…os furacões!. (…the hurricanes)!.

…quando caminhamos pelos diversos trilhos que existem ao redor do lugar onde vivemos, o cenário tornou-se um pouco diferente!. Porquê?. Porque é o início da temporada dos furacões no Atlântico e, apesar de ainda estarmos em Junho, “eles” já andam por aí!. É um fenómeno quase natural, onde existe uma lenta deslocação de grandes sistemas de baixa pressão que geralmente requerem água tropical quente para se poder formar e fortalecer!. 

(…when we walked along the various trails that exist around the place where we live, the scenery became a little different!. Because?.Because it’s the beginning of the Atlantic hurricane season and, even though it’s still June, “they” are already out there!. It is an almost natural phenomenon, where there is a slow displacement of large low pressure systems that generally require warm tropical water to form and strengthen)!

…e “eles”, os furacões passam por aqui numa variedade de tamanhos, e nós, vamos classificando-os apenas pela velocidade do vento!. Ou seja, vamos dizendo que este é grande, médio ou pequeno, porque antes de se tornarem num furacão, existem várias etapas, e quando um grande aglomerado de tempestades se torna persistente e organizada o suficiente para ter uma circulação “fechada” no vento de superfície, então sim, é denominado um furacão tropical, e neste caso, nós, já com alguma experiência, tomamos as devidas precauções!. 

…and “them”, hurricanes pass through here in a variety of sizes, and we’re just going to classify them by wind speed!. That is, let’s say this is big, medium or small, because before they become a hurricane, there are several stages, and when a large cluster of storms becomes persistent and organized enough to have a “closed” circulation in the wind from surface, so yes, it is called a tropical hurricane, and in this case, we, with some experience, take the necessary precautions)!.

…continuando, “eles”, vindos do Atlântico, afastam-se das Bermudas a caminho do Golfo do México, Alabama, Louisiana e Texas, vão destruindo parte na natureza, porque podem produzir grandes quantidades de chuva e ventos fortes o suficiente para causar sérios danos à vegetação, queda de árvores ou galhos, destruindo sobretudo linhas de energia eléctrica ou telhados em casas de habitação e às vezes, infelizmente as vitimas são humanas!.

(…continuing “they”, coming from the Atlantic, move away from Bermuda on the way to the Gulf of Mexico, Alabama, Louisiana and Texas, they go on destroying part of nature, because they can produce large amounts of rain and winds strong enough to cause serious damage to vegetation, falling trees or branches, mainly destroying electricity lines or roofs in houses and sometimes, unfortunately, the victims are human0!.

…na sua passagem transformam a paisagem, com cercas derrubadas, algumas copas das árvores desaparecem, parecendo até que existe mais céu, o nível dos rios e riachos sobe assustadoramente, os lagos e lagoas transbordam, os “alligatores” (crocodilos) vêm para os quintais das casas procurando abrigo, algumas residências ficam cercadas pela água corrente, enfim, tudo se transforme num cenário com alguns danos caóticos!.

(…in their passage, they transform the landscape, with fences knocked down, some treetops disappear, it even seems that there is more sky, the level of rivers and streams rises frighteningly, lakes and ponds overflow, “alligators” come to the backyards of houses looking for shelter , some homes are surrounded by running water, in short, everything becomes a scene with some chaotic damage)!.

…mas tudo vai passando e nesta época, pela manhã de um sábado ou domingo, normalmente é bom tempo, todavia, ao final da tarde de uma qualquer quarta ou quinta-feira, existe alguma chuva, trovoada e por vezes vento forte!.

(…but everything goes by and at this time, on a Saturday or Sunday morning, it is usually good weather, however, in the late afternoon of any Wednesday or Thursday, there is some rain, thunder and sometimes strong wind)!.

…mas, é só até Agosto, princípios de Setembro, depois é bom tempo e, a título de curiosidade, recordamos que o furacão mais intenso do Atlântico já registrado é o de “Allen”, no ano de 1980, com ventos sustentados de 190 mph, e o furacão mais intenso que atingiu o continente nos Estados Unidos foi o furacão do “Dia do Trabalho”, do ano  de 1935, com ventos sustentados de 185 mph!.

(…but it’s only until August, early September, then it’s good weather and, just out of curiosity, we remind you that the most intense hurricane in the Atlantic ever recorded is that of “Allen”, in 1980, with sustained winds of 190 mph, and the most intense hurricane that hit the continent in the United States was the “Labor Day” hurricane of the year 1935, with sustained winds of 185 mph)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…palavras mágicas!. (magic words)!.

…já lá vão quase duas décadas e, foi na companhia da nossa esposa Isaura, companheira por mais de meio século, que nos mudámos vindos do norte para o estado da Flórida, onde além de veteranos de guerra, hoje somos  sobreviventes da doença câncer!.

(…it’s been almost two decades now and it was in the company of our wife Isaura, a partner for more than half a century, that we moved from the north to the state of Florida, where in addition to war veterans, we are now cancer survivors)!.

…simples!. Alguém nos perguntou quando havia feito um check-up físico completo pela última vez?. Não nos lembrávamos mas, depois de uma consulta médica com exames de laboratório, ficámos chocados quando nos foi diagnosticado uma forma agressiva de câncer de próstata!.

(…simple!. Did someone ask us when you last had a full physical check-up?. We couldn’t remember but, after a medical appointment with laboratory tests, we were shocked when we were diagnosed with an aggressive form of prostate cancer)!.

…o mundo para nós mudou e a mente também!. A princípio, pensámos que todos os nossos normais problemas de vida tinham acabado ou estabilizado, agora o problema era só um, a luta pela cura do maldito câncer e, já não éramos nós, passámos a ser um pacote de dinamite que iria explodir, era uma questão de tempo!.

(…the world for us has changed and so has the mind!. At first, we thought that all our normal life problems were over or stabilized, now the problem was just one, the fight to cure the damned cancer and, it wasn’t us anymore, we were a package of dynamite that would explode, it was a matter of time)!.

…seguiram-se mais análises e uns tempos depois, com muitas noites sem dormir, começámos a mentir a nós mesmos, gritando bem alto, “sou mais forte que o câncer”, iniciando os dolorosos tratamentos, onde de dia para dia, se ia perdendo grande parte da vontade de viver!.

(…more analyzes followed and some time later, with many sleepless nights, we started to lie to ourselves, screaming loudly, “I’m stronger than cancer”, starting the painful treatments, where day by day you went losing much of the will to live)!.

…mas as tais palavras mágicas “sou mais forte que o câncer” surgiam no horizonte do nosso pensamento, sentilando, escritas em letras grandes, às vezes com luzes de diversas cores, querendo divulgar uma mensagem, conectando-nos com o resto do mundo, com outras pessoas que sofriam da mesma doença, mas sorriam explicando-nos as suas paixões, alegrias ou medos, transformando os desafios da vida em amor, esperança e alguma gratidão por estar-mos a ser tratados e observados por profissionais da maldita doença!.

(…but the magic words “I am stronger than cancer” appeared on the horizon of our thinking, feeling, written in large letters, sometimes with lights of different colors, wanting to spread a message, connecting us with the rest of the world, with other people who suffered from the same disease, but smiled explaining their passions, joys or fears, transforming life’s challenges into love, hope and some gratitude for being treated and observed by professionals of the damn disease)!.

…e ao fim de quase um ano, deram-nos por normais e saudáveis pessoas, embora sujeitas a um certo rigor alimentar, exercícios fisicos regulares e análizes frequentes e, cremos mesmo que vivemos mais emoções neste ano de vida, desde o diagnóstico até ao final do tratamento, do que vivemos nos anos anteriores a isto, recebendo mais abraços, carinho e alguns olhares de compaixão, do que normais apertos de mão!.

(…and after almost a year, they considered us to be normal and healthy people, although subject to a certain dietary rigor, regular physical exercise and frequent analyses, and we really believe that we experience more emotions in this year of life, from diagnosis to end of treatment, of what we experienced in the years before this, receiving more hugs, affection and some compassionate looks than normal handshakes)!.

…depois, pensando que às vezes a doença câncer é um tiro certeiro que nos diz, “ei, não vamos ficar aqui para sempre e, se  há coisas que desejamos fazer, é melhor fazê-las já”!. E claro, seguindo este lema, começámos a escrever, no entanto, as primeiras 50 páginas foram apagadas, não querendo olhar para trás, mas hoje, compartilhamos com o mundo a nossa experiência de vida, que nos vai ajudando, tornando-se parte integrante da nossa cura!.

(…then thinking that sometimes the disease cancer is a straight shot that tells us, “hey, we’re not going to stay here forever and if there are things we want to do, we better do them now”! Of course, following this motto, we started to write, however, the first 50 pages were erased, not wanting to look back, but today, we share with the world our life experience, which helps us, becoming an integral part of our cure)!.

…lentamente, vamos fazendo longas caminhadas, tendo contacto permanente com a natureza, adorando o calor do sol ou receber a chuva no corpo e às vezes, ficamos “molhados até aos ossos”, dedicando algum tempo à fotografia, principalmente da natureza, onde podemos encontrar directamente a vida selvagem, de pássaros até aos crocodilos, assim como todas as belezas naturais que a área onde vivemos tem para nos oferecer!.

(…slowly, we go on long walks, having permanent contact with nature, adoring the heat of the sun or receiving the rain on our bodies and sometimes we get “wet to the bone”, dedicating some time to photography, especially in nature, where we can directly encounter wildlife, from birds to crocodiles, as well as all the natural beauty that the area where we live has to offer)!.

…e claro, algumas viajens com aventura, preenchendo a nossa vida com actividades importantes, como visitas à família ou amigos e, quando nos estamos sentindo menos bem, lembramos as palavras mágicas, “sou mais forte que o câncer”!.

(…and of course some adventure travel, filling our life with important activities like visiting family or friends and when we’re feeling less well we remember the magic words, “I’m stronger than cancer”)!.

…e, tal como no início, quando nos foi diagnosticada a doença, cremos que mentíamos a nós mesmos, era normal, andávamos um pouco perdidos e é normal se sentir perdido às vezes, no entanto, quando dizíamos que sabíamos o que queríamos, hoje, cremos que estávamos mentindo, mas era uma mentira que nos ajudava a sobreviver!.

(…and, just like in the beginning, when we were diagnosed with the disease, we believed that we lied to ourselves, it was normal, we walked a little lost and it’s normal to feel lost sometimes, however, when we said we knew what we wanted, today , we believe we were lying, but it was a lie that helped us survive)!.

…somos sobreviventes da doença câncer, já lá vai dezena e meia de anos e, afortunadamente, tudo bem, tudo bem, tudo bem!.

(…we are cancer survivors, it’s been ten and a half years and, luckily, it’s ok, it’s ok, it’s ok)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…a Tundra do Ártico, Alaska!. (…the Artic Tundra, Alaska)!.

…”quando cruzámos aquela grande linha, lá no polo norte, viajando numa estrada deserta construída sobre a Tundra, que é uma área onde o subsolo é “permafrost”, ou seja, solo permanentemente congelado, formando uma planície sem árvores ou plantas de baixo crescimento, como o musgo ou a urze, onde a terra é nua e às vezes rochosa que inclui vastas áreas do norte da Rússia e Canadá, até à região de Prudhoe Bay, junto do Oceano Ártico, onde ao tocar-mos naquele chão e naquela água, tivémos a sensação do previlégio que é viver, de que a vida deve ser preservada e de quanto importante ela é!.

(…”when we crossed that great line, down at the north pole, traveling on a desert road built over the Tundra, which is an area where the subsoil is“ permafrost ”, that is, permanently frozen soil, forming a plain without trees or plants below growth, such as moss or heather, where the land is bare and sometimes rocky that includes vast areas of northern Russia and Canada, up to the Prudhoe Bay region, next to the Arctic Ocean, where when we touch that ground and that water, we had the feeling of the privilege that it is to live, that life should be preserved and how important it is)!.

…porquê?. Porque no nosso caso, descendentes do povo “Celta”, que formaram um ramo da família indo-europeia e se espalharam por grande parte da Península Iberica, onde está localizado o país Portugal onde nascemos e, quando crianças em pleno crescimento, corríamos descalços e com pouca roupa no corpo, descendo ou subindo aquelas encostas agrestes, imitando os guerreiros medievais, e claro, por norma ainda somos aventureiros, gostamos do mar, da natureza pura e de procurar lugares exóticos!.

(…because?. Because in our case, descendants of the “Celtic” people, who formed a branch of the Indo-European family and spread over a large part of the Iberian Peninsula, where the country where Portugal was born is located and, when children were growing up, we ran barefoot and with little clothes on their bodies, going down or going up those rough slopes, imitating medieval warriors, and of course, as a rule we are still adventurers, we like the sea, the pure nature and looking for exotic places)!.

…uau, desculpem o desabafo e vamos à história de hoje!. 

…wow, sorry for the outburst and let’s go to today’s story)!.

…ao contrário da maioria das pessoas que experimentaram o extremo norte, vimos a “Tundra Ártica” viajando na companhia da nossa dedicada esposa Isaura, companheira de vida por mais de meio século, numa rota de aventura para o norte, desde a cidade de Fairbanks, no Alaska e, não havendo sinal de GPS, seguimos guiados quase pelo nosso fascínio infantil por aventuras e mapas descrevendo lugares exóticos, como acima já explicámos!.

(…unlike most people who have experienced the far north, we saw the “Arctic Tundra” traveling in the company of our dedicated wife Isaura, life companion for more than half a century, on an adventure route north from the city of Fairbanks , in Alaska and, with no GPS signal, we continue to be guided almost by our childhood fascination with adventures and maps describing exotic places, as we explained above)!.

…não era a primeira vez!. Alguns anos atrás já tínhamos tentado, entrando no início desta famosa rota, percorrendo mesmo algumas milhas, mas a chuva, o nevoeiro, o vento, o frio, a neve e os acidentes que havia pelo percurso, além dos avisos feitos pelas pessoas de uniforme, alguns militares, que frequentemente nos apareciam, fizeram com que desanimados, voltásse-mos para trás, desistindo, percorrendo um caminho de regresso com alguma revolta, jurando que um dia havia-mos de nela viajar, pelo menos até ao Circulo Ártico!. 

(…it was not the first time!. A few years ago we had already tried, entering the beginning of this famous route, covering even a few miles, but the rain, the fog, the wind, the cold, the snow and the accidents that were on the route, in addition to the warnings given by the people in uniform , some military personnel, who frequently appeared to us, made us discouraged, turning back, giving up, following a path of return with some revolt, swearing that one day we would travel there, at least to the Arctic Circle)!.

…assim começámos de novo esta nossa aventura, que frustrados e revoltados, fomos obrigados a desistir uns anos atrás!. Agora o tempo estava a nosso favor, um céu limpo, não sendo necessário esperar por outros aventureiros para seguir em “combóio”!. Seguimos sózinhos em frente, convictos de que o lema é, “Conduzir no Dalton Highway, é uma aventura, talvez uma vez na vida, mas os viajantes devem preparar-se para se saber defender sózinhos”!.

(…so we started this adventure again, which, frustrated and angry, we were forced to give up a few years ago!. Now the weather was on our side, a clear sky, and there was no need to wait for other adventurers to go on “train”!. We move on alone, convinced that the motto is, “Driving on the Dalton Highway is an adventure, maybe once in a lifetime, but travelers should be prepared to know how to defend alone”)!.

…era num mês de verão e naquela posição geográfica, porque viajávamos para lá do paralelo 48.º N, havia pelo menos mais de vinte horas com luz do dia e até algum sol, como tal, por mais que os nossos olhos se concentrássem no horizonte, nunca veríamos a aurora boreal com as suas cores verde, azul ou amarelas, dançando no alto das cristas dos picos brancos e brilhantes, alguns cobertos de neve, enquanto cruzávamos a divisão do Ártico!. Assim, além da aventura, era uma exploração diferente, e daquele dia em diante, um pequeno pedaço do ártico, para nós, não era mais apenas um ponto atraente no mapa!.

(…it was a summer month and in that geographical position, because we traveled beyond the parallel 48º N, there were at least more than twenty hours in daylight and even some sun, as such, no matter how much our eyes focused on horizon, we would never see the aurora borealis with its green, blue or yellow colors, dancing on top of the ridges of the white and shiny peaks, some covered with snow, while crossing the Arctic division !. So, in addition to the adventure, it was a different exploration, and from that day on, a small piece of the arctic, for us, was no longer just an attractive point on the map)!.

…pela manhã, ao deixar-mos a cidade de Fairbanks, a floresta boreal no sopé das montanhas mostrava um cenário brilhante e, ao longe erguiam-se os cumes rochosos e acidentados, polvilhados com neve, fazendo sobressair um céu azul cobalto!. As vistas da vida selvagem não eram muitas mas ouviam-se as corujas-gavião ou mesmo algumas águias, que voavam daqui para ali e até um urso pardo cruzando um pequeno lago onde os castores nadavam activamente, talvez preparando-se para a sua vida de inverno!.

(…in the morning, when we left the city of Fairbanks, the boreal forest at the foot of the mountains showed a brilliant scenery and, in the distance, the rocky and rugged peaks sprinkled with snow, making a cobalt blue sky stand out!. The views of the wildlife were not many, but the hawks owls or even some eagles could be heard flying from here to there and even a grizzly bear crossing a small lake where the beavers were actively swimming, perhaps preparing for their life Winter)!.

…já por diversas vezes escrevemos sobre a Estrada James Dalton, no Alaska, que alguns chamam “Haul Road”, que é uma das poucas estradas na terra que nos conecta ao Ártico!. Construída no ano de 1974 para atender ao Oleoduto Trans-Alaska e aos campos de petróleo ao redor de Prudhoe Bay e que divide algumas das áreas selvagens mais remotas e atraentes do Alaska!. Não é realmente uma estrada, mas uma faixa de serviço ampla, onde nos aparecem longos troços de lama ou cascalho grosseiro, a “Dalton Highway” começa na floresta boreal do Alaska, aproximadamente a 85 milhas (135 Km) ao norte de Fairbanks!. 

(…we have written several times about James Dalton Road in Alaska, which some call “Haul Road”, which is one of the few roads on earth that connects us to the Arctic!. Built in 1974 to serve the Trans-Alaska Pipeline and the oil fields around Prudhoe Bay and it divides some of the most remote and attractive wilderness areas in Alaska !. It is not really a road, but a wide service strip, where long stretches of mud or coarse gravel appear, the “Dalton Highway” begins in the boreal forest of Alaska, approximately 85 miles (135 km) north of Fairbanks)!.

….segue sinuosamente para o norte, atravessando a floresta, rios frígidos, a tundra alpina, os contrafortes e montanhas da cordilheira Brooks e da encosta norte e, 414 milkas (666 km) depois, termina na planície costeira ártica, a algumas milhas do Mar de Beaufort, no pequeno posto avançado industrial de Deadhorse, porta de entrada para o enorme complexo industrial de petróleo que domina quase toda a planície costeira!. 

(…winds northwards, crossing the forest, frigid rivers, the alpine tundra, the foothills and mountains of the Brooks mountain range and the northern slope and, 414 milkas (666 km) later, ends in the Arctic coastal plain, a few miles from Mar de Beaufort, at the small industrial outpost of Deadhorse, gateway to the huge industrial oil complex that dominates almost the entire coastal plain)!.

…a estrada é acidentada e os serviços são extremamente limitados e, como anteriormente já explicámos, os viajantes devem ser auto-suficientes e bem preparados!. Mas para aqueles que são atraídos por espaços vazios e exóticos tal como nós, esta rota oferece-nos uma oportunidade incomparável de descobrir um pedaço de deserto ártico e alguma vida selvagem que lá existe!. 

(…the road is bumpy and services are extremely limited and, as we have already explained, travelers must be self-sufficient and well prepared!. But for those who are attracted to empty and exotic spaces just like us, this route offers us an incomparable opportunity to discover a piece of arctic desert and some wildlife that exists there)!.

…o Oleoduto Trans-Alaska quase que nos acompanha e, a cada subida, descida ou curva da estrada, revela-nos a imensidão da paisagem!. Nas encostas, os abetos escuros retorcem-se no meio de alguns álamos verdes aqui e ali, mostrando vestígios de incêndios de verão!. Mais ao norte, além do pequeno povoado de Coldfoot, onde parámos para comprar gasolina e café, o sopé acidentado da cordilheira Brooks começa a invadir a estrada!.

(…the Trans-Alaska Oil Pipeline almost accompanies us and, with each climb, descent or curve of the road, it reveals the immensity of the landscape!. On the slopes, the dark fir trees twist in the middle of some green poplars here and there, showing traces of summer fires!. Further north, beyond the small town of Coldfoot, where we stopped to buy gasoline and coffee, the rugged foothills of the Brooks mountain range begin to invade the road)!.

…a Dalton Highway é a única rota no estado do Alaska que atravessa o Círculo Polar Ártico, que é o ponto mais ao norte, dos abstratos ou imaginários principais círculos de latitude, como é mostrado nos mapas da Terra!. Ele marca o ponto mais setentrional no qual o sol do meio-dia é visível no solstício de inverno do norte e, a região ao norte deste círculo é conhecida como o Ártico, e a zona apenas para o sul é chamada de Zona Temperada Norte!

(…the Dalton Highway is the only route in the state of Alaska that crosses the Arctic Circle, which is the most northerly point of the abstract or imaginary main circles of latitude, as shown on Earth maps!. It marks the northernmost point at which the midday sun is visible on the northern winter solstice, and the region to the north of this circle is known as the Arctic, and the area just to the south is called the North Temperate Zone)!.

…nós, ficámos fascinados e algo surpresos por ver este fenómeno, pois ao norte do Círculo Ártico, o sol está acima do horizonte por vinte e quatro horas contínuas pelo menos uma vez por ano, portanto, visível à meia-noite e, abaixo do horizonte por vinte e quatro horas contínuas pelo menos uma vez por ano, portanto, não visíveis ao meio dia, isso também é verdade dentro do Círculo Polar equivalente no Hemisfério Sul, o Círculo Antártico. A posição do Círculo Ártico não é fixa, mas o normal é 66º33’46.8 ao norte do Equador!

(…we were fascinated and somewhat surprised to see this phenomenon, because to the north of the Arctic Circle, the sun is above the horizon for twenty-four continuous hours at least once a year, therefore visible at midnight and, below the horizon for twenty-four continuous hours at least once a year, therefore, not visible at noon, this is also true within the equivalent Polar Circle in the Southern Hemisphere, the Antarctic Circle. The position of the Arctic Circle is not fixed, but the normal is 66º33’46.8 north of the Equator)!.

…depois, já no pequeno conforto da nossa “White Fox” (caravana), descansando desta jornada e derivado sobretudo à nossa já um pouco avançada idade, admirando os contrafortes que se erguerem sobre o vale do rio Middle Fork Koyukuk onde à medida que as montanhas ficavam maiores, as árvores ficavam menores e mais dispersas, resolvemos virar para sul!.

(…then, in the small comfort of our “White Fox” (caravan), resting from this journey and derived mainly from our already a little old age, admiring the foothills that rise over the Middle Fork Koyukuk river valley where as the mountains got bigger, trees got smaller and more dispersed, we decided to turn south)!.

…continuando a viajar na intimidade de uma estrada algo perigosa e deserta, muito primitiva em alguns locais, com rochas afiadas, buracos, saliências no seu piso, tipo “tábua de lavar”, que fazem estremecer tudo dentro veículo, mas que nos proporcionava um espectáculo maravilhoso, sendo perigo e aventura da cabeça aos pés e, entre nós e um urso castanho, que ao atravessar a estrada parava para “cagar”, não existia nenhuma diferença, porque nós fazíamos o mesmo, porque não existiam “áreas de descanso” e, no fundo, no fundo, esta animalidade toda, de tão natural, acabava por ser pura e limpa como a “cagada” do urso!.

(…continuing to travel on the intimacy of a somewhat dangerous and deserted road, very primitive in some places, with sharp rocks, holes, protrusions on its floor, like a “washing board”, which make everything shake in the vehicle, but which provided us with a wonderful spectacle, being danger and adventure from head to toe and, between us and a brown bear, that when crossing the road stopped to “shit”, there was no difference, because we did the same, because there were no “rest areas” and, at the bottom, at the bottom, this whole animality, so natural, turned out to be pure and clean like the “shit” of the bear)!.

…até que eventualmente as árvores desaparecem completamente, deixando uma paisagem pintada por plantas, rochas e neve que se estendiam por todo o solo, onde há muitas dezenas de anos atrás, alguns pioneiros na preservação da natureza, exploram as partes da Cordilheira Brooks a pé, de barco ou de trenó, descrevendo o cenário como “montanhas infinitas subindo e descendo como as ondas de um oceano gigantesco, se tivessem de repente congelado em pleno movimento”!.

(…until eventually the trees disappear completely, leaving a landscape painted by plants, rocks and snow that stretched across the soil, where many decades ago, some pioneers in nature preservation, explored the parts of the Brooks Mountain Range on foot , by boat or sled, describing the scenery as “infinite mountains rising and falling like the waves of a gigantic ocean, if they had suddenly frozen in full motion”)!.

…não queremos terminar sem explicar uma pequena curiosidade que é, durante o nosso percurso, por vezes éramos seguidos ou seguíamos os camionistas da rota Dalton Highway, que têm os seus próprios nomes para as várias áreas, existindo mesmo algumas placas de sinalização (rudimentares e escritas à mão), como por exemplo, “The Taps”, “The Shelf”, “The Bluffs”, “Oil Spill Hill”, “Beaver Slide”, “Two and Half Mile”, “Oh Shit Corner” ou “Roller Coaster”!.

(…we don’t want to end without explaining a small curiosity that is, during our journey, we were sometimes followed or followed the truck drivers on the Dalton Highway route, who have their own names for the various areas, even with some signposts (rudimentary and handwritten), such as “The Taps”, “The Shelf”, “The Bluffs”, “Oil Spill Hill”, “Beaver Slide”, “Two and Half Mile”, “Oh Shit Corner” or “Roller Coaster”)!.

…a “Tundra do Ártico”, que foi o local mais a norte no planeta Terra que já visitámos em toda a nossa existência, pode ser perigosa para os humanos, mas é um lugar fascinante e, antes de começar a longa jornada para o sul, não conseguíamos evitar a sensação de que estávamos deixando algo que talvez nunca mais iríamos ver, porque experimentar o ártico no seu pico de vida, compreendemos totalmente a sua beleza, mas ao mesmo tempo a sua fragilidade e, a grande urgência que existe em preservá-la!.

(…the “Arctic Tundra”, which was the most northerly place on planet Earth that we have visited in our entire existence, can be dangerous for humans, but it is a fascinating place and, before starting the long journey south , we couldn’t help feeling that we were leaving something that we might never see again, because experiencing the arctic at its peak, we fully understand its beauty, but at the same time its fragility and the great urgency that exists to preserve -there)!.

…enfim, isto são curiosidades do Alaska, Terra da Última Fronteira!. 

(…anyway, these are curiosities from Alaska, Land of the Last Frontier)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).