It’s never too late!

…Nunca é tarde demais!. (It’s never too late)!

…já lá vão uns anos, o nosso filho Tony, estava no cumprimento do seu dever, fazendo parte do Corpo de Marines dos USA, estacionado numa base no estado da Califórnia, nós, dadas as facilidades de transporte, pois havia uma companhia aérea que saía de Nova Iorque pela manhã, chegando a Los Angeles à noite, tinha oito ou nove paragens, em diversas cidades, carregando e descarregando pessoas e mercadoria, era uma espécie avião de correio, os lugares eram sem marcação, portanto se saísse num aeroporto e regressasse ao avião, já o nosso lugar poderia estar ocupado por outro passageiro, mas era barato, era quase o preço de um jantar para dois!.

…com alguma frequência visitávamos o estado da Califórnia, fazíamos companhia ao nosso filho, muitas vezes estava cumprindo as suas tarefas, logo, não podia estar connosco, então andávamos por ali, frequentando algumas vezes o clube dos Açores, que havia numa cidade próxima, onde um senhor, já de uma certa idade, nascido nos USA, cujo pai fora emigrante, oriundo dos Açores, depois de alguma conversa, sabendo que éramos oriundos da região de Aveiro, nos foi contando a história desta personagem. Nós, pela informação que fomos recolhendo, vamos descrever a história, vale a pena ler, é uma odisseia de um emigrante, de uma geração antes da nossa. O título é “Nunca é tarde demais”!.

…os pais do Nico tinham algumas terras na região das areias, mais propriamente nas Gafanhas, mesmo encostadas ao canal de água salgada, a sua mãe, quando o via chegar a casa, todo sujo, com alguma lama nas pernas, logo lhe dizia, com cara de pai:

– qualquer dia vais ficar enterrado na areia, ninguém te lá vai buscar. Vai lavar-te e não entres em casa assim!.

…e já mais calma, pensava:

– isto é que é um vício. Não precisamos de berbigão para nada, pois é tanto, que até o damos aos porcos, este rapaz, sempre metido na areia suja, valha-me Deus! 

…o Nico, o seu verdadeiro nome era Eurico mas todos lhe chamavam assim, era aquele rapaz muito popular, tipo “o rapaz nosso amigo, da casa do nosso vizinho”, havia muitas pessoas no lugar, que conviviam com ele desde que nasceu, não sabendo o seu verdadeiro nome, era o Nico, que todos gostavam e andava por ali. Na primavera, o seu passatempo preferido era andar aos ninhos, pois já sabia onde os pássaros das terras alagadiças costumavam pôr os ovos. Ajudava os pais no que podia, às vezes ia à taverna fazer recados aos vizinhos, mas a maior parte do seu tempo era passado chafurdando na areia escura, durante a maré baixa, procurando berbigão e às vezes enguias!.

…os seus pais tinham tido uma menina antes, que morreu ainda bebé com uma doença ruim, como eles diziam, depois nasceu o Nico, faziam tudo para que o rapaz crescesse com alguma saúde, não gostavam muito que andasse sozinho, mas ele gostava de andar pela beira das terras, encostadas ao canal, descalço, metido na areia, com alguma lama, às vezes, quando a maré já começava a subir, ele até tentava nadar para o meio do canal, era assim, estava-lhe no sangue, adorava água, correr pelas terras, descalço, queria liberdade. Chega a idade, frequenta e termina a escola primária, os pais matriculam-no numa escola da cidade de Aveiro, compram-lhe uma bicicleta, para ir e vir todos os dias. Com alguma dificuldade, pois não era muito bom aluno, termina o quinto ano na área de indústria!.

…os pais, procurando um futuro para o seu filho, assim que souberam que o senhor Capitão João, que andava na pesca do bacalhau na Terra Nova, estava em terra, logo foram ter com ele, pedindo-lhe:

– Senhor capitão, queríamos pedir a vossa senhoria, o favor, se podia recomendar o meu Nico para embarcar na próxima safra, pois já completou o curso industrial!.

…o senhor capitão João, informa-os de como devem proceder, o Nico faz os exames, tira a cédula marítima, embarcando como serralheiro mecânico, na próxima safra, no navio bacalhoeiro onde o senhor capitão João era o comandante, seguindo rumo às águas frias do norte do Atlântico, mais propriamente à região de Newfoundland, mais conhecida entre os pescadores portugueses, por Terra Nova!.

…a Dina, cujo verdadeiro nome era Albertina, era mais nova uns meses do que o Nico, vivia umas casas acima, no mesmo lugar onde vivia o Nico, conheciam-se desde crianças, os vizinhos diziam sempre que eles eram namorados, eram um para o outro, ela completou a escola primária, aprendendo em seguida costura, era a costureira do lugar, muito boa rapariga, todos sabiam que andava perdida de amores pelo Nico!.

..quando o Nico completou o quinto ano da escola industrial, os pais deram uma pequena festa para a família e vizinhos mais próximos, onde compareceu a Dina, sempre sorridente e amável para com o Nico, que se enche de coragem e lhe diz:

– Dina, não sei como começar.., mas agora que já completei a escola e vou trabalhar, queria que fosses a minha namorada!.

…a Dina não cabendo em si de alegria, agarrou-se aos beijos ao Nico, na frente de todos, fazendo estes compreenderem que algo de verdadeiro e sério iria começar entre os dois. Passavam muito tempo juntos, faziam planos para o futuro, a Dina começou a costurar o seu enxoval, entretanto o Nico, embarca para a primeira safra do bacalhau, houve beijos e lágrimas de despedida, promessas de amor eterno, que seriam um do outro até à morte, vieram todos ver o barco sair a barra, junto farol!.

…no navio, a vida era totalmente diferente do que o Nico imaginava, havia muita disciplina, muito trabalho, as horas de dormir estavam marcadas, tinham que se ajudar uns aos outros, o Nico adorava liberdade, correr pelas terras alagadiças, andar descalço, foi muito difícil os primeiros tempos, até que começou compreender o regime de bordo, aos poucos foi-se habituando, cumprindo o melhor que podia as suas tarefas, regressando com alguma alegria ao ver a Dina, na entrada da barra, acenando-lhe com os braços abertos, assim como os seus pais, esperando-o!.

…no tempo que está em terra namora a Dina, continuam com as promessas de amor eterno, arranja um trabalho temporário na cidade de Aveiro. Matricula-se outra vez na escola só para aprender o idioma inglês, chegou a altura de embarcar de novo, outra vez beijos, abraços, lágrimas, e lá vai o Nico em direcção aos mares da Terra Nova, já tem alguma prática, tem algum controle no seu tempo, já resolve alguns problemas mecânicos a bordo, já o consideram uma pessoa quase indispensável, vêm a terra, cremos que ao porto de St. John’s, no mar na Terra Nova, abastecer o barco, entre outras coisas de água fresca e de isco para a faina da pesca, como já fala algumas palavras em inglês, todos o querem acompanhar, já é popular a bordo!.

Since there will a few years, our son Tony, was in the line of duty as part of the Marine Corps of the USA, parked on the state of California base, we transport facilities given because there was an airline that went to New York in the morning, arriving in Los Angeles at night, had eight or nine stops in several cities, loading and unloading people and goods, was a plane kind of mail, the places were unmarked, so if you leave an airport and returned to the plane because our place could be occupied by another passenger, but it was cheap, it was almost the price of a dinner for two. 

We often visited the state of California, we did company to our son, often was fulfilling its tasks, so could not be with us, then we walked around, attending sometimes the Azores club, there was a nearby town where a man already of a certain age, born in the USA, whose father was an emigrant, coming from the Azores, after some conversation, knowing that we were coming from the region of Aveiro, we were telling the story of this character. We, the information that we collect, we will describe the history, worth reading, is an odyssey of an emigrant, a generation before ours. The title is “It’s never too late”!. 

The parents Nico had some land in the area of the sands, more specifically in Gafanhas even flush against the saltwater canal, his mother, when she saw him get home, all dirty with some mud on the legs, then told him, with father’s face:

– Any day you’ll be buried in the sand, no one you will get there. Go wash yourself and enter not at home as well. 

And already calmer, I thought:

– This is what is an addiction. We do not need cockles for nothing because it is so much, that even give to pigs, this guy, always stuck in the dirty sand, my goodness! 

Nico, his real name was Eurico but everyone called him so, was this very popular guy, like “the boy our friend, our neighbor’s house,” there were many people in the place, who lived with him since he was born, not knowing his real name was Nico, who everyone liked and walked around. In the spring, his favorite pastime waswalk to the nests, because I knew where the birds of the wetlands usedlay eggs. He helped parents in what he could, sometimes went to the tavern errands for neighbors, but most of his time was spent wallowing in dark sand at low tide, looking for cockles and sometimes eels. 

His parents had had a girl before, who died baby even with a bad disease, as they said then was born Nico, did everything so that the boy grew up with some health, did not like much that I walk alone, but he liked to walk the edge of the land abutting the canal, barefoot, stuck in the sand, with some mud, sometimes when the tide was beginning to rise, he even tried to swim to the middle of the channel, it was so, was in his blood, he loved water running through the land, barefoot, wanted freedom. Reaches age, attends and completes primary school, parents enroll him in a schoolthe city of Aveiro, buy him a bicycle, to come and go every day. With some difficulty, because it was not very good student, the ends fifth year in the industry area. 

Parents looking for a future for your child, so they knew that Mr. Captain John, who was in the cod fishery in Newfoundland, was onground, were soon to him, asking him:

– Lord Captain, we wanted to ask your lordship, please, if I could recommend my Nico to embark on the next harvest, as has completed the industrial progress. 

Mr. Captain John tells them how they should proceed, Nico makes the exams, takes the seamanbook, embarking asmechanic locksmith, in the next harvest, in cod fishing ship where you Captain John was the commander, following towards the cold waters north Atlantic, more specifically the Newfoundland region, better known among Portuguese fishermen, for Newfoundland. 

Dina, whose real name was Albertina, was younger few months than Nico, lived some older homes, in the same place where he lived Nico, were known as children, the neighbors always said that they were lovers, were one to the other, she completed primary school, then learning sewing, was the seamstress of the place, very good girl, everyone knew who was lost in love with Nico. 

When Nico completed the fifth year of the industrial school, parents have a small party for family and close neighbors, where attended Dina, always smiling and kind to Nico, who is full of courage and says:

– Dina I do not know howstart .. but now thatfinished my school and gowork, wanted you to be my girlfriend. 

Dina not fitting itself of joy, she clung kissing Nico, in front of everyone, making these understand that something true and serious would start between the two. They spent much time together, made plans for the future, Dina began to sew your trousseau, however Nico embarks for the first harvest of cod, there were kisses and goodbye tears, promises of eternal love, which would be each other up to death, they all camesee the boat leave the bar together lighthouse. 

On the ship, life was totally different than Nico imagined, there was a lot of discipline, hard work, bedtime were marked, had to help each other, Nico loved freedom, run through the wetlands, walking barefoot, was very hard the first few times, until he beganunderstand the onboard system, gradually become accustomed, doing the best he could their tasks, returning with some joy to see Dina, the bar entrance, beckoning you with open arms, as well as their parents, waiting for him. 

In the time it is on land dating Dina, continue with the promises of eternal love, get a temporary job in the city of Aveiro. Enrolls again at school only to learn the English language, it is time to embark again, again kisses, hugs, tears, and there goes Nico to the seas of Newfoundland already has some practice, have some control in his time, already solved some mechanical problems on board, already considered an almost indispensable person, come to earth, we believe that the port of St. John’s, offshore Newfoundland, supplying the boat, among other things fresh water and bait for fishing toil, as I speak a few words in English, all the want to keep up, it’s popular on board!. 

…esta viajem que fizemos à Califórnia não pudemos ouvir o nosso interlocutor, mas prosseguimos com a história, não sei se estão lembrados, o Nico regressa da segunda safra, lá na Terra Nova, cá vai a continuação.

…depois de mais esta “safra”, regressa de novo, a Dina e os pais esperam-no na entrada da barra, mais beijos, lágrimas e risos de contentamento, em terra continua aprendendo inglês no liceu da cidade de Aveiro, namorando com a Dina e exercendo funções no seu trabalho temporário. Embarca para a terceira “safra”, o mesmo se segue, abraços à Dina, com beijos e promessas de fidelidade até à morte, a bordo, todos o conhecem, qualquer coisa que não funcione bem, é ao Nico que se dirigem, às vezes ignorando o capitão. Vêm de novo a terra, ao porto de St. John’s, no mar da Terra Nova, abastecerem-se, entre outras coisas, de água fresca e isca, o Nico já fala inglês com alguma facilidade, conhece outros mecânicos, pessoal de outros barcos, de outras nacionalidades. Há um capitão de um barco, de nacionalidade americana, que falando com ele, tomando conhecimento da sua especialidade a bordo, vendo nele um homem robusto e novo, oferece-lhe um contrato para trabalhar num barco de pesca nos Estados Unidos, no sul da Califórnia. O Nico, não lhe diz que sim, nem que não, mas ficam com o contacto um do outro. Regressa a bordo, é quase meia noite, mas no lugar do globo onde se encontra, ainda é dia, cá fora, no convés, escreve mais uma carta apaixonada à Dina, com promessas de amor que, quem sabe, talvez nunca virá a cumprir. Põe essa carta no correio, no porto de St. John’s, no mar da Terra Nova!.

…quando veio pôr a carta no correio para a Dina, vai de novo ao local onde se encontrava o tal capitão que lhe tinha feito a oferta, falam de novo, vão ao barco desse tal capitão, acertam tudo, quanto iria ganhar, quais as condições, como ia decorrer o processo, assina algumas folhas que eram só futuras promessas. Regressa a bordo, não sabe porquê, está confiante, sente-se um homem, apesar de ser um jovem ainda, pensa só para si:

– há um ditado que diz que o comboio não passa duas vezes, portanto vou apanhar este, pode ser que seja o meu!.

…regressou de mais uma “safra”, lá estava a Dina e os pais a espera na entrada da barra, mais beijos, abraços e lágrimas, no regresso a casa, o pai diz-lhe:

– hó Nico, chegou há dias uma carta dos Estados Unidos para ti, está lá em casa para tu veres!.

…o Nico, fazendo-se despercebido, disse:

– deve de ser algum amigo que eu conheci no porto de St. John’s, lá no mar da Terra Nova!.

…depois disto chegaram mais cinco cartas, o Nico, abriu-as, algumas continham documentos para preencher e assinar, outras eram pedidos de diversos certificados. Deu aviamento a tudo, sempre com desculpas de que eram amigos a escreverem-lhe, como ninguém compreendia inglês, a não ser ele, foi fácil enganar os pais e a Dina. A sua vida continuou a correr normalmente em terra, os beijos à Dina, o liceu, continuando a aprender inglês e o trabalho temporário na cidade de Aveiro!.

…embarca para uma quarta safra, tudo normal, a bordo continua a ser uma pessoa popular, mesmo o capitão João o chama muitas vezes para que lhe traduza algumas cartas em inglês ou para ouvir e responder às pessoas que avisam naquela zona do globo como está o tempo. Pouco a pouco vai-se inteirando de todas as tarefas a bordo, ganha experiência, vai resolvendo muitos problemas. Quando vêm meter isca a terra, fala e convive com pessoas de outras nacionalidades, em inglês, quase sem dificuldade, escreve cartas à luz do dia, embora seja meia-noite, com juras de amor eterno à Dina que, mais uma vez, não sabe se vai cumprir!.

…regressa, lá está a Dina e os pais, acenando-lhe na entrada da barra, mais beijos, lágrimas e risos de alegria, no regresso a casa, o pai diz-lhe:

– hó Nico, estão lá, mais umas tantas cartas para ti!. 

…o Nico, fazendo-se despercebido, disse:

– deve de ser de algum amigo que eu conheci, no porto de St. John’s, lá no mar da Terra Nova!.

…uma dessas cartas era do consulado dos Estados Unidos, para tratar de uns tantos documentos e apresentar-se para receber um visto e ir trabalhar para uma empresa marítima na Califórnia. Arranjou todos os documentos, o governo de Portugal, nesses tempos, depois de cumprir quatro anos na safra do bacalhau, não lhe pôs qualquer dificuldade!.

…vai ao consulado, é entrevistado, recebe um visto para emigrar para os Estados Unidos, regressando a casa, com alguma coragem, diz ao pai e à mãe:

– Vou emigrar para os Estados Unidos.

…contando-lhes toda a história desde o princípio, agora tinha que dizer à Dina. Foi vê-la, olhando-a nos olhos, explicou-lhe:

– Dina, meu amor, não podemos perder esta oportunidade!.

…explicou-lhe tudo desde o princípio, com a promessa de que iria na frente para ver como as coisas iriam correr, logo viria casar, levando-a para junto de si. Outra promessa, que não sabia se iria cumprir. O Nico, mais uma vez se despede com beijos, abraços e algumas lágrimas e embarca num navio de origem italiana, rumo aos Estados Unidos, desembarcando em Nova Iorque. Recebe nova documentação, toma o comboio, ao fim de uns dias sai na estação de caminhos de ferro “Santa Fé”, na cidade de São Diego, no estado da Califórnia, dirigindo-se à empresa marítima que lhe ofereceu emprego, que imediatamente lhe proporcionou alojamento, sendo uns dias depois, colocado em determinado barco de pesca, começando o seu trabalho!.

…sabendo o idioma inglês, conhecendo todo o sistema das máquinas da embarcação melhor do que ninguém, novo e sempre disponível para ajudar, em pouco tempo começou a ganhar a confiança dos colegas, que o convidavam para frequentes festas, que se realizavam nas redondezas. Numa dessas festas conhece uma rapariga que falava algumas palavras em português, pois os avós eram oriundos dos Açores, mas tanto ela como os pais já tinham nascido na Califórnia. Chamava-se Diane, já era a segunda vez que se cruzava com ela, pois a primeira foi no parque de estacionamento da empresa marítima, viu-a chegar de carro, ele ia entrando para o barco, pois iriam sair para o mar dentro de minutos, viu-a, despertou-lhe a atenção, pois ela fechou a porta do carro, com o pé, quase com um pontapé!.

…e pensou para si, na altura:

– Porra, mulher duma figa. Só na América!.

…este foi tema de começarem a conversar, entendiam-se, ela queria falar português, ele não se importava da companhia dela, tinha cabelo preto, um pouco acastanhado, era da altura dele, usava saia curta, um pouco abaixo dos joelhos, quando ela se movimentava, podia mesmo ver-lhe os joelhos, para ele, ela parecia-lhe bonita, falava com alguma desenvoltura, como já se conhecessem há anos. Ao Nico, dava-lhe a impressão que a Diane não tinha preconceitos, tratava-o por tu, tocava-lhe nos braços ao falar com ele, pedia-lhe para falar em português e, quando o Nico falava, ela ouvia-o com atenção, não sabendo se era para aprender português ou porque estava interessada nele, enfim, deixava-o confuso e, ao mesmo tempo, ficava a pensar nela.

…quando ficava a pensar na Diane, pegava na caneta e escrevia cartas apaixonadas à Dina. Ao fim de algum tempo, já não sabia se escrevia à Dina pensando na Diane, ou se pensava na Dina e queria ver a Diane. O certo é que já não sentia tanto a necessidade de escrever à Dina!.

…primeiro, começaram por encontrar-se por acaso no bar que havia junto à empresa marítima, onde em geral, todos os trabalhadores do mar se encontravam, depois já marcavam encontro, dizendo um ao outro:

– Amanhã, à mesma hora!.

This journey we made to California could not hear our interlocutor, butcontinue with the story, do not know if they are reminded, Nico returns the second season, there Newfoundland, here goes the continuation.

After more this “crop”, returns again, Dina and parents await you at the entrance of the bar, more kisses, tears and joy of laughter, on land still learning English in high school in the city of Aveiro, dating Dina and exercising their functions in temporary work. Embark for the third “season”, it follows, hugs to Dina, with kisses and promises of fidelity to death on board, everyone knows, anything that does not work well, it’s Nico heading sometimes ignoring the captain. Come back to earth, to the port of St. John’s, offshore Newfoundland, to obtain supplies, among other things, fresh and bait water, Nico already speaks English with some ease, meet other mechanical, employees from other boats of other nationalities. There is a captain of a ship, of American nationality, that talking to him, taking notice of their expertise on board, seeing in it a robust and young man, offers him a contract to work on a fishing boat in the United States, southern California. Nico, does not tell you yes or no, but remains with the contact of each other. Back on board, it’s almost midnight, but in place of the world where it is still daylight, outside, on the deck, write another letter in love with Dina, with promises of love which perhaps may never come to meet . Put this letter in the mail in St. John’s harbor, offshore Newfoundland. 

When it came to put the letter in the mail for Dina, go back to the place where was this captain who had made the offer, speak again, go to the boat that such captain, hit all, how much would win, what conditions , as I was during the process, sign a few leaves that were only future promises. Back on board, do not know why, is confident, feels a man, despite being a young still, just think to yourself: 

– There is a saying that the train does not pass twice, so I’ll take this, it may be that is mine. 

Returned from another “crop,” there was Dina and parents waiting at the entrance of the bar, more kisses, hugs and tears on the way home, the father tells him:

 – O Nico, arrived a few days ago a letter of United States for you, is there at home for you to view. 

Nico, making it unnoticed, said:

 – Must be a friend I met in St. John’s harbor, there in the sea of Newfoundland. 

After that came five cards, Nico, opened them, some containing documents to complete and sign, others were requests for various certificates. Gave goodwill to all, always with excuses that were friends to write to him, as nobody understood English, but to him, it was easy to fool parents and Dina. His life continued to run normally on land, kisses to Dina, high school, continuing to learn English and temporary work in the city of Aveiro. 

Embark for a fourth season, all normal, the board continues to be a popular person, even Captain John calls often to translate you some letters in English or to listen and respond to people who warn that area of the world as it is the time. Gradually will be acquainting all onboard tasks, gain experience, you will solve many problems. When they come get bait to land, speak and live with people of other nationalities, in English, almost without difficulty, writes letters in daylight, although it is midnight, with vows of eternal love to Dina that, once again, not you know whether it will meet. Returns, there is Dina and parents, waving it at the entrance of the bar, more kisses, tears and laughter of joy on the way home, the father says to him: 

– Ho Nico, are there, plus a many letters for you.

And Nico, making it unnoticed, said: 

– It must be from a friend I met in St. John’s harbor, there in the sea of Newfoundland. 

One of these letters was the US consulate to deal with some many documents and introduce yourself to get a visa and go to work for a shipping company in California. He arranged all the documents, the government of Portugal, at this time, after serving four years in the cod season, he did not put him any trouble. 

Go to the consulate, is interviewed, receive a visa to emigrate to the United States, returning home with some courage, says the father and mother: 

– I will emigrate to the United States. 

Telling them the whole story from the beginning, now I had to tell Dina. Went to see her, looking into her eyes, he explained: 

– Dina, my love, we can not lose this opportunity!.

He explained everything from the beginning, with the promise that it would ahead to see how things would go, he would soon marry, taking her to join them. Another promise, did not know if would meet. Nico, once again parting with kisses, hugs and some tears and boards a ship of Italian origin, to the United States, landing in New York. Receives new documentation, take the train, after a few days out in the railway station “Santa Fe” in the city of San Diego, in California, addressing maritime company that offered him a job, immediately you provided accommodation, a few days later, placed on certain fishing boat, starting your work. 

Knowing the English language, knowing the whole system of the machines of boat better than anyone, young and always available to help, and soon began to gain the trust of colleagues, who invited him to frequent parties, which took place nearby. In one of these parties know a girl who spoke a few words in Portuguese, for grandparents came from the Azores, but both she and her parents had been born in California, was called Diane, it was the second time we have crossed with her because the first was at the shipping company parking lot, he saw her arrive by car, he was entering into the boat, because they would go to sea within minutes, he saw her, aroused her attention as she closed the door the car with his foot, almost with a kick. 

And he thought to himself at the time: 

– Damn, woman of a fig. Only in America!. 

This was the subject of start talking, they understood each other, she wanted to speak Portuguese, he did not mind her company, had black hair, a little brownish, was his height, wore short skirt, a little below the knees when she was moving, I could even see her knees, for him, it seemed to him beautiful, spoke with some aplomb, as we have known each other for years. Nico, gave him the impression that Diane had no prejudices, was it for you, played into his arms when talking to him, asking him to speak in Portuguese, and when Nico spoke, she listened to him with attention, not knowing if it was to learn Portuguese or because I was interested in him, finally left him confused and at the same time, I was thinking about her, written to Dina thinking about Diane!

When he was thinking about Diane, I picked up the pen and wrote a passionate letter to Dina. After some time, I did not know was written to Dina thinking about Diane, or thought of Dina and wanted to see Diane. The truth is that no longer felt so compelled to write to Dina. 

First they started by meet by chance in a bar that was next to the shipping company, where in general, all workers of the sea were then already marked meeting, saying to one another: 

– Tomorrow, at the same time!. 

Hoje, vimos e falámos com o nosso interlocutor, é uma autêntica “picareta falante”, nunca está calado e, repete tudo, para ver se entendemos, não sei se estão recordados, o Nico encontrou uma nova rapariga de nome Diane, cá vai a continuação da história.

…passado um tempo, já se viam aos fins de semana, nas festas que se realizavam no clube dos Açores e, numa dessas festas, um dos presentes, homem já de uma certa idade, oriundo dos Açores, com responsabilidades numa quinta, propriedade do pai da Diane, pergunta-lhe:

– hó companheiro, de que ilha é o senhor, lá nos Açores?

…o Nico, muito admirado com a pergunta, responde:

– eu não sou dos Açores, eu sou do continente!.

…e logo lhe responde, o outro:

– então não é dos Açores, e anda a dançar com a filha do patrão!.

…o Nico ficou embaraçado, não soube o que responder, no entanto tomou alguma coragem e, quando teve oportunidade, perguntou à Diane:

– tu és filha do meu patrão?

…ao que ela respondeu, sorrindo:

– eu tentei manter esse pormenor em segredo, com receio que isso afectasse a nossa boa relação, todavia, não é só o meu pai que é dono. O meu pai, na altura, tinha dois barcos de pesca, associou-se à empresa, mas há mais sócios, mas isso não impede que sejas meu amigo, ou impede?.

…ele, de novo embaraçado, responde:

– não, não, só que uma rapariga bonita como tu, andares na companhia de um empregado!.

…ela, não o deixou acabar de falar, e disse-lhe:

– achas que sou bonita? Então por que esperas?.

…ele, ainda mais embaraçado, responde-lhe:

– espero, porquê?.

…ela, desinibida, alegre, responde-lhe:

– para me dares um beijo e, começares a namorar comigo!.

…o Nico ficou como uma criança, de cinco anos, a quem dão um brinquedo e não sabe para que serve. Primeiro, o seu pensamento parou, depois pensou na Dina, depois olhou para a Diane, mirou-lhe o corpo, de alto a baixo, fixou-lhe os olhos, viu ternura, carinho, talvez amor, paixão, um desejo percorreu-lhe o corpo, sentiu mesmo vontade de a beijar, como ela lhe pediu, não resistiu mais, quase sem querer, beijou-a na face. Ela, nesse momento, fechou os olhos, e pensou:

– “ele é mesmo bonito. Vai ser o meu marido, custe a quem custar”!.

..a Diane era uma mulher desinibida, sem preconceitos, sabia o que queria, não deixou mais o Nico, que aos poucos foi rareando as cartas para Portugal, acabando mesmo o namoro com a Dina e, claro, passado algum tempo, o clube dos Açores, na cidade de São Diego, estado da California, num domingo de primavera, fechou para o público, pois iria receber uma grande festa privada, que era a cerimónia do casamento da Diane com o Nico. Este, quando deu um beijo na Diane, após o padre, perante as pessoas presentes que enchiam a igreja, os ter pronunciado marido e mulher, pensou por instantes:

– “como foi possível ter vindo tão longe, encontrar um amor, numa mulher que eu não conhecia, que agora é minha esposa, que eu adoro. Como Deus é grande, sou tão feliz”!.

…a Diane, nesse preciso momento, pensava:

– “eu sabia que este homem iria ser meu. Que feliz que me sinto”!.

…a Diane, passado uns tempos, fica grávida, nasce um rapaz, o clube dos Açores volta a fechar para o público, pois realizou-se o baptizado do filho da Diane e do Nico, que ficou com o nome Michael, mas que todos chamavam Mike. A Diane era filha única, o Mike cresce com toda atenção que é possível dar a uma criança, em que toda a família põe os olhos, pensando que no futuro será um líder!.

…os pais da Diane também tinham outras propriedades, onde pastavam grandes manadas de vacas, com grandes pomares de árvores de fruto. O Mike frequentou escolas privadas, sempre com bom aproveitamento, nos tempos livres andava pelos jardins da casa e nas propriedades dos avós, descalço, a correr, atrás dos pássaros, para ver onde faziam os ninhos. Já mais crescido ingressa numa universidade, para continuar a estudar, com a intenção de se graduar em finanças, pois era essa a disciplina que a família queria, mas o Mike tinha outras ideias!.

…certo dia pela manhã, o Nico, ao levantar-se diz à Diane:

– Vou para a escola de novo, vou tirar as licenças de capitão de barco, para mim é fácil, pois já sei toda a técnica, embora não vá exercer, quero ter as licenças de capitão!.

…ela, como sempre, sorridente, responde-lhe:

– se é esse o teu sonho, realiza-o, mas creio que é mais útil se começares a tomar conta de alguma administração das propriedades dos meus pais, até mesmo lá na empresa marítima!.

…o Nico ficou a pensar. Os pais da Diane já não eram novos, e diziam-lhe:

– vocês deviam ir morar por uns tempos, lá no campo, naquela propriedade ao norte, ver como é bom cheirar as flores das árvores, agora sozinhos, com o Mike na universidade, até vos fazia bem, e claro, começavam a olhar por aquilo, pois nós já não somos crianças!.

…a Diane, quando ficou grávida, e depois quando do nascimento do Mike, teve alguns problemas, teve mesmo que ir para o hospital um mês antes de a criança nascer, os doutores na altura recomendaram que não tivesse mais filhos, pois já a mãe tinha tido o mesmo problema, quando do nascimento da Diane. Agora andava com algumas dores em toda a região da barriga, só ela sabia como se sentia, algumas vezes tentava esquecer, mas as dores estavam lá, por todo o tempo e um dia pela manhã, diz ao Nico:

– de algum tempo para cá, tenho uma dor aqui, não é bem aqui, parece que é em toda esta zona!.

…quando dizia isto, apalpava, toda a zona do estômago, em baixo… O Nico não a deixou acabar de falar. Imediatamente lhe disse:

– vamos já ver o nosso doutor, já me devias ter dito isso. És uma pessoa que toma tantas atitudes e esta não. Por Deus, veste-te, arranja-te, vou já telefonar a marcar consulta para esta manhã!.

…foram ver o doutor, que depois de a analisar, a manda internar no hospital para exames. A Diane foi internada, e nos exames foi-lhe detectada uma doença nova, a que nos dias de hoje, chamam câncer. Não resistiu, morreu uns meses depois, com dores de sofrimento, mas sorrindo, sempre que olhava para o Nico, o grande amor da sua vida!.

…o clube dos Açores voltou a fechar para o público, pois realizou-se um beberete, depois das exéquias do enterro da Diane!.

Today, we saw and we talked to our interlocutor, is an authentic “speaker Pick” is never silent and repeats everything to see if we understand, do not know they are remembered, Nico found a new Diane name of girl, here goes the continuation of the story. 

After a while, as could be seen on weekends, at parties that took place in the Azores club and one of these parties, one of those present, man has a certain age, coming from the Azores, with responsibilities on a farm, the parent property Diane, asks him:

– Oh companion, that island is the lord, there in the Azores? 

Nico, very surprised at the question, answers:

– I am not from the Azores, I am of the continent. 

And then he answers him, the other:

– So it’s not the Azores, and goes to dance with the boss’s daughter! 

Nico was embarrassed, did not know what to answer, but took some courage and when he hadopportunity, asked Diane:

– You aredaughter of my boss? 

To which she replied, smiling:

– I tried to keep that detail secret for fear that itaffect our good relationship, however, is not only my father owns. My father, at the time, had two fishing boats, joined the company, but there are more members, but this does not prevent you to be my friend, or prevents? 

He again embarrassed, replied:

– No, no, only a beautiful girl like you, floors in the company of an employee …

She did not let him finish speaking, and told him:

– You think I’m beautiful? So why wait? 

He, even more embarrassed, replied:

– I hope, why? 

And she, uninhibited, cheerful, replied:

– For giving me a kiss and start to date me. 

Nico was as a child of five years, who give a toy and does not know what it is for. First, your thoughts paused, then thought of Dina, then looked at Diane, took aim at his body, from top to bottom, fixed his eyes, he saw tenderness, affection, perhaps love, passion, a desire through her the body, feltsame desire to kiss her, as she asked him, did not resist more, almost inadvertently, he kissed her on the cheek. She, then, closed her eyes, and thought:

–  “He’s really cute It will be my husband, no matter whom cost.”. 

Diane was an uninhibited woman without prejudices, knew what he wanted, no more left Nico, which was gradually thinning the letters to Portugal, even ending the relationship with Dina and of course, after a while, the Azores club in the city of San Diego, state of California, a spring Sunday, closed to the public because it would receive a large private party, which was the Diane wedding ceremony with Nico. And whenkissed the Diane after the priest, to the people present that filled the church, have them pronounced husband and wife, he thought formoment:

– “How could have come this far, finding love a woman I do not know, who is now my wife, who I love. as God is great, I’m so happy. ” 

And Diane, at that moment, I thought:

– “I knew that this man would be my happy what I feel.”.

Diane, spent some time, becomes pregnant, born a boy, the Azores club back to close to the public, because there was the baptized son of Diane and Nico, who was named Michael, but everyone called Mike. Diane was an only child, Mike grows with all the attention you can give a child, where the whole family sets eyes, thinking that in the future will be a leader. 

Diane’s parents also had other properties where grazed large herds of cows with large fruit tree orchards. Mike attended private schools, always with good use, in his spare time he walked through the gardens of the house and on the properties of grandparents, barefoot, running behind the birds, to see where were the nests. Longer growing enters a university, to continue the study with the intention to graduate in finance, it was this discipline that the family wanted, but Mike had other ideas. 

One day in the morning, Nico, to get up he tells Diane: 

– I’m going to school again, I will take the boat captain licenses, for me it’s easy because I know all the technical, though not exercise, I want to have the captain’s licenses. 

She, as always, smiling, replied: 

– If this is your dream, realize it, but I think it is more useful if you start taking care of any administration of the properties of my parents, even there in the shipping company. 

Nico was thinking. Parents Diane were no longer new, and told him:

 – You should go and live for a while, there on the field, that property to the north, to see how good smell the flowers of the trees, now alone with Mike at the university it even made you well, of course, they began to look for it, because we are no longer children. 

Diane, when she became pregnant, and then when Mike’s birth, had some problems, even had to go to the hospital a month before the child is born, the doctors at the time recommended not to have more children because the mother had had the same problem when the birth of Diane. Now he was with some pain across the region of the stomach, only she knew how he felt, sometimes tried to forget, but the pains were there all the time and one day in the morning, says Nico:

 – From some time now I have a pain here, it’s right here, it seems that is in the whole area. 

When he said this, groped, the whole area of the stomach, below … Nico did not let her finish speaking. Immediately said: 

– We already see our doctor, I already should not have said that. You’re a person who takes so many attitudes and not this. By God, dress up, get you, I’ll call to make an appointment for this morning. 

They went to see the doctor, who after examining the orders admitted to the hospital for tests. Diane was hospitalized, and tests a new disease he was detected, that today, call cancer. She did not resist, died a few months later, suffering with pain, but smiling, whenever she looked at Nico, the great love of his life. 

The Azores club returned to close to the public, he held a cocktail reception after the funeral of Diane’s funeral!. 

Hoje voltámos a ver o nosso interlocutor, que além de falar, gosta de “Mal Assadas”, que é um doce característico da região dos Açores, também gosta de vinho tinto e o seu clube preferido é o Dallas Cowboy, por causa das raparigas com pouca roupa, que iniciam o espectáculo. Não sei se estão lembrados, o último capítulo terminou com a morte da Diane, cá vai a continuação.

…o Nico, agora viúvo, passava os dias, triste, sempre lhe vinham as lágrimas quando via na sua memória a falecida Diane, sorrindo-lhe. Não quis mais tirar as licenças de capitão de barco, nos primeiros tempos queria morrer também. Chegou mesmo a pensar em sair para o mar de barco, atirar-se borda fora, simulando um acidente. Aos poucos foi resistindo, começou a pensar no filho Mike, iria fazer tudo para fazer o que a falecida Diane lhe pediu nos últimos dias de vida, que era para o fazer homem honrado, digno do património dos avós.

…o Mike, na universidade não tinha muita vocação para finanças, o que adorava era a política. Fazia parte do comité de estudantes na altura das eleições para senador do estado, ajudava como voluntário, até tirava licença na universidade para andar por outras cidades, fazendo campanha. Gostava de política e iria ser um político.

…o pai Nico dizia-lhe:

– Mike, todo o património dos teus avós tem que ser administrado por alguém, esse alguém és tu, pensa bem meu filho!.

…mas o Mike, sorridente, como a falecida mãe, logo lhe respondia:

– Pai, não me ponhas responsabilidade e pressão em coisas que não penso, que por agora não me interessam, sabes o que agora me interessa? É que o senador que eu ajudo, seja eleito. Toma um beijo, vai divertir-te. Porque é que não vais ao teu Portugal, ao teu continente?

…e saía, porta fora, carregando bandeiras e panfletos de propaganda do seu senador!.

…os sogros de Nico tinham todas as propriedades bem administradas. Tinham encarregados em algumas quintas de gado, que sabiam o que faziam, alguns eram das ilhas, que ajudou a emigrar, eram sérios e respeitadores. Na empresa marítima, já era diferente, era um grupo de sócios, administrado por uma gerência, com alguns advogados e estava a seguir em frente, com as contas prestadas todos os meses, com esclarecimentos a todos os sócios. Portanto, estava tudo a rolar sem problemas. O Nico também já tinha conhecimento da organização e, em alguns casos, já assinava alguns papeis, mas ocupava o seu tempo em algumas quintas, vendo o gado pela manhã. Ao meio dia vinha a casa, comia algo, sozinho, depois ia até à empresa marítima, regressando de novo a casa. Não podia passar em frente ao bar onde se juntava com a falecida Diane, que lhe vinha um forte ataque de choro, tinha que parar o carro, era mais forte do que ele. A memória da falecida estava bem viva!.

…nunca mais tinha ido a Portugal, a principal razão era a vergonha, não tinha coragem de enfrentar a Dina, se a voltasse a ver, chegou a convidar os pais para virem ao seu casamento, mas não vieram, respondendo-lhe que eram pessoas de uma só cara, honrados, que cumpriam a sua palavra, coisa que ele não fez. Estavam ambos vivos, mas não o queriam ver, depois do que fez à Dina. E diziam mesmo, nas cartas que a princípio escreviam, que tinham perdido um filho, mas tinham ganho uma filha, que era a Dina!.

…estas palavras, agora sozinho, começavam a vir de novo ao seu pensamento, algumas vezes já ocupavam mais o seu pensamento do que as saudades da sua querida Diane, e pensava:

– que sorte a minha, meu Deus, vim à procura da fortuna, encontrei-a, agora sou rico, financeiramente, estou em muito boas condições, mas estou sozinho e infeliz, não sei se vou resistir muito mais!.

…nesse mesmo dia, ao cair da tarde, os sogros vieram visitá-lo, e disseram-lhe:

– então Nico, como vais homem? E o nosso neto Mike, como vai nos estudos? Aparece lá por casa, leva-o, queremos ver o nosso neto, tens que começar a sair mais de casa, ninguém vai dar vida à nossa Diane.

…e dito isto, limparam umas lágrimas!.

…passaram uns anos, o Nico foi aos poucos tomando conta de toda a organização e do património dos sogros, o Mike, acabou o curso de finanças, mas era deputado na cidade, andava em campanha para presidente da câmara. Ajudava o pai, mas pouco, todo o seu tempo eram reuniões do partido e envolvido na campanha. Passados uns meses foi  eleito presidente da câmara!.

…o clube dos Açores fechava muitas vezes ao público, pois estava sempre ocupado com reuniões e comícios, do presidente Mike, que estava a subir na política a olhos vistos!.

…o Nico andava com uma ideia, que cada vez lhe ocupava mais o pensamento, não podia viver mais no meio de toda aquela riqueza, sabendo os seus pais velhos, em Portugal, que já não respondiam às suas cartas, algumas pedindo perdão, há alguns anos. Tinha que fazer algo, estes pensamentos atormentavam-no, ocupavam a sua mente durante todo o tempo, algumas vezes, já não pensasse na falecida Diane, até já nem olhava para a sua fotografia quando se levantava pela manhã, depois de acordar de alguns sonhos, onde os pais o corriam, dizendo:

– sai da nossa frente, desgraçado, que nos envergonhaste, repara naquela rapariga!

…e via a figura da Dina, que não era bem a Dina, era uma árvore onde ela aparecia, com cara de amor, chorando, quando da sua despedida e, os juramentos de amor eterno, logo lhe vinham ao pensamento, passando o resto do dia atormentado!.

…os sogros, passado um tempo, foram internados numa casa de pessoas idosas, onde os tratavam muito bem, mas para eles tanto fazia bem ou mal, pois já estavam ambos com uma doença, não conhecendo nem se lembrando de ninguém, balbuciando apenas algumas palavras que não se compreendiam. Os doutores diziam que estavam por dias, meses, ou até talvez anos, mas não tinham cura, iriam morrer assim!.

…o filho Mike andava a concorrer para senador, iria ser eleito, pois o partido investiu nele, no entanto, o Nico, tinha uma ideia diferente a respeito do filho e, comentava só para si:

– o meu filho não vai suportar por mais tempo ser o pau mandado de todos aqueles ricalhaços, que só querem é leis que os protejam, para continuarem a fumar charuto e olharem para um cifrão, sem quererem saber de mais nada, a não ser os seus privilégios, enriquecerem com prejuízo de todas as pessoas, principalmente aquelas com menos recursos financeiros, os ditos pobres. Eu conheço o meu filho, ele qualquer dia “bate com a porta”, como se dizia lá nas Gafanhas, em Portugal!.

…como estava certo o Nico nos seus pensamentos, na verdade o senador Mike foi eleito, exerceu por quase dois anos o seu mandato, chegou a ser nomeado o porta-voz do partido no congresso, no entanto não exerceu o cargo, pois as ideias que o seu partido lhe comunicava para ele dizer e fazer no senado, não iam de acordo com os seus sentimentos, renunciou ao cargo, com a desculpa que tinha que se encarregar dos negócios da família, pois entretanto os avós morreram, o seu pai já estava um pouco avançado na idade!.

…e deste modo renunciou ao cargo, numa altura que tinha um futuro bastante promissor na sua frente, se concordasse com as ideias do seu partido, no entanto, foi a pessoa de descendência portuguesa que exerceu um cargo com mais valor no governo dos Estados Unidos!.

Today we again see our interlocutor, who in addition to speaking, like “Evil Pot Roast”, which is a typical sweet of the Azores, also enjoys red wine and your favorite team is the Dallas Cowboys, because girls scantily clad, who begin the show. I do not know if they are reminded, the last chapter ended with the death of Diane, here goes the continuation. 

Nico, now widower, he spent his days, sad, always came him when he saw the tears in her memory the late Diane, smiling at him. Did not want to take over the boat captain licenses in the early days wanted to die too. I even think of going out to sea by boat, throwing himself overboard, simulating an accident. Gradually was resisting, he began to think of Mike son, would do everything to make what Diane deceased asked him in the last days of life, which was to make honorable man, worthy of the heritage of grandparents. 

Mike, the university did not have much talent for finance, who was loved politics. It was part of the committee of students at the time of the elections for state senator, helped asvolunteer to leave the university took to walk by other cities, campaigning. I liked politics and would be a politician.

 Nico father told him:

– Mike, all the assets of your grandparents must be administered by someone, that someone is you, and think my son!. 

But Mike, smiling, as the dead mother, then answered him:

– Father, do not put me responsibility and pressure on things that do not think that for now do not interest me, you know what interests me now? It is the senator who I help, is elected. Take a kiss, will amuse you. Why are not you at your Portugal, to your continent? 

And left, outdoor, carrying banners and propaganda leaflets from your senator. 

The laws Nico all had good properties administered. Were charged in some cattle farms, they knew what they were doing, were some of the islands, which helped to emigrate, were serious and respectful. In the shipping company, it was different, it was a group of partners, managed by a management with some lawyers and was moving forward with the accounts rendered every month, with explanations to all members. So everything was rolling smoothly. Nico also had knowledge of the organization and, in some cases, already signed some papers, but occupied their time in some farms, seeing the cattlethe morning. At noon she came home, ate something, alone, then went to the shipping company, returning back home. I could not pass in frontthe bar where it joined with the late Diane, that came a strong cry attack, had to stop the car, it was stronger than him. The memory of the deceased was alivewell. 

Never had gone to Portugal, the main reason was the shame, did not dare to face Dina, to return to see even invited parents to come to your wedding, but did not come, answering him they were people one man, honorable, who fulfilled his word, which he did not. They were both alive, but did not wantsee, after what he did to Dina. And even said in the letters that the first writing, who had lost a child, but had gained a daughter, who was Dina. 

These words, now alone, began to come again to their thinking, sometimes already occupied more their thinking than miss his beloved Diane, and thought:

– Lucky me, my God, I have come in search of fortune, found her, I’m rich now, financially, I’m in very good condition, but I am alone and miserable, I do not know if I will resist more. 

That same day, in the evening, the in-laws came visit him, and said to him:

– So Nico, how you doing man? And our grandson Mike, how are the studies? Appears there forhouse, takes you, we want to see our grandson, you have to start to leave the house, no one will give life to our Diane. 

And having said that, wiped some tears.

Passed few years, Nico was gradually taking over the entire organization and heritage-laws, Mike, over the course of finances, but was deputy in the city, walked campaigning for mayor. He helped his father, but little, all his time were party meetings and involved in the campaign. A few months later he was elected mayor. 

The Azores club often closed to the public because it was always busy with meetings and rallies, President Mike, who was to rise in politics before our eyes. 

Nico walked with an idea, which increasingly occupied it more thought, could not live in the middle of all this wealth, knowing their old parents in Portugal, which no longer responded to his letters, some asking for forgiveness, there is some years. Had to do something, they tormented him in thoughts, occupied his mind all the time, sometimes no longer think of the late Diane, have even not even look at his picture when he rose in the morning, after wake up some dreams where his parents ran, saying:

 – Get out of us, wretched, that shamed us notice that girl! 

He saw the figure of Dina, who was not quite Dina, was a tree where she appeared with love face, crying, when his farewell, and the oaths of eternal love, then came down thinking, spending the rest of tormented day!. 

In-laws, after a while, were admitted to a home for the elderly where treated very well, but they both did good or bad, because they were already both with a disease, not knowing or remembering anyone, babbling a few words who do not understand. Doctors said they were for days, months or maybe even years, but had no cure, would die as well. 

Mike son walked to run for senator, he would be elected as the party invested in it, however, Nico, had a different idea about the child, and remarked to himself: 

– My son will not bear any longer be sent stick all those toffs who only want is legislation to protect them, to continue smoking cigar and looking at a dollar sign, without wanting to know anything else, unless their privileges, enrich themselves to the detriment of all people , especially those with fewer financial resources, the poor said. I know my son, he every day “slams the door,” as was said in there Gafanhas in Portugal!. 

How was right Nico in his thoughts, in fact Senator Mike was elected, held for nearly two years his mandate came to be named the party spokesman in Congress, however not held the position as the ideas that his party communicated to him for him to say and do in the senate, did not go according to your feelings, resigned, with the excuse that he had to take charge of the family business, as though the grandparents died, his father was already a little advanced in age. 

And so resigned at a time he had a very promising future in front of him, if he would agree with the ideas of his party, however, was the Portuguese descent who exercised a position with more value in the US government!. 

Companheiros, o tempo cura tudo, o nosso interlocutor, à parte, disse-nos que quando era jovem, também sofreu uma grande dor de amor, pois a sua namorada fugiu para uma praia no México, com o seu melhor amigo, que sabia todos os seus segredos, anos mais tarde, regressaram, pedindo-lhe perdão e, ele já não se lembrava da cara da namorada, mas adiante. Lembram-se que no último episódio o Mike deixou a política? Cá vai a continuação.

…agora, o Nico, com o filho Mike, à frente de todos os negócios, tinha mais tempo livre, começou por dizer ao filho:

– eu não preciso de te dizer nada que tu já não saibas, gere os negócios dos teus avós, o melhor que puderes, e se vires que eu ajudo em alguma coisa só dizes, que eu vou acabar com os pensamentos horríveis que tenho na cabeça!.

…o Mike, ao ouvir estas palavras da boca do pai, ficou um pouco assustado, e responde:

– que pensamentos horríveis, são esses pai?

…e o Nico, diz-lhe:

– quero ir a Portugal, ver se os teus avós, ainda estão vivos!.

…o Mike, abraça-se ao pai, e diz-lhe:

– até que enfim, ganhaste coragem, vai, se forem vivos, podias trazê-los, aqui há muito espaço para eles!.

…o Nico, outra vez com coragem, vem no comboio até Nova Iorque, compra passagem num navio com bandeira italiana que fazia a carreira da Europa, passando por Lisboa, e embarca.

…passados uns dias, com uma pequena paragem no porto de Vigo, Espanha, desembarca em Lisboa, vem um pouco nervoso, não sabia bem se era dos nervos ou outra coisa qualquer, mas não vinha confiante. Toma o comboio para a cidade de Aveiro, toma um táxi, viajando para o lugar onde vivia quando jovem, que o deixa à porta da taverna, que já não era taverna mas sim um café, com uma esplanada com algumas cadeiras. Entra sem dizer nunca quem era, pergunta pelos pais, se ainda eram vivos, e o dono, homem novo, não se recordava de ninguém com esse nome. Nesse instante, vem de lá de dentro uma mulher, que estava na cozinha, limpando as mãos ao avental que trazia vestido, e diz:

– devem ser aqueles que viviam naquelas terras perto do canal de água salgada!. …óh, já morreram há alguns anos, estão no cemitério numa campa muito bonita, logo à entrada, está sempre cheia de flores!.

…o Nico não pôde ouvir mais, primeiro começaram uns suores frios, depois começou a faltar-lhe a vista, a cambalear, sentou-se numa cadeira, os donos do café, vendo-o assim, perguntam-lhe:

– O senhor sente-se bem? Oh homem vai buscar um copo com água. Meu Deus, que o senhor está com uma cara!

…o Nico, bebeu a água, já com um pouco mais de força, respondeu:

– Não é nada, deve de ser da fraqueza, pois ainda hoje não comi nada, mas digam-me onde é o cemitério?

…o Nico, depois de informado, caminha com passos lentos até ao cemitério, vai direito à campa onde pensa que os seus pais estão enterrados, vê uma senhora vestida de preto, ajoelhada na frente da campa, rezando. Ele, a muito custo, pois as palavras não lhe saíam, pergunta:

– desculpe, é aqui que estão enterrados?…

…não acabou de terminar as palavras, pois essa senhora era a Dina que esperou toda a sua vida pelo seu amor. Ao ouvir estas palavras, logo reconheceu o seu Nico e, tal como fez, quando ele lhe pediu para namorar com ele, o encheu de beijos, na frente de toda a gente. Agora se levantou, olhou para o Nico, abraçou-se a ele, dizendo:

– eu sabia que regressarias, tal como prometeste, eu acreditava, sabia que falavas verdade quando me disseste que logo virias para casar comigo, me ias levar para os Estados Unidos, afinal, era verdade, continuo com o meu enxoval completo, esperando por ti!.

…em seguida lhe contou todos os anos de ausência, esperando por ele, os seus pais, na altura da sua morte, deixaram uma carta onde o perdoavam e o compreendiam.

…casaram numa capela das Gafanhas, regressando ambos aos Estados Unidos, onde o Mike, antigo político de profissão, ao recebê-los, sorridente, de braços abertos, tal como fazia nos comícios de propaganda do seu partido, lhes disse:

– então pai, que mãe mais bonita me arranjaste, não deve nada à minha falecida mãe. Parabéns pai!.

…e o clube dos Açores fechou de novo as portas ao público para celebrar uma festa privada, comemorando a chegada do patrão Nico e da sua esposa.

…e em breve iria fechar de novo as portas ao público, mas desta vez para celebrar a festa de casamento do Mike, pois andava de amores com uma rapariga cujos bisavós tinham emigrado dos Açores, que era desinibida e sem preconceitos, tinha cabelo preto, quase castanho que lhe tocava nos braços quando lhe falava e usava uma saia curta, mesmo curta, um pouco abaixo do joelho, que quando se movimentava, os deixava ver!.

Fim.

Time heals all, our party, the party, told us that when he was young, also suffered great pain of love for his girlfriend fled to a beach in Mexico, with the his best friend, who knew all his secrets, years later, returned, asking for forgiveness and he no longer remembered his girlfriend’s face, but forward. Remember that in the last episode Mike left politics? Here’s the sequel. 

Now, Nico, with his son Mike, ahead of all businesses, had more free time, he began to say to his son:

– I do not need to tell you nothing you did not already know, manages the business of your grandparents, best I can, and if you see that I help in something just say, I’ll end up with horrible thoughts I have in my head. 

Mike, hearing these words of his father’s mouth, got a little scared, and answers:

– What horrible thoughts are these father? 

And Nico says to him:

– I want to go to Portugal, see if your grandparents are still alive. 

Mike, hugging herself to the father, and tells him:

– At last, you have gained courage, will, if they are alive, you could bring them, here there is much room for them.

Nico, again with courage, come on the train to New York, buy passage on a ship flying the Italian flag which made his career in Europe, via Lisbon, and ships. 

After a few days, with a short stop in the port of Vigo, Spain, arrives in Lisbon, comes a little nervous, not sure if it was nerves or something, but did not come confident. Take the train to the city of Aveiro, take a taxi, traveling to the place where he lived as a young man, which leaves the door of the tavern, which was no longer tavern but a café, with a terrace with some chairs. It goes without saying who was never asks the parents, if they were still alive, and the owner, young man, did not recall anyone by that name. Just then comes from inside a woman, who was in the kitchen, wiping her hands on her apron that was wearing, and says:

 – Must be those who lived in those lands near the saltwater canal. Oh, they died some years ago, are in the cemetery in a beautiful grave, at the entrance, is always full of flowers. 

Nico could not hear, first started a cold sweat, then began to miss her view, to stagger, he sat in a chair, coffee owners, seeing him, ask him: 

– You Sit well? Oh man will fetch a glass of water. My God, that you are with a man! 

Nico, drank the water, as with a little more force, said: 

– It’s nothing, should be the weakness, for today I have not eaten anything, but tell me where is the cemetery? 

Nico, after informed, walks with slow steps to the cemetery, going right to the grave where you think your parents are buried, see a lady dressed in black, kneeling in front of the grave, praying. He, at great cost, because the words do not you went, question: 

– Sorry, this is where are buried …? 

Not just finished the words, because this lady was Dina who waited all his life for his love. At these words, he recognized her and Nico, as he did when he asked her to date him, filled him with kisses, in front of everybody. Now stood up, looked at Nico, she embraced him, saying:

 – I knew would regress, as promised, I believed, knew that you spoke truth when I said that soon would come to marry me, take ias me to the United States, after all, it was true, I continue with my complete outfit, waiting for you. 

Then told him all year absence, waiting for him, his parents, at the time of his death, they left a letter in which the forgive and understand. 

They married in a chapel of Gafanhas, returning both to the United States, where Mike, political old profession, to receive them, smiling with open arms, as he did in his party’s propaganda rallies, he said:

 – So father, the most beautiful mother did you get me, owes nothing to my late mother. Congratulations, Dad!. 

And the Azores club closed again the doors to the public to celebrate a private party, celebrating the arrival of Nico boss and his wife. 

And soon would close again the doors to the public, but this time to celebrate Mike’s wedding party, because he walked in love with a girl whose grandparents had emigrated from the Azores, it was uninhibited and without prejudice, had black hair, almost brown he touched his arms and speaking to him when wearing a short skirt, even short, just below the knee, which when moved, the left view!. 

End. 

Tony Borie, November 2017.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s