…o nosso macaco!. (Our monkey)!.

…o nosso macaco! (Our monkey)!.

…é impossível esquecer as nossas experiências na guerra e, aquilo que nos ajudou a sobreviver lá, agora, já lá vão mais de cinquenta anos, não funciona muito bem na nossa normal vida, no entanto ainda vai sendo possível lidar com tudo isto positivamente, vamos assumindo o control do pensamento, exalando alguma energia positiva, pelo menos contando estas experiências, para que pelo menos a juventude, compreendam e nunca tentem começar ou viver uma qualquer guerra, por mais pequena que seja!. (It is impossible to forget our experiences in the war and, what helped us to survive there, now, for more than fifty years, does not work very well in our normal life, however it will still be possible to deal with all this positively, we are taking control of the thought, exhaling some positive energy, at least telling these experiences, so that at least the youth, understand and never try to start or live any war, no matter how small)!.

…aliás, não existem guerras pequenas, todas são horriveis e mortíferas, onde não se explicam, injustiças, alguns actos de profunda repugnância e violência, onde resultaram, combates, mêdo, fúria e mortes!. Enfim, esta última vertente da guerra, naquela época e naquele local, trazia-nos estarrecidos com o mêdo e algo angustiados!. (In fact, there are no small wars, all of them are horrible and deadly, where there is no explanation, injustices, some acts of deep disgust and violence, which resulted in combats, fear, fury and deaths !. Anyway, this last aspect of the war, at that time and in that place, brought us terrified with fear and something anguished)!.

…e hoje, na nossa já um pouco avançada idade, um simples sorriso, cria-nos alguma felicidade, trazendo descanso ao cansado, alegria para o desanimado, sol para o triste, sendo talvez um dos melhores antídotos da natureza para aqueles problemas, que principalmente as pessoas já sem muitas ocupações, recordam o seu passado, vivem das recordações e vivências de quando eram jovens, já cansadas demais para sorrirem, mas que precisam de um sorriso para os estimularem e, ninguém é tão rico ou poderoso que se possa dar bem sem ele, assim como também ninguém é tão pobre, que não se sinta enriquecido por o receber!. (And today, in our already a little old age, a simple smile creates some happiness, bringing rest to the tired, joy to the discouraged, sun to the sad, being perhaps one of the best antidotes of nature for those problems , who mainly people without many occupations, remember their past, live from the memories and experiences of when they were young, already too tired to smile, but who need a smile to stimulate them, and nobody is so rich or powerful that they can do well without it, just as no one is so poor that they don’t feel enriched by receiving it)!.

…sim, um simples sorriso, tal como o que nos proporcionava o nosso “macaco”, com as suas brincadeiras e travessuras cómicas, pois era um animal de estimação que adoptámos, e nos fazia companhia, naquele horrível cenário da Guerra Colonial Portuguesa, vivida no interior da então província da Guiné, naquela África, onde o sol queimava e a chuva por vezes era torrencial, animal este, trazido do “mato”, dos muitos que por lá existiam, vivendo nas savanas ou nas árvores da floresta!. (Yes, a simple smile, such as that offered by our “monkey”, with its comical jokes and antics, as it was a pet that we adopted, and kept us company, in that horrible scenario of the Portuguese Colonial War , lived in the interior of the then province of Guinea, in that Africa, where the sun burned and the rain was sometimes torrential, this animal, brought from the “bush”, of the many that existed there, living in the savannas or in the trees of the forest)!.

…árvores, que naquela época e naquela região, cresciam com alguma liberdade e, onde nós procurávamos o seu fruto para comer, ao contrário dos dias de hoje, onde alguns procuram única e simplesmente, “os frutos materiais das árvores”, cortando-as, matando-as, na procura de um enriquecimento rápido!. (Trees, which at that time and in that region, grew with some freedom and, where we looked for their fruit to eat, unlike today, where some seek only and simply “the material fruits of trees”, cutting them, killing them, in search of quick enrichment)!.

…criámos este animal desde bébé, baptizando-o em homenagem ao nosso cão “piloto”, que nos fazia companhia enquanto crianças, lá naquela aldeia, situada na vertente agreste da Montanha do Caramulo, onde a crosta terrestre, lentamente começava a ser plana, flutuando por perto as zonas ribeirinhas do Rio Águeda, onde pela noite, não havendo luz eléctrica, se a terra tremesse, nascendo dos céus uma pequena luz, que seria uma qualquer estrela, talvez uma estrela nova, daquelas que fazem oscilar um continente, ninguém dava por isso!. (We created this animal since baby, baptizing it in honor of our “pilot” dog, who kept us company as children, there in that village, located in the rugged slope of the Caramulo Mountain, where the earth’s crust slowly began to be flat, floating close to the riverside areas of the Águeda River, where at night, without electric light, if the earth shook, a small light would rise from the heavens, which would be any star, perhaps a new star, of those that make a continent oscillate , nobody noticed it)!.

…quando ali chegámos, ao interior da África, era uma aldeia onde ajudámos a construir um aquartelamento militar, que poderíamos considerar um “Posto Avançado”, ou seja, um lugar onde os militares de combate, tomavam conhecimento das primeiras savanas, rios, riachos, bolanhas, (terras lamacentas de cultivo de arroz), pântanos e florestas de trilhas frescas, usadas pelos guerrilheiros que lutavam pela independência do seu território, querendo libertar-se da presença dos Europeus, que por ali andavam há quase quinhentos anos!. (When we arrived there, in the interior of Africa, it was a village where we helped to build a military barracks, which we could consider an “Outpost”, that is, a place where the combat soldiers, took notice of the first savannas, rivers , streams, bolanhas, (muddy rice cultivation lands), swamps and fresh trail forests, used by the guerrillas who were fighting for the independence of their territory, wanting to free themselves from the presence of Europeans, who had been walking there for almost five hundred years!).

…e quase todos os militares ali estacionados tinham o seu macaco, animal que acarinhávam!. Andavam a passeá-los pelo aquartelamento, e não raro era o caso, em que os traziam para a aldeia, em especial para a sede o clube de futebol, como por exemplo o soldado “Setubal”, que chegou a ter dois macacos, um já adulto e outro bebé, e também um periquito, e claro, às vezes andava de periquito ao ombro e um macaco montado no outro, passeando na aldeia e, tanto o periquito, como os macacos, faziam o que ele mandava, parecendo tal e qual, como se vê num qualquer espectáculo de um qualquer zoo!. (And almost all the soldiers stationed there had their monkey, an animal they cared for!. They were walking around the barracks, and it was often the case that they brought them to the village, especially the football club, such as the soldier “Setubal”, who even had two monkeys, one already an adult and another baby, and also a parakeet, and of course, sometimes he rode a parakeet on his shoulder and a monkey mounted on the other, strolling in the village, and both the parakeet and the monkeys did what he said, looking like that and which, as seen in any show in any zoo)!.

…quando não estavam na nossa companhia, viviam debaixo de uma grande árvore, que existia dentro do aquartelamento, parecendo um auténtico jardim zoológico tal era o número de gaiolas com macacos e alguns pássaros exóticos, sendo tratados pelos respectivos donos, que passavam horas, alimentando-os com frutas, folhas, sementes, nozes, flores, e até pequenos animais, incluindo insetos e aranhas!. (When they were not in our company, they lived under a big tree, which existed inside the barracks, looking like an authentic zoo such was the number of cages with monkeys and some exotic birds, being treated by the respective owners, who spent hours , feeding them fruits, leaves, seeds, nuts, flowers, and even small animals, including insects and spiders)!.

…este grupo de macacos, que podia ser chamado de tribo ou até mesmo tropa, que nós alimentávamos e dispensávamos algum carinho, talvez pela sua semelhança psicológica e física com os seres humanos e, também na cultura popular são um símbolo de brincadeira, travessuras e diversão, e claro, ajudáva-nos na nossa segurança, porque se alguém estranho, penetrasse no aquartelamento, pela calada da noite, os primeiros a fazer barulho, eram os macacos!. (This group of monkeys, which could be called a tribe or even a troop, that we fed and gave some affection to, perhaps because of their psychological and physical similarity with human beings and, also in popular culture, are a symbol of play, mischief and fun, and of course, helped us in our security, because if someone strange, penetrated the quarter, by the dead of night, the first to make noise, were the monkeys)!.

…adoramos a natureza, tentando conservá-la, e não negamos que talvez esta virtude tenha começado lá naquela África um pouco selvagem, onde havia uma árvore de pequena estatura, mas muito florida, que nasceu junto a um pegueno pântano, que existia dentro do aquartelamento, ao fundo, mais a oeste, onde pela manhã se cobria de periquitos e outras aves exóticas, muito coloridas e, nós quase todos os dias lá ía-mos colocar comida em cima de um tampão de um barril de vinho vazio, onde os pássaros iam comer, empurrando-se uns aos outros, pois cobriam completamente o tampão do barril, e nós dizia-mos com algum orgulho que, “aquela árvore, era a nossa gaiola de periquitos!. (We love nature, trying to conserve it, and we do not deny that perhaps this virtue started there in that somewhat wild Africa, where there was a small tree, but very flowery, that was born next to a small swamp, that existed inside the barracks, in the background, further to the west, where in the morning it was covered with parakeets and other exotic birds, very colorful and, almost every day we would put food on top of an empty wine barrel cap, where the birds went to eat, pushing each other, as they completely covered the barrel cap, and we said with some pride that, “that tree, was our cage of parakeets)!.

…nós, que naquele cenário de uma guerra terrestre de guerrilha, éramos o “Cifra”, um soldado desarmado, onde a disciplina de um campo de batalha não era lá muito eficaz para a nossa sobrevivência, onde um pequeno descuido ou desleixo, onde as emboscadas, minas ou fornilhos, podiam a qualquer momento fazer com que a nossa alma nos abandonasse, na procura de uma qualquer galáxia distante!. (We, who in that scenario of a terrestrial guerrilla war, were “Cifra”, an unarmed soldier, where the discipline of a battlefield was not very effective for our survival, where a little carelessness or negligence, where ambushes, mines or tanks, could at any moment cause our soul to abandon us, in search of any distant galaxy)!.

…e, onde uma tijela de arroz ou um naco de pão era mais importante do que uma ração de combate, às vezes até mesmo do que a espingarda G-3, onde os campos abandonados da plantação de arroz, se transformaram em pântanos perigosos, onde o volume e o ruído do fogo inimigo nos trazia estarrecidos, onde só talvez, o tabaco, o escesso de álcool, o cuidar e a companhia destes animais, que nos ouviam em silêncio, embora não compreendessem as nossas palavras de sofrimento, nos dava algum miserável conforto!. (And where a bowl of rice or a loaf of bread was more important than a combat ration, sometimes even than the G-3 shotgun, where the abandoned fields of the rice plantation have turned into swamps dangerous, where the volume and the noise of the enemy fire brought us terrified, where only perhaps, tobacco, heavy alcohol, the care and company of these animals, who listened to us in silence, although they did not understand our words of suffering, it gave us some miserable comfort)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

2 thoughts on “…o nosso macaco!. (Our monkey)!.

  1. Mais uma vez gostei, da tua facilidade em escrever, temas de histórias passadas mas muito reais. Um grande abraço amigo Tony Roger

    Tony Borie – Pieces of my life escreveu no dia sábado, 18/07/2020 à(s) 08:36:

    > tonisaborie posted: ” …o nosso macaco! (Our monkey)!. …é impossível > esquecer as nossas experiências na guerra e, aquilo que nos ajudou a > sobreviver lá, agora, já lá vão mais de cinquenta anos, não funciona muito > bem na nossa normal vida, no entanto ainda vai sendo possí” >

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s