploração desta linha mais para sul, em direcção a Albergaria-a-Velha!.

fvg

…aproximavam-se da minha aldeia do Vale do Ninho d’Águia, onde, quando viémos a este mundo, já lá passava “o nosso combóio”, que tinha o bonito nome de “Ramal de Aveiro”,  que umas vezes era rude, feio e até “incendiário”, quando, principalmente no verão, as “fragolas” em chama viva, que saíam da sua chaminé, faziam com que a “tia Gracinda”, gritasse em plena força dos seus pulmões, “maldito, que me vais queimar outra vez a cabana da palha”!.

006_Comboios

…mas “ele” avisava, principalmente, quando “roncava” pela encosta acima, a caminho da montanha, virado ao norte, em alguns dias de calor sufocante, quando não fazia chuva ou nevoeiro e, cujo projecto, foi oficialmente aprovado no ano de 1909, sendo inaugurado uns anos depois, em 1911, juntamente com o pequeno troço, entre Albergaria-a-Velha e Sernada do Vouga, cuja pacata localidade, foi escolhida para o entroncamento com a linha Espinho-Aveiro!.

006_Comboios

…portanto o nosso “Ramal de Aveiro”, a que hoje chamam, “Linha do Vouga”, e eu com muito carinho chamo o “o nosso Combóio”, foi aberto à exploração no ano de 1911,  em “bitola métrica”, unindo aldeias e populações perdidas, entre a cidade de Aveiro e a pequena, mas acolhedora  localidade de Sernada do Vouga, onde, entre outras coisas, era o nosso “relógio”, não só para nós, como para os habitantes de todo o vale, onde existia a nossa aldeia do Ninho D’Águia, pois era “ele” que marcava as horas e, “ele” sabia disso, pois apitava, quase todos os dias à mesma hora!.

006_Comboios

…setenta anos depois, fecho os olhos e estou a vê-lo, rolando sobre a encosta do vale, fazia parte do cenário, do vale da aldeia do Ninho D’Águia, o maquinista a “apitar” a nosso pedido, quando fazíamos caminhadas, pela sua linha, que na altura era proibido!.

7yg

…íamos na companhia do “piloto”, o nosso cão fiel e amigo, que já tinha conhecido outros donos, tal como “o nosso combóio”, pois dizem que pertenceu até ao ano de 1947 à companhia do Vale do Vouga, propriedade da “Compagnie Française pour la Construction et l’Exploitation des Chemins de Fer à l’Etranger”, depois à CP, e actualmente é da responsabilidade de uma companhia moderna, a que chamam, “Refer”.

006_Comboios

...”o nosso combóio”,  também nos “falava” todos os dias, por volta das seis horas da manhã, quando nos acordava, com o seu som ensurdecedor e,  a nossa mãe nos dizia, “tudo a pé, já são seis horas”, !. Era “amigo”, quando todos os anos no mês de Julho, nos levava, desde a estação da vila de Águeda, por entre planícies alagadiças e milharais, com aqueles bancos em madeira, que não eram lá muito confortáveis, mas nós adorávamos, atravessáva-mos uma ponte de ferro, um túnel, tudo isto, até à estação da cidade de Aveiro, sempre com a recomendação de, “não ponhas a cabeça de fora da janela, pois vais ficar todo sujo”, onde tomávamos a camioneta, verde e amarela da Auto Viação Aveirense, que fazia a carreira “Aveiro Estação – Costa Nova”, que para nós era simplesmente a, “camioneta da Costa Nova” que também atravessava algumas pontes em madeira, sobre alguns canais da ria!.

seds

…os “carrilanos”, tratavam a sua linha com carinho, nós andando por ali, também ajudávamos, indo buscar água para eles, a uma fonte que por lá havia!.

7c59f567-f371-4e6a-8493-7cf698753514

…em troca, dávam-nos alguns “pregos” com datas, onde já tínhamos uma excelente “colecção”!.

Comboios_em_Portugal_Pare_escute_olhe_2

…era “proibido” circular pela linha, nós adorávamos fazê-lo, não só circulando, como nos sentáva-mos na areia ou pedras que a formavam e, encostando a cabeça aos carris, ouvindo, que o combóio, vinha perto!.

010_Comboios

…foi o “o nosso Combóio”, que nos levou para a cidade de Aveiro, começando a cumprir o serviço militar obrigatório na altura e, já no então Ultramar Português, fazendo parte do horroroso conflito que o então governo de Portugal mantinha com os diversos grupos de libertação, organizados e armados, que lutavam pela independência  dos seus territórios, recebi a notícia de que “o nosso combóio”, não tinha resistido à chuva e mau tempo, que por vezes se fazia sentir, no vale da aldeia do Ninho D’Águia e, despenhou-se pela encosta abaixo, vendo uma foto, num jornal da época, logo reconheci a locomotiva, que era  a “número tal”,  a mais potente, que fazia um barulho ensurdecedor, quando circulava rumo ao norte, montanha acima, fazendo os animais, no curral da nossa velha casa, fazerem um barulho, que não era norma!.

006_Comboios

…hoje, já não existe “o nosso combóio”, são tudo máquinas, guiadas pelos computadores, cujo apito é quase sempre de “aflição”, ruidoso, que ninguém gosta de ouvir, mas, vamos recordar “o nosso combóio”, tal como se ainda por lá andássemos, vamos sonhar, vamos fazer uma vajem imaginária, no “nosso combóio”,  saindo de Sernada do Vouga, até à cidade de Aveiro, com toda a certeza que me vai “escapar” muita coisa, mas cá vai!.

58

“É manhã, estamos no ano de 1956, olhamos o relógio da estação de Sernada do Vouga, são 9h20, o ambiente é encantador, repleto de movimento, ainda não chegou o comboio de Espinho, que vai continuar para Viseu, pelo cais da estação avistam-se caixotes e outras mercadorias, assim como algumas pessoas, andam atarefadas, trazem sacas pela mão, dois homens conversam, um traz o guarda chuva pendurado no pescoço, entre a samarra e o seu corpo, uma senhora traz um garoto pela mão, com ranho no nariz, que procura largar a mão da mãe e fugir para o norte, onde um pouco distante, estão as oficinas do Caminho de Ferro, algumas locomotivas estão em reparação, há carvão espalhado pelo chão,  muito fumo e cheiro a carvão queimado,  diversas rimas de traves de madeira, alguns carris, tanto novos, como já usados, um pouco ao lado das oficinas, sobre carris, estão umas tantas carruagens, típicas do Vale do Vouga, ainda com varandins, “mistas de primeira e terceira classe”, de “terceira classe e com furgão”, ou de apenas “terceira classe”

Uma locomotiva, às vezes apitando, faz manobras, um homem de bandeira vermelha na mão, faz sinais, de vez em quando circula na locomotiva, agarrado ao barandim,  estão a formar o combóio, que vai ser puxado por uma locomotiva a vapor, ligeira, da série E93,  de rodados 2-6-0T, que foi construída em 1910 pela Orenstein & Koppel e foi pertença original do Vale do Vouga, são locomotivas muito apreciadas por serem de construção ligeira, com bom desempenho nos arranques e velocidade de ponta. 

Vago-aberto.36

…o combóio, que está a ser preparado, é composto por um vagão tipo, Vale do Vouga, dos abertos de dois eixos com capacidade até 10 toneladas!.

3321729553_267994bf3c_b

…três vagões também tipo Vale do Vouga, cobertos de dois eixos, também com capacidade até 10 toneladas, outro semelhante ao primeiro, uma carruagem Vale do Vouga, de varandins de terceira classe e furgão e, na rectaguarda outra Vale do Vouga, das transformadas de primeira e terceira classe!. 

O maquinista, sujo de carvão na cara, diz ao homem da bandeira, para colocar mais duas carruagens, tipo Vale do Vouga, de varandins de terceira classe e furgão, ao que ele responde, que só os combóios do início da manhã ou do fim da tarde, são mais reforçados, com três ou até quatro carruagens. 

A locomotiva a vapor E93, puxando já o combóio completo, vai encher o reservatório de água, está ligada, faz barulho ao travar, ajustando-se debaixo do enorme cano, que vem do depósito da água, o maquinista, saindo do seu posto de comando, é que faz toda esta operação, vendo o reservatório cheio, volta de novo ao seu posto de comando, acelera um pouco, sai muito vapor de ambos os lados da locomotiva, o que faz o homem da bandeira gritar palavras obscenas, dirige-se para o cais da estação, pronta a sair com o combóio número 926 das 10h17, que vai fazer a ligação de Sernada do Vouga à cidade de Aveiro.

Parou uns minutos no cais da estação, nós, juntamente com outras pessoas entrámos, os homens de serviço na estação carregam alguma mercadoria, o chefe da estação apita, dando o sinal, o 926, das 10h17, põe-se em movimento. Com esta leve composição, não mais de 100 toneladas, a E93 não desilude, claro, e lança o comboio em grande parte do percurso a 40 km/h.

016_Comboios

…uns poucos de minutos andados, levantando-nos do banco de madeira envernizada, descendo a enorme correia de cabedal, que segura a janela da carruagem, quando atravessávamos a ponte rodo-ferroviária, com um único tabuleiro atravessando o rio Vouga, vimos ficar para trás o complexo ferroviário de via estreita, na localidade de Sernada do Vouga, rodeada de um casario, com um cenário verdadeiramente encantador!  

À nossa esquerda,  vemos, desactivado, o pequeno ramal de “Sernada do Vouga – Areias”, que descia da estação em direcção ao rio Vouga para a partir dali se extrair areia em direcção à restante rede ferroviária.

001_Comboios

…um pouco à frente, a linha transpõe o Vouga através de uma imponente ponte rodo-ferroviária (ponte de Jafafe) em alvenaria com sete tramos que perfazem um total de 173 metros, depois vem uma passagem de nível, bastante movimentada, nas povoações de Jafafe de Cima e de Baixo. Continuando, com um cenário de montanha e rio, o combóio faz uma curta paragem, na estação de Macinhata do Vouga, que tem duas linhas de agulhas talonáveis e um grande barracão de arrumações ferroviárias, logo a seguir surge o apeadeiro de Carvalhal da Portela, com a plataforma do lado direito e, novamente contendo apenas uma placa indicando o seu nome. 

Agora surge um viaduto de 23 metros sobre o ribeiro do Marnel, alguns campos de milho e de linho, até encontrar o apeadeiro de Valongo do Vouga, a seguir, atravessamos  uma passagem de nível com guarda, numa zona vinícola, onde a linha sobe uma pequena montanha, fazendo a locomotiva E93, usar quase toda a sua força até ao apeadeiro da Aguieira, subindo “o nosso combóio” sempre, até à cota mais elevada do Ramal de Aveiro, a 72 metros, na estação de Mourisca do Vouga, com duas vias.

Agora é a descer, passamos a passagem de nível da aldeia de Alagôa, um pouco mais abaixo, surge a aldeia do Vale do Ninho D’Águia, onde nascemos, onde o combóio segue com alguma velocidade, apitando, como sempre, saudando os vizinhos e acordando as ovelhas no curral da nossa velha casa, transportando as suas 100 toneladas, dando uma curva um pouco apertada, antes de chegar à estação de Águeda, uma estação intermédia de relevância do Ramal de Aveiro. Esta estação tem três linhas, duas delas com agulhas talonáveis, entrando na mais à direita e, a máquina pára junto ao depósito, para encher o reservatório de água. Vê-se muita gente por aqui, claro, o combóio é um motor de desenvolvimento económico desta região. 

Ia dentro horário, pois aumentou a velocidade na descida do vale, da aldeia do Ninho D’Águia, portanto fez uma paragem não superior a cinco minutos e, o chefe da estação, fardado rigorosamente,  com um boné branco, ao lado de dois “carregadores”, também fardados, cigarro ao canto da boca, junto de um carro de duas rodas, com um casaco de cutim azul, também com um boné já um pouco “coçado” na cabeça, dá autorização de partida ao 926, que saiu de Sernada do Vouga, às 10h17. 

Logo a seguir vêm os apeadeiros de Oronhe, Casal de Álvaro e Cabanões, onde apenas uma placa indicam o seu nome, começamos a ver o rio Águeda, seguimos em muitos locais ao seu lado, surge o apeadeiro de Travassô,  o combóio, segue nos seus 40 km/h, mas creio que às vezes aumenta a velocidade, vai resistindo a algumas curvas mais apertadas, no interior do combóio, com os seus bancos de madeira quase todos ocupados, algumas sacas pelo chão, crianças gritando ao sabor do vento, que entra pelas janelas, vamos numa carruagem de terceira, mas alguns dizem que é de segunda, após uma dessas curvas, surge uma ponte metálica, de 64 metros que transpõe o rio Águeda, afluente do Vouga, que passa a  poucos metros dali. Olhando para a esquerda, vemos planície de campos, alguns alagadiços, para a esquerda uma montanha de pedra vermelha, tudo antes de entrar num túnel, que é talhado num impressionante esporão da falésia vermelha e, tem um total de 74 metros.

Estamos na estação de Eirol, próximo da “Ponte da Rata”, que cruza o rio Águeda, onde alguns pescadores tentam a sorte na pesca da carpa e do pimpão, que são abundantes neste rio, a estação, tem duas vias para cruzamento, também com agulhas talonáveis, entramos na da direita, enquanto esperáva-mos pelo combóio que vinha de Aveiro, que se havia de cruzar com “o nosso Combóio”, nesta estação, os ferroviários de serviço aproveitavam para verificar o  estado da máquina, nomeadamente o estado de lubrificação dos rodados. 

005_Comboios

…seguimos, ainda dentro do horário, a estrada nacional de Águeda para Aveiro, acompanha-nos do lado esquerdo, um pouco à frente, surge-nos o apeadeiro de São João de Loure e, a linha, essa, continua a ladear a estrada nacional pela esquerda. O estuário do rio Vouga, pode-se admirar, se olhar-mos para o lado esquerdo, existe muita água, em alguns lugares cobre o campo, outra passagem de nível, onde uma guarda faz sinal, que o combóio podia seguir, onde pouco depois entrámos na estação da povoação rural de Eixo, com duas linhas de agulhas talonáveis.

007_Comboios

…de forma a cumprir o horário, as paragens são muito breves e, é neste tipo de serviço ligeiro, num combóio tipo “pára-em-todas”,  que se tiram todas as vantagens das locomotivas da série E90, que encontra o apeadeiro de Azurva, com a plataforma à esquerda e, contendo apenas uma placa com o seu nome, mais à frente, após curvas e contra-curvas, aparece o apeadeiro de Esgueira, mais uma passagem de nível na estrada nacional, Águeda-Aveiro, e finalmente, depois uma recta extensa, a E93, trazendo atrás de si o combóio com o número 926, perfaz mais ou menos 35 quilómetros, fazendo todo o percurso em aproximadamente 1h45!.

11_1911

…parando por fim, onde, depois dos passageiros sairem, atravessando toda a região leste da estação de Aveiro, incluindo, a passagem da linha larga do norte, entram no edifício principal da estação, para sairem para a cidade, também pela porta principal, enquanto a locomotiva a vapor é desengatada “do nosso Combóio” e, dirigida para o depósito das locomotivas, onde vai limpar a fornalha e atestar o depósito de carvão!. 

Acordei e, já tenho saudades!

Tony borie, Outubro de 2014.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s