…New Orleans!

Nova Orleães!. (New Orleans)!.

…muitas pessoas, quando ouvem falar no estado da Louisiana, pensam um pouco e, logo exclamam:

– Hó, sim, Nova Orleães!.

…e nós dizemos, Nova Orleães, mais o “Bairro Francês”, que é designado por “French Quarter”, a culinária “Créole”, o Rio Mississippi, umas outras tantas atracções turísticas e, o pirata Jean Lafitte, que é uma figura de um tempo romântico e brutal que simplesmente faz parte do maravilhoso folclore do sul da Louisiana!.

(Many people, when they hear of the state of Louisiana, think a little and then exclaim:

– “Yes, yes, New Orleans!”

And we say, New Orleans, plus the “French Quarter”, the Créole cuisine, the Mississippi River, a few other tourist attractions, and the pirate Jean Lafitte, who is a figure of a romantic and brutal time that is simply part of the wonderful folklore of southern Louisiana)!.

…esta personagem, do pirata Jean Lafitte, ainda hoje ninguém sabe se foi um pirata ou um herói nacional, onde nasceu ou onde morreu, tudo isso permanece um mistério, no entanto continua sendo um dos nomes mais reconhecidos, quando se fala sobre figuras na história de Nova Orleães, e claro, da Louisiana!. (this character, from the pirate Jean Lafitte, still today nobody knows if it was a pirate or a national hero, where he was born or where he died, all this remains a mystery, nevertheless remains one of the most recognized, when talking about figures in the history of New Orleans, and of course, of Louisiana)!.

…nascido, em algum momento, entre 1770 e 1776, na França ou talvez no que é agora Tahiti, a sua primeira aparição foi em torno de 1804, quando a Louisiana se tornou parte dos Estados Unidos!. Logo em seguida, por volta do ano de 1807, entrou em vigor uma “Lei de Embargo”, proclamando que, nenhum navio americano poderia visitar portos estrangeiros, e claro, imediatamente começaram a aparecer as “estradas contrabandistas”, com muitos bens ilegais entrando nos portos da Louisiana e, Jean Lafitte aproveitou a situação, trabalhando com seu irmão, num porto ilegítimo na Baía de Barataria, bem longe de uma base naval dos USA, traficando desenfreadamente contrabando despercebido!. Nova Orleães beneficiou do comércio livre e não tributado, as pessoas saudaram Jean Lafitte como um herói, mas para o governo dos USA, Jean Lafitte era um pirata criminoso! (born at some time between 1770 and 1776 in France or perhaps in what is now Tahiti, his first appearance was around 1804 when Louisiana became part of the United States!. Shortly thereafter, around 1807, a “Law of Embargo” came into effect, proclaiming that no American ship could visit foreign ports, and of course, immediately began to appear the “smuggling roads”, with many illegal goods entering in the ports of Louisiana, and Jean Lafitte took advantage of the situation, working with his brother, in an illegitimate port in Barataria Bay, far from a naval base of the USA, raffling unnoticed smuggling! New Orleans benefited from free and untaxed commerce, people hailed Jean Lafitte as a hero, but for the US government, Jean Lafitte was a criminal pirate)!.

…o seu negócio cresceu, com os seus corsários organizando embarques e venda de mercadorias contrabandeadas, mas Jean Lafitte queria mais, possuindo a sua frota de navios piratas, com capitão e tripulação treinadas, até que foi capturado um dos seu navios, em que a carga vendida em público, obteu um lucro fabuloso para a época, quase $20,000!. Todavia isso, foi um motivo para aprender melhor a maneira de enganar os oficiais navais!. (his business grew, with his corsairs arranging shipments and sales of contraband goods, but Jean Lafitte wanted more, owning his fleet of pirate ships, with captain and crew trained, until one of his ships was captured, in that the cargo sold in public, made a fabulous profit for the time, almost $ 20,000 !. However, this was a reason to learn better how to deceive naval officers)!.

…mas falemos daquilo que Jean Lafitte fez pela Louisiana, pois além de trazer coisas de luxo e não permitidas pela lei, foi fundamental para proteger os portos durante a Guerra de 1812, na Batalha de Nova Orleães, que fez do General Andrew Jackson um herói, mas foi Jean Lafitte quem, depois de não aceitar qualquer oferta dos Britânicos para capturar Nova Orleães, alinhou com o General Andrew Jackson, quando a sua frota de piratas foi capturada, oferecendo os seus serviços, usando os seus canhões, que tinha ao longo das margens, ajudando a derrotar os Britânicos, e claro, como bom pirata, negociou o perdão para as suas equipas de piratas!. (but let’s talk about what Jean Lafitte did for Louisiana, as well as bringing luxury and not allowed by law, was instrumental in protecting the ports during the War of 1812 at the Battle of New Orleans that made General Andrew Jackson a hero, but it was Jean Lafitte who, after not accepting any offer from the British to capture New Orleans, lined up with General Andrew Jackson, when his fleet of pirates was captured, offering his services, using his cannons, which he had along the banks, helping to defeat the British, and of course, as a good pirate, negotiated pardon for his teams of pirates)!.

…mas lá vem o ditado que diz, “Uma vez Pirata, sempre Pirata”!.

…depois de se tornar a si, ao seu irmão e aos seus homens livres, depressa se cansaram de uma vida normal, séria e correta, então decidiram mudar-se para a Ilha de Galveston, onde continuaram as suas típicas piratarias, nesta nova colónia de piratas chamada Campeche, sendo contratados pelos Espanhóis, para serem espiões durante a Guerra da Independência do México, continuando a ser ladrões e contrabandeando até à sua morte, que uns dizem que foi varrido por um furacão num dos seus navios, outros dizem que morreu de um ferimento numa batalha ao largo da costa das Honduras, havendo tambéns alguns que dizem que morreu de febre no México, em 1826, todavia uma coisa é muito clara, o legado do pirata Jean Lafitte vive, ainda nos dias de hoje!.

(but there comes the saying that says, “Once Pirate, always Pirate!”.

After becoming himself, his brother and his free men, they quickly grew weary of a normal, serious, and correct life, so they decided to move to Galveston Island, where they continued their typical pirates, in this new colony of pirates called Campeche, being hired by the Spaniards to be spies during the Mexican War of Independence, continuing to be thieves and smuggling until his death, some say he was swept by a hurricane on one of his ships, others say he died of a wound in a battle off the coast of Honduras, there are also some who say that he died of a fever in Mexico in 1826, but one thing is very clear, the legacy of the pirate Jean Lafitte lives, still today)!.

…o riso é um tranquilizante sem efeitos colaterais, portanto use-o regularmente, ou seja ria sempre que for possível e, aproveite esta, pois dizem que Nova Orleães, está assombrada!. Alguns até dizem que Nova Orleans é a cidade mais assombrada dos USA, pois entre outros, o fantasma do famoso pirata que talvez fosse francês, Jean Lafitte, passeia pelas ruas estreitas do “French Quarter”!. São os espíritos secretos da cidade, que passam despercebidos pelos turistas, que se deliciam passeando, às vezes com um copo de bebida numa mão, a máquina fotografica na outra, lembrando que esta cidade, fundada por volta do ano de 1718, por um tal Jean Baptiste le Moyne, que foi o governador da Colónia Francesa de Louisiana, que em homenagem a Filipe, Duque de Orleães, que na altura era o chefe de estado da França!. (laughter is a tranquilizer with no side effects, so use it regularly, or laugh whenever possible, and enjoy this, because say New Orleans, is haunted!. Some even say that New Orleans is the most haunted city in the USA, among others, the ghost of the famous, that maybe it was French pirate Jean Lafitte, stroll through the narrow streets of the French Quarter!. They are the secret spirits of the city, which go unnoticed by tourists, who delight in strolling, sometimes with a glass of drink in one hand, the photographic machine in the other, remembering that this city, founded around the year 1718, by one Jean Baptiste le Moyne, who was the governor of the French Colony of Louisiana, who in honor of Philip, Duke of Orleans, who at the time was the head of state of France)!.

…o Bairro Francês, “French Quarter” em inglês, onde existem também placas de sinalização dizendo “Vieux Carré” em francês é, a designação dada ao bairro central da cidade de Nova Orleães, uma zona caracterizada pela sua arquitectura histórica de inspiração francesa e espanhola!. (the French Quarter, in which there are also signs signaling “Vieux Carré” in French is the name given to the central district of the city of New Orleans, an area characterized by its historic architecture of inspiration French and Spanish)!.

…marcada pela exuberância das suas varandas em ferro forjado!. (marked by the exuberance of its wrought iron balconies)!.

…pela intensidade da sua vida nocturna, existência de numerosos estabelecimentos de diversão, restaurantes, com uma culinária assente na cultura “Créole”, que se refere aos imigrantes brancos e negros que vieram para a Louisiana, das colónias francesas nas Antilhas, a Martinica e o Haiti, que chegaram no século XVIII!. (by the intensity of its nightlife, the existence of numerous establishments of entertainment, restaurants, with a cuisine based on the “Créole” culture, which refers to the white and black immigrants who came to Louisiana, to the French colonies in the West Indies, to Martinique and Haiti, which arrived in the eighteenth century)!.

…e, aos índios e brancos nativos que sofreram a sua influência!. (and to native Indians and whites who suffered their influence)!.

…nesta culinária, estão pontos marcantes dessa influência, como o uso de condimentos fortes, frutos do mar e, a incorporação de elementos usados pelos colonizadores espanhóis ou franceses, como o presunto, que entre outras legou para o mundo a “jambalaya”, prato à base de camarão, linguiça e arroz, preparado ao estilo da “paella espanhola”!. (in this cuisine, are marked points of this influence, such as the use of strong condiments, seafood and the incorporation of elements used by Spanish or French colonizers, such as ham, which among others bequeathed the world to “jambalaya”, dish based on shrimp, sausage and rice, prepared in the style of the “Spanish paella”)!.

…a cultura “Cajun”, provém dos franceses brancos católicos, que colonizaram a Nova Escócia, no Canadá, então chamada Acádia, daí apropriado para “Cajun”, no século XVII, que migraram para Louisiana, vindo a estabelecer-se em Nova Orleães, no século XVIII, devido a perseguições religiosas e políticas, em decorrência da guerra entre Inglaterra e França!. (the “Cajun” culture, comes from the white Catholic French, who colonized Nova Scotia in Canada, then called Acadia, then appropriate to “Cajun” in the seventeenth century, who migrated to Louisiana and settled in New Orleans, in the eighteenth century, due to religious and political persecution, as a result of the war between England and France)!.

…esta área do “French Quarter”, tem alguns dias do ano que não dorme, com destaque para exibições musicais, desfiles, espectáculos ao ar livre, onde as pessoas tentam divertir-se, aproveitando o ambiente de festa de rua, que se estende por uma distância de aproximadamente doze quarteirões, ao longo do Rio Mississippi, sendo um destino turístico mundialmente famoso graças sobretudo aos vários festivais!. (this area of the French Quarter, has a few days of the year that does not sleep, with highlights for musical exhibitions, parades, outdoor shows, where people try to have fun, enjoying the street party atmosphere, which stretches over a distance of about twelve blocks along the Mississippi River, being a world-famous tourist destination thanks mainly to the various festivals)!.

…nós, também andámos por lá, divertindo-nos, tentando passar despercebidos, pelo menos para que o fantasma do Pirata Jean Lafitte, não desse por nós, fomos vendo os vários cognomes, com que descrevem as diversas características da cidade, tais como, “The Crescente City”, que descreve o seu formato ao longo do Rio Mississippi!. (we also went there, amusing ourselves, trying to go unnoticed, at least for the ghost of the Pirate Jean Lafitte, did not give us, we were seeing the various cognomes, which describe the various characteristics of the city, such such as “The Crescent City,” which describes its shape along the Mississippi River)!.

…”The Big Easy”, uma referência feita por músicos, graças à relativa facilidade de encontrar emprego na cidade!. (“The Big Easy,” a reference made by musicians, thanks to the relative ease of finding employment in the city)!.

…ou “The City that Care Forgot”, associada com a natureza amistosa dos habitantes na cidade e, o lema de Nova Orleães é, “Laissez les bons temps rouler”, ou seja, “Deixe os bons tempos rolarem!. (or “The City That Care Forgot” associated with the friendly nature of the inhabitants in the city, and the motto of New Orleans is, “Laissez les bons temps rouler”, that is, “Let the good times roll)!.

…esta cidade é também conhecida pelo seu legado multicultural, com influências culturais Francesas, Espanholas e Afro-Americanas, tal como pela sua música e pela sua culinária, onde nós, entrando em alguns restaurantes, saímos tal como entrámos, pois ainda hoje não sabemos se o fantasma do Pirata Jean Lafitte alterou o preço das ementas, pois não estava de acordo com a nossa situação financeira, mas sempre deu para encontrar um lugar onde podemos comer, Feijão Vermelho e Arroz!. (this city is also known for its multicultural legacy, with French, Spanish and African American cultural influences, as well as for its music and cuisine, where we, entering some restaurants, leave as we entered, because even today we do not know if the ghost of Pirate Jean Lafitte changed the price of the menus because it was not in accordance with our financial situation, but we always found a place where we can eat Red Beans and Rice)!.

…e Camarão Créole, que diziam era, tudo ao estilo “Créole”!. (and Shrimp Creole, what they said was, all in style “Créole”)!.

…milhares de anos antes da chegada dos primeiros Europeus, já por aqui viviam nativos americanos, como os Chicksaw, os Choctaw ou os Natchez, onde um aventureiro explorador, de nome René-Robert Cavelier, que havia partido de Quebeque em direcção aos Grandes Lagos e, de lá, partiu para a região próxima à nascente do Rio Mississippi e, após ter descido todo o rio, reivindicou muito da bacia hidrográfica do Mississippi à coroa Francesa!. O local foi escolhido onde hoje existe a cidade de Nova Orleães, por causa de duas características, que eram o seu inusitado relevo relativamente alto em uma região de muita baixa altitude, vulnerável a enchentes e inundações e, por estar próximo a um posto comercial francês, onde comerciantes faziam diversas trocas comerciais com indígenas, e também uma estrada indígena que por aqui existia!. (thousands of years before the arrival of the first Europeans, Native Americans such as the Chicksaw, the Choctaw, or the Natchez lived here, where an exploratory adventurer René-Robert Cavelier, who had left Quebec in the Great Lakes, and from there he set out for the region near the source of the Mississippi River, and after having descended the whole river, claimed much of the watershed of the Mississippi to the French crown!. The site was chosen where today the city of New Orleans exists, because of two characteristics, which were its unusual relatively high relief in a region of very low altitude, vulnerable to floods and floods and, being close to a French commercial post , where merchants made several commercial exchanges with Indians, and also an indigenous road that existed here)!.

…depois, muitos anos, algumas lutas, tratados e negociações, onde muita água passou pelo Rio Mississippi, em direcção ao Golfo do México, até por volta de 1805, quando a bandeira Francesa e a Espanhola, foram substituídas pela bandeira Americana, quando Nova Orleães foi elevada à categoria de cidade primária, onde a Louisiana se tornou num Estado dos Estados Unidos, por volta do ano de 1812!. (after many years, some fights, treaties and negotiations, where much water passed by the Mississippi River, towards the Gulf of Mexico, until around 1805, when the French and Spanish flag were replaced by the American flag, when New Orleans was elevated to the category of primary city, where Louisiana became a state of the United States, around the year 1812)!.

…caminhámos ao lado do Rio Mississippi, onde um pintor de rua, nos fez um retrato do nosso rosto!. (we walked alongside the Mississippi River, where a street painter, made us a portrait of our face)!.

…vimos os barcos na água, no entanto disseram-nos que a cidade está localizada abaixo do nível do mar e, por causa disso, a cidade é cercada por diques, ou seja represas ou açudes, que são uma obra de engenharia hidráulica com a finalidade de manter determinadas áreas secas através do represamento de águas correntes e, nós ainda não sabemos se o fantasma do Pirata Jean Lafitte nos protegeu, porque regressámos à estrada rápida número 10, em direcção ao estado da Flórida com os pés secos!. (we saw the boats in the water, however we were told that the city is located below sea level and, because of this, the city is surrounded by dikes, ie dams or dams, which are a work of hydraulic engineering with the purpose of keeping certain areas dry through the damming of running water, and we still do not know if the ghost of the Pirate Jean Lafitte protected us, because we returned to the fast road number 10, towards the state of Florida with dry feet)!.

Tony Borie, February 2018.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s