…um bilhete de volta, para um momento que se foi!. (A ticket back, for a moment gone)!.

…um bilhete de volta, para um momento que se foi!. (A ticket back, for a moment gone)!.

…um bilhete de volta, para um momento que se foi!. (A ticket back, for a moment gone)!.

…tal como o nome do nosso Blog indica, “Pieces of my life”, que quer mais ou menos dizer, “Pedaços da nossa vida”, neste texto iremos falar um pouco de nós, não só da nossa experiência como “veteranos de guerra”, mas também como “fotógrafos amadores”, sem qualquer pretenção, a não ser a de registar para todo o sempre alguns momentos que já se foram!. (As the name of our blog indicates, “Pieces of my life”, in this text we will talk a little about ourselves, not just about our experience as “war veterans” but also as “amateur photographers”, without any pretense, except to record forever some moments that are gone)!.

…hoje, vivemos quase de recordações, aqui no estado da Flórida, no entanto as nossas raízes continuam vivas, não só no pensamento, como no corpo, onde sofremos a angústia e os momentos de medo e sofrimento, debaixo do fogo inimigo!. (Today we live almost in memory here in the state of Florida, yet our roots are still alive, not only in thought, but in the body, where we suffer anguish and moments of fear and sufferin, under enemy fire)!.

…combatendo homens e mulheres, que nada tínhamos em contra, nem nunca antes tínhamos visto, que queriam a independência do seu território, livres das decisões dos Europeus!. (Fighting men and women whom we had nothing against, and never seen before, who wanted the independence of their territory, free from the decisions of Europeans)!.

…com a esperança de poderem viver em liberdade, decidir o seu futuro, educar os seus filhos, continuando os seus usos e costumes, herdados dos seus antepassados!. (With the hope of being able to live in freedom, decide their future, educate their children, continuing their customs and customs, inherited from their ancestors)!.

…isto são lembranças da nossa passagem pela Guerra Colonial Portuguesa, onde fomos combatentes por um período de dois anos, sobrevivendo no interior de um aquartelamento cercado de arame farpado, nas selvas, savanas, rios e pântanos da então Província Colonial Portuguesa da Guiné, em África, para onde nós, jovens que despertávamos para uma vida, vivendo em paz e em família, no silêncio da nossa aldeia do Vale do Ninho D’Águia, na vertente agreste da montanha do Caramulo, em Portugal, lá na Europa!. (This is a reminder of our time in the Portuguese Colonial War, where we were combatants for a period of two years, surviving inside a barbed wire barracks, in the jungles, savannas, rivers and marshes of the then Portuguese Colonial Province of Guinea, in Africa, where we young people who were awakening to a life, living in peace and family, in the silence of our village of Vale do Ninho D’Águia, in the wild slope of Caramulo mountain, in Portugal, in Europe)!.

…sendo levados, ou seja “arrancados”, treinados e mentalizados para combate, num campo de treinos duma cidade de província, que era uma mistura de ruídos, obstáculos, armas, tiros e atrapalhação, onde poucos meses depois, metidos no porão de um navio de carga, navegámos pelo oceano Atlântico, rumo a África, rumo a um teatro de operações, colocando-nos num terrível cenário de guerra!. (Being taken, that is, “uprooted”, trained and mentalized for combat, in a training camp of a provincial town, which was a mixture of noise, obstacles, weapons, gunfire and disruption, where a few months later, put in the basement from a cargo ship, we sailed across the Atlantic Ocean, towards Africa, towards an theater of operations, placing us in a terrible war scenario)!.

…vamos escrevendo, com a intenção de que a nossa dor, sirva de exemplo, sobretudo para os jovens, para que nunca se envolvam em nenhum conflito armado!. Longe do nosso pensamento, recordar aquele ditado que diz, “É frustante quando você conhece quase todas as respostas, mas ninguém se preocupa em fazer as perguntas”!. (We are writing with the intention that our pain will serve as an example, especially for young people, so that they never get involved in any armed conflict!. Far from our thinking, remember that saying, “It’s frustrating when you know almost all the answers, but no one bothers to ask the questions”)!.

…não, não é essa a nossa intenção, temos alguma experiência de vida, já por nós passaram muitas primaveras floridas, muitas temperaturas tórridas de verão, chuvas torrenciais de outono e muitos frios glaciares de inverno, contudo, a força que nos faz mover os dedos, ao passar pelo computador, é o reflexo de momentos de horror, mêdo e angústia, de um veterano de guerra onde, tanto o seu corpo como a sua mente, reagem automáticamente aos disparos da memória, sentindo de novo, em certos momentos, as feridas, o medo e o horror que por si passaram, enquanto presente num cenário de combate!. (No, that’s not our intention, we have some life experience, many flowering springs, many torrid summer temperatures, torrential autumn rains and many cold winter glaciers have passed us, but the strength that makes us Moving his fingers as he passes the computer is a reflection of moments of horror, fear, and anguish, of a war veteran where both his body and his mind automatically react to the firing of his memory, feeling again, in certain ways. moments, the wounds, the fear and the horror that passed by itself while present in a combat scenario)!.

…a maldição de um veterano de guerra, é que nunca esquece!. Contudo, já o dissémos em algumas vezes, o mêdo ou talvez a coragem, que nos ajudou a sobreviver num campo de batalha, não funciona muito bem agora, nesta avançada idade, mas ainda vai sendo possível assumir o control dessa horrível vivência e, vamos continuando a expulsar alguma energia positiva que nos resta, daquela que nos foi roubada, pelo desastre daquela maldita Guerra Colonial Portuguesa, em África!. (The curse of a war veteran is that he never forgets!. However, we have said it sometimes, fear or perhaps courage, which helped us survive on a battlefield, does not work very well now, at this advanced age, but it is still possible to take control of this horrible experience and, let’s continuing to expel some of the positive energy we have left of the one we were robbed of by the disaster of that damn Portuguese Colonial War in Africa)!.

…por exemplo, lembramo-nos que, num daqueles dias em que nos sentíamos angustiados, com bastante desespero, dirigimo-nos ao nosso comandante, expressando-lhe o nosso momento menos bom, ao que ele, pedindo-nos para nos sentar-mos na metade de um barril de vinho vazio, que por ali andava, colocando-nos a mão no ombro, com uma cara, que até nem parecia a de um comandante, nos disse mais ou menos isto:

 – parabéns, estás a começar a ser uma pessoa normal!. Continua a fazer as tuas tarefas de cifrar e decifrar as mensagens, pois o teu mêdo é igual ao meu e, não significa que és um covarde, a tua coragem é fazeres as tuas tarefas, num cenário de guerra onde o mêdo, é um fenómeno constante!.

(For example, we remember that on one of those days when we were feeling anguished, with great despair, we went to our commander, expressing to him our least good moment, to him, asking us to sit down halfway through an empty wine barrel that was walking around, placing a hand on our shoulder, with a face that didn’t even look like a commander’s, told us something like this:

– Congratulations, you are starting to be a normal person!. Keep doing your tasks of encrypting and deciphering the messages, because your fear is the same as mine, and that doesn’t mean you’re a coward, your courage is to do your tasks in a war setting where fear is a phenomenon. constant)!.

…já chega de lembranças da Guerra Colonial Portuguesa mas, todo este resumo vem a propósito da nossa nova máquina fotográfica, que nos faz lembrar a primeira que tivémos, cujas fotos eram um “bilhete de volta para um momento que se foi”!. (Enough memories of the Portuguese Colonial War, but all this summary comes about the purpose of our new camera, which reminds us of the first one we had, whose photos were a “ticket back to a moment gone”)!.

…era uma caixa de fotografar, marca Kodak, oferta do Movimento Nacional Feminino, que foi uma organização de suporte, voltada para a organização das mulheres em torno do apoio à Guerra Colonial Portuguesa, em particular quando o conflito nas então províncias colonias de Angola, Mozambique e Guiné se intensificou, caixa de fotografar esta, que nos desapareceu por altura de um desastre de avioneta que tivémos lá no norte, perto da fronteira com o país Senegal!. (Was a Kodak-branded photo box, offered by the National Women’s Movement, which was a supportive organization focused on the organization of women around the support of the Portuguese Colonial War, particularly when the conflict in the then colonial provinces of Angola, Mozambique and Guinea have intensified, this box of photographs, which disappeared at the time of a plane crash we had in the north, near the border with the country Senegal)!.

…depois, numa das nossas “fugidas” que frequentemente fazíamos na “camioneta dos doentes” à capital da província, comprámos outra, era uma Konica, já com mais botões e complicada, que tirava fotografias quase como as das revistas!. (Then, in one of our “escapades” that we often did in the “sick truck” to the provincial capital, we bought another, it was a more complicated and buttonsed Konica, which took pictures almost like those of magazines)!.

…a melhor maneira de descrever esta máquina de fotos, era que era o nosso “tanque de batalha”, era o abrigo que nos protegia dos ataques do inimigo, porque olhando através da sua lente em alguns momentos de reflexão, víamos imagens e cenários de rios, pântanos e floresta virgem, que também nos trazia alguns momentos de paz!. (The best way to describe this camera was that it was our “battle tank”, it was the shelter that protected us from enemy attacks, because looking through your lens in some moments of reflection, we saw images and scenery of rivers, marshes and virgin forest, which also brought us some moments of peace)!.

…e claro, nas nossas viagens pelas diferentes zonas de guerra, na entrega de material classificado do qual éramos o responsável, fazíamos dezenas de fotografias, umas do ar, outras em terra, algumas chocantes, outras de paisagens deslumbrantes da selva, de animais, de pássaros exóticos, de cenários de guerra, de colegas, enfim, de tudo o que se entendesse que era útil fotografar!. Os rolos para a máquina, a preto e branco, vinham da capital da província, dos serviços cartográficos do exército, onde também eram processadas as fotografias, pois o amigo e companheiro Braga, ali em serviço, encarregava-se de todo esse processo!. (And of course, in our travels through the different war zones, in delivering classified material for which we were responsible, we made dozens of photographs, some from the air, some on the ground, some shocking, some stunning jungle landscapes, animals, exotic birds, war scenes, colleagues, in short, everything that was considered useful to photograph!. The black-and-white rollers for the camera came from the provincial capital, from the army’s cartographic services, where the photographs were also processed, since his friend and companion Braga, in service, was in charge of the whole process)!.

…algum tempo depois, o nosso comandante, verificando o jeito que tínhamos para tirar fotos, requereu uma máquina, também Konica, aos serviços do exército, que por ocasião destes acontecimentos era uma das melhores máquinas fotográficas que havia no mercado, que nos ofereceu com a condição de as melhores fotos lhe serem entregues!. (Some time later, our commander, checking the way we had to take pictures, requested a camera, also Konica, from the army services, which at the time of these events was one of the best cameras on the market, that we offered on the condition that the best photos are delivered to you)!.

…quando imigrámos, tanto essa máquina como todo o espólio fotográfico, ficou em casa dos nossos pais, lá na aldeia do Vale do Ninho d’Águia onde, alguns anos depois, quando fomos por elas, tinham desaparecido, estando algumas em casa de familiares, já em muito fraco estado, no
entanto ainda recuperámos as possíveis, que consideramos hoje, bons documentos da nossa passagem por aquela maldita guerra!. (When we immigrated, both this camera and the whole photographic estate, stayed at our parents’ house, there in the village of Vale do Ninho d’Águia where, some years later, when we went for them, they had disappeared, some at home family, already in very poor condition, in the however, we still recovered the possible, which we consider today, good documents of our passage through that damn war)!.

…neste texto mostramos algumas delas, numa simples composição, dado o seu estado de conservação, assim como outras cedidas por companheiros felizmente ainda vivos, que connosco viveram esta miserável guerra e, ainda as conservam e que nos vão cedendo algumas, pelo menos dos locais por onde passámos, o que nós agradecemos, considerando-as não só umas verdadeiras relíquias como verdadeiros documentos, esperando que as vejam e apreciem, simplesmente como documentos, oriundos de um veterano de guerra!. (In this text we show some of them, in a simple composition, given their state of conservation, as well as others given by happily still living companions, who lived with us this miserable war and still preserve them and that are giving us some, at least from the places we went through, which we appreciate, considering them not only true relics but real documents, hoping that they will see and appreciate them simply as documents from a war veteran)!.

…depois, desde que nos lembramos, sempre trouxémos uma máquina fotográfica ao pescoço, ou seja apreciamos ver o mundo através de uma lente, acompanhando o crescimento da nossa família, registando e documentando os principais marcos da nossa vida!. (Then, as long as we remember, we have always brought a camera around our neck, that is, we enjoy seeing the world through a lens, following the growth of our family, recording and documenting the main milestones of our lives)!.

…gostaríamos de lembrar com alguns pormenores exactamente como conseguimos comprar algumas das máquinas que nos foram acompanhando durante a nossa existência mas, realmente não nos lembramos!. Todavia, com alguns pormenores, apenas nos lembramos de uma daquelas engraçadas, que pareciam ruins para a época, muito pequenas mas eficazes, que finalmente moldaram a nossa maneira de fotografar!. (We would like to remind you in some detail exactly how we were able to buy some of the machines that have been with us during our lifetime but we really don’t remember!. However, with a few details, we just remember one of those funny ones, which seemed bad for the time, very small but effective, that finally shaped our way of shooting)!.

…hoje, tal como a princípio já mencionámos, vivemos quase de recordações aqui na Florida e, graças a essas máquinas pequenas que cabem no nosso bolso de trás, registamos uma criatividade ilimitada com um simples clique de um botão, podendo compartilhar as nossas verdades que vamos observando aqui e ali, por este mundo além, onde mostramos algumas que não precisam de legenda, pois são tal como postais ilustrados que frequentemente se vêm em algumas revistas de turismo e, nós tivemos a felicidade de por lá passar, registando com a nossa máquina de fotografar, a tal que cabe no nosso bolso de trás, todos esses momentos!. (Today, as we mentioned earlier, we live almost on memories here in Florida, and thanks to those small machines that fit in our back pockets, we register unlimited creativity, at the click of a button, sharing our truths that we are observing here and there, around this world, where we show some that do not need subtitles, as they are like picture postcards that often come in some tourist magazines and, we were fortunate to pass by, registering with our camera, such as that fits in our back pocket, all these moments)!.

…é a nossa preferida, essa tal que cabe no bolso de trás, já com alguma idade, mais de noventa mil milhas de viajem na nossa “White Fox”,(caravana), mais de trinta mil cliques, depois de atravessar alguns continentes, com áreas de frio, neve, calor tórrido, chuva ou mesmo tempestades, desertos e ondas das águas do oceano, acabou agora por ter alguma dificuldade em clicar!. (Is our favorite, the one that fits in our back pocket, at an older age, over ninety thousand miles of travel in our “White Fox” (caravan), over thirty thousand clicks, after crossing a few continents, with areas of cold, snow, torrid heat, rain or even storms, deserts and waves of ocean waters, now have some difficulty clicking)!.

…resultado!. Procurámos outra para a substituir, mas teve que ser igual, precisamente igual, onde no momento da compra, nos tentaram vender outra moderna, dizendo-nos que esta estava desactualizada, o que compreendemos mas, é ela a que ao clicar nos oferece uma sinfonia familiar!. (Result!. We looked for another one to replace it, but it had to be the same, exactly the same, where at the time of purchase, we were tried to sell another modern one, telling us that it was out of date, which we understand, but it is that clicking offers us a symphony familiar)!.

…tiramos fotos para recordar algumas experiências que nos moldaram e nos fizeram, tiramos fotos para diminuir a distância e diminuir o tempo, emprestando um legado às pequenas coisas e alguma vida aos esquecidos!. (We took pictures to remember some of the experiences that shaped and made us, we took pictures to narrow the distance and shorten the time, lending a legacy to the little things and some life to the forgotten)!.

…quando por aqui caminhamos, se houver apenas alguns minutos para apreciar o céu azul, ou um pôr do sol cor-de-rosa, a nossa intenção é levar tudo isto para dentro da nossa máquina de tirar fotos!. (When we walk here, if there are only a few minutes to enjoy the blue sky, or a pink sunset, our intention is to take all of this into our camera)!.

…clicando, deixemos a nossa máquina de fotos ser a nossa arte, a nossa imagem, talvez a nossa história!. (By clicking, let our camera be our art, our image, perhaps our story)!.

…tiramos fotos como um bilhete de volta para um momento que se foi!. (We took pictures as a ticket back to a moment gone)!.

…todas as fotos, por mais simples que sejam, são significativas, são histórias, são lembranças, são a conexão visual ao nosso passado, tanto quanto ao presente e até às gerações futuras!. (All photos, no matter how simple, are meaningful, they are stories, they are memories, they are the visual connection to our past, as well as the present and even future generations)!.

…nós, tiramos fotos para nos sentirmos como artistas na quinta-feira e contadores de histórias no domingo, esperando que esta nova, mas de modelo antigo, nos continue a oferecer imagens, que nos vão trazer de volta alguns momentos que se foram!. (We took pictures to feel like artists on Thursday and storytellers on Sunday, hoping that this new but old model will continue to offer us images that will bring us back a few moments that are gone)!

Tony Borie, October 2019.

…fomos a Portugal!. (We went to Portugal)!.

…fomos a Portugal!. (We went to Portugal)!.

…fomos a Portugal!. Éramos “Os Sete Magníficos”!. (We went to Portugal!. We were “The Seven Magnificent”)!.

…sexta parte e última!. (sixth and last part)!.

…as vezes são grandes, às vezes são pequenas, às vezes são planeadas, mas as viajens em família, são um dos maiores contribuidores para as histórias que fazem parte da narrativa oscilante da nossa vida e, quando se escolhe entre o conforto na compra de um sofá e uma televisão nova ou o dinheiro dispendido numa viajem em família, sempre se escolhe as viajens em família!. A pesquisa valida esse ponto de vista, dizendo que as viajens em família agem como “âncoras da felicidade”, pelo menos para as crianças!. (Sometimes they are big, sometimes they are small, sometimes they are planned, but family trips are one of the biggest contributors to the stories that are part of the oscillating narrative of our lives and, when choosing between comfort in life, buying a sofa and a new television or the money spent on a family trip, one always chooses family trips!. The research validates this view by saying that family travel acts as “anchors of happiness”, at least for children)!.

…por exemplo, viajando com crianças, quando as coisas não saíam conforme o planejado, se perdemos, o resultado é rir, e se sai tudo certo, o resultado é rir também e, as histórias são muito melhores depois de rir, mesmo de coisas que não são normais para os adultos, ao invés de ficarmos deprimidos ou com pensamentos escuros!. (For example, traveling with children, when things did not go according to plan, if we lose, the result is laughing, and if everything goes well, the result is laughing too, and the stories are much better after laughing, even of things that are not normal for adults, rather than getting depressed or dark thoughts)!.

…mas vamos em frente com a narrativa!. Estávamos na cidade de Lisboa e, ao outro dia, ainda madrugada, realizámos a tarefa de empacotar as malas e, como é costume, no regresso nunca existe lugar para acomodar tudo o que fomos acomolando durante a viajem, especialmente nós, que éramos uma família que viajava com crianças!. (But let’s get on with the narrative!. We were in the city of Lisbon and the other day, early in the morning, we performed the task of packing our bags and, as usual, on our return there is never a place to accommodate everything we were packing during the trip, especially us, who were a family. traveling with kids!.

…dirigimo-nos para o aeroporto de Lisboa, onde depois de todas a normais formalizações, entrámos na aeronave que, sobrevoando as Trilhas do Atlântico Norte, pelas estradas invisíveis no céu, atravessou o oceano Atlântico com tal precisão que, o comissário de bordo ao anunciar a rota, explicou que o tempo estava limpo e íamos aterrar no aeroporto de Newark, no estado de Nova Jersey, com nove minutos de antecedência ao horário previsto!. (We headed for Lisbon airport, where after all the normal formalizations, we boarded the aircraft which, flying over the North Atlantic Trails, through the invisible roads in the sky, crossed the Atlantic Ocean with such precision that the Commissioner of on board announcing the route, he explained that the weather was clear and we were landing at Newark Airport, New Jersey nine minutes ahead of schedule)!.

…isto são as técnicas modernas, cada vez com mais precisão, que não têm qualquer comparação com o que aconteceu por volta do ano de 1919, quando o hidroavião Curtiss NC-4, fez uma travessia do Atlântico, voando dos EUA para a Terra Nova, depois para os Açores, depois para Portugal continental e finalmente para o Reino Unido, numa jornada que levou 23 dias, com seis paragens no caminho, numa trilha de 53 “navios de estação” no oceano Atlântico, que deu os pontos e auxílio à aeronave para poder navegar!. (These are the increasingly precise modern techniques that have no comparison to what happened around the year 1919, when the Curtiss NC-4 seaplane, made an Atlantic crossing from the US to Newfoundland, then to the Azores, then to mainland Portugal and finally to the United Kingdom, in a journey that took 23 days, with six stops on the way, on a 53-station “Atlantic Ocean” trail that gave the points and aid to the aircraft to be able to navigate)!.

…finalmente estávamos de novo nos USA!. “Os Sete Magníficos”, despediam-se uns dos outros, houve de novo algumas lágrimas que acabaram em sorrisos de despedida, porque nestes dez dias juntos, quase parecia que o tempo parou!. (Finally we were back in the USA!. “The Seven Magnificent”, they said goodbye to each other, there were some tears that ended in farewell smiles, because in these ten days together, it almost seemed that time stopped)!.

…estas lembranças da viajem em família são mantidas no fundo do nosso coração, por isso é que tirámos um tempo para escrever os melhores momentos e, nunca esqueceremos os últimos 30 minutos juntos, no momento da temporária separação!. Esses momentos mágicos no tempo, estavam chegando ao fim!. (These memories of the family trip are kept deep in our hearts, that’s why we took the time to write the best moments and we will never forget the last 30 minutes together at the time of the temporary separation!. These magical moments in time were coming to an end)!.

…no dia seguinte pela manhã, seguimos no sentido norte/oeste, em direcção ao estado de Pennsylvania, visitar o nosso filho Tony, a sua dedicada esposa Kathy e os nossos netos Cody e Dawson!. (The next morning, we head north / west, heading for the state of Pennsylvania, visiting our son Tony, his devoted wife Kathy and our grandchildren Cody and Dawson)!.

…passamos um dia agradável, com os nossos netos contando-nos as suas opções divertidas durante e depois das horas passadas na escola!. (We spend a pleasant day with our grandchildren telling us about their fun choices during and after school hours)!.

…as histórias dos seus desportos favoritos, exemplificando-nos com movimentos precisos, mostrando o seu talento e as suas habilidades, iguais à que eles vêm aos professionais na televisão!. (The stories of their favorite sports, exemplifying us with precise movements, showing their talent and skills, just like they come to the professionals on television)!.

…estivémos juntos por algum tempo, celebrando e mantendo viva a história da nossa família!. (We have been together for some time, celebrating and keeping our family history alive)!.

…revivendo memórias antigas!. (Reliving old memories)!.

…e, fazendo planos para a realização de novas aventuras, aqui na casa dos avós, no estado da Florida!. (And making plans for new adventures here at Grandparents House in the state of Florida)!.

…ouvimos as suas ideias, observámos a atenção e o carinho dado pela sua dedicada mãe Kathy e pelo seu dedicado pai Tony que, sempre que podem os acompanham nos seus eventos favoritos!. (We listened to your ideas, watched the attention and affection given by your dedicated mother Kathy and your dedicated father Tony who, whenever you can accompany them at your favorite events)!.

…saltaram para o nosso colo, mostraram os livros e os brinquedos preferidos!. (Jumped onto our lap, showed the favorite books and toys)!.

…contaram-nos histórias engraçadas, que nos fizeram rir!. (Told us funny stories that made us laugh)!.

…comemos juntos as mirabulantes receitas da sua mãe Kathy, que são as suas preferidas, roubando comida uns aos outros e, claro, nós os avós perdiamos sempre, perante os seus sorrisos!. (We eat together your mother Kathy’s miraculous recipes, which are your favorites, stealing food from each other and of course we grandparents always lost them before your smiles)!.

…todavia, a importância de registrar e lembrar estes momentos é uma enorme criação de um legado duradouro, sobretudo para as pessoas que amamos!. (Yet the importance of recording and remembering these moments is a huge creation of a lasting legacy, especially for the people we love)!.

…mostraram-nos e também brincámos com os seus brinquedos!. (Showed us and we also played with their toys)!.

…e, juntos vimos os seus programas preferidos de televisão!. (And together we watched your favorite television shows)!.

…enfim, por alguns momentos também fomos crianças de novo!. (Finally, for a few moments we were also children again)!.

…todas estas recordações, contando memórias de família, levam-nos a uma narrativa, onde ficam registrados os pensamentos dos movimentos à medida que a idade dos nossos netos avança, que serão o desenho de pequenos tesouros, que ficarão gravados, para serem lembrados durante toda a sua vida!. (All these memories, telling family memories, lead us to a narrative, where the thoughts of the movements are recorded as the age of our grandchildren progresses, which will be the drawing of small treasures, which will be engraved, to be remembered all your life)!.

…depois de uma saudosa despedida, acordando-os, pois ainda dormiam, saimos ainda noite, começando uma viajem de regresso à nossa casa, com alguns intervalos para comer e fazer alguns exercícios físicos, rumando ao estado da Flórida, passando por todos aqueles estados que já por diversas vezes mencionamos, chegando já a noite ia avançada!. (After a late farewell, waking them up, as they were still sleeping, we went out at night, starting a trip back to our house, with some breaks to eat and do some physical exercises, heading for the state of Florida, passing by all. those states that we have already mentioned several times, and the night was already late)!.

…onde nos encontramos de novo, começando as nossas caminhadas por entre a natureza, com sol brilhante ou chuva e vento dos “tornados” que periódicamente nos visitam, desejosos de encontrar aqui e ali alguns alligatores ou aves exóticas, para as poder fotografar!. (Where we meet again, beginning our walks through nature, with bright sun or rain and wind from the tornadoes that periodically visit us, eager to find some alligators or exotic birds here and there to photograph them)!

…claro, não esquecendo o nascer e o pôr do sol na praia, até que surja uma nova viajem!. (Of course, not forgetting the sunrise and sunset on the beach, until a new trip arises)!.

Tony Borie, October 2019!.

…fomos a Portugal!. (We went to Portugal)!.

…fomos a Portugal!. (We went to Portugal)!.

…fomos a Portugal!. Éramos “Os Sete Magníficos”!. (We went to Portugal!. We were “The Seven Magnificent”)!.

…quinta parte!. (fifth part)!.

…anteriormente já explicámos mas, para quem não nos seguiu na leitura destes textos, que não são mais do que uns pequenos resumos da nossa viajem a Portugal neste ano de 2019, voltamos a explicar que, por alguns dias ficámos estacionados na Praia da Barra de Aveiro e, nestes dez dias lá passados, o nome mais apropriado para o nosso grupo seria “The Magnificent Seven” (“Os Sete Magníficos”)!. (We have already explained before, but for those who did not follow us in reading these texts, which are nothing more than brief summaries of our trip to Portugal this year 2019, we again explain that for a few days we were stationed in Praia da Barra de Aveiro and, in the last ten days there, the most appropriate name for our group would be “The Magnificent Seven”)!.

…a nossa irmã Angela e o seu dedicado marido José André, trouxeram a sua família a passar o dia connosco, aqui na praia, depois de terem feito o mesmo quando chegámos a Portugal, onde numa reunião familiar, nos receberem em sua casa lá na montanha, com todas as mordomias, que muito nos sensibilizaram, não só pela quantidade de iguarias regionais, como pelos momentos de convívio, demonstrando a dignidade de pessoas simples, amáveis e queridas, que nunca mais esqueceremos!. Bem hajam!. (Our sister Angela and her devoted husband José André, brought their family to spend the day with us here at the beach, after having done the same when we arrived in Portugal, where at a family reunion, they welcome us to their home there on the mountain, with all the stewardships, which made us very aware, not only by the amount of regional delicacies, but also by the moments of conviviality, demonstrating the dignity of simple, lovely and dear people, that we will never forget!. Well be)!.

…nós, assim como a nossa querida e dedicada esposa Isaura, num momento de silêncio e meditação, despedimo-nos desta região, onde a terra deixa de ser plana, começando a ser montanha agreste, lembrando e mostrando, principalmente aos nossos netos, os nossos antepassados que por aqui ficaram para todo o sempre, cujo lugar de repouso tínhamos visitado uns dias antes!. (We, like our dear and dedicated wife Isaura, in a moment of silence and meditation, said goodbye to this region, where the earth is no longer flat, starting to be rough mountain, remembering and showing mainly to our grandchildren, our ancestors who have been here forever and ever, whose resting place we had visited a few days earlier)!.

…e, não devemos ter medo de fazer algo que possa parecer um pouco chato no começo, porque daqui a muitos anos, não vai ser chato, vai ser inesquecível!. Temos quase a certeza, que pelo menos as crianças, devem ter revirado os olhos algumas vezes, quando visitamos o antigo cemitério da família!. Mas quando eles um dia encontrarem muitos dos seus nomes nas lápides, os seus sentimentos de amor serão muito grandes e irão sentir muito orgulho em contarem aos seus descendentes que ali repousam os seus antepassados de outras gerações!. (And we should not be afraid to do something that may seem a little boring at first, because in many years it will not be boring, it will be unforgettable!. We are almost sure that at least the children, they must have rolled their eyes a few times when we visited the old family cemetery!. But when they once found many of their names on the headstones, their feelings of love will be very great and they will be very proud to tell their descendants that their ancestors of other generations rest there)!.

…chegou o momento do regresso!. Depois destas horas passadas em família onde, além do sol da praia, das brincadeiras das crianças na areia, dos abraços, beijos, promessas e algumas lágrimas de despedida que, pouco a pouco se iam transformando em sorrisos!. (The time has come for the return!. After these hours spent in the family where, besides the sun of the beach, the children’s games in the sand, the hugs, kisses, promises and some goodbye tears that gradually turned into smiles)!.

…viajámos para sul guiados pelos meios de comunicação modernos, ou seja o GPS, que nos conduziu por uma auto-estrada próximo do mar até à cidade de Lisboa!. (We traveled south guided by the modern media, ie GPS, which led us along a motorway near the sea to the city of Lisbon)!.

…havia reservas de Hotel na zona da baixa de Lisboa mas, Portugal, hoje um país que pertence à União Europeia, seguindo alguns dos seus regulamentos, neste caso os de “Amigos do Ambiente”, determinou que, no último fim de semana de cada mês, não deve haver circulação de veículos automóveis em determinada zona da baixa da cidade de Lisboa, que por sinal coincidia com a localização do nosso Hotel!. (There were hotel reservations in Lisbon’s downtown area, but Portugal, today a country that belongs to the European Union, following some of its regulations, in this case the “Environmentally Friendly”, determined that last weekend of each month, there should be no circulation of motor vehicles in a certain area of downtown Lisbon, which coincided with the location of our Hotel)!.

…assim nós, o grupo dos tais “Sete Magníficos”, com três crianças a bordo, estávamos privados de nem sequer nos aproximar do Hotel para onde tínhamos reservas!. (So we, the group of such “Seven Magnificent”, with three children on board, were deprived of not even approaching the Hotel where we had reservations)!.

…resultado!. Dos contactos com o Hotel, com muita amabilidade, informaram-nos para explicar a situação aos agentes da polícia que guardavam e controlavam a área!. Iniciámos os contactos onde, depois da apresentação dos documentos da reserva, a sua localização, que havia três crianças a bordo, onde as respostas eram, “isto não é comigo”, “saia daqui”, “quem o autorizou a transitar por aqui”, “siga por esta rua que o meu colega indica-lhe a melhor maneira de sair daqui”, “cale-se, você está descontrolado”, “hoje aqui não passa qualquer veículo automóvel”, “volte depois da meia-noite, que é quando acaba a paralização” ou, talvez pensando que nós trabalhávamos para qualquer agência de viajens, ouviamos também, “estes gajos das agências, vêm lá do aeroporto e pensam que mandam nisto tudo”!. (Result!. From contacts with the Hotel, very kindly, they informed us to explain the situation to the police officers who guarded and controlled the area!. We started contacts where, after the presentation of the reservation documents, their location, that there were three children on board, where the answers were, “this is not me”, “get out of here”, “who allowed you to transit here”, “Follow this street that my colleague tells you the best way to get out of here”, “shut up, you are out of control”, “today there is no motor vehicle”, “come back after midnight, which that’s when the shutdown ends” or, perhaps thinking that we worked for any travel agency, we also heard, “these agency guys, come from the airport and think they run it all”)!.

…perante a nossa insistência, que demonstrava alguma angústia, um polícia ainda jovem, que ouviu as nossas súplicas e era o chefe daquela zona, sai do carro, ajeita o capacete militar e, vem em nossa direcção!. Nós ficámos quase em pânico, pensando que nos ia dar voz de prisão!. Todavia não, com uma certa postura na sua maneira de falar, fazendo-nos uma saudação também militar, disse-nos que comprendia e ia contactar a central da polícia para tentar resolver a nossa situação!. Depois de alguns minutos de conversação, ouvimos dizer da central a palavra “afirmativo”!. Ele próprio, deu-nos a indicação certa, levando-nos à garagem do Hotel, e nós, agradecidos, cumprimentámos este verdadeiro agente da polícia!. (At our insistence, which showed some anguish, a young policeman who heard our pleas and was the head of that area, gets out of the car, straightens his military helmet and comes towards us!. We were almost panicked, thinking that we were going to give us a voice of arrest!. But no, with a certain attitude in his speech, giving us a military salute, he told us he understood and was going to contact the police center to try to resolve our situation!. After a few minutes of conversation, we hear the word “affirmative” from the central!. He himself gave us the right indication, leading us to the Hotel garage, and we gratefully greeted this real police officer)!.

…toda esta aventura da entrada no Hotel, roubou-nos um tempo e energia que considerámos importante para dispender na cidade, todavia, depois de nos acomodar nas instalações do Hotel, andámos pela baixa da cidade!. (All this adventure of entering the hotel robbed us of a time and energy that we considered important to spend in the city, however, after settling in the hotel facilities, we walked down town)!.

…ao sair do Hotel, as crianças viram um Eléctrico parado, com um aspecto exótico, mais alto na frente do que na parte de trás, correram para ele que, afinal o seu verdadeiro nome era o “Elevador do Lavra”, que foi inaugurado no ano de 1884, tornando-o no mais antigo elevador da cidade!. Tentámos subir nele e, viajar pelo menos até à parte alta do lado leste da cidade mas, dado o preço excessivo para toda a nossa família, resolvemos fazer algum exercício físico, caminhando e subindo, o que foi um bom teste!. (As they left the Hotel, the children saw a stationary tram with an exotic look, higher in front than in the rear, rushed to it that after all its real name was the “Lavra Elevator”, which opened in the year 1884, making it the oldest elevator in the city!. We tried to climb on it and travel at least to the upper east side of the city but, given the excessive price for our whole family, we decided to do some physical walking and climbing, which was a good test)!.

…tentando aproveitar o pouco tempo disponível, concentrámo-nos na área da Baixa Pombalina que consiste no conjunto de ruas ao norte da Praça do Comércio, aproximadamente entre o Cais do Sodré e o distrito de Alfama, tendo quase sempre a vista ao longe do Castelo de São Jorge!. (Trying to take advantage of the limited time available, we concentrated on the Baixa Pombalina area, which consists of the set of streets north of Praça do Comércio, approximately between Cais do Sodré and Alfama district, with the view almost always in the distance from São Jorge Castle)!.

…esta área da Baixa Pombalina é um bairro elegante, com as ruas e pequenas avenidas direitas, num cenário plano, construído principalmente após o terremoto do ano de 1755 em Lisboa, que se estende para o norte em direção às praças do Rossio e da Figueira, até à Avenida da Liberdade, onde estava localizado o nosso Hotel!. (This area of Baixa Pombalina is an elegant neighborhood, with its straight streets and small avenues, in a flat setting, built mainly after the Lisbon earthquake of 1755, which extends northwards towards the squares of Rossio and da Figueira, to Avenida da Liberdade, where our Hotel was located)!.

…estas ruas e pequenas avenidas, são bastantes conhecidas pelos postais ilustrados da cidade, onde se pode admirar, entre outros motivos, o cenário de artistas de teatro de rua, esplanadas de cafés, pastelarias e restaurantes, lojas de modas, alfaiatarias ou ourivesarias, que continuam a vender os seus produtos tal como há dezenas e dezenas de anos atrás, que os turistas frequentam ou simplesmente por aqui passeiem, como era o nosso caso!. (These streets and small boulevards are well known for the picture postcards of the city, where you can admire, among other things, the scenery of street theater artists, cafe terraces, pastry shops and restaurants, fashion shops, tailor shops or goldsmiths, who continue to sell their products as they did dozens and dozens of years ago, which tourists frequent or simply walk around here, as was our case)!.

…caminhando, parámos por algum tempo admirando o maravilhoso cenário de um antigo Cais, que se estende até ao rio Tejo e fica situado junto à Praça do Comércio e que, em outros tempos já foi considerado “As Portas de Lisboa”!. (Walking, we stopped for a while admiring the wonderful scenery of an old Quay, which extends to the Tagus River and is located next to Praça do Comércio and was once considered “The Portas de Lisboa”)!.

…era o “Cais das Colunas”, que costumava ser a entrada Real para desembarcar na Praça do Comércio e no Palácio Real que existia lá e, onde dignitários estrangeiros chegavam aqui de barco e subiam os degraus de mármore entre os também pilares de mármore, até a Praça do Comércio!. (Was the “Cais das Colunas”, which used to be the Royal entrance to disembark at Praça do Comércio and the Royal Palace that existed there, and where foreign dignitaries arrived here by boat and climbed the marble steps between the pillars marble, to the Praça do Comércio)!.

…aqui, na área do “Cais das Colunas”, é um bom lugar para se sentar e relaxar, ou desfrutar de um pôr do sol, onde a partir daqui, podemos ver a famosa Ponte de 25 de Abril e a Estátua de Cristo Rei, olhando para o lado da foz do Rio Tejo!. (Here, in the “Cais das Colunas” area, is a good place to sit and relax, or enjoy a sunset, where from here we can see the famous 25 de Abril Bridge and the Statue of Cristo Rei, looking to the mouth of the Tagus River)!.

…continuando a nossa caminhada, parávamos aqui e ali, algumas vezes apreciando a deliciosa e típica pastelaria portuguesa, como por exemplo “os pasteis de bacalhau recheados de queijo da serra com vinho do porto”!. Claro, depois de apreciarmos esta iguaria, pareceu-nos uma coisa de turistas mas, se não moramos em Lisboa, com toda a certeza que somos turistas, por tal, se não vive aqui, entre na fila e experimente!. (Continuing our walk, we would stop here and there, sometimes enjoying the delicious and typical Portuguese pastries, such as “codfish pastries filled with Serra cheese with port wine”!. Of course, after enjoying this delicacy, it seemed like a tourist thing to us, but if we don’t live in Lisbon, we are definitely tourists, so if you don’t live here, get in line and try it)!.

…ou o Elevador de Santa Justa, também chamado de Elevador do Carmo, situado no final da Rua de Santa Justa, que liga as ruas mais baixas da cidade ao Largo do Carmo, numa área mais alta que, desde a sua construção, que ocorreu no ano de 1902, se tornou numa atração turística e que, foi considerada uma obra arrojada para a época, atendendo à diferença de nível entre o piso da estação inferior à estação superior, que é de 30 metros!. (Or the Santa Justa Lift, also called the Carmo Lift, located at the end of Santa Justa Street, which connects the lower streets of the city to Largo do Carmo, in a higher area that, since its construction, which occurred in 1902, became a tourist attraction and was considered a bold work for the time, given the difference in level between the floor of the lower station to the upper station, which is 30 meters)!.

…ainda tivemos tempo de parar na “Ginginha”, que é uma pequena loja quase ao ar livre, localizada ao norte da Praça do Rossio, sendo fácil de a localizar geralmente pelas longas filas que se geram à sua porta!. Nós, os adultos, experimentámos o famoso licor de cereja doce de Lisboa, que é uma tradição portuguesa!. Eles só vendem Ginja, que é servida com ou sem cerejas!. Nós tivemos as cerejas que têm um sabor único! (We still had time to stop at “Ginginha”, which is a small, almost open-air shop, located north of Rossio Square, being easy to find usually by the long lines that run outside your door!. We adults tried the famous Lisbon sweet cherry liqueur, which is a Portuguese tradition!. They only sell Ginja, which is served with or without cherries!. We had cherries that have a unique flavor)!.

…continua!. (To be continued)!.

Tony Borie, October 2019!.

…fomos a Portugal!. Éramos “Os Sete Magníficos”!. (We went to Portugal!. We were “The Seven Magnificent)!.

…fomos a Portugal!. Éramos “Os Sete Magníficos”!. (We went to Portugal!. We were “The Seven Magnificent)!.

…fomos a Portugal!. Éramos “Os Sete Magníficos”!. (We went to Portugal!. We were “The Seven Magnificent”)!.

…quarta parte!. (fourth part)!.

…anteriormente já explicámos mas, para quem não nos seguiu na leitura destes textos, que não são mais do que uns pequenos resumos da nossa viajem a Portugal neste ano de 2019, voltamos a explicar que, por alguns dias ficámos estacionados na Praia da Barra de Aveiro e, nestes dez dias lá passados, o nome mais apropriado para o nosso grupo seria “The Magnificent Seven” (“Os Sete Magníficos”)!. (We have already explained before, but for those who did not follow us in reading these texts, which are nothing more than brief summaries of our trip to Portugal this year 2019, we again explain that for a few days we were stationed in Praia da Barra de Aveiro and, in the last ten days there, the most appropriate name for our group would be “The Magnificent Seven”)!.

…também já explicámos que, esta Praia era a nossa “Fortaleza” dos tempos modernos, não havendo, nem eram necessárias as muralhas necessárias para se sobreviver num mundo em constante mudança de invasão e conquista, considerando nós, o Farol da Barra de Aveiro a nossa Torre de Vigia, o nosso ponto de orientação, que nos protegia de qualquer anomalia que porventura podesse ameaçar o “Nosso Reino”, navegássemos nós, em qualquer direção dos quatro pontos cardeais!. (We have also explained that this beach was our “fortress” of modern times, and there are no necessary walls to survive in a constantly changing world of invasion and conquest, considering us, the Barra de Aveiro Lighthouse our Watchtower, our orientation point, which protected us from any anomaly that might threaten “Our Kingdom”, if we sailed in any direction from the four cardinal points)!.

hoje, as nossas saídas eram curtas, eram visitas a “terras de areias”, ou seja, andávamos pelas redondezas desta Praia da Barra de Aveiro!. Assim, logo pela manhã, enquanto a família se preparava, pois queriam ir fazer compras à cidade de Aveiro, nós, ainda madrugada, dispensámos algum tempo caminhando pela avenida junto ao canal onde as águas da Ria de Aveiro se juntam ao Oceano Atlântico!. (Today, our exits were short, were visits to “lands of sand”, that is, we walked around this beach of Barra de Aveiro!. So, early in the morning, while the family was getting ready, as they wanted to go shopping in the city of Aveiro, we, early in the morning, spent some time walking along the canal promenade where the waters of the Ria de Aveiro join the Atlantic Ocean)!.

…um barco vinha entrando a Barra, apitava constantemente, os seus tripulantes faziam sinais e, algumas pessoas também acenavam de terra, erguendo os braços ao céu em sinal de agradecimento ao Salvador!. Era um grupo que entendemos nós, deviam de ser familiares, pois caminhavam, alguns quase corriam, pela pequena avenida, acompanhando o barco que navegava em direcção ao Cais do Porto e, quando já não era possível esse acompanhamento, iam correndo para os seus veículos, talvez desejosos de se irem encontrar, lá no Porto das Gafanhas!. (A boat was coming into Barra, beeping constantly, its crew members were signaling and some people also waved from the ground, raising their arms to the sky in thanksgiving to the Savior!. It was a group that we understand, they should be familiar, because they walked, some almost ran, along the small avenue, accompanying the boat that sailed towards Porto Quay and, when this monitoring was no longer possible, they ran to their vehicles, maybe looking forward to meeting you there at Porto das Gafanhas)!.

…ainda perguntámos quem eram e de onde vinha o barco mas, não nos deram atenção e, alguns correndo, até mostraram uma certa indiferença, talvez pensando porque é que nós não sabíamos, se estávamos ali àquela hora!. (We still asked who they were and where the boat was coming from, but they paid no attention to us, and some running even showed a certain indifference, perhaps wondering why we didn’t know if we were there at that time)!

…pensamos nós, eram gestos e atitudes próprias de “pessoas das areias”, tal como a nossa querida e saudosa Avó Agar nos dizia quando ainda éramos crianças!. Talvez, algumas destas personagens seriam descendentes de famílias piscatórias que naquela época viviam nos “Palheiros” da Costa Nova onde, especialmente na época de inverno, sofriam no corpo e na alma, entre outras, a angústia e as tempestades da maré alta, dizendo-nos muitas vezes que a praia era um lugar de trabalho, não um lugar de lazer, e mais, que nós éramos “serranos”, ou seja pessoas da montanha que nunca tinham visto a fúria da natureza, representada nas ondas gigantes de água salgada, quando de uma tempestade no mar!. (We thought, were gestures and attitudes of “people of the sands”, as our dear and longing Grandmother Agar told us when we were children!. Perhaps some of these characters would be descendants of fishing families who at that time lived in the “Palheiros” of Costa Nova where, especially in the winter season, they suffered in body and soul, among others, the anguish and storms of the high tide, saying it was often the beach that was a place of work, not a place of leisure, and moreover, that we were “highlanders”, ie mountain people who had never seen the fury of nature, represented in the giant waves of saltwater, when a storm at sea)!.

…adiante!. Hoje fomos à cidade de Aveiro, as crianças andavam felizes, visitaram o restaurante “McDonald’s”, todas tiveram um “Happy Meal”, ou seja, bocados de galinha frita e batatas também fritas, com aqueles molhos todos que sempre nos servem nuns pacotinhos e, desta vez ofereceram-lhes um balão a cada um, que os acompanhou até o rebentarem ou o perderem!. (Forward!. Today we went to the city of Aveiro, the children were happy, visited the restaurant “McDonald’s”, all had a “Happy Meal”, ie fried chicken and potato chips, with those sauces that always serve us in little packages and, this time they offered each one a balloon, which accompanied them until they burst or lost)!.

…depois de visitar o local de compras, andámos pela baixa da cidade, pelas “loginhas”, parando aqui e ali, apreciando os locais e a azáfama dos turistas desejosos de verem o que antes não imaginavam!. (After visiting the shopping place, we walked downtown, through the “loginhas”, stopping here and there, enjoying the locals and the bustle of tourists wishing to see what they had not imagined before)!.

…numa viajem de barco moliceiro, percorremos os canais de água salgada, onde nos contaram um pouco da história da cidade, que está localizada na costa do Oceano Atlântico, com um importante Porto Marítimo, sendo mesmo a maior cidade da sub-região da comunidade intermunicipal do Baixo Vouga!. (While traveling by boat moliceiro, we traveled through the salt water channels, where they told us a little of the history of the city, which is located on the Atlantic Ocean coast, with an important seaport, being even the largest city in the sub-region from the community of Baixo Vouga)!.

…esta cidade é conhecida como “a Veneza Portuguesa”, devido ao seu sistema de canais e barcos semelhantes à cidade italiana de Veneza!. (This city is known as “the Portuguese Venice” due to its canal and boat system similar to the Italian city of Venice)!.

…durante o percurso de navegação pelos diversos canais, entre outras atracções, podemos admirar os montes de sal, acabado de retirar das diversas salinas que ainda por aqui existem desde a presença de assentamentos humanos neste território, que se estendem ao período associado aos grandes dolmens da pré-história, que também ainda podem ser vistos na maior parte de toda esta região do Baixo Vouga!. (While navigating the various channels, among other attractions, we can admire the salt mounds, just removed from the various salt pans that still exist here since the presence of human settlements in this territory, extending to the period associated with the large prehistoric dolmens, which can also still be seen in most of this whole region of Baixo Vouga)!.

…hoje já nem tanto mas, por um longo período, esta cidade foi um elo económico importante na produção de sal, sendo mesmo um centro de exploração de sal pelos povos romanos desde o longínquo ano de 959, que se referiam a estas terras como “um local de encontro ou reserva de pássaros e de grande sal”!. (Not so much today, but for a long time this city has been an important economic link in salt production, and has even been a center of salt exploitation by the Roman people since 959, which referred to these lands as “a great salt and bird gathering place or reserve”)!.

…nós, quando ainda crianças, na companhia da nossa querida Avó Agar, passávamos por esta cidade a caminho da Praia da Costa Nova e, lembramo-nos de ver muitas pessoas nas ruas e, hoje dizem-nos que é a segunda cidade mais populosa da região Centro de Portugal depois da cidade de Coimbra!. (When we were children, in the company of our dear Grandmother Agar, we were passing through this city on our way to Costa Nova Beach, and we remember seeing many people on the streets and today we are told that this is the second city most populous in the central region of Portugal after the city of Coimbra)!.

…o sol já se tentava esconder quando deixando esta cidade, viajámos para a praia da Costa Nova, tentando seguir o mesmo trajecto que seguíamos quando jovens, no entanto era impossível, hoje existem pontes em cimento sobre a Ria de Aveiro e uma auto-estrada sem curvas, o que nos fez chegar ao nosso destino ainda com algum sol!. (The sun was already trying to hide when we left this city, we traveled to the beach of Costa Nova, trying to follow the same path we followed when young, however it was impossible, today there are concrete bridges over the Ria de Aveiro and a car road without curves, which made us reach our destination still with some sun)!.

…hoje a Praia da Costa Nova é um local diferente do que conhecíamos quando éramos jovens, que era uma praia bonita e pacata, onde as famílias da montanha vinham a banhos!. Podíamos ver os barcos moliceiros de vela desfraldada navegando pela ria, carregados de moliço rumo ao sul, usando umas tábuas de ambos os lados, quase a meterem água, mas a suavidade das águas da Ria permitia toda esta manobra!. (Today Costa Nova Beach is a different place from what we knew when we were young, which was a beautiful and quiet beach where mountain families came to bathe!. We could see the moliceiro boats of unfurled sail sailing across the ria, laden with molasses to the south, using planks on either side, almost pouring water, but the softness of the Ria’s waters allowed all this maneuvering)!.

…as águas da Ria alimentavam numerosas salinas e marinhas, cujo amanho era feito pelos “marmotos”, que eram homens que trabalhavam descalços, com as calças arregassadas numa só perna, que era para dar sorte!. (The waters of the Ria fed numerous salt flats and seascapes, the size of which was made by the “marmots”, who were men working barefoot, with their pants rolled up on one leg, which was for good luck)!.

…havia a faina da pesca à “Xávega” no extenso areal Atlântico, da qual mostramos algumas fotos que tirámos muitos anos atrás, numa nossa visita a Portugal, onde na parte sul, os barcos de pesca artesanal efectuavam uma pescaria com rede de cerco composto por longas cordas com flutuadores que terminava num saco de rede cónica!. (There was the task of fishing for “Xávega” in the long Atlantic beach, from which we show some photos that we took many years ago, during our visit to Portugal, where in the southern part, artisanal fishing boats were fishing with a net of siege made up of long ropes with floats that ended in a conical net bag)!.

…o trabalho era feito com a ajuda de juntas de bois e força braçal que colocavam o barco no mar que navegava a remos para longe da costa, indo desenrolando a metade da corda, ficando uma das pontas da mesma corda amarrada no areal!. Os pescadores efectuam o cerco aos cardumes de peixe em alto mar e retornam à praia, indo desenrolando a outra metade da corda!. Já no areal, nesse momento começava um trabalho árduo e controlado, puxando ambas as partes da corda com a ajuda das juntas de bois e da força braçal!. (The work was done with the help of oxen joints and arm strength that put the boat in the sea that rowed away from the shore, unwinding half of the rope, getting one end of the same rope tied in the sand!. The fishermen encircle the schools of fish on the high seas and return to the beach, unwinding the other half of the rope!. Already in the sand, at that moment began a hard and controlled work, pulling both parts of the rope with the help of oxen joints and arm strength)!.

…a faina terminava horas depois, com a chegada ao areal e abertura do saco de rede cónica, que normalmente vinha cheio de peixe, para alegria dos pescadores!. (The work ended hours later, with the arrival on the beach and the opening of the conical net bag, which normally came full of fish, to the delight of the fishermen)!.

…os velhos “Palheiros” quase que desapareceram, que eram casas com listas verticais ou horizontais intercaladas, antigos armazéns de materiais de pesca, ou armazéns de salga da sardinha, alguns foram recuperados, dando lugar residências balneares, restaurantes, quiosques com frentes muito bonitas, continuando pintadas com cores diferentes, que quando jovens, nos lembramos do senhor “Miguel das Bateiras”, nos dizer que eram pintadas com restos de tinta que se usavam para pintar os barcos!. (The old “Palheiros” have almost disappeared, which were houses with interspersed vertical or horizontal lists, old stores of fishing supplies, or sardine salting stores, some were recovered, giving rise to bathing houses, restaurants, kiosks with fronts very beautiful, still painted in different colors, that when we were young, we remember Mr. “Miguel das Bateiras”, telling us that they were painted with remnants of paint used to paint the boats)!.

…o seu nome original é Costa Nova do Prado, tendo a sua origem na abertura da barra da Ria de Aveiro a partir do ano de 1808 e, julga-se que esta designação se deve a dois factos, sendo o primeiro, “Costa Nova”, em oposição à “Costa Velha” que existia ao norte, hoje a praia de São Jacinto, e em segundo lugar deve-se ao facto de neste local, ter existido um enorme e verdejante prado!. (Its original name is Costa Nova do Prado, having its origin in the opening of the Ria de Aveiro bar from the year 1808, and it is believed that this designation is due to two facts, the first being, “Costa Nova”, as opposed to the “Old Coast” that existed to the north, today the beach of São Jacinto, and secondly because there was a huge green meadow there)!.

…naquele tempo havia uma grande frente Atlântica, com um imenso areal entre o mar e as casas, que se situavam no cimo da “Lomba”, que proporcionava uma linda vista sobre a Ria, que nesses anos da nossa juventude, com um sistema vindo da Holanda, que consistia no transporte de água e areia do mar, por meio de tubagem e de grandes moto-bombas de água, deslocou grande quantidade de areia da zona do mar para a sua parte baixa, em frente à Ria, alagando e encortando a sua superfície e, prolongando a área seca!. (At that time there was a large Atlantic front, with a huge sandy beach between the sea and the houses, which were located at the top of the “Lomba”, which provided a beautiful view over the Ria, which in these years of our youth, with a system from the Netherlands, which consisted of transporting seawater and sand through pipelines and large water pumps, displaced large amounts of sand from the seafront to its lower and shrinking its surface and prolonging the dry area)!.

…por este motivo, lá estão as instalações do Cais da Ria, que felizmente salvaram, hoje situada num local rodeado de cenário seco, quando naquele tempo este Cais estava situado na beira e dentro da Ria!. (For this reason, there are the facilities of Cais da Ria, which fortunately saved, today situated in a place surrounded by dry scenery, when at that time this Pier was situated on the edge and inside the Ria)!.

…caminhando por aqui, além da nossa querida Avó Agar, lembramos o nosso irmão Manuel, que connosco passava algum tempo na companhia da já mencionada nossa querida Avó Agar que, no fim das colheitas, lá aldeia do Vale do Ninho D’Águia, na encosta agreste da montanha do Caramulo, nos trazia a passar algum tempo nesta praia da Costa Nova!. (Walking here, beyond our dear Grandmother Agar, we remember our brother Manuel, who spent time with us in the company of the aforementioned our dear Grandmother Agar who, at the end of the harvest, there village of Vale do Ninho D’Águia, on the rugged slope of Caramulo mountain, brought us to spend some time on this Costa Nova beach)!.

…o irmão Manuel, felizmente ainda vivo, era o nosso herói, era o nosso “Robin dos Bosques”!. Era selvagem nas atitudes, rebelde, não acatava ordens dos adultos, era aventureiro, participava em tudo, particularmente se envolvesse uma boa luta, fazia “papagaios” de papel presos por um cordão de sisal, que subiam às alturas, caminhávamos por horas e horas junto das ondas da praia procurando conchas e búzios exóticos!. (Brother Manuel, fortunately still alive, was our hero, was our “Robin of the Woods”!. He was wild in attitude, rebellious, heedless of adult orders, adventurous, participated in everything, particularly if it involved a good fight, made paper “parrots” bound by a sisal cord, which climbed high, walked for hours and hours by the waves of the beach looking for exotic shells and shells)!.

…lá na aldeia da montanha, era pescador, construindo os seus artefactos de pesca, era caçador, construindo as suas armas de caça, subíamos juntos às árvores vizinhas procurando fruta, tinha uma habilidade espantosa no manejo de um arco feito por ele onde, com uma flecha feita de um pau, acertava nas galinhas, no cão, nas ovelhas, nas cabras ou nos porcos e, se necessário fosse, mentia para nos proteger!. Era aquele irmão que dizia, “Cuidado, este é o meu irmão mais novo”!. (Back in the mountain village, he was a fisherman, building his fishing gear, he was a hunter, building his hunting weapons, handling a bow made by him where, with an arrow made of a stick, he hit the chickens, the dog, the sheep, the goats or the pigs and, if necessary, lied to protect us!. It was that brother who said, “Watch out, this is my little brother”!.

…nas semanas que aqui passávamos fazendo companhia à nossa querida Avó Agar, entre outras, devido a situações financeiras, só podia estar um de cada vez!. Nós éramos o primeiro a fazer companhia à nossa querida Avó Agar mas, o irmão Manuel ao fim das nossas duas semanas de estadia, quando chegava na camionete verde e amarela da companhia de camionagem Aveirense e, era o momento de nós regressar-mos na mesma camionete, todavia, logo dizia que a nossa mãe Ilda lhe recomendou que nós, o seu irmão mais novo e que ele protegia, podia ficar mais um tempo e não regressar à nossa aldeia na montanha, simplesmente porque queria a nossa companhia!. (In the weeks we spent here keeping company with our dear Grandmother Agar, among others, due to financial situations, could only be one at a time!. We were the first to keep company with our dear Grandmother Agar but Brother Manuel at the end of our two week stay when we arrived at the green and yellow pickup truck of the Aveirense trucking company and it was time for us to return in the same way!. The van, however, soon said that our mother Ilda advised her that we, her younger brother and whom he protected, could stay a while longer and not return to our mountain village simply because she wanted our company)!.

…neste momento, a sua idade já passa as oito dezenas de anos, continuando rebelde, aventureiro, quase selvagem e, ao ver-nos, abraçou-nos dizendo, “irmão amigo, devo ser de má raça, não morro, continuo por aqui ainda vivo”!. É também um veterano, porque quando chegou à idade de adulto, alistou-se nas Forças Armadas, sendo dos primeiros militares Para-quedistas ao serviço da Força Aérea Portuguesa!. (At this time, his age is already eight dozen years old, still rebellious, adventurous, almost wild and, seeing us, hugged us saying, “Brother friend, I must be of bad race, I do not die, I continue here still alive”!. He is also a veteran, because when he reached adulthood, he joined the Armed Forces, being one of the first Paratroopers in the service of the Portuguese Air Force)!.

…na nossa juventude, por aqui ficaram alguns amigos, tal como o Zé Pesca, filho de pescador, que vivia nos “Palheiros” da Costa Nova e que ajudávamos a apanhar isca junto à Ria na maré baixa, ou o senhor “Miguel das Bateiras”, que alugava barcos junto ao cais de embarque para os barcos moliceiros que também transportavam pessoas, que partiam periódicamente para as Gafanhas e, depois de ajudarmos a retirar a água das bateiras, navegava pela ria connosco, onde em algumas áreas passávamos sobre o moliço, com os peixes fugindo na frente, tudo isto para verificar se as bateiras não metiam água de novo!. (In our youth, some friends stayed here, such as Zé Pesca, son of a fisherman, who lived in the “Palheiros” of Costa Nova and who helped to catch bait by the Ria at low tide, or Mr. “Miguel das Bateiras”, which rented boats from the quay to moliceiro boats that also carried people, who departed periodically to Gafanhas and, after helping to remove the water from the drums, sailed along the ria with us, where in some areas we passed over the reed, with the fishes running in front, all to make sure the drums didn’t get water again)!.

…depois de lembrar todas estas recordações e caminhar pela baixa, em frente à Ria, parando aqui e ali, vistámos um restaurante e, quando na recepção nos perguntavam quantos éramos, logo respondemos, quase em coro, “somos sete, tal qual Os Sete Magnificos”!. (After remembering all these memories and walking downtown, in front of the Ria, stopping here and there, we visited a restaurant and when asked at the reception how many we were, we answered almost in chorus, “we are seven, just like The Seven Magnificent”)!.

…continua!. (To be continued)!.

Tony Borie, September 2019!.

…fomos a Portugal!. Éramos “Os Sete Magníficos!. (We went to Portugal!. We were “The Seven Magnificent”)!.

…fomos a Portugal!. Éramos “Os Sete Magníficos!. (We went to Portugal!. We were “The Seven Magnificent”)!.

…fomos a Portugal!. Éramos “Os Sete Magníficos”!. (We went to Portugal!. We were “The Seven Magnificent”)!.

…terceira parte!. (third part)!.

…anteriormente já explicámos que, por alguns dias ficámos estacionados na Praia da Barra de Aveiro e, nestes dez dias passados em Portugal, o nome mais apropriado para o nosso grupo seria “The Magnificent Seven” (“Os Sete Magníficos”)!. (We have already explained that for a few days we were stationed at Barra de Aveiro Beach and in the last ten days in Portugal, the most appropriate name for our group would be “The Magnificent Seven”)!.

…também já explicámos que, esta Praia era a nossa “Fortaleza” dos tempos modernos, não havendo, nem eram necessárias as muralhas necessárias para se sobreviver num mundo em constante mudança de invasão e conquista, considerando nós, o Farol da Barra de Aveiro a nossa Torre de Vigia, o nosso ponto de orientação, que nos protegia de qualquer anomalia que porventura podesse ameaçar o “Nosso Reino”, navegássemos nós, em qualquer direção dos quatro pontos cardeais!. (We have also explained that this beach was our “fortress” of modern times, and there are no necessary walls to survive in a constantly changing world of invasion and conquest, considering us, the Barra de Aveiro Lighthouse our Watchtower, our orientation point, which protected us from any anomaly that might threaten “Our Kingdom”, if we sailed in any direction from the four cardinal points)!.

…este dia, o céu da praia estava azul, o sol tentava despertar, rumámos para norte, que nos ficava à esquerda quando posicionados de frente para o sol nascente, tal como as outras direcções cardeais, que também estão relacionadas à posição do sol!. (This day, the beach sky was blue, the sun was trying to wake up, we headed north, which was on our left when facing the rising sun, like the other cardinal directions, which are also related to the position of the Sun)!.

…nossa filha Sandy, pela manhã tinha mencionado que adorava mostrar à sua família as “Vinhas do Rio Douro”, onde se produz o famoso “Vinho do Porto”, como tal para lá nos dirigimos, claro, guiados pelos meios de orientação modernos, ou seja o GPS!. (Our daughter Sandy, in the morning, had mentioned that she loved to show her family the “Douro River Vineyards”, where the famous “Port Wine” is produced, as such we are, of course, guided by the means of guidance modern, ie the GPS)!.

…hoje, diversas auto-estradas atravessam o país Portugal em diversas direcções, portanto este trajecto para norte, mais propriamente até à pitoresca cidade do Pinhão, que é uma cidade pequena e sonolenta, que fica aninhada no coração da região vinícola ao longo do Rio Douro, foi feito em pouco mais de duas horas!. (Today, several highways cross Portugal in different directions, so this route north, more specifically to the picturesque city of Pinhao, which is a sleepy little town, nestled in the heart of the wine region along of the Douro River, was done in just over two hours)!.

…aqui chegados, visitámos um restaurante local, onde nos serviram a comida local e, antes da refeição ofereceram aos adultos um cálice de Vinho do Porto!. Claro, as crianças não gostaram, perguntando onde estava o restaurante “McDonald’s”, perante o nosso sorriso e, o desespero da nossa filha Sandy e do seu dedicado marido Brian!. (When we arrived, we visited a local restaurant, where we were served the local food and, before the meal, offered the adults a glass of Port Wine!. Of course, the kids didn’t like asking where McDonald’s was, given our smile and the despair of our daughter Sandy and her devoted husband Brian)!.

…visitámos a histórica Estação Ferroviária do Pinhão, criada no ano de 1937, para naquele tempo ajudar o desenvolvimento da região e da comunidade local, hoje famosa como atracção turística e pelos seus lindos azulejos azuis e brancos que retratam uma variedade de cenas da vida cotidiana junto do Rio Douro, principalmente as vindimas e em especial motivos relacionados com a tarefa rural do Vinho do Porto! (We visited the historic Pinhão Railway Station, created in 1937, to at that time help the development of the region and the local community, today famous as a tourist attraction and for its beautiful blue and white tiles depicting a variety of scenes from the daily life along the Douro River, especially the vintage and in particular reasons related to the rural task of port wine)!.

…atravessando de novo a famosa ponte do Pinhão, projectada pelo renomado arquitecto Gustave Eiffel, iniciámos a intensa jornada de descer a montanha até ao oceano Atlântico, viajando quando nos era possível, junto ao Rio Douro até à sua foz, um pouco além da cidade de Vila Nova de Gaia!. (Crossing over again the famous Pinhão bridge, designed by renowned architect Gustave Eiffel, we began the intense journey down the mountain to the Atlantic Ocean, traveling when we could, along the Douro River to its mouth just beyond from the city of Vila Nova de Gaia)!.

…olhando o céu, o sol ia alto, era já a parte da tarde deste dia, portanto viajávamos no sentido oeste, ou seja, o norte agora ficava à nossa direita, esperando ver o pôr do sol, lá para o fim do dia, quando chegássemos ao nosso destino, que era foz do Rio Douro!. (Looking at the sky, the sun was high, it was already late this day, so we were traveling west, that is, the north was now on our right, waiting to see the sunset, towards the end of the day, when we arrived at our destination, which was the mouth of the Douro River)!.

…durante este trajecto, tudo o que podíamos ver por quilómetros e quilómetros, eram vistas maravilhosas de montanha e rio, que nos cercavam por todos os lados, com lindas colinas de vinhas verdes, cobertas de trepadeiras e, aqui e ali algumas casas de campo rústicas, que deviam de ser adegas!. (During this journey, all we could see for miles and miles, were wonderful views of mountain and river that surrounded us on all sides, with beautiful hills of green vines, covered with vines, and here and there some houses rustic country houses, which should be cellars)!.

…em algumas ocasiões, usávamos a estrada antiga, comparada com a Histórica Estrada 66 nos USA, onde geralmente passava um veículo pelo outro, dando voltas e mais voltas, visitando pequenas vilas e aldeias “vinhateiras”, e claro, as crianças barafustavam, querendo complicar mais ainda, perguntavam constantemente quando era que chegávamos a casa, na América!. (Sometimes we used the old road, compared to the Historic Route 66 in the USA, where one car usually passed the other, going round and round, visiting small “vineyard” villages, and of course the kids were fussing wanting to complicate matters further, they were constantly asking when we would get home in America)!.

…estávamos cercados de algumas das mais belas vistas de Portugal, aninhados no coração da região vinícola ao longo do Rio Douro!. (We were surrounded by some of the most beautiful views in Portugal, nestled in the heart of the wine region along the Douro River)!.

…era o país do Vinho do Porto, bastava olhar ao nosso redor para ver que estávamos literalmente cercados por videiras, num clima ideal para as uvas que produzem o Vinho do Porto!. (Was the country of Port Wine, just look around to see that we were literally surrounded by vines, in an ideal climate for the grapes that produce Port Wine)!.

…quase chegados à foz do Rio Douro, considerávamos um previlégio ter apreciado um cenário maravilhoso, mas já sentíamos alguma mágoa por termos que deixar um lugar que gostaríamos de ter ficado por muito mais tempo!. (Almost at the mouth of the Douro River, we considered it a privilege to have enjoyed a wonderful scenery, but we already felt some hurt that we had to leave a place that we would have liked to stay for much longer)!.

…no entanto estávamos próximo da foz do Rio Douro, outro lugar que nos mostrava um cenário para tirar algumas fotografias bonitas, junto da ponte D. Luiz, também projectada pelo renomado arquitecto Gustave Eiffel, com a cidade do Porto do outro lado do rio, e claro, o sol o pôr-se, reflectindo-se na água do rio!. (However we were near the mouth of the Douro River, another place that showed us a setting to take some beautiful photographs, near the D. Luiz bridge, also designed by the renowned architect Gustave Eiffel, with the city of Porto on the other side of the river, and of course, the sun sets, reflecting in the water of the river)!.

…era na cidade de Vila Nova de Gaia, junto do Rio Douro, um local que é um dos principais centros da indústria do Vinho do Porto, mais propriamente na zona ribeirinha Cais de Gaia, salpicado de adegas que oferecem passeios e degustações, com terraços de café e vistas amplas sobre o Rio Douro!. (Was in the city of Vila Nova de Gaia, near the Douro River, a place that is one of the main centers of the Port Wine industry, specifically in the Cais de Gaia riverside area, dotted with wineries that offer tours and tastings, with coffee terraces and wide views of the Douro River)!.

…ao começar este texto, explicámos que o céu da praia estava azul e que o sol tentava despertar!. Todavia neste momento, a posição do sol diz-nos que o dia está quase no fim, fazendo-nos lembrar a importância do tempo e como devemos fazer bom uso dele!. Olhando para oeste, o norte continua à nossa direita, o céu assume tons de laranja mostrando-nos um maravilhoso pôr do sol, a cor que lhe dá a esperança de que se está a pôr apenas, pois amanhã irá nascer novamente honrando o seu criador!. É também um momento de reflexão, pois o pôr do sol traz uma sensação de paz e a esperança de que tudo vai ficar bem, servindo como promessa de amanhã um novo dia virá claro e cheio de luz!. (When we started this text, we explained that the beach sky was blue and the sun was trying to wake up!. However, at this moment, the position of the sun tells us that the day is almost over, reminding us of the importance of time and how we should make good use of it!. Looking west, the north is still on our right, the sky is orange, showing us a wonderful sunset, the color that gives you the hope that you are just setting, because tomorrow will be born again honoring its creator!. It is also a moment of reflection, as the sunset brings a sense of peace and the hope that all will be well, serving as promise of tomorrow a new day will come clear and full of light)!.

…o dia estava no fim e, toda esta aventura, a nós, fez-nos lembrar quando ainda crianças, as tarefas do nosso pai António, quando com ele participávamos nas actividades das colheitas, vendimando, trazendo os cestos cheios de uvas, pisando-as no lagar, comendo as de melhor qualidade, ajudando na “trafega” do vinho para as pipas, e depois, já próximo do Natal, a degustação do vinho, acompanhado de uma côdea dura de pão de milho e metade de uma sardinha assada!. (The day was coming to an end, and this whole adventure reminded us as children of our father Antonio’s tasks when we took part in the harvesting activities, selling and bringing baskets full of grapes, treading them in the winepress, eating the best quality, helping in the “traffic” of wine to the kites, and then, near Christmas, the wine tasting, accompanied by a hard crust of corn bread and half a sardine roast)!.

…quando o Pai António já doente, pois morreu com a doença de câncer, viemos vê-lo aqui a Portugal, mais uma vez nos pediu para dele nos aproximar-mos, tocou-nos na cabeça e falou baixinho, pois não tinha forças para falar alto e, disse: “lembras-te, quando eu saía da mesa um pouco antes de vocês acabarem de comer?. Não era porque não tivesse fome, era que via que o comer não ia chegar para todos”!. (When Father Antonio was already ill because he died of cancer, we came to see him here in Portugal, once again asked us to approach him, touched us on the head and spoke softly, because he had not she was strong enough to speak loudly and said, “Remember when I left the table just before you finished eating? It was not because I was not hungry, I saw that eating was not going to come for everyone)!.

…sim, lembro-me ainda hoje Pai António e, também me lembro daquele “carrinho” que me fizeste, que não era mais do que um pau, com uma roda de madeira na ponta, que eu levava quando ia atrás de ti, quando ias descalço, trabalhar nas terras alagadiças do lameiro, tu também não me sais do pensamento, descansa em paz e, até qualquer dia Pai António!. (Yes, I still remember Father Antonio, I also remember that “cart” you made me, which was no more than a stick, with a wooden wheel on the end, which I carried when I went behind you, when you went barefoot, working in the marshy lands of the mire, and you also do not leave me of the thought, rest in peace and, until one day, Father Antonio)!.

…já era noite, imaginávamos mas não víamos, “os sete bois de arado”, um nome que dão à Ursa Maior, que é uma constelação, que até dizem que está origem da palavra em inglês Ártico!. No entanto, deixando estes termos técnicos e, voltando aos pontos cardeais, na rotação visível do céu nocturno que avistávamos, neste momento o sul, era o ponto para onde nos queríamos dirigir, ou seja, para a Praia da Barra de Aveiro e que, só o GPS e a nossa filha Sandy, nos poderia indicar, pois já tínhamos aberto uma garrafa de Vinho do Porto!. (It was night, we imagined but did not see, “the seven plow oxen”, a name they give to the Big Dipper, which is a constellation, which they even say originates from the English word Arctic!. However, leaving these technical terms and, returning to the cardinal points, in the visible rotation of the night sky that we could see, at this time the south, was the point where we wanted to go, that is, to Barra de Aveiro Beach and that, only GPS and our daughter Sandy could tell us that we had already opened a bottle of Port Wine)!

…já adivinhamos o que estão a pensar!. Não, não éramos nós que conduzíamos o veículo, pois havia a responsabilidade de uma maravilhosa família, assim, quem conduzia era o nosso dedicado genro Brian!. (We already guessed what they are thinking!. No, we were not driving the vehicle, as it was the responsibility of a wonderful family, so it was our dedicated son-in-law Brian)!.

(continua) (to be continued)

Tony Borie, September 2019.

…fomos a Portugal!. (We went to Portugal)!.

…fomos a Portugal!. (We went to Portugal)!.

…fomos a Portugal!. Éramos “Os Sete Magníficos”!. (We went to Portugal!. We were “The Seven Magnificent”)!.

…segunda parte!. (second part)!.

…por alguns dias ficámos estacionados na Praia da Barra de Aveiro e, como anteriormente já explicámos, nestes dez dias passados em Portugal, o nome mais apropriado para o nosso grupo será “The Magnificent Seven” (“Os Sete Magníficos”)!. (For a few days we were stationed at Barra de Aveiro Beach and, as we have already explained, in the last ten days in Portugal, the most appropriate name for our group will be “The Magnificent Seven”)!.

…aqui, era a nossa “Fortaleza” dos tempos modernos, não havendo, nem eram necessárias as muralhas necessárias para se sobreviver num mundo em constante mudança de invasão e conquista!. (Here, it was our “Fortress” of modern times, and there were no necessary walls to survive in a constantly changing world of invasion and conquest)!.

…contudo, considerávamos o Farol da Barra de Aveiro a nossa Torre de Vigia, que nos protegia de qualquer anomalia que porventura podesse ameaçar o “Nosso Reino”!. (But we considered Barra de Aveiro Lighthouse our Tower of Watchman, who protected us from any anomaly that might threaten “Our Kingdom”)!.

…como por exemplo o nevoeiro, que quando aparecia, a sua “Ronca” (Sirene), ouvia-se de dois em dois minutos!. (Such as the fog, which when it appeared, its “Ronca” (Siren) would be heard every two minutes)!.

…daqui saíamos pela manhã, em que alguns dias eram longas, pois poucos sabem apreciar o trabalho que dá a uma mãe, mesmo com a ajuda de um pai, acordar, lavar, vestir, pentear e dar de comer a três adoráveis crianças que, por isto ou por aquilo, não concordam, ou para ser mais simpático discordam, das leis e procedimentos dos adultos!. (We left in the morning, when some days were long, because few know how to appreciate the work that gives a mother, even with the help of a father, waking, washing, dressing, combing and feeding three lovely children who, for this or that, do not agree, or to be more sympathetic, disagree with the laws and procedures of adults)!’

…por exemplo, uma criança que está sentada e presa numa cadeira à mesa, vê um seu irmão correndo pela casa!. Querendo fazer o mesmo, chora, barafusta, quer sair e ir correr!. A mãe, atenciosa, pega-lhe ao colo e, ela cala-se!. A outra, que estava calada, vendo a irmã a receber carinhos extras, com alguns ciúmes, começa ela um “choro reclamatório”, pois sente-se discriminada!. Em resumo, com três crianças juntas, existe sempre alguma confusão e, quando não havia nevoeiro para se ouvir a “Ronca” (Sirene), do Farol da Barra de Aveiro a trabalhar, havia o ambiente normal de um lar com três adoráveis crianças!. (For example, a child who is sitting and sitting in a chair at a table sees his brother running around the house!. Wanting to do the same, cry, fuss, want to go out and go running!. The caring mother picks her up and she shuts up!. The other, who was silent, seeing her sister receiving extra affection, with some jealousy, she begins a “complaining cry”, because she feels discriminated!. In short, with three children together, there is always some confusion, and when there was no fog to hear the “Ronca” (Siren) from Barra de Aveiro Lighthouse working, there was the normal atmosphere of a home with three lovely children)!.

…saindo desta “Fortaleza”, visitávamos alguns lugares, regressando ao fim do dia!. (Leaving this “Fortaleza”, we visited some places, returning to the end of the day)!.

…neste dia, tomando a direcção sul, viajando pela auto-estrada e, como bons e dedicados imigrantes que somos, visitámos o Santuário de Fátima!.  (On this day, heading south, traveling the highway and, as good and dedicated immigrants we are, we visited the Sanctuary of Fatima)!.

…para entre outros pormenores, a nossa dedicada esposa Isaura “cumprir mais uma promessa”, agradecendo ao divino por ter sido generoso para consigo e a sua adorável família!. (Among other details, our dedicated wife Isaura “fulfill another promise”, thanking to the divine for being generous to you and your lovely family)!.

…enquanto isso acontecia, as crianças andavam entretidas!. (While this was happening, the children were entertained)!.

…o Santuário de Fátima está localizado no lugar da Cova da Iria, na hoje cidade de Fátima!. É um lugar de peregrinação cristã e devoção católica, preservando a memória dos acontecimentos que levaram à sua fundação, nomeadamente as aparições de Nossa Senhora aos Três Pastorinhos, que eram a Lúcia, o Francisco e a Jacinta, no distante ano de 1917!. (The Sanctuary of Fatima is located in the place of Cova da Iria, in today’s city of Fatima!. It is a place of Christian pilgrimage and Catholic devotion, preserving the memory of the events that led to its founding, namely the apparitions of Our Lady to the Three Shepherds, who were Lucia, Francisco and Jacinta, in the distant year of 1917)!.

hoje é um dos mais importantes santuários marianos do mundo, conhecido nacional e internacionalmente, recebendo todos os anos cerca de seis milhões de visitantes que por aqui passam, portadores das mais variadas motivações, mas a principal, parece ser a devoção, a promessa e a busca de um ambiente espiritual e calmo!. (Today is one of the most important Marian shrines in the world, known nationally and internationally, receiving every year about six million visitors who come here, bearers of various motivations, but the main one seems to be devotion, promise and the search for a spiritual and calm environment)!.

…nós, ainda jovens, quando do regresso à Europa, vindos da nossa participação forçada e imposta pelo governo colonialista que então existia em Portugal, naquela trágica e miserável Guerra Colonial Portuguesa, que nos obrigou a sobreviver em África, onde estivémos por um período de dois anos!. (We, still young, when we returned to Europe, coming from our forced participation and imposed by the colonialist government that then existed in Portugal, in that tragic and miserable Portuguese Colonial War, which forced us to survive in Africa, where we were for a while period of two years)!.

…entre outros, este foi um dos motivos que, cumprindo uma promessa da nossa querida mãe Ilda, talvez feliz por nos ver regressar com vida!. (Among others, this was one of the reasons that, fulfilling a promise of our dear mother Ilda, perhaps happy to see us come back alive)!.

…assim, fizémos todo o trajecto de aproximadamente 150 quilómetros, caminhando na companhia da nossa dedicada esposa Isaura, juntos com alguns familiares, desde a nossa aldeia do Vale do Ninho D’Águia, lá na encosta agreste da montanha do Caramulo, até este Santuário!. (So, we made the entire journey of approximately 150 kilometers, walking in the company of our dedicated wife Isaura, together with some family members, from our village of Vale do Ninho D’Águia, there on the rugged slope of Caramulo mountain, until this shrine)!.

…que, nesses anos tinha uma aparência mais modesta, não se comparando com o cenário que hoje por aqui existe, talvez gerado pelo poderoso impulso do Santuário de Fátima, que também é responsável pelo crescimento exponencial de uma zona do país que até aí, era muito pouco desenvolvida!. (That in those years had a more modest appearance, not compared to the scenario that exists today, perhaps generated by the powerful impetus of the Shrine of Fatima, which is also responsible for the exponential growth of an area of the country that until then , was very undeveloped)!.

…deixámos o Santuário de Fátima e, guiados pela nossa filha Sandy, que recorreu às vias de comunicação modernas, como por exemplo o GPS, guiando o seu dedicado marido Brian em direcção ao sul e oeste, pelas novas estradas que hoje existem em Portugal e que cruzam o país em diferentes direcções, até ao Castelo de Óbidos, que é um castelo medieval bem preservado, localizado na freguesia de Santa Maria, São Pedro e Sobral da Lagoa, no município de Óbidos, região portuguesa do Oeste!. (We left the Shrine of Fatima and, guided by our daughter Sandy, who used modern roads such as GPS, guiding her devoted husband Brian south and west along the new roads that exist today in Portugal and crossing the country in different directions, to the Óbidos Castle, which is a well preserved medieval castle, located in the parish of Santa Maria, São Pedro and Sobral da Lagoa, in the municipality of Óbidos, western Portuguese region)!.

…é um pouco diferente do Castelo de Neuschwanstein, que tem um visual de conto de fadas e que inspirou Walt Disney a criar o Parque Temático Magic Kingdom, aqui no estado da Flórida onde vivemos e que, literalmente se traduz no castelo New Swan Stone que está localizado na Baviera, Alemanha, sendo hoje um dos destinos turísticos mais populares do mundo, onde todos os anos, mais de 1.300.000 pessoas cruzam seu portão!. (Is a bit different from the fairytale-looking Neuschwanstein Castle that inspired Walt Disney to create the Magic Kingdom Theme Park here in the state of Florida where we live and which literally translates to New Swan Castle Stone which is located in Bavaria, Germany, being today one of the most popular tourist destinations in the world, where every year over 1,300,000 people cross its gate)!.

…este maravilhoso Castelo de Óbidos, é um castelo medieval, construído numa área que foi posteriormente colonizada pelos lusitanos, desde o século IV aC e pelos romanos no primeiro século, mas depois ocupada pelos visigodos durante o século V e VI e pelos muçulmanos, responsáveis pela fortificação da cidade, já no século VIII!. (This beautiful Obidos Castle is a medieval castle, built in an area that was later colonized by the Lusitanians from the 4th century BC and the Romans in the first century, but later occupied by the Visigoths during the 5th and 6th centuries and by the Muslims, responsible for the fortification of the city, as early as the eighth century)!.

…dizem-nos que, durante a Reconquista Cristã, as forças sob o comando do primeiro Rei português D. Afonso I, derrotaram as defesas do assentamento por meio de um ardil, por volta do ano de 1148 e os primeiros levantamentos do castelo foram realizados no ano de 1153, embora o castelo nunca tenha sido completamente conquistado até ao reinado do Rei D. Sancho I, já no ano de 1195, que converteu a torre de Albarra em prisão, quando as suas muralhas foram reformuladas!. (Tell us that during the Christian Reconquest, the forces under the command of the first Portuguese King D. Afonso I, defeated the defenses of the settlement by means of a ruse, around the year 1148 and the first lifts of the castle were made in the year 1153, although the castle was never completely conquered until the reign of King D. Sancho I, as early as 1195, which converted the tower of Albarra into prison, when its walls were reformulated)!.

…a história também nos diz que, Portugal e Espanha, sempre estiveram em conflito, principalmente no contexto das crises sucessórias portuguesas e, muitas vezes contra a vontade de seus habitantes, alguns membros da família real, ou por casamentos de conveniência ou outro qualquer motivo, aliavam-se aos reis de Castela, resultando em guerras e guerrilhas, como na Batalha de Aljubarrota, em que Óbidos e o seu Castelo, foram reconquistados e entregues ao reino de Portugal!. (History also tells us that Portugal and Spain have always been in conflict, especially in the context of Portuguese succession crises and often against the will of its inhabitants, some members of the royal family, or for marriages of convenience or other for whatever reason, they allied themselves with the kings of Castile, resulting in wars and guerrillas, as in the Battle of Aljubarrota, in which Óbidos and its Castle were reconquered and delivered to the kingdom of Portugal)!.

…subimos ao cimo das suas muralhas, apreciando um cenário de planície, vista cá de cima, exemplificando-nos o que aconteceu durante o contexto da Guerra Peninsular, onde esta fortificação situada em Óbidos, disparou as primeiras rodadas de artilharia na Batalha de Roliça, que resultaram na primeira derrota das forças napoleônicas!. (We climbed to the top of its walls, enjoying a plain scenery seen from above, exemplifying what happened during the context of the Peninsular War, where this fortification in Óbidos fired the first artillery rounds at the Battle of Roliça, which resulted in the first defeat of the Napoleonic forces)!.

…hoje, dentro das suas muralhas, existe a cidadela, que é visitada por milhares de turistas, tal como nós desejosos de apreciar este cenário medieval, reforçado por torres e pedregulhos sobre falésias, que nos leva no pensamento a admirar um cenário de centenas de anos e lutas por um território que não pertence a nenhum mortal, mas sim ao mundo real, ou seja à natureza pura!. (Today, within its walls, there is the citadel, which is visited by thousands of tourists, just as we are eager to enjoy this medieval setting, reinforced by towers and boulders on cliffs, which leads us in thought to admire a scenery of hundreds of years and struggles for territory that belongs to no mortal, but to the real world, that is to the pure nature)!.

…as crianças, brincavam na nossa frente, por vezes tropeçando no piso de pedra original, que representam as ruelas onde outrora os cavaleiros medievais montavam os seus cavalos, e nós, parávamos aqui e ali, apreciando sobretudo a bebida regional que dá pelo nome de “Ginja com Chocolate de Óbidos”!. (The children played in front of us, sometimes stumbling over the original stone floor, which represent the alleys where the medieval knights once rode their horses, and we would stop here and there, especially enjoying the regional drink given by name “Ginja with Chocolate of Óbidos”)!.

…num qualquer recanto da cidadela, descendo umas escadas de pedra, encontrámos uma pequena padaria que vendia pão com chouriça, cozido num forno aquecido a lenha e vinho tinto da região que comprámos para toda a família, fazendo-nos lembrar os nossos tempos de criança!. (In any corner of the citadel, down stone stairs, we found a small bakery that sold bread with chorizo, baked in a wood-fired oven and red wine of the region that we bought for the whole family, reminding us of our times of child)!.

…do cimo das suas muralhas também avistámos o cenário orientado para o sudeste que se eleva 79 metros acima do nível do mar e está situado no extremo noroeste das fortificações muradas, sendo reforçado no norte por três cordéis semicirculares ou retangulares, vendo-se ao longo da parede que divide os dois pátios, onde existe um arco retangular e suave, conhecido como torre da Albarrã!. (From the top of its walls we also saw the south-east facing landscape that rises 79 meters above sea level and is situated at the northwest end of the walled fortifications, being reinforced in the north by three semicircular or rectangular cords. along the wall that divides the two courtyards, where there is a smooth rectangular arch known as the Tower of Albarrã)!.

…a oeste, avistamos uma linha de muralhas que acompanha as falésias montanhosas, reforçadas por grandes torres retangulares, sendo esta linha de muralhas apenas quebrada pelo Portão da Cerca, pelo Portão da Talhada e pela torre de vigia do Jogo da Bola, terminando no sudoeste pela Torre Facho, tendo a particularidade de em alguns lugares, as paredes terem à volta de 13 metros de altura!. (To the west, we see a line of walls that accompanies the mountain cliffs, reinforced by large rectangular towers, and this line of walls is only broken by the Gate of the Fence, the Gate of Talhada and the watchtower of the Game of Ball, ending in the southwest by the Facho Tower, with the particularity that in some places the walls are around 13 meters high)!.

…também podemos ver, construído pela rainha Catarina da Áustria, esposa do rei João III, um aqueduto com cerca de 3 quilômetros de comprimento, que foi construído para transportar água das montanhas de Usseira para Óbidos, abastecendo as fontes da cidade!. (We can also see, built by Queen Catherine of Austria, wife of King John III, an aqueduct about 3 kilometers long, which was built to carry water from the mountains of Usseira to Óbidos, supplying the city’s fountains)!.

…dentro da cidadela, uma das nossas netas, em determinado momento veio despertar-nos a atenção, puxando-nos pela mão, para ir-mos na sua companhia apreciar a imagem de um “Dragão”, que cremos nós, faz parte das atracções do Mercado Medieval de Óbidos, que se realiza todos os anos em alguns meses de verão!. (Inside the citadel, one of our granddaughters, at a certain moment came to draw our attention, pulling us by the hand, to go in her company to enjoy the image of a “Dragon”, which we believe, is part of of the attractions of the Medieval Market of Óbidos, which takes place every year in some summer months)!.

…maravilhados por ter tido o previlégio de admirar este célebre monumento, rumámos ao norte, seguindo as vias de comunicação modernas, ou seja o GPS!. (Amazed to have had the privilege of admiring this famous monument, we headed north, following the modern ways of communication, ie the GPS)!.

…parando já próximo da Praia da Barra de Aveiro, numa vila piscatória, que dá pelo nome de Praia da Vagueira, cujo cenário é muito parecido com qualquer praia da Província Canadiana de Terra Nova!. (Stopping right next to Barra de Aveiro Beach, in a fishing village, called Praia da Vagueira, whose scenery is very similar to any beach in the Canadian Province of Newfoundland)!.

…havendo peixe fresco à venda!. (With fresh fish for sale)!.

…aqui, frequentámos um restaurante onde na recepção nos perguntaram quantos éramos, respondendo a já célebre frase: “somos sete, tal qual “Os Sete Magnificos”! (Here, we went to a restaurant where at the reception we were asked how many we were, answering the already famous phrase: “we are seven, just like “The Seven Magnifices”)!.

(continua) (to be continued)

Tony Borie, September 2019.

…fomos a Portugal!, (We went to Portugal)!.

…fomos a Portugal!, (We went to Portugal)!.

…fomos a Portugal!. Éramos “Os Sete Magníficos”!. (We went to Portugal!. We were “The Seven Magnificent”)!.

…primeira parte!. (First part)!.

…alguns anos atrás, quando viajávamos com os nossos filhos à Europa, mais propriamente a Portugal, eram momentos que nos proporcionavam algumas aventuras tal como em qualquer película, onde se podiam ver cenas como em “Sound of Music” (“Música no Coração”)!. (A few years ago, when we were traveling with our children to Europe, more specifically to Portugal, were moments that gave us some adventures just like in any film, where you could see scenes like in “Sound of Music”)!.

…desta vez não!. Nestes dez dias passados em Portugal, o nome mais apropriado será “The Magnificent Seven” (“Os Sete Magníficos”)!. Todavia, os entervenientes não eram os actores Yul Brynner, Steve McQueen, Charles Bronson, James Cobum, Eli Wallach ou aquela jovem bonita com cara de anjo, que era a Rosenda Monteros, entre outros!. (Not this time!. In the last ten days in Portugal, the most appropriate name will be “The Magnificent Seven”!. However, the inconvenient ones were not the actors Yul Brynner, Steve McQueen, Charles Bronson, James Cobum, Eli Wallach or that pretty angel-looking young woman, Rosenda Monteros, among others)!.

…mas sim nós próprios, a nossa dedicada esposa Isaura, a nossa filha Sandy, o seu dedicado marido Brian, os nossos netos Brian Anthony, a Eva Monroe e a Leyla James!. (But ourselves, our devoted wife Isaura, our daughter Sandy, her devoted husband Brian, our grandchildren Brian Anthony, Eva Monroe and Leyla James)!.

…a aventura começou imediatamente à saída, no Aeroporto de Newark, no estado de New Jersey!. (The adventure began immediately outside Newark Airport in the state of New Jersey)!.

…prolongando-se por toda a viajem que decorreu pela noite dentro, aterrando pela manhã, já na Europa, no aeroporto da cidade de Lisboa em Portugal!. (Extending throughout the overnight trip, landing in the morning, already in Europe, at the Lisbon city airport in Portugal!).

…ao desembarcar no Aeroporto de Lisboa em Portugal, o avião ficou estacionado junto das diversas pistas que lá existem, sendo o trajecto para o edifício principal do aeroporto feito de autocarro e, chegados lá, sempre existem aqueles pequenos pormenores do mês de Agosto, que é o mês em que mais pessoas, sobretudo imigrantes visitam o País, e claro, proporcionam algumas filas nas linhas da burocracia, como por exemplo no levantamento da viatura que tinha sido prèviamente alugada mas, no momento do seu levantamento, “o que era, já não era, e o que não era, já era”, todavia nós viajávamos com o “passaporte diplomático”, ou seja “três crianças”, onde bastava um mostrar um pequeno “choro” ou desagrado e, talvez incomodados com a “alteração no ambiente”, logo nos colocávam na frente das linhas!. (When landing at Lisbon Airport in Portugal, the plane is parked next to the various runways there, with the bus being taken to the main airport building and once there, there are always those little details of August, which is the month when more people, especially immigrants visit the country, and of course, provide some lines in the lines of bureaucracy, as for example in the pickup of the car that had previously been rented but at the time of its pickup, “what was, was not, and what was not, was”, yet we traveled with the “diplomatic passport”, ie “Three Kids”, just showing a little “crying” or displeasure and, perhaps bothered by the “change in environment”, would soon put us in front of the lines)!.

…se pensam que as crianças não são recomendáveis para quando os adultos viajam, talvez não seja certo, porque as suas brincadeiras permitem que elas usem a sua criatividade enquanto desenvolvem a sua imaginação, destreza, força física e emocional, permitindo-lhes que explorem o mundo, pratiquem papéis de adultos e ganhem confiança!. (If you think children are not recommended for when adults travel, it may not be right, because their play allows them to use their creativity while developing their imagination, dexterity, physical and emotional strength, allowing them to explore the world, play adult roles and gain confidence)!.

…estávamos em Portugal, onde ainda existe um povo que acreditamos nós, ao andarem pela Península Ibérica, se devem ter localizado nas colinas do noroeste, entre os rios Tormes, Douro e Tejo, do que é hoje o país que dá pelo nome de Portugal, talvez por causa da aproximação ao mar, adoptando formas de vida mais urbanas, chegando mesmo a cunhar moedas, com inscrições celtibéricas!. (We were in Portugal, where there is still a people that we believe, when walking through the Iberian Peninsula, must have been located in the northwestern hills, between the rivers Tormes, Douro and Tagus, which is today the country that gives its name of Portugal, perhaps because of the approach to the sea, adopting more urban life forms, even minting coins, with celtibérica inscriptions)!.

…talvez sejam descendentes do povo Celta, pois por norma ainda somos guerreiros, aventureiros e gostamos do mar e, particularmente nós, quando ainda crianças em pleno crescimento, corríamos, descalços e com pouca roupa no corpo, descendo e subindo as encostas daquele vale, onde ao fundo corria um pequeno ribeiro, formando alguns pequenos lagos de água limpa e pura, onde nos podíamos banhar e beber a sua água e, tudo o que poderíamos pensar o que era lá, estava lá à nossa espera!. (Perhaps they are descendants of the Celtic people, as we are usually still warriors, adventurers and we like the sea, and particularly we, when still growing children, ran, barefoot and with little clothes on, going down and up the slopes of that valley, where at the bottom ran a small stream, forming some small lakes of clean and pure water, where we could bathe and drink its water and, all we could think of was what was there, waiting for us)!.