…ouvir e sentir o vento do oeste! (hear and feel the wind from the west)!.

…ouvir e sentir o vento do oeste! (hear and feel the wind from the west)!.

…ouvir e sentir o vento do oeste!. (Hear and feel the wind from the west)!.

…vivendo no estado da Flórida, quase cercados pela água do oceano e do golfo, temos duas opções para daqui sair, que são, para norte ou para oeste!. (Living in the state of Florida, almost surrounded by the water of the ocean and the gulf, we have two options to get out of here, which are, north or west)!.

…desta vez, vamos para oeste!. A experiência, talvez pela idade um pouco avançada, diz-nos de que, a terra, o céu, os bosques, os campos, os lagos e rios, a montanha ou o mar, são excelentes professores e, ensinam-nos mais do que podemos aprender dos livros!. (This time, let’s go west!. Experience, perhaps by a somewhat advanced age, tells us that the earth, the sky, the woods, the fields, the lakes and rivers, the mountain or the sea, are excellent teachers and teach us more than we can learn from books)!.

…seguindo o princípio de que, se não sairmos do lugar onde fomos criados, nunca vamos entender quanto o mundo é maior, vamos tentar completar um roteiro que, na tentativa de um regresso mais rápido à Flórida em viajens anteriores, não nos foi possível observar!. Vamos viajar por diversos estados, tentando de novo chegar ao sul do estado do Utah, onde iremos estacionar por alguns dias!. (Following the principle that if we do not leave the place where we were created, we will never understand how much the world is larger, let us try to complete a roadmap that, in the attempt of a faster return to Florida, it was possible to observe!. We will travel through several states, trying again to get to the southern state of Utah, where we will park for a few days)!.

…o perigo da aventura vale mil dias de tranquilidade e conforto!. Vamos para oeste, para o misterioso mundo das pradarias, dos desfiladeiros, das planícies, dos monumentos em arenito vermelho, onde existe um vento quente, um vento das terras do oeste, das velhas colinas marrons, onde passam rios no fundo das ravinas, onde se ouve os gritos de pássaros ou uivos de animais selvagens, que não gostam de ver os estranhos invadir o seu território!. (The danger of adventure is worth a thousand days of tranquility and comfort !. We go west to the mysterious world of the prairies, the canyons, the plains, the monuments in red sandstone, where there is a hot wind, a wind from the western lands, from the old brown hills, where rivers pass at the bottom of ravines, where one hears the cries of birds or howls of wild animals, who do not like to see strangers invade their territory)!.

…para onde vamos tentar ir, é um lugar, onde quase não existe cenários de uma terra boa e arável, pois é a terra do oeste, quase igual aos corações tão cansados quanto os nossos, onde não florescem aqueles pomares de maçãs, trigo verde, vinhedos ou grama verde e fresca, onde as pessoas podem estar em repouso, ouvindo os tordos cantando, olhando os seus filhotes no ninho, lá naquelas árvores frondosas!. (Where we are going to try to go, it is a place where there are almost no scenarios of a good and arable land, because it is the land of the west, almost equal to hearts as tired as ours, where those apple orchards do not flourish, green wheat, vineyards or fresh green grass, where people may be at rest, listening to the thrushes singing, watching their nestlings in the nest, there in those leafy trees)!.

…lá no oeste, quando aparecem, o sol é brilhante e a chuva é rara e quente!. Podemos observar cenários de terras desertas, onde os monumentos de arenito sobressaiem, que foram resistindo por milhares ou talvez milhões de anos, ver os pequenos esquilos ou coelhos bravos, saindo de uma qualquer rocha, aparecendo ao nosso lado pedindo comida ou ouvir as abelhas selvagens, pois naquele momento, esta é uma música para a nossa alma, que esperamos não se transforme em fogo para o nosso cérebro!. (There in the west, when they appear, the sun is bright and the rain is rare and hot !. We can observe deserted land scenarios where the sandstone monuments stand out, which have stood for thousands or maybe millions of years, see the small squirrels or angry rabbits, coming out of a rock, appearing at our side asking for food or listening to the wild bees , for at that moment, this is a song for our soul, which we hope will not turn into fire for our brain)!.

…sabendo que não existe, mas vamos tentar ouvir e sentir, no vento quente do oeste, uma estrada branca, uma grama verde e fresca, um descanso para o nosso coração, porque se queremos saber a verdade de quem somos, teremos que caminhar até que ninguém saiba o nosso nome!. Viajar é o grande nivelador, o grande mestre, amargo como um remédio, mais cruel que um espelho de vidro, onde vemos reflectida a nossa imagem de hoje, comparada como quando éramos jovens e, nada melhor que um longo trecho de estrada para nos ensinar mais sobre nós mesmos, do que cem anos de tranquilidade!. (Knowing that it does not exist, but we will try to hear and feel, in the hot west wind, a white road, a fresh green grass, a rest for our heart, because if we want to know the truth of who we are, we will have to walk until no one knows our name !. Travel is the great leveler, the great teacher, bitter as a remedy, more cruel than a glass mirror, where we see reflected our image today, compared as when we were young and nothing better than a long stretch of road to teach us more about ourselves, than a hundred years of tranquility)!.

…esperemos viajar para lá e para cá, sem qualquer problema que não se possa resolver e, regressar de novo à vossa companhia, para vos contar toda esta aventura com pormenores, daqui a duas semanas aproximadamente!. Até lá, vamos ouvir e sentir o vento quente, o vento do oeste, cheio de gritos de pássaros e uivos de animais selvagens, que não gostam de ver os estranhos invadir o seu território! (We hope to travel to and fro, without any problem that can not be solved and return to your company again, to tell you all this adventure in details, in two weeks approximately !. Until then, we will hear and feel the warm wind, the wind from the west, full of bird cries and howls of wild animals, who do not like to see strangers invade their territory)!.

Tony Borie, May 2019.

…a perfect end to a perfect day!.

…a perfect end to a perfect day!.

…um final perfeito, para um dia perfeito!…. (A perfect end to a perfect day)!.

…depois de um longo dia de sol radiante, haverá algo mais significativo, mais memorável do que testemunhar um pôr do sol épico?. (After a long day of radiant sun, will there be something more meaningful, more memorable than witnessing an epic sunset)?.

…nós, felizmente tivémos esse previlégio e, foi aqui perto do lugar onde vivemos, foi numa área do rio Halifax, que foi estabelecida há cerca de 7.000 anos, por tribos nativas americanas que foram ancestrais de tribos como por exemplo os índios “Timucuá”, onde os nativos viviam de peixes e ostras, deixando montes de conchas em ambos os lados do rio Halifax que, anos mais tarde foram usadas pelos colonos para construir estradas, mas algumas permanecem na área, hoje preservados como locais históricos!. (We fortunately had this privilege, and it was here near the place where we live, it was in an area of the Halifax River that was established some 7,000 years ago by Native American tribes that were ancestors of tribes such as the Indians “Timucua”, where the natives lived on fish and oysters, leaving mounds of shells on both sides of the Halifax River that years later were used by settlers to build roads, but some remain in the area, now preserved as historic sites)!.

…lugares históricos que, tanto nós como a nossa dedicada esposa Isaura, gosta de apreciar e, como tal nos referenciou e convidou para um passeio, navegando sobre as águas do rio Halifax, que é parte da hidrovia intracostal do oceano Atlântico, que originalmente era conhecida como o Rio Mosquito do Norte, mas foi renomeada após George Montagu-Dunk, 2º Conde de Halifax, durante a ocupação britânica da Flórida!. (Historical sites that we and our devoted wife Isaura enjoy and, as such referenced us and invited us for a walk, sailing on the waters of the Halifax River, which is part of the intracostal waterway of the Atlantic Ocean, which originally was known as the Northern Mosquito River, but was renamed after George Montagu-Dunk, 2nd Earl of Halifax, during the British occupation of Florida)!.

…viajámos de nossa casa pelo fim da tarde, para sul, para a cidade de Daytona, onde embarcámos num barco típico dos rios do sul, navegando sobre as águas salgadas do rio Halifax, experimentando além da viajem, um cenário de pontes e pequenas ilhas, vendo golfinhos saltar na frente da embarcação, usufruindo de alguma comida e informação histórica!. (We drove from our home in the late afternoon, south, to Daytona, where we boarded a typical southern river boat, sailing over the salty waters of the Halifax River, experiencing in addition to traveling, a landscape of bridges and small islands, watching dolphins jumping in front of the boat, enjoying some food and historical information)!.

…é costume escrever sobre as nossas experiências favoritas, principalmente ao redor desta nação!. Felizmente temos muitas opções para escolher, não só através de milhares de fotos mas, às vezes ficamos impressionados com cenários de pôr do sol magníficos que tivémos a sorte de testemunhar!. ( It is customary to write about our favorite experiences, especially around this nation!. Luckily we have many options to choose from, not only through thousands of photos but sometimes we were impressed with magnificent sunset scenarios that we were lucky enough to witness)!.

…observando o grande sol oriental mergulhar abaixo do horizonte, maravilhando-nos com a forma como se vê através das pontes e do reflexo das das águas do rio, que brilham e mudavam de cor à medida que o dia chega ao fim, ficando nós consistentemente surpresos com este cenário único do pôr-do-sol no rio Halifax!. (Watching the great eastern sun dive below the horizon, marveling at how you see yourself through the bridges and the reflection of the waters of the river, which shine and change color as the day comes to an end, we were consistently surprised by this unique setting of the sunset on the Halifax River)!.

…quando o sol começou a mergulhar atrás dos edifíos e das pontes, às nossas costas, transformou-se no que originalmente parecia ser um arenito laranja, ou até uma linda rosa, iluminando as águas do rio, e nós, empoleirados na beira do barco, com o vento assobiando, trazendo-nos um momento de pura felicidade e tranquilidade!. (As the sun began to dive behind the buildings and bridges behind us, it became what originally appeared to be an orange sandstone, or even a beautiful rose, illuminating the waters of the river, and we, perched on the edge of the boat, with the wind whistling, bringing us a moment of pure happiness and tranquility)!.

…foi um daqueles momentos que vamos valorizar, talvez até ao fim da nossa vida, foi um daqueles momentos em que, quando estivermos tristes ou aborrecidos, vamos fechar os olhos e vamos imaginar, sentados em qualquer lugar, com o mundo debaixo dos nossos pés, pensando numa das 7 maravilhas do mundo, cintilante, que vai subir na nossa frente!. (It was one of those moments that we will value, perhaps even the end of our life, was one of those moments when, when we are sad or bored, let’s close our eyes and imagine, sitting anywhere, with the world under the our feet, thinking of one of the 7 wonders of the world, sparkling, that will rise in front of us)!.

…voltando à história do rio Halifax, os espanhóis trouxeram frades franciscanos e estabeleceram missões católicas na Flórida, na tentativa de converter os nativos ao cristianismo, chegando no seu auge a haver 44 missões espanholas na Flórida e, algumas delas foram na área do rio Halifax!. (Returning to the history of the Halifax River, the Spaniards brought Franciscan friars and established Catholic missions in Florida in an attempt to convert the natives to Christianity, reaching its peak at 44 Spanish missions in Florida and some of them in the area of the river Halifax)!.

…naquela época, os espanhóis também recrutaram os nativos para cultivar alimentos em fazendas primitivas, no entanto, epidemias de febre amarela em 1649, varíola em 1650 e sarampo em 1659 dizimou a população indiana e espanhola na Flórida, com várias revoltas indianas, que também dizimaram ainda mais a população e, na época em que a Espanha cedeu a Flórida aos britânicos, por volta do ano de 1763, eles tiveram pouco progresso para mostrar por seus esforços na colônia e, a Flórida ficou como uma “concha oca”, praticamente desprovida de população, quando os espanhóis foram evacuados!. (At that time the Spaniards also recruited the natives to cultivate food on primitive farms, however yellow fever outbreaks in 1649, smallpox in 1650 and measles in 1659 decimated the Indian and Spanish population in Florida with several Indian revolts, which also further decimated the population, and by the time Spain ceded Florida to the British around the year 1763, they had little progress to show for their efforts in the colony, and Florida was like a “hollow shell” , practically devoid of population, when the Spanish were evacuated)!.

..e nós, esquecendo um pouco a história, apreciando o cenário magnífico da queda pelo pôr-do-sol, depois de um dia de viagem, navegando pelo rio Halifax, explorando novos lugares e espaços, adorámos assistir à tarde chegar ao fim, sob um arco-íris de cores!. Um final perfeito para um dia perfeito!. (And we, forgetting the story a little, enjoying the magnificent setting of the sunset fall, after a day of travel, sailing the Halifax River, exploring new places and spaces, we loved to watch the afternoon come to an end, under a rainbow of colors!. A perfect end to a perfect day)!.

Tony Borie, May 2019.

…às quatro da madrugada!. (…at four in the morning)!.

…às quatro da madrugada!. (…at four in the morning)!.

..às quatro da madrugada!. (At four in the morning)!.

…acordámos por volta das quatro da madrugada!. Fizémos um chá, que bebemos bem quente, não na nossa caneca preferida, que estava quebrada na asa, que acabou por se partir completamente, mas sim na nova caneca (Route 66), que nos ofereceu a algum tempo os amigos de longa data, quase de infância, a Natércia e o Jorge, que por aqui passam algumas temporadas na Flórida, dos quais já temos algumas saudades!. (We woke up around four in the morning!. We made a tea, which we drank very hot, not in our favorite mug, which was broken in the wing, which eventually broke completely, but in the new mug (Route 66), which offered us some time long friends, almost of childhood, the Natércia and the Jorge, that here pass some seasons in Florida, of which we already have some homes)!.

..a caneca é segurada entre as mãos, que nos vai aquecendo sobretudo o corpo e, talvez a alma, se é que ela existe!. (The mug is held between the hands, which will warm us above all the body and, perhaps the soul, if it exists)!.

…não podemos resmungar sobre a nossa saúde, pelo contrário, alegramo-nos por ainda estar vivos e, também não nos vamos sentir tristes por o dinheiro não chegar até ao final do mês, pelo contrário, ficamos felizes por ainda termos memória para controlar as nossas finanças, encorajando-nos a planear as nossas compras com sabedoria, para nos guiarem para longe da catástrofe que era, não haver dinheiro para a medicina de manutenção, ou o fogão lá na cozinha, não trabalhar mais, por falta de arroz, massa, vegetais ou outros géneros alimentícios!. (We can not grumble about our health, on the contrary, we rejoice to be still alive and, we will not feel sad because the money does not arrive until the end of the month, on the contrary, we are happy that we still have memory for control our finances by encouraging us to plan our purchases wisely, to guide us away from the catastrophe that was, to have no money for maintenance medicine, or the stove in the kitchen, not to work anymore, for lack of rice, pasta, vegetables or other foodstuffs)!.

…consideramo-nos uns “protegidos”, pois ainda esta semana fomos à pesca na praia e, a pesca não foi assim tão má mas, as tempestades de Maio apareceram, a água morna da chuva acariciáva-nos o corpo, as rajadas de vento passavam, naquela água revoltada do mar podia-se ver, talvez a mais de um quarto de milha de distância da costa, dezenas de ondas, seguidas, cobrindo-se umas às outras, pintadas de branco, um branco que não era bem branco, pois havia alguns sinais, aqui e ali, mais escuros, que deviam de ser troncos de árvores, restos de costas tropicais que vinham dar à praia, fugindo da tempestade, da fúria daquele pequeno furacão, que devastava a areia, destruindo as dunas, onde uns momentos antes, era um lugar paradisíaco e nós, sorridentes, mais uma vez sobrevivemos!. (We considered ourselves to be “protected”, because this week we went fishing on the beach and fishing was not that bad, but the May storms appeared, the warm water of the rain caressed our bodies, the gusts of wind they passed, in that revolted water of the sea one could see, perhaps more than a quarter of a mile away from the coast, dozens of waves, followed, covering each other, painted white, a white that was not well white, for there were some darker signs here and there that must have been tree trunks, remnants of tropical coasts that were coming to the beach, fleeing from the storm, from the fury of that little hurricane that devastated the sand, destroying the dunes , where a few moments before, it was a paradisiac place and we, smiling, once again survived)!.

…voltando às quatro da madrugada, como é nosso hábito, saímos lá fora ao pequeno jardim, tocamos numa rosa que tenta florescer, picamo-nos, não ficámos tristes por aquela flor ter espinhos, pelo contrário, ficámos contentes porque aquela pequena árvore com muitos espinhos, é onde nascem aquelas bonitas rosas!. (Returning at four in the morning, as is our habit, we went outside to the little garden, we touched a rose that tries to bloom, we sting, we were not sad because that flower had thorns, on the contrary, we were glad because that little tree with many thorns, is where those beautiful roses are born)!.

…por momentos lembrámos o tempo da nossa juventude, lá na aldeia do Vale do Ninho d’Águia, naquela encosta agreste da montanha do Caramulo, onde a terra começava a ser plana e ao fundo, corria um ribeiro em direcção ao mar!. Era o mês de Maio, altura da primavera e começo do verão, havia uma vejetação selvagem, lindíssima, com papoilas, cardos com flor, rosas, girassóis, nenúfares e outras plantas com cores naturais, que davam um aspecto muito lindo de jardim, onde tudo era selvagem, porque ninguém plantava nada!. Pelo contrário, uma vez ao ano, o pai António e os irmãos mais velhos limpavam o ribeiro, cortando tudo à sua volta, ficava tudo devastado, era um cenário desolador!. (For a moment we remembered the time of our youth, in the village of the Valley of the Nest of Eagle, on that rugged hillside of Caramulo mountain, where the earth began to be flat and in the background, a stream flowed towards the sea!. It was the month of May, springtime and early summer, there was a wild, beautiful exjoice with poppies, thistles with flower, roses, sunflowers, water lilies and other plants with natural colors, which gave a very beautiful aspect of garden, where everything was wild, because nobody planted anything!. On the contrary, once a year, the father Antonio and the older brothers cleaned the stream, cutting everything around him, everything was devastated, it was a desolating scenario)!.

…o pai António, queria o máximo de terra limpa e arável, para gerir a sua agricultura e sustentar os seus filhos, então dizia:

– Isto é uma peste, que tem que acabar!.

(The father Antonio, wanted the maximum of clean and arable land, to manage his agriculture and to support his children, he would say:

    – This is a plague, it has to end)!.

…naquela época, a vida na lavoura não era fácil pois, em alguns anos mais secos ou de geada, não havia produção, levando toda a família, assim como os vizinhos, à fome e à escravatura, onde o horário de trabalho era marcado na manhã, pela passagem do comboio das seis e meia, que rolava com alguma velocidade vale abaixo em direcção ao mar e, pelo seu regresso, por volta das dez e meia da noite, que fazia um ruído ensurdedor, vale acima, com a locomotiva a todo o vapor, em direcção à montanha!. (At that time, farming was not easy because, in some drier years or frost, there was no production, leading the whole family, as well as the neighbors, to hunger and slavery, where working hours were marked in the morning by the passage of the train at six-thirty, which ran with some speed down the valley towards the sea and, on his return, around ten-thirty in the evening, making a deafening noise, locomotive at full steam, towards the mountain)!.

…todavia isto são pensamentos de juventude mas, o importante é que nesta parte do mundo, anda à volta das quatro da madrugada, pelo menos é o que dizem os relógios que marcam o tempo e nós, devíamos de estar a dormir, a descansar o corpo já um pouco cansado, entre outras coisas da idade, mas não dormimos e, como já dissémos fomos lá fora ao jardim, está quente, há luzes no céu, parecem as noites passadas no aquartelamento de Mansoa, lá na Guiné, lá na África, só que aqui, não existe cenário de guerra, não existe humidade nem aqueles malditos mosquitos, no entanto, ouço um pequeno barulho, anda um esquilo no telhado, vejo a sua silhueta, a mexer com a cauda, procura o fruto daquela árvore, ele até tem razão, já aqui vivia, antes de vir-mos para aqui roubar-lhes o espaço!. (But these are thoughts of youth, but the important thing is that in this part of the world, it is around four o’clock in the morning, at least that is what the clocks that mark the time say, and we, we should be sleeping, the rest the body already a little tired, among other things of the age, but we do not sleep and, as we said we went outside to the garden, it is warm, there are lights in the sky, they seem the nights spent in the quarter of Mansoa, there in Guinea, there in Africa, but here, there is no war scene, there is no humidity or those damned mosquitoes, yet I hear a little noise, a squirrel walks on the roof, I see his silhouette, he fiddles with his tail, looks for the fruit of that tree, he’s right, he was already alive, before we come here to steal their space)!.

…abraçamos de novo a caneca do chá, bebemos uns goles, ficamos mais calmos, sentamo-nos, meditamos, pensamos!. Mil coisas nos vêm ao pensamento, começamos a contar o tempo, portanto já não somos nós, somos um relógio, que neste momento marca “quatro da madrugada”!. (We hug the tea mug again, drink a few sips, we are calmer, we sit, we meditate, we think!. A thousand things come to mind, we start counting time, so it’s not us anymore, we are a clock, that at the moment marks “four in the morning”)!.

…é normal nesta idade, cremos que já dormimos o suficiente, pois foram tantas “quatro da madrugada” que por nós passaram, algumas quentes, outras geladas, outras assim, assim, foram na Europa, na guerra em África ou aqui neste continente, mas as “quatro da madrugada”  no verão do Alaska, eram um pouco diferentes, pois era quase sempre dia, e às “quatro da madrugada”, já tínhamos feito muita coisa, entre outras, ido à pesca!. (Is normal at this age, we believe that we have slept enough, because there were so many “four in the morning” that passed us, some hot, some icy, others like that, so it was in Europe, in the war in Africa or here in this continent, but the “four in the morning” in the summer of Alaska, were a little different, because it was almost always day, and at “four in the morning”, we had done a lot, among others, gone fishing)!.

…continuando, apalpando a caneca deste chá bem quente damos uns passos, sentamo-nos em frente ao computador, pensando que nunca trocaríamos a nossa vida maravilhosa de pessoa idosa, a nossa amada família ou os nossos amigos, por mais cabelo, ainda que seja branco, ou por uma barriga mais lisa!. À medida que fomos envelhecendo, tornámo-nos mais amáveis, menos críticos, por exemplo, se estamos sentados e precisamos desta caneca, a nossa preferida, vamos mesmo buscá-la, não incomodamos a nossa esposa e companheira!. (Continuing, feeling the mug of this hot tea, we took a few steps, sat down in front of the computer, thinking we would never change our wonderful old life, our beloved family or our friends, for more hair, even if it is white, or for a smoother tummy!. As we got older, we became more loving, less critical, for example, if we are sitting and need this mug, our favorite, we will really pick it up, do not bother our wife and partner)!.

…às vezes, pensamos que nos tornámos no nosso próprio amigo, não gostamos de incomodar ninguém, e claro, não nos censuramos por comer todas aquelas comidas que dizem que nos fazem muito mal, mas que são adoráveis, ou por entre outras coisas, não fazer a cama, não ajudar nas tarefas da casa, andar por aí, a brincar com o nosso brinquedo helicóptero, que quando está vento mais forte, vai parar à propriedade do vizinho, que vieram lá do norte, de Nova Iorque e, quando a amável senhora nos traz o brinquedo de volta diz, com um ar entre a censura e o feliz, “então os nétinhos estão por cá, tenha cuidado com eles, não os deixe brincar com estes brinquedos, pois são muito perigosos, podem partir as janelas ou mesmo ferir as pessoas, pois eu vi na televisão…”, e lá vem a história toda, contada com pormenores, pois o que ela quer é conversa, passar o tempo, tal como nós, não sabendo que nós, fomos o causador de todo esse “desastre”, pois os nossos netos, estão lá no norte!. (Sometimes we think that we have become our own friend, we do not like to bother anyone, and of course, we do not blame ourselves for eating all those foods that say they do us very badly, but are lovely, or among other things , do not make the bed, do not help in the chores of the house, go around playing with our toy helicopter, which when the wind is stronger, will stop at the property of the neighbor, who came from the north, New York and, when the kind lady brings the toy back to us, with an air between the censorship and the happy one, “then the little ones are here, be careful with them, do not let them play with these toys, for they are very dangerous, the windows or even hurt people, because I saw on the television… “, and there comes the whole story, told with details, because what she wants is talk, spend time, just like us, not knowing that we, we were the cause of all this “disaster”, because our grandchildren, are there in the north)!.

…nesta idade temos o direito de ser desarrumados, de ser-mos livres, pois já vimos muitos amigos queridos e familiares, deixarem este mundo cedo demais, antes de compreenderem a grande liberdade que vem com o envelhecimento!. Quem nos vai censurar, por fazer aquela viajem estúpida ao estado do Alaska, com muita aventura, dormindo na caravana com os ursos selvagens por perto, ou atravessar a ponte Golden Gate, na cidade de San Francisco, a pé, com todo aquele vento e nevoeiro por momentos e logo a seguir céu azul e sol radiante, por andar por aí na nossa bicicleta, armados em campeão de ciclo-cross, atravessando praias e riachos com alligators ou cobras, caindo aqui, levantando-nos ali, por comprar algo supérfluo que não precisávamos, ou mesmo se resolvemos ficar a ler, ou a procurar novos horizontes no computador até tarde se, às “quatro da madrugada” já não dormimos e, depois talvez vamos dormir até meio-dia!. (At this age we have the right to be disarranged, to be free, for we have already seen many dear friends and family, leave this world too soon, before understanding the great freedom that comes with aging!. Who’s going to blame us for making that stupid trip to Alaska with a lot of adventure, sleeping in the caravan with the wild bears around, or crossing the Golden Gate Bridge in San Francisco on foot with all that wind and fog for a moment, and then there’s blue skies and radiant sun for riding around on our bike, armed with a cyclo-cross champion, crossing beaches and streams with alligators or snakes, falling here, getting up there, buying something superfluous that we did not need, or even if we decided to read, or to look for new horizons on the computer until late if, at four o’clock we do not sleep and then maybe we’ll sleep until noon)!.

…se nos apetecer dançar ao som daqueles sucessos maravilhosos dos anos 60 & 70, e se, ao mesmo tempo, quiser-mos chorar por um amor perdido, lá na nossa aldeia da montanha, dançamos e choramos, às vezes com baba e ranho!. Se nos apetecer ir à pesca, andar na praia com uns calções não muito apropriados, sobre um corpo decadente, mergulhar nas ondas com abandono, apesar dos olhares penalizados dos outros, que nos há-de importar, eles também vão envelhecer!. (If we want to dance to the sounds of those wonderful successes of the 60s and 70s, and if at the same time we want to cry for a lost love, in our mountain village, we dance and weep, sometimes with drool and snot!. If we want to go fishing, walk on the beach with not very appropriate shorts, on a decadent body, plunge into the waves with abandon, despite the penalized glances of others, who will care, they will grow old)!.

…nós somos uns abençoados por ter vivido o suficiente para já não ter muitos cabelos na cabeça, não ter o riso da juventude, pois muitos nunca riram, muitos dos nossos amigos, e lembramos os nossos companheiros de guerra, lá na Guiné, que morreram jovens, muito antes de perder o cabelo!. Nós, com os anos a passarem, temos o direito de estar errados, gostamos de ser idosos, a idade libertou-nos e gostamos da pessoa em que nos tornámos, embora sabendo que não vamos viver para sempre, o nosso futuro pode ser daqui a um minuto, talvez segundos!. (We are blessed to have lived long enough not to have too many hairs on our heads, not to have the laughter of youth, for many have never laughed, many of our friends, and we remember my comrades in Guinea, who died young, long before losing their hair!. We, as the years pass, we have the right to be wrong, we like to be old, age has set us free and we like the person we have become, although knowing that we will not live forever, our future may be from here. one minute, maybe seconds)!.

…depois de ter transformado em letras o que nos vai no pensamento, abandonámos o computador, voltamos à realidade, demos uns passos até à televisão, lá vem o sinal, em letras grandes, com música de fundo, uma música irritante, anunciando algum desastre, é o “Five o’clock news”, pois já são cinco da manhã, vem logo um “chorrilho”, de novidades, que já não são novidades nenhumas, pois infelizmente são as notícias normais, deste mundo normal, “que cada vez, está mais cada vez”, e o noticiário é só “desgraças”, é raro dizerem que nasceu uma criança, mostrarem um jardim com flores ou aquela pessoa, com bons recursos financeiros, deu um beijo e acariciou, dando comida e roupa, àquela criança com o tal “ranho no nariz”!. (After having turned into words what we had in mind, we left the computer, returned to reality, took a few steps to the television, there comes the signal, in large letters, with background music, an annoying song, announcing “Five o’clock news”, because it’s already five o’clock in the morning, there’s a “chorrilho” of news, which is no longer news, because unfortunately it’s the normal news, from this normal world, “that every time, it is more and more”, and the news is just “misfortune”, it is rare to say that a child was born, to show a garden with flowers or that person, with good financial resources, gave a kiss and caressed, giving food and clothes, to that child with such “snot in the nose”)!.

…o dia está a clarear, já passa algum tempo depois das “quatro da madrugada”, até das cinco e, por aqui, uma região com um clima sub-tropical, existem muitas festas de final de dia, a que chamam, “It’s 5 o’clock somewhere”, que quer dizer mais ou menos, “são 5 horas, em qualquer lugar”, tanto faz ser às cinco da manhã, ou às cinco da tarde, onde as pessoas se divertem, dançam, bebem, comem, namoram, encontram-se, conhecem-se, confraternizam, procuram tudo para se esquecerem da vida dura do dia a dia, o que no nosso entender está muito bem, mas continuamos a pensar que isto não tem mesmo nada a ver, com as “quatro da madrugada”, mas como antes dissémos, já são cinco da manhã, e continuamos acordados, quando devíamos de estar a dormir!. (The day is clearing, it is some time after “four o’clock in the morning”, until five o’clock, and here, a region with a sub-tropical climate, there are many end-of-day parties, which they call, “It’s 5 o’clock somewhere”, which means more or less, “it’s 5 o’clock, anywhere”, whether it’s five o’clock in the morning or five o’clock in the afternoon where people have fun, dance, they eat, they meet, they confraternize, they look for everything to forget the hard life of the day to day, which in our opinion is very well, but we continue to think that this has nothing to do with the four o’clock in the morning, but as we said before, it’s already five o’clock in the morning, and we’re still awake when we should be asleep)!

Tony Borie, May 2019.

…also sailed with the flag of Portugal!.

…also sailed with the flag of Portugal!.

…também navegou com a bandeira de Portugal!. (also sailed with the flag of Portugal)!.

…adoramos ir à feira!. Porquê?. Porque normalmente, as feiras ficam localizadas num lugar ermo, onde possa existir espaço para os carros estacionarem, as pessoas se possam sentir livres, trajar de qualquer modo e, onde se pode vender ou comprar coisas, às vezes muito boas, outras vezes fracas, até mesmo muito fracas, mas onde se pode discutir o preço, ou seja “regatear”!. (We love going to the fair!. Because?. Because usually the fairs are located in a wilderness, where there may be room for cars to park, people can feel free, dress anyway, and where you can sell or buy things, sometimes very good, sometimes weak, even very weak, but where you can discuss the price, or be it “haggle”)!.

…dizem que a  origem do nome das feiras livres, aqui nos USA, a que uns chamam “Flea Market”, outros chamam “Swap meet”, para cujo nome existem diversas teorias, dizendo uns que foi derivado ao nome de “Fly Market, no século dezoito, na cidade de New York”, dizendo outros que vem da palavra em germânico, “Vlaie”, ou “Vlie”, que quer dizer vale, ou terra alagadiça, e era um lugar que estava localizado no “Maiden Lane”, próximo do East River, no bairro de Manhattan!. (Say that the origin of the name of the free trade shows, in the USA, which some call “Flea Market”, others call “Swap meet”, for whose name there are several theories, saying some that was derived from the name “Fly Market in 18th century New York City“, saying others coming from the word in Germanic, “Vlaie”, or “Vlie”, which means valley, or muddy land, and was a place that was located on the “Maiden Lane” the East River in Manhattan)!.

…existem muitas opiniões, mas de uma maneira ou de outra, a verdade é que por volta do ano de 1800 a principal feira na cidade de New York, chamava-se “Fly Market”, no entanto as verdadeiras feiras livres, começaram por volta do ano de 1873, numa povoação do estado do Texas, chamada Canton, chamava-se na altura “Monday Trade days in Canton”, onde as pessoas se juntavam, para vender ou comprar cavalos, todavia pouco tempo depois já compravam e vendiam de tudo o que lhes dava na “real gana”, como é costume dizer-se, e logo outras povoações adoptaram o sistema, que se foi alastrando por todo o território dos USA, algumas já com com construções modernas, outras mais modestas!. (There are many opinions, but in one way or another, the truth is that around 1800 the main fair in New York City was called “Fly Market”, however the real free trade fairs began by the year 1873, in a town in the state of Texas called Canton, it was called “Monday Trade days in Canton”, where people gathered to sell or buy horses, but soon afterwards they bought and sold of all that it gave them in “real earnest”, as it is customary to say, and soon other settlements adopted the system, that was spreading by all the territory of the USA, some already with modern constructions, others more modest)!.

…um tempo atrás, numa das nossas viagens à feira, numa povoação próxima da cidade onde vivemos, onde existe alguma fartura, desde hortaliças, fruta, plantas, comidas rápidas, bejuterias, brinquedos, ferramentas novas e usadas, móveis, roupas, facas, navalhas, enxadas, pás, carros de bebé, canas de pesca, violas, panelas, computadores, livros, motas, bicicletas mas, é no “ferro velho”, a área que mais gostamos!. (Some time ago, in one of our trips to the fair, in a village near the city where we live, where there is plenty of vegetables, fruits, plants, fast foods, bejuterias, toys, new and used tools, knives, razors, hoes, shovels, baby carriages, fishing rods, violas, pots, computers, books, motorcycles, bicycles but, it is in the “old iron”, the area we like most!.

…encontrámos por lá um barco de modelo, em madeira, acidentado, muito mal tratado, mas verificando melhor, era um modelo antigo, tinha potencial, despertando a nossa atenção, pois verificámos que com alguma dedicação podíamos recuperá-lo!. Combinámos o preço e comprámos o modelo perante o riso de alguns presentes, que se admiraram da maneira como recolhíamos todas as partes que iam caindo conforme lhe pegávamos!. (We found there a model boat, wooden, bumpy, very badly treated, but seeing better, it was an old model, had potential, arousing our attention, we found that with some dedication we could recover it!. We combined the price and bought the model before the laughter of some presents, who admired the way we collected all the parts that fellas we got)!.

…trouxemos o modelo e, já em casa, em alguns dias em que o tempo não permite sair lá fora a caminhar, iniciámos o seu desmantelamento, tudo com muita sensibilidade, recuperando todas as partes, mesmo as que iam desaparecendo, partindo-se em pequenas partículas e, qual o nosso espanto que dentro em diversos locais, nos apareceu algumas letras, constituindo frazes, nomeando a pessoa que construiu este modelo, até um pequeno papel com o seu nome e local de residência, tudo com datas que iam de desde os anos de 1925 a 1938, o que nos deu a entender que devia de ser os anos que demorou a construir este precioso modelo!. (We brought the model and, at home, on a few days when time does not allow walking outside, we began to dismantle it, all with great sensitivity, recovering all the parts, even those that disappeared, and we are astonished that, in several places, some letters appeared to us, constituting phrases, naming the person who built this model, to a small paper with his name and place of residence, all with dates that went from the years 1925 to 1938, which gave us to understand that it must be the years that took to build this beautiful model)!.

…esta personagem era um carpinteiro de cenários dos teatros de Nova Iorque, fazia modelos de barcos e outros cenários para filmes e, este modelo era nem mais nem menos o modelo do célebre “Red Jacket” (Casaco Vermelho), que foi um navio da classe “clipper”, um dos maiores e mais rápidos já construídos, saindo dos estaleiros de Rockland, no estado do Maine, onde foi lançado à água no longínquo ano de 1853!. (This character was a carpenter of scenarios of New York theaters, made models of boats and other scenarios for films and, this model was nothing more nor less the model of the celebrated “Red Jacket”, that was a ship clipper class, one of the largest and fastest ever built, leaving the Rockland shipyards in the state of Maine, where it was launched to the water in the distant year 1853)!.

…no dia do seu lançamento, às onze da manhã, quarta-feira, 2 de novembro de 1853, foi auspicioso!. Centenas de espectadores de perto e de longe reuniram-se para testemunhar o grande espetáculo do lançamento do “Red Jacket”, onde de acordo com um artigo de jornal na Rockland Gazette, “… na própria enchente da maré e quando as multidões reunidas aguardavam ansiosamente seu movimento nos caminhos, o “Red Jacket” moveu-se de forma constante, graciosa e belamente, até que já estava flutuando seguramente nas águas da baía”)!. (On the day of its launch, at eleven in the morning, Wednesday, November 2, 1853, it was auspicious!. Hundreds of spectators from near and far gathered to witness the grand spectacle of the launch of the “Red Jacket”, where according to a newspaper article in the Rockland Gazette, “… in the flood of the tide and when the crowds gathered eagerly awaited their movement in paths, the “Red Jacket” moved steadily, gracefully and beautifully, until it was already floating safely in the waters of the bay”)!.

…este veleiro “Red Jacket”, foi batizado com o nome de um chefe nativo americano da Tribo Seneca, era inquestionávelmente o mais alto, o mais rápido e o mais bonito da frota de barcos à vela no estado do Maine e, como muitos outros cruzadores de água rápidos, que foram construídos apenas no período de 1850 a 1852, era um “clipper” de velocidade extrema que, logo na sua primeira viagem, estabeleceu o recorde de velocidade para os veleiros que cruzavam o oceano Atlântico viajando de Nova York para Liverpool em 13 dias, 1 hora e 25 minutos, de doca a doca!. (This “Red Jacket” sailboat, named after a Native American chief of the Seneca Tribe, was unquestionably the tallest, fastest and most handsome of the sailing fleet in the state of Maine and, like many others fast water cruisers, which were built only in the period from 1850 to 1852, was an extreme speed clipper which, on its first voyage, set the speed record for sailboats crossing the Atlantic traveling from New York to Liverpool in 13 days, 1 hour and 25 minutes, from dock to dock)!.

…nós, somos imigrantes e, é com algum orgulho que verificámos que, na sua história de vida, navegou para a imigração, pois em Liverpool, oRed Jacket” teve a sua parte trazeira coberta e cabines equipadas para o comércio de imigrantes australianos, chegando ao porto de Melbourne, na distante Austrália, em 69 dias, fazendo a viagem de volta em 73 dias, apesar do tempo perdido navegando pelos campos de gelo do Cabo Horn!. Continuou nesta linha, servindo no comércio de imigrantes até ao ano de 1867, quando se tornou num barco de carreira da costa australiana e indiana!. (We are immigrants and it is with some pride that we have seen that in your life history you have sailed for immigration, for in Liverpool the “Red Jacket” had its backside covered and booths equipped for the trade of Australian immigrants , arriving at the port of Melbourne in distant Australia in 69 days, making the trip back in 73 days, despite the time spent sailing through the Cape Horn ice fields!. It continued in this line, serving in the immigrant trade until the year 1867, when it became a career boat off the Australian and Indian coast)!.

…mais tarde, por volta do ano de 1872, a “Red Jacket” tornou-se num transportador de madeira do Quebeque para Londres, juntando-se aos cruzadores Marco Polo e Donald McKay, que “terminaram os seus dias” no comércio transatlântico de madeiras na província do Quebeque, no Canadá!. (Later, around the year 1872, the “Red Jacket” became a wooden conveyor from Quebec to London, joining the cruisers Marco Polo and Donald McKay, who “ended their days” in the transatlantic trade of woods in the province of Quebec, Canada)!.

…nos últimos anos da sua vida, navegou com a bandeira de Portugal, pois por volta do ano de 1883, o “Red Jacket” foi vendido para a Blandy Brothers, uma companhia de navegação portuguesa na ilha da Madeira, sem qualquer cerimónia, já despojado da beleza dos seus mastros e cordame, navegando no oceano Atlântico, puxado por outro barco, fazendo o transporte de carvão desde as ilhas de Cabo Verde para a ilha da Madeira e, nos seus últimos dias era uma barcaça de carvão!. (In the last years of his life, he sailed with the flag of Portugal, for around 1883, the “Red Jacket” was sold to Blandy Brothers, a Portuguese shipping company on the island of Madeira, without any ceremony, already stripped of the beauty of its masts and rigging, sailing in the Atlantic Ocean, pulled by another boat, transporting coal from the islands of Cape Verde to the island of Madeira, and in its last days was a coal barge)!.

…já usado como um “hulk”, que é um navio que está flutuando, mas incapaz de ir navegar em mar alto, terminou os seus dias durante uma tempestade em 15 de Dezembro de 1885, num vendaval, onde se separou das suas amarras e foi destruído em terra!. Algumas partes foram salvas, mas não há nenhum registro conhecido do resgate da sua figura impressionante ou da série ornamentada e berrante de esculturas da popa!. (Already used as a “hulk”, which is a ship that is floating but unable to sail on the high seas, ended its days during a storm on December 15, 1885, in a gale, where it separated from its moorings and was destroyed on land!. Some parts have been saved, but there is no known record of the rescue of his striking figure or the ornate and gaudy series of stern sculptures)!.

…o “Red Jacket”, foi o orgulho dos construtores de Rocklands, um verdadeiro navegante rápido dos mares, tinha 32 anos de aventuras e navegação!. Foi certamente uma vítima da linha de fundo, porque navios mais rentáveis estavam sendo colocados em serviço, ainda assim, os hábeis construtores de barcos da área de Rockland merecem muito crédito por produzir uma embarcação tão capaz de navegar, pois o seu recorde para a travessia transatlântica mais rápida por um veleiro comercial permanece intacto até hoje, mais de 150 anos depois de ter sido estabelecido!. (The “Red Jacket” was the pride of the builders of Rocklands, a veritable navigator of the seas, had 32 years of adventures and navigation!. He was certainly a bottom-line victim because more profitable ships were being put into service, yet the skilful builders of boats in the Rockland area deserve a lot of credit for producing a boat so capable of sailing because their record for crossing faster transatlantic by a commercial sailboat remains intact to this day, more than 150 years after it has been established)!.

…na época diziam que, nunca existiu um navio tão bonito como o “Red Jacket”!. Na verdade, foi dito que ela era a embarcação mais bonita já lançada pelos construtores navais americanos!. Construído e lançado em Rockland, Maine, o navio estava tão bem vestido do lado de fora quanto do lado de dentro!. Ao tempo, o jornal a Gazeta de Rockland ofereceu uma descrição de alguns dos tipos de madeira usados em sua construção interior, como por exemplo, “…a sua cabine é de 22 por 22 pés, folheada com pau-rosa, mogno, cetim, zebra e nogueira preta, com acabamento dourado e acabamento no mais alto estilo, além dessas características, o navio tinha uma bela moldagem de popa de 48 pés de comprimento, com o busto de um chefe índio (Red Jacket), completo com arabescos dourados”!. (At the time they said that there was never a ship as beautiful as the “Red Jacket”!. In fact, it was said that it was the most beautiful craft ever launched by American naval builders!. Built and launched in Rockland, Maine, the ship was as well dressed on the outside as on the inside! At the time, the Gazette de Rockland newspaper provided a description of some of the types of wood used in its interior construction, such as “… your cabin is 22 by 22 feet, veneered with rosewood, mahogany, satin, zebra and black walnut, with gold finish and finishing in the highest style, besides these characteristics, the ship had a beautiful molding of stern of 48 feet in length, with the bust of an Indian chief (Red Jacket), complete with arabesques golden”)!.

…e nós, embora não lhe possamos colocar essas madeiras exóticas, recuperámos totalmente a sua aparência e, hoje consideramos mais um troféu, que por aqui vai ficar, com votos para que a sua vida seja a de pelo menos outros tantos anos, como neste momento já tem este precioso modelo!. (And we, although we can not put these exotic woods, we have totally recovered their appearance and today we consider another trophy that will stay here, with votes for your life to be at least for so many years, as at this moment already has this beautiful model)!.

Tony Borie, May 2019.

…Feasts of the Holy Spirit!.

…Feasts of the Holy Spirit!.

…Festas do Espírito Santo!. (Feasts of the Holy Spirit)!.

…o telefone tocou!. Atendemos, era o casal amigo Manny e Mariana Farinha, dizendo:

– no próximo fim de semana, têm alguns planos?.

(The phone rang!. We attended, it was the couple friend Manny and Mariana Farinha, saying:

– In the next weekend, have some plans)?.

…nós, demonstrando alguma admiração, própria de pessoas que vivem a sua rotina, sem muitos planos de futuro, pois a já um pouco avançada idade ensinou-nos que, planos é a normal rotina do dia a dia, ou seja à volta da casa, sentando-nos à mesa a horas da normal refeição e, se for respirando normalmente e sem dores em qualquer parte do corpo, para nós, já é uma grande felicidade!.

…mas continuando, respondemos que não, então disseram-nos:

  – então vamos à outra costa da Flórida, à área do Golfo, mais própriamente à cidade de St. Petersburg, assistir às comemorações das festas do Espírito Santo, que se realizam no Clube Português local!.

(We, showing some admiration, own people who live their routine, without many plans for the future, because the already a little advanced age has taught us that, plans is the normal day to day routine, that is around of the house, sitting at the table at the time of the normal meal and, if you breathe normally and without pain in any part of the body, for us, it is already a great happiness!.

But continuing, we say no, then they told us:

– Then we go to the other coast of Florida, to the Gulf area, more exactly to the city of St. Petersburg, to attend the celebrations of the parties of the Holy Spirit, that take place in the local Portuguese Club)!.

…concordámos, referindo contudo que, havia ao longo da semana alguns apontamentos médicos, pelo menos em dois diferentes consultórios e, se os resultados fossem positivos, que iríamos com muita alegria!. (We agreed, however, that there were some medical notes during the week, at least in two different offices and, if the results were positive, that we would go with great joy)!.

…uns dias antes ficou tudo acertado, tal como um planejamento quase familiar, pois somos amigos de longos anos e, sendo um sentimento natural, é uma óptima maneira desta amizade ser praticada, honrando e respeitando a vontade das pessoas envolvidas!. (A few days before everything was settled, just like an almost familiar planning, because we are friends of long years and, being a natural feeling, it is a great way for this friendship to be practiced, honoring and respecting the will of the people involved)!.

…lá fomos, viajando por algumas horas, enfrentando algum tráfico nas cidades de Orlando e Tampa, que contornámos sem dificuldade, chegando ainda a tempo de ocupar um hotel na cidade de St. Peterburg!. (There we went, traveling for a few hours, experiencing some traffic in the cities of Orlando and Tampa, which we skirted without difficulty, still arriving in time to occupy a hotel in the city of St. Peterburg)!.

…chegados ao Clube Português, fomos recebidos com a simpatia de pessoas modestas, que se preocupam em servir os outros, não com todas aquelas palavras a que estamos acostumados a ouvir em outros eventos, em que alguém vem ao microfone por “faladura”, como por exemplo, “Senhoras e senhores, meninos e meninas, sejam bem vindos!. Vocês estão calorosamente convidados a se juntarem ao nosso mágico festival onde os sonhos se tornarão realidade, os corações se elevarão e vocês se tornarão uma parte da magia”!. (Arrived at the Portuguese Club, we were received with the sympathy of modest people, who care to serve others, not with all those words we are accustomed to hear at other events, where someone comes to the microphone for “foulness”, for example, “Ladies and gentlemen, boys and girls, welcome!. You are warmly invited to join our magical festival where dreams will come true, hearts will rise and you will become a part of magic!”).

…não, nada disso, foram palavras modestas, de gente também modesta que gosta de servir e receber as pessoas, fazendo-as passar uma excelente noite, com também excelente comida, música ambiente pelos músicos Eddy e António!. (No, none of these were modest words, of modest people who like to serve and welcome people, making them have a great night, with excellent food, ambient music by musicians Eddy and António)!.

…e, um conjunto de acordions que dá pelo nome de “Irmãos Justinos”, onde a Jennifer, o Jason e a Jessica, nos diliciaram com a música que lembra as nossas tradições portuguesas, com um acentuado e profundo sotaque das Ilhas dos Açores e da Madeira, onde as “desgarradas” e os “bailinhos”, nos faziam algumas vezes rir, outras até quase chorar de saudades, principalmente ao Manny e à Mariana, que estavam emocionados por ouvirem canções e motivos que, lhe faziam lembrar os seus tempos de juventude!. (And a set of chords that gives the name “Justinos Brothers”, where Jennifer, Jason and Jessica, gave us the music that reminds us of our Portuguese traditions, with a deep accent of the Islands of Azores and Madeira, where the “broken ones” and the “bailinhos” sometimes made us laugh, others even wept, especially to Manny and Mariana, who were thrilled to hear songs and motifs that reminded them of their youthful times)!.

…ao outro dia, depois de um pequeno almoço num restaurante local, voltámos ao Clube Português!. (The next day, after breakfast at a local restaurant, we have returned to the Portuguese Club)!.

…onde houve missa e procissão!. (Where there was mass and procession)!.

…com “cumprimento de promessas”!. (With “fulfillment of promises”)!.

…comida oferecida pela “Irmandade do Espírito Santo” e de novo música ambiente pelo duo Eddy e António!. (Food offered by the “Brotherhood of the Holy Spirit” and again ambient music by duo Eddy and Antonio)!.

…e danças pelo Grupo Folclórico Corações de Portugal, de Palm Coast, cidade onde vivemos!. (And dances by the Folkloric Group Hearts of Portugal, Palm Coast, city where we live)!.

…como curiosidade, lembramos que, a Festa do Espírito Santo é uma festa característica da vida das Ilhas dos Açores, que ajudou a desenvolver um sentido de comunidade característico da cultura das ilhas, onde os emigrantes e seus familiares, principalmente na América do Norte e em Portugal, que costumam regressar às ilhas para a celebrarem!. (As a curiosity, we remember that the Feast of the Holy Spirit is a characteristic feast of the life of the Azores, which helped to develop a sense of community characteristic of the culture of the islands, where emigrants and their families, especially in North and Portugal, who usually return to the islands to celebrate)!.

…oferecem as “Sopas do Espírito Santo”, onde alguns dedicados cozinheiros nos disseram que iniciaram a tarefa de cozinhar, por volta das duas horas da manhã, cuidando de grandes panelas cheias de condimentos, tais como, carne de bife, de porco, chouriça, batatas descascadas, repolho em quartos, hortelã e pão velho!. (Offer the “Soups of the Holy Spirit,” where some dedicated cooks told us that they began the cooking task around 2:00 a.m., taking care of large pots full of condiments, such as steak, pork , chorizo, peeled potatoes, cabbage in quarters, mint and old bread)!.

…estava tudo muito bem confeccionado, com uma apresentação excelente, podendo nós, apreciar os diversos recipientes sobre a mesa, cobertos com o caldo e derrama sobre o pão cortado em pequenos quadrados dentro de uma tigela de grande porção com folhas de hortelã por cima!. Outras travessas exibiam a carne, a chouriça repolho e outros vejetais, acompanhados com vinho tinto, água e refrigerantes, para quem desejasse comer esta ementa deliciosa, que foi oferecida a quem a quizesse!. (It was all very well made, with an excellent presentation, we could enjoy the various containers on the table, topped with the stock and pour over the bread cut into small squares inside a bowl of large portion with mint leaves by top!. Other dishes served with meat, chorizo cabbage and other vegetables, accompanied by red wine, water and soft drinks, for those who wanted to eat this delicious menu, which was offered to anyone who wanted)!.

…os habitantes das Ilhas dos Açores, acreditam que o Espírito Santo é uma divindade! Talvez um ser poderoso com uma personalidade decididamente humana e gostos e desgostos específicos, onde uma pomba com asas estendidas em cima de uma coroa de prata e um cetro de prata simbolizam o Espírito Santo para o bom povo dos Açores!. (The inhabitants of the Azores Islands, believe that the Holy Spirit is a deity! Perhaps a powerful being with a decidedly human personality and specific likes and dislikes, where a dove with wings spread over a silver crown and a silver scepter symbolize the Holy Spirit for the good people of the Azores)!.

…a Festa do Espírito Santo ocorre nas oito semanas entre a Páscoa e o Domingo da Trindade, embora hoje o feriado não seja amplamente comemorado em Portugal continental, as festividades espalharam-se principalmente para as Bermudas, Canadá, Estados Unidos ou Brasil e, é nas Ilhas dos Açores que mais florescem!. (The Feast of the Holy Spirit occurs in the eight weeks between Easter and Trinity Sunday, although today the holiday is not widely celebrated in mainland Portugal, festivities spread mainly to Bermuda, Canada, the United States or Brazil and , it is in the Islands of the Azores that most flourish)!.

…dizem-nos que esta lenda remonta à rainha Isabel de Portugal, que reinou entre 1295 e 1322, que ficou incomodada com as muitas pessoas pobres e famintas do seu país, implorando ao Espírito Santo que ajudasse seu povo faminto!. Prometeu vender as suas jóias e a coroa, se Ele, o Espírito Santo, a pudesse ajudar!. Em resposta aos pedidos da rainha Isabel, em poucos dias, dois navios apareceram num porto português!. Nenhum dos navios tinha seres humanos!. Os únicos conteúdos eram, gado num navio e grão no outro!. Esses navios foram considerados um milagre enviado pelo Espírito Santo!. Com este suprimento de gado e grãos, uma grande refeição de carne e pão foi preparada e um banquete servido aos pobres!. (Tell us that this legend goes back to Queen Isabel of Portugal, who reigned between 1295 and 1322, who was troubled by the many poor and hungry people of her country, begging the Holy Spirit to help her hungry people!. He promised to sell his jewels and crown, if He, the Holy Spirit, could help! In response to the requests of Queen Isabel, in a few days, two ships appeared in a Portuguese port!. None of the ships had humans!. The only contents were, cattle in one ship and grain in the other! These ships were considered a miracle sent by the Holy Spirit!. With this supply of cattle and grain, a great meal of meat and bread was prepared and a feast served to the poor)!.

…obrigado aos amigos do coração Manny e Mariana pelos bons momentos que nos proporcionaram, assim como a todas as pessoas que com o seu sacrifício e dedicação, mantêm aberta a Associação Litoral-Americana Portuguesa, que é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 1979 e está localizada lá na costa do Golfo, na cidade de São Petersburgo, no estado da Flórida!. (Thanks to the friends of the heart Manny and Mariana for the good moments they have given us, as well as all the people who, with their sacrifice and dedication, keep open the Portuguese-American Association of Litoral-Americana, a non-profit organization founded in 1979 and is located there on the Gulf Coast in the city of St. Petersburg in the state of Florida)!.

Tony Borie, May 2019.

…Lusotropicalism!.

…Lusotropicalism!.

…lusotropicalismo!. (Lusotropicalism)!.

…a história universal hoje explica-nos que, por volta da década de 1950, um número crescente de movimentos anti-coloniais africanos pedia a independência total dos territórios africanos ultramarinos do então governo colonialista de Portugal!. Alguns, com o apoio de outras nações, queriam a autodeterminação nacional, enquanto outros queriam uma nova forma de governo baseada em princípios marxistas!. (Universal history today explains to us that by the 1950s, an increasing number of anti-colonial African movements called for full independence from the overseas African territories of Portugal’s then colonial government!. Some, with the support of other nations, wanted national self-determination, while others wanted a new form of government based on Marxist principles)!.

…os líderes do então governo colonial de Portugal, tentavam afastar os apelos à independência defendendo uma política de assimilação, multirracialismo e missão civilizadora, ou lusotropicalismo, como forma de integrar as então colónias portuguesas e os seus povos, mais estreitamente com o próprio governo, àquela data colonialista, pois para o então regime governante português, o império ultramarino era uma questão de interesse nacional, a ser preservada a todo custo!. (The leaders of Portugal’s then colonial government tried to fend off calls for independence by defending a policy of assimilation, multi-racialism and civilizing mission, or lusotropicalism, as a way of integrating the then Portuguese colonies and their peoples, more closely with their own government, to that colonialist date, because for the then Portuguese ruling regime, the overseas empire was a matter of national interest, to be preserved at all costs)!.

…chegaram mesmo ao ponto de, já por volta do ano de 1919, um delegado português na Conferência Internacional do Trabalho em Genebra declarar que, “A assimilação das assim chamadas raças inferiores, através do cruzamento, por meio da religião cristã, pela mistura dos elementos mais amplamente divergentes como a liberdade de acesso aos mais altos cargos do Estado”, dizendo mesmo que, lá na Europa, onde Portugal continental estava situado, que eram estes os princípios que sempre guiaram a colonização portuguesa na Ásia, na África, no Pacífico e, anteriormente, na América do Sul!. (Came to the point that by the year 1919 a Portuguese delegate to the International Labor Conference in Geneva stated that “The assimilation of the so-called inferior races, through the crossing, through the Christian religion, through the a mixture of the most widely divergent elements, such as freedom of access to the highest positions of the State”, even saying that, in Europe, where continental Portugal was situated, these were the principles that always guided Portuguese colonization in Asia, in the Pacific and, previously, in South America)!.

…claro que tudo isto era propaganda, pois na verdade, nós, mais tarde estivemos lá, vivemos durante dois anos o conflito armado da guerra de libertação, que opunha o governo colonialista Português de então, aos diversos grupos organizados e armados, que lutavam pela liberdade e independência dos seus territórios, falámos e convivemos com locais, nativos de aldeias rurais que, por uma razão ou por outra se tornaram nossos companheiros, vimos, presenciámos e, pelo menos no território da então Guiné Portuguesa, havia segregação, onde a mistura de raças não existia, havendo critérios restritos de qualificação que afinal, a mesma história nos acabou por confirmar!. (Of course all of this was propaganda, for in fact we were there later, for two years we lived the armed conflict of the liberation war, opposed by the Portuguese colonialist government of that time, to the various organized and armed groups that they fought for the freedom and independence of their territories, we talked and lived with local people, natives of rural villages who, for one reason or another, became our companions, we saw, we witnessed, and at least in the territory of then Portuguese Guinean there was segregation, where the mixture of races did not exist, and there are strict qualification criteria that, after all, the same story has confirmed us)!.

…havia uma percentagem muito pequena, talvez menos de um por cento para que as pessoas negras se tornassem naquela época, cidadãos portugueses completos e, o exército colonial português foi amplamente segregado em termos de raça e etnicidade, pelo menos até aos anos da nossa estadia, onde havia originalmente três classes de soldados no serviço ultramarino português, que eram os soldados comissionados (brancos), soldados estrangeiros (africanos assimilados) e africanos nativos ou indígenas (indigenato), onde, como anteriormente dissemos, por volta dos anos da nossa estadia, essas categorias foram renomeadas para 1ª, 2ª e 3ª classes!. (There was a very small percentage, perhaps less than one per cent for black people to become at that time, complete Portuguese citizens, and the Portuguese colonial army was largely segregated in terms of race and ethnicity, at least until the (soldiers), foreign soldiers (assimilated Africans), and native or indigenous Africans (indigenato), where, as we said earlier, around the years of our stay, these categories were renamed to 1st, 2nd and 3rd class)!.

…o acesso à educação básica, secundária e técnica permaneceu muito fraco, não só até à data da nossa estadia, como se prolongou, onde alguns africanos puderam frequentar escolas localmente ou, em alguns casos, em Portugal continental, tendo isto resultado na sua educação superior, e claro, um conhecimento mais profundo do regime colonial de segregação que então se vivia que, proporcionou o avanço de certas pessoas de cor negra, então considerados portugueses, como por exemplo, Samora Machel, Marcelino dos Santos, Agostinho Neto, Amílcar Cabral, Jonas Savimbi, Joaquim Chissano ou Graça Machel entre outros que, revoltados com a presente situação, se tornariam personagens proeminentes, começando uma guerra de libertação e as suas consequências, onde mais tarde foram considerados lideres africanos e heróis nacionais na Guerra de Libertação das Colónias Portuguesas!. (Access to basic, secondary and technical education remained very weak, not only up to the date of our stay, but also prolonged, where some Africans were able to attend schools locally or, in some cases, in mainland Portugal, his superior education, and of course, a deeper knowledge of the colonial regime of segregation then lived, which provided the advancement of certain black people then considered Portuguese, such as Samora Machel, Marcelino dos Santos, Agostinho Neto, Amílcar Cabral, Jonas Savimbi, Joaquim Chissano or Graça Machel among others who, in revolt with the present situation, would become prominent characters, beginning a war of liberation and its consequences, where later they were considered African leaders and national heroes in the War of Liberation of the Colonies Portuguese)!.

…assim, nós ainda jovens, quase crianças, oriundos da Europa, com uma educação de aldeia, onde os princípios honestos de família vinham de há séculos, fomos arrancados do cenário da nossa aldeia na encosta agreste da montanha do Caramulo, mobilizados, treinados à pressa e enviados no porão de um navio de carga, navegando para sul no oceano Atlântico até à costa do continente africano, para combater pessoas que nunca antes tínhamos visto e nada tínhamos em contra, fazendo parte do contingente europeu que lutava na então Guerra Colonial Portuguesa!. (So we, still young people, almost children, from Europe, with a village education, where the honest principles of family came from centuries ago, we were uprooted from the setting of our village on the rugged hillside of Caramulo mountain, mobilized, trained in a hurry and sent in the hold of a cargo ship, sailing south in the Atlantic Ocean to the coast of the African continent, to fight against people we had never seen before and had nothing against, being part of the European contingent fighting in the then Portuguese Colonial War)!.

…fomos viver um cenário onde não se explicavam as injustiças, os actos de profunda repugnância e violência, onde resultavam, combates, mêdo, fúria e muitas mortes, onde a angústia, o desespero e o medo, nos colocava numa situação horrível, onde entre outras coisas o álcool, nos aliviava a mente, pelo menos por momentos, pois este cenário estava lá, estava sempre presente, era a cara da guerra, com feridos e mortos em combate para ambos os lados, incluindo a população civil desarmada!. (We went to live in a scenario where injustices, acts of deep repugnance and violence, where fighting, fear, fury and many deaths resulted, where anguish, despair and fear, caused us a horrible situation, where, among other things, alcohol alleviated our minds, at least for a moment, because this scenario was there, it was always present, it was the face of war, with wounded and dead in combat on both sides, including the unarmed civilian population)!.

…era o rosto da guerra, numa África de então, onde numa terra com um chão fértil, era um território onde os famintos, os doentes, os analfabetos e a miséria eram constantes e, infelizmente continuaram, mesmo depois, quando parecia que já havia paz, fazendo-nos lembrar que defacto nós europeus, saímos de África físicamente, mas possívelmente não trouxémos as armas, as bombas e as balas, deixando lá apenas, como seria nossa inteira obrigação, todas as maravilhosas armas da paz do século XX!. (Was the face of war, in an Africa of that time, where in a land with a fertile ground, it was a territory where the hungry, the sick, the illiterate and the misery were constant and, unfortunately, continued, even later, when it seemed there was already peace, reminding us that we Europeans, we left Africa physically, but possibly we did not bring guns, bombs and bullets, leaving there only, as would be our obligation, all the wonderful weapons of peace of the twentieth century)!.

…quando uns anos depois regressámos à nossa aldeia, lá na encosta agreste da montanha do Caramulo, com pouca ou nenhuma vontade em acreditar na palavra “esperança”, como veteranos de combate, passando por algumas experiências de vida mais traumáticas que se possam imaginar, a família que nos recebeu, sabia, notava imediatamente, que alguma coisa estava mal connosco, pela nossa linguagem, maneira de se comportar, que estávamos diferentes, talvez um pouco loucos e algo agressivos!. (When a few years later we returned to our village, on the rugged hillside of the Caramulo mountain, with little or no desire to believe in the word “hope”, as veterans of combat, experiencing some more traumatic life experiences imaginable, the family that received us, knew, noticed immediately, that something was wrong with us, by our language, way of behaving, that we were different, maybe a little crazy and something aggressive)!.

…a maldição de um veterano de guerra, é que nunca esquece!. Ainda hoje, mais de cinquenta anos depois, o corpo e a mente de um veterano de guerra, reage automáticamente aos disparos da memória, sentindo de novo, em certos momentos, as feridas, o medo e o horror que por si passaram, enquanto presente num cenário de combate!. Contudo, já o dissémos em algumas vezes, o mêdo ou talvez coragem, que nos ajudou a sobreviver num campo de batalha, não funciona muito bem agora, nesta avançada idade, mas ainda vai sendo possível assumir o control dessa horrível vivência e, vamos continuando a expulsar alguma energia positiva que nos resta, daquela que nos foi roubada, pelo desastre da Guerra Colonial Portuguesa, em África!. (The curse of a war veteran, is that he never forgets!. Even today, more than fifty years later, the body and mind of a war veteran reacts automatically to the shots of the memory, feeling again, at certain times, the wounds, the fear and the horror that they passed as a present in a combat scenario!. However, we have said it sometimes, the fear or perhaps courage, that has helped us survive on a battlefield, does not work very well now, at this advanced age, but it is still possible to take control of this horrible experience and, to expel some of the positive energy we have left over from the one that was stolen from us by the disaster of the Portuguese Colonial War in Africa)!.

…servir a nação numa zona de guerra, é um preço muito elevado!. Na lotaria da vida pode-nos sair um bilhete premiado com a morte!. Com alguma sorte podemos sobreviver mas, o síndrome de guerra, leva-nos por todo o tempo do resto das nossas vidas, a uma pesada viajem no Coração das Trevas!. Não mais esquecemos a jornada de um soldado combatente numa mortífera guerra de guerrilha, de um país que nos USOU e nos ESQUECEU, desde a nossa mobilização na época de uma pré-guerra, passando pela miserável experiência no campo de batalha, até a um difícil retorno de pós-guerra, sempre nos IGNORANDO!. (Serving the nation in a war zone, is a very high price!. In the lottery of life can leave us a ticket rewarded with death!. With some luck we can survive, but the war syndrome takes us all the way through the rest of our lives, to a heavy trip in the Heart of Darkness!. We no longer forget the journey of a combatant soldier in a deadly guerrilla war, from a country that USED us and FORGOTTEN us, from our mobilization in the prewar period, through the miserable experience on the battlefield, to a difficult one post-war return, always IGNORING us)!.

…na nossa já um pouco avançada idade, um sorriso cria a felicidade em casa e traz descanso ao cansado, alegria para o desanimado, sol para o triste, sendo talvez um dos melhores antídotos da natureza para aqueles problemas, que principalmente as pessoas já sem muitas ocupações, recordam o seu passado, vivem das recordações e vivências de quando eram jovens, já cansadas demais para sorrirem, mas precisam de um sorriso para os estimularem e, ninguém é tão rico ou poderoso que se possa dar bem sem ele, assim como também ninguém é tão pobre, que não se sinta enriquecido por o receber!. (In our already somewhat advanced age, a smile creates happiness at home and brings rest to the tired, joy to the discouraged, sun to the sad, being perhaps one of nature’s best antidotes to those problems, especially people already without many occupations, remember their past, live from memories and experiences of when they were young, too tired to smile, but need a smile to stimulate them, and no one is so rich or powerful that you can do well without it, just as no one is so poor that he does not feel enriched by receiving it)!.

…os dirigentes políticos do Portugal de hoje, podiam pelo menos nos acenar, levantando a mão, dizendo-nos “Olá”, mesmo que fosse uma saudação talvez não verdadeira, era um pequeno sinal que reparavam em nós, “Veteranos de Guerra”, que ainda andamos por cá, claro, sendo cada vez menos, pois a idade não perdoa!. (The political leaders of Portugal today could at least waved us, raising their hands, saying “hello”, even if it was a greeting perhaps not true, it was a small sign they noticed us, “Veterans of War”, hat we still walk around, of course, being less and less, because age does not forgive)!.

Tony Borie, April 2019.