…a maldição de um veterano é que nunca esquece!. (The curse of a veteran is that he never forgets)!.!

…a maldição de um veterano é que nunca esquece!. (The curse of a veteran is that he never forgets)!.!

Tony Borie - "Pieces of my life"

…a maldição de um veterano é que nunca esquece!.(The curse of a veteran is that he never forgets)!.

…já passaram mais de cinco décadas, quase seis, mas, o corpo e a mente de um veterano de guerra, quanto mais a sua idade avança, infelizmente, mais frequentemente reage aos disparos da memória, dando lugar ao sentimento que pode ser representado nestas simples palavras!. (It’s been more than five decades, almost six, but the body and mind of a war veteran, the older he gets, unfortunately, the more often he reacts to the firing of memory, giving way to the feeling that can be. represented in these simple words)!.

…“a maldição de um veterano é que nunca esquece”!.(“The curse of a veteran is that he never forgets”)!.

…sentindo de novo em alguns momentos, os efeitos e as causas de ter servido a nação numa zona de guerra, que foi sem…

View original post 3,858 more words

…a maldição de um veterano é que nunca esquece!. (The curse of a veteran is that he never forgets)!.!

…a maldição de um veterano é que nunca esquece!. (The curse of a veteran is that he never forgets)!.!

…a maldição de um veterano é que nunca esquece!. (The curse of a veteran is that he never forgets)!.

…já passaram mais de cinco décadas, quase seis, mas, o corpo e a mente de um veterano de guerra, quanto mais a sua idade avança, infelizmente, mais frequentemente reage aos disparos da memória, dando lugar ao sentimento que pode ser representado nestas simples palavras!. (It’s been more than five decades, almost six, but the body and mind of a war veteran, the older he gets, unfortunately, the more often he reacts to the firing of memory, giving way to the feeling that can be. represented in these simple words)!.

…“a maldição de um veterano é que nunca esquece”!. (“The curse of a veteran is that he never forgets”)!.

…sentindo de novo em alguns momentos, os efeitos e as causas de ter servido a nação numa zona de guerra, que foi sem qualquer dúvida, um preço muito elevado!. (Feeling again and again the effects and causes of having served the nation in a war zone, which was undoubtedly a very high price)!.

…na lotaria da vida, estando presente numa zona de combate, pode sair-nos um bilhete premiado com a morte!. Com alguma sorte podemos sobreviver mas, o “síndrome de guerra”, leva-nos por todo o tempo do resto das nossas vidas, a uma pesada viajem no Coração das Trevas!. (In the lottery of life, being present in a combat zone, we can get a ticket awarded with death!. With any luck we can survive but the “war syndrome” takes us all the time of the rest of our lives for a heavy journey into the Heart of Darkness)!.

…não mais esquecemos a jornada de ter sido combatentes na Guerra Colonial Portuguesa em África, na então província colonial da Guiné Portuguesa, cuja guerra, principalmente nesta região, foi denominada “o Vietname de Portugal”, que foi uma mortífera guerra de guerrilha, combatendo ao serviço de um país que nos USOU e nos ESQUECEU, desde a nossa mobilização forçada na época de uma pré-guerra, passando pela miserável experiência no campo de batalha, até a um difícil retorno de pós-guerra, sempre nos IGNORANDO, sendo obrigados à imigração, recomeçando uma nova vida de sobrevivência deste lado do oceano Atlântico, trabalhando, criando e educando uma família, com a preciosa ajuda da nossa dedicada esposa, neste novo país que sempre nos acarinhou, ao contrário daquele lá na antiga Europa, onde nascemos!. (We no longer forget the journey of being combatants in the Portuguese Colonial War in Africa, in the then colonial province of Portuguese Guinea, whose war, especially in this region, was called “Vietnam of Portugal”, which was a deadly guerrilla war, fighting in the service of a country that USED and FORGOT us, from our forced mobilization at the time of a pre-war, to miserable battlefield experience, to a difficult postwar return, always IGNORING us, being forced into immigration, starting a new life of survival on this side of the Atlantic Ocean, working, raising and raising a family, with the precious help of our devoted wife, in this new country that has always cherished us, unlike the one in ancient Europe, where we were born)!.

…quando o encontramos de novo, o tal pensamento, às vezes em momentos sombrios e silenciosos, tentamos repudiá-lo, mandar para longe, a explosão de uma granada ou o som do bater das lâminas de um helicóptero em cenário de guerra, mesmo a recordação de recolher o que restava do corpo de um companheiro combatente, embrulhado num camuflado sujo com o seu próprio sangue!. Não importa quantas vezes esses pensamentos nos visitam, pois terminam sempre da mesma maneira, que é uma “catástrofe total”!. (When we meet him again, such a thought, sometimes in dark and silent moments, we try to repudiate it, to send away the explosion of a grenade or the sound of a helicopter blasting in war, even the memory of collecting what was left of the body of a fellow combatant, wrapped in a dirty camouflage with his own blood!. No matter how many times these thoughts visit us, because they always end in the same way, which is a “total catastrophe”)!.

…a violência nunca traz uma paz permanente!. Não resolve nenhum problema social, pelo contrário, cria novos e mais complicados problemas!. Num cenário de violência, como era aquele onde permanecemos por um período de dois anos, a segurança nunca existiu, era angustioso ver, sobretudo o povo local, não terem acesso a alimentos suficientes, a água limpa, a remédios ou a um abrigo necessário para sobreviver, onde as crianças não podiam aspirar a uma educação decente ou à esperança de um homem ou de uma mulher terem um emprego ou outro qualquer suporte, que sustentasse uma família, pois a ausência dessa mesma esperança, agora transformada num cenário de guerra, estava a destruir aquela sociedade, a partir de dentro, o que era muito importante!. (Violence never brings permanent peace!. It does not solve any social problems, on the contrary, it creates new and more complicated problems!. In a scenario of violence, such as the one where we stayed for a period of two years, security never existed, it was distressing to see, especially the local people, not having access to sufficient food, clean water, medicine or a shelter needed for where children could not aspire to a decent education or the hope of a man or woman having a job or any other support to support a family, for the absence of that hope, now transformed into a war scenario, was to destroy that society from within, which was very important)!.

…nós jovens, oriundos da Europa, com uma educação de aldeia, onde os princípios honestos de família vinham de há séculos, vendo todo este cenário, muitas vezes a angústia, o desespero e o mêdo, colocáva-nos numa situação horrível, onde entre outras coisas o álcool, nos aliviava a mente, pelo menos por momentos, pois este cenário estava lá, estava sempre presente, era a cara da guerra, com feridos e mortos em combate para ambos os lados, incluindo aquela população civil desarmada!. (We young people from Europe with a village upbringing where honest family principles came from centuries ago, seeing this whole scenario, often the anguish, the despair and the fear, put us in a horrible situation, where, among other things, alcohol soothed our minds, at least for a moment, for this scenario was there, was always present, was the face of war, wounded and killed in combat on both sides, including that unarmed civilian population)!.

…aqui nesta região de África, existiam algumas etnias, tal como os “Papeis”, os “Balantas”, os “Fulas”, os “Bijagós”, os “Mandingas”, os “Felupes”, os “Manjacos”, os “Biafadas” ou os “Nalus”, diziam até que existiam quase duas dezenas de diferente etnias!. Todavia, numa zona de savana e selva, rodeada de pântanos e vegetação, onde estivémos estacionados num aquartelamento cercado de arame farpado, por um período de dois anos, existiam os “Balantas”, que outrora foram guerreiros, caçadores, pescadores, pastores ou agricultores!. (Here in this region of Africa, there were some ethnicities, such as the “Papers”, “Balantas”, “Fulas”, “Bijagós”, “Mandingas”, “Felupes”, “Manjacos”, “Biafadas” or “Nalus” said until there were almost two dozens of different ethnicities!. However, in an area of savannah and jungle, surrounded by swamps and vegetation, where we had been stationed in a barbed wire barracks for a period of two years, there were the “Balantas”, who were once warriors, hunters, fishermen, shepherds or farmers)!.

…mas naquele momento, os mais novos e de idade média, incluindo alguma população feminina, eram guerrilheiros, estavam do outro lado, combatendo ao lado dos grupos que lutavam contra nós, (que tínhamos vindo do norte, lá da Europa), lutavam e morriam pela independência e libertação do seu território e, os mais velhos, andavam por lá, alguns eram “homens grandes”, que simpatizavam, ou talvez fingiam que simpatizavam com os Europeus, usufruindo de protecção e algumas regalias, às vezes usando as instalações e os bens do nosso aquartelamento, sendo proprietários de algumas manadas de gado ou pequenas parcelas de plantação de arroz!. (But at that time, the young and middle-aged, including some female population, were guerrillas, were on the other side, fighting alongside the groups fighting against us, (we had come from the north, from Europe), they fought and died for independence and liberation from their territory, and the older ones walked around, some were “great men” who sympathized, or perhaps pretended to sympathize with Europeans, enjoying protection and some perks, sometimes wearing their own facilities and assets of our barracks, owning a few herds of cattle or small plots of rice)!.

…toda esta situação, além do mêdo da guerra, nos fazia sobreviver num mundo de contradições e angústia, onde por um lado existia o doente abandonado, a família faminta ou a criança que não sabia ler e, tirando esses tais “homens grandes”, havia por ali muitos homens e mulheres, alguns sem abrigo, com roupa em farrapos, lutando pela sobrevivência, numa terra muito rica e com um solo muito fértil!. (This whole situation, beyond the fear of war, made us survive in a world of contradictions and anguish, where on the one hand there was the abandoned patient, the starving family or the child who could not read, and apart from these “great men”, there were many men and women out there, some homeless, in ragged clothing, fighting for survival, in a very rich land and very fertile soil)!.

…onde em contrapartida, em zonas mais seguras, por exemplo junto do aquartelamento onde estávamos estacionados, seguindo alguns usos e costumes, talvez desde séculos, o tal “homem grande” podia ter, três, quatro ou cinco mulheres, que viviam todas em comunidade, debaixo do mesmo tecto, tratavam dos filhos umas das outras, ajudando-se, onde o homem talvez exercesse uma espécie de “escravatura”, nestas suas mulheres, pois eram elas que trabalhavam em pequenas parcelas de terra na cultura de arroz, onde como já explicámos havia alguma segurança, muitas com os filhos recem nascidos, pendurados nas costas, baixadas na bolanha (pântanos), por vezes enterradas na lama e água até ao joelho!. (Where on the other hand, in safer areas, for example near the barracks where we were stationed, following some customs and practices, perhaps since centuries, such a “great man” could have three, four or five women, all of whom lived in community, under the same roof, they cared for each other’s children, helping each other, where men might exercise a kind of “slavery,” in their wives, for they were the ones who worked on small plots of land in rice cultivation, where as we have already explained, there was some security, many with their newborn children, hanging from their backs, lowered in the bolanha (marshes), sometimes buried in mud and knee-deep water)!.

…cremos que todas essas bolanhas (pântanos), eram propriedade do tal “homem grande”, que nunca soubemos ao certo, se esse homem era o seu marido, ou simplesmente “dono”, que consoante a sua riqueza, mais mulheres podia adquirir, onde elas, as mulheres, iam apanhar lenha na floresta, cozinhavam, algumas até subiam às palmeiras, para irem apanhar o fruto e fazer aguardente, que os homens bebiam!. Enfim eram uma espécie de “escravas”, desses mesmos homens, que deitados na rede, mascando “cola”, e com uma espécie de bengalim nas mãos, com que afugentavam algumas moscas do seu corpo, por vezes batiam nas nádegas, dessas mesmas mulheres, para que se movimentassem um pouco com mais rapidez!. (We believe that all these bolanhas (marshes) were the property of such a “great man”, that we never knew for sure, if this man was her husband, or simply “owner”, that depending on her wealth, more women could to buy, where they, the women, would gather firewood in the forest, cook, some even climb the palm trees, to go get the fruit and make brandy, which men drank!. At last they were a kind of “slaves”, of those same men, who lay in the hammock, chewing “cola”, and with a kind of bengalim in their hands, who chased away some flies from their body, sometimes beat the buttocks of these same women to to move a little faster)!.

…pelo que observávamos, a mulher, só depois de uma certa idade, quando já o marido não a usava mais, é que teria uma vida mais pacata, pois normalmente, iria viver com outras da sua idade, sempre próximo da “morança” (casa coberta de colmo) do seu marido, ou “dono”, pois nunca soubémos qual era o estatuto dessa mulher, e aí tomava conta dos filhos das suas companheiras mais novas, fumava o seu tabaco, bebia o seu trago de aguardente de palma, que fazia e, que normalmente estava a curtir num balaio, coberto com umas folhas de bananeira, mas à sombra, sem apanhar sol, descansando, berrando e dando conselhos às suas companheiras mais novas, que nessa altura eram as eleitas, e estavam na companhia do seu antigo marido!. (From what we observed, the wife, only after a certain age, when the husband no longer used it, would have a quieter life, because normally, would live with others of his age, always close to the “morança” ( thatched house) of her husband, or “owner,” because we never knew what that woman’s status was, and then took care of her younger companions’ children, smoked her tobacco, drank her palm brandy, he was doing, and he was usually hanging out with a banana tree, covered with some banana leaves, but in the shade, without sunbathing, resting, shouting, and giving advice to his younger companions, who were then elected, and were in the company from your old husband)!.

…os filhos e as filhas, deviam ser propriedade do marido, que normalmente, “vendia”, passe o termo, ou única e simplesmente cedia, as filhas, ao amigo “homem grande”, ou talvez a quem melhor garantias lhe desse!. Quando uma rapariga atingia a idade de catorze, quinze, dezasseis, pois dezassete anos já era um pouco tarde, tinha que arranjar marido, ou talvez “dono”, pois se não o fizesse, já não era bem vista na comunidade e, perguntavam o que é que estava de mal com ela, pois ainda não tinha parido!. Todo este cenário dos usos e costumes, a nós Europeus, nos fazia pensar de que parecia que nos estávamos movendo para trás no tempo!. (The sons and daughters, should be the property of the husband, who normally “sold”, pass the term, or simply and simply surrendered, the daughters, to the “great man” friend, or perhaps to whom best guarantees!. When a girl reached the age of fourteen, fifteen, sixteen, for seventeen was a little late, she had to find a husband, or perhaps “owner,” because if she did not, she was no longer well regarded in the community and, they asked. what was wrong with her, because she had not yet given birth!. This whole scenario of usages and customs, to us Europeans, made us think that it seemed we were moving backwards in time)!.

…tirando de fora o cenário horrível de uma mortífera guerra de guerrilha, este simples relato, é para exemplificar e perguntar o que fazíamos lá?. Estávamos a conviver e a combater um povo, que em alguns momentos nos parecia pacífico, sofredor e amável, que nunca antes tínhamos visto e nada tínhamos em contra, que lutavam e morriam pela independência do seu território, defendendo a sua terra, os seus usos e costumes, longe da Europa, de onde nós éramos oriundos!. (Apart from the horrible scenario of a deadly guerrilla war, this simple account is to exemplify and ask what we were doing there?. We were living together and fighting a people who at times seemed peaceful, suffering and lovely, whom we had never seen before and had nothing against, who fought and died for the independence of their territory, defending their land, its uses. and customs, far from Europe, where we came from)!.

…e de onde fomos levados, ou seja “arrancados” da paz da nossa aldeia, treinados e mentalizados para combate, num campo de treinos duma cidade de província, que era uma mistura de ruídos, obstáculos, armas, tiros e atrapalhação, onde poucos meses depois, metidos no porão de um navio de carga, navegámos pelo oceano Atlântico, desembarcando numa zona perdida de África, rumo a um teatro de operações, onde havia um horrível cenário de guerra de guerrilha e, onde os usos e costumes desta região e deste povo, eram diferentes!. (And where we were taken from the peace of our village, trained and trained for combat, in a training camp of a provincial town, which was a mixture of noise, obstacles, weapons, gunfire and disruption, where a few months later, in the hold of a cargo ship, we sailed across the Atlantic Ocean, landing in a lost area of Africa, heading for a theater of operations, where there was a horrible guerrilla war scenario, and where the customs and customs of this region and this people were different)!.

…usos e costumes diferentes, sobretudo dos da nossa aldeia do Vale do Ninho d’Águia, lá na encosta agreste da montanha do Caramulo, de onde éramos oriundos, onde estas cenas de usos e costumes não eram possíveis, mas por outro lado, eram normais na então província da Guiné, e afinal não era, como tínhamos aprendido na escola primária da vila a que a nossa aldeia pertencia, onde nos diziam que a então província da Guiné, tinha as mesmas leis, tal como a província do Minho, do Alentejo ou do Algarve, pois tudo eram províncias de uma só nação, que era Portugal!.
(Different uses and customs, especially those of our village of Vale do Ninho d’Águia, there on the rugged slope of the Caramulo mountain, where we came from, where these scenes of use and customs were not possible, but on the other hand, were normal in the then province of Guinea, and after all it was not, as we had learned in the village primary school to which our village belonged, where we were told that the then province of Guinea had the same laws as the province of Minho, from Alentejo or from the Algarve, because they were all provinces of one nation, which was Portugal)!.

…embora hoje sejamos um veterano de uma idade um pouco avançada, o pensamento, esse maldito pensamento, caça-nos na vida!. Sim, ele, o pensamento anda sempre lá, por vezes ameaçando a nossa consciência, a memória ainda existe hoje, enterrada lá no fundo, é parte antiga do também já um pouco selvagem, mas que ainda vamos dominando, que é presentemente o nosso cérebro!. (Although today we are a veteran of a somewhat advanced age, the thought, that damn thought, hunts us in life!. Yes, he, the thought is always there, sometimes threatening our conscience, the memory still exists today, buried deep inside, is an old part of the already a little wild, but still dominating, which is our brain at present)!.

…é o preço do sofrimento, da angústia, do mêdo e fúria em combate, do horror, do inferno que vivemos, de um povo com diferentes usos e costumes, a marca que nos acompanha para o resto das nossas vidas, que na verdade nos sentimos loucos por dentro e, como veteranos de guerra, temos que ser francos e dizer, que pagamos um preço muito elevado para servir o nosso país e, as vítimas emocionais das guerras equivocadas, como foi esta, que podia ter sido ultrapassada com o diálogo entre as partes envolventes, são na verdade as mais difíceis de suportar, são as tais feridas profundas que sofremos, que podem ser infligidas sem deixar um simples arranhão!. (Is the price of suffering, anguish, fear and fury in combat, the horror, the hell we live, a people with different usages and customs, the mark that accompanies us for the rest of our lives, which in we really feel insane inside and as war veterans we have to be frank and say that we pay a very high price to serve our country and the emotional victims of misguided wars such as this could have been overcome the dialogue between the surrounding parties is actually the most difficult to bear, it is such deep wounds we suffer that can be inflicted without leaving a simple scratch)!.

…quando, uns anos depois regressámosa a casa, lá na Europa, infelizmente já como veteranos de combate, passando por algumas experiências de vida mais traumáticas que se possam imaginar, sobretudo convivendo com um povo que nos parecia pacífico, sofredor e amável, mas com diferentes usos e costumes, a nossa família que nos recebeu, sabia, notava imediatamente, que alguma coisa estava mal connosco, pela nossa linguagem, maneira de se comportar, que estávamos diferentes, talvez um pouco loucos e algo agressivos!. (When, some years later, we had returned home from Europe, unfortunately already as combat veterans, going through some of the most traumatic life experiences imaginable, especially living with a people who seemed peaceful, suffering and lovely, but with different usages and customs, our host family knew, immediately noticed, that something was wrong with us, by our language, the way we behaved, that we were different, maybe a little crazy and something aggressive)!.

…todavia, para mal deste mundo cruel, os famintos, os doentes, os analfabetos e a miséria que naquele tempo por lá eram constantes, infelizmente continuaram, mesmo depois, quando parecia que já havia paz, fazendo-nos lembrar que defacto o então Portugal saiu de África físicamente, onde o então seu governo colonial permaneceu, com um também regime colonial por mais de cinco séculos, onde talvez sem o notar, ia explorando e querendo introduzir novos usos e costumes, a um povo que nos parecia pacífico, sofredor e amável, que talvez não suportanto mais os regulamentos do colonialismo Europeu, se revoltou e pegou em armas!. (However, to the detriment of this cruel world, the hungry, the sick, the illiterate and the misery that were constant there at the time, unfortunately continued, even afterwards, when it seemed that there was already peace, reminding us that I defy the then Portugal physically left Africa, where the then colonial government remained, with a colonial regime for more than five centuries, where perhaps without noticing it, it was exploring and wanting to introduce new customs and customs to a people who seemed peaceful to us, suffering and lovable, who may no longer stand the regulations of European colonialism, revolted and took up arms)!.

…mas, talvez também sem o notar, o então Portugal ao retirar-se da África, possívelmente não trouxe as armas, as bombas e as balas, deixando lá apenas, como seria sua inteira obrigação, todas as maravilhosas armas da paz e do progresso do século XX e, tal como já explicámos no princípio deste texto, também a nós, que sofremos no corpo e na alma uma mortífera guerra de guerrilha, combatendo ao serviço do país onde nascemos, que nos USOU e nos ESQUECEU, desde a nossa mobilização forçada na época de uma pré-guerra, passando pela miserável experiência no campo de batalha, até a um difícil retorno de pós-guerra, sempre nos IGNORANDO, sendo obrigados à imigração, recomeçando uma nova vida de sobrevivência deste lado do oceano Atlântico, trabalhando, criando e educando uma família, com a preciosa ajuda da nossa dedicada esposa, neste novo país que sempre nos acarinhou, ao contrário daquele lá na antiga Europa, onde nascemos!. (But, perhaps also without noticing it, then Portugal, when withdrawing from Africa, possibly did not bring the weapons, the bombs and the bullets, leaving only, as would be their obligation, all the wonderful weapons of peace and of the progress of the twentieth century and, as we explained at the beginning of this text, we, too, who have suffered a deadly guerrilla war in body and soul, a deadly guerrilla warfare, fighting in the service of the country where we were born, which USED and FORGOT us, from our forced pre-war mobilization to miserable battlefield experience to a difficult post-war return, always IGNORING us, being forced into immigration, starting a new life of survival on this side of the Atlantic Ocean, working, raising and raising a family, with the precious help of our devoted wife, in this new country that has always cherished us, unlike the one in ancient Europe, where we were born)!.

Tony Borie, November 2019.

…parque da beira d’água!. (Waterfront Park)!.

…parque da beira d’água!. (Waterfront Park)!.

…Parque da beira d’água!. (Waterfront Park)!.

…caminhar reduz o stresse, anima-nos, aumenta a nossa auto-estima, beneficia o nosso humor, liberta-nos dos naturais e normais efeitos dos medicamentos que, na nossa já um pouco avançada idade somos obrigados a consumir!. (Walking reduces stress, cheers us up, boosts our self-esteem, boosts our moods, frees us from the natural and normal effects of medicines that we are obliged to take at our advanced age)!.

…também andamos de bicicleta, sem a permissão de consultar mapas, simplesmente seguindo o capricho da nossa vontade de pedalar, virando de um lado para o outro, por vezes perdendo-nos completamente, até que o relógio interno nos diz que, é a hora de voltar para casa!. (We also ride our bicycles, without permission to consult maps, simply following the whim of our desire to pedal, turning this way and that, sometimes losing ourselves completely, until the internal clock tells us that it is time to go home)!.

…nós, com alguma experiência, procuramos caminhos rurais e tranquilos, sobretudo com vegetação, se possível com impressionante paisagem de água e com raios de sol, no entanto, se surgir uma chuva miudinha não ficamos desapontados, pelo contrário, até agradecemos a dádiva!. (We, with some experience, look for rural and quiet paths, especially with vegetation, if possible with an impressive landscape of water and sunshine, but if a light rain comes we are not disappointed, on the contrary, we even thank gift)!.

…vivendo por aqui, numa cidade localizada na área nordeste do estado da Florida, numa área total de aproximadamente 90 milhas quadradas, das quais aproximadamente 2% desta área, são águas, num extenso sistema de gerenciamento desta mesma água, que foi projectado para reabastecer um lençol situado no interior do solo e que, em algumas zonas se alimenta de nascentes, que incluiem aproximadamente 46 milhas de canais de água doce e 23 milhas de canais de água salgada e, muitas dezenas de milhas de trilhas quase selvagens!. (Living here, in a city located in the northeast area of Florida, in a total area of approximately 90 square miles, of which approximately 2% of this area, is water, in an extensive water management system that was designed to replenish an in-ground sheet that in some spring-fed areas includes approximately 46 miles of freshwater canals and 23 miles of saltwater canals and many tens of miles of near-wild trails)!.

…claro, vivendo numa área com esta configuração fica exposta ao crescimento de muita vegetação e, ao impacto directo de alguns ciclones tropicais, como por exemplo quando do furacão Charley, que passou diretamente sobre esta área, no ano de 2004, quando já nos encontrávamos a viver aqui, no entanto, desde o longínquo ano de 1851, quando os dados de rastreamento de furacões começaram, sòmente 33 furacões e tempestades tropicais afectaram directamente esta área, o que para uma zona semi-tropical, não é um mau sinal!. (Of course, living in an area with this configuration is exposed to the growth of much vegetation and the direct impact of some tropical cyclones, such as Hurricane Charley, which passed directly over this area in 2004, when we were living here, however, since the distant year 1851, when hurricane tracking data began, only 33 hurricanes and tropical storms directly affected this area, which for a semi-tropical zone is not a bad sign)!.

…portanto para nós, amantes da natureza pura, que adoramos fotografar e ouvir conversas de pássaros que chilreiam em torno de folhas caídas e apodrecidas ao lado de um qualquer bebedouro e, quando caminhamos, também adoramos atravessar pequenos ribeiros ou mesmo alguns pântanos, e claro, tropeçando em água, areia ou cascalho, em vez de uma trilha em asfalto!. (So for us pure nature lovers, who love to photograph and hear conversations of birds chirping around fallen and rotting leaves beside any drinking fountain, and when we walk we also love to cross small streams or even some marshes, and of course tripping over water, sand or gravel instead of an asphalt trail)!.

…tal como já por diversas vezes explicámos, nesta já um pouco avançada idade, tanto o nosso corpo como a nossa mente, reagem automáticamente aos disparos da memória, sentindo de novo, em certos momentos, principalmente depois de ver um cenário de paz e sossego, água e floresta, uma grande saudade, (uma das mais bonitas palavras da língua Portuguesa), impossível de traduzir noutros idiomas, lembrando-nos o também cenário de floresta selvagem, paz e sossego da nossa juventude, onde nascemos e crescemos, naquela aldeia remota do Vale do Ninho d’Águia, na encosta agreste da montanha do Caramulo, lá na Europa, quase uma divisão entre a montanha e o mar, onde pela noite, não havendo luz eléctrica, se a terra tremesse, nascendo dos céus uma pequena luz, que seria uma qualquer estrela, talvez uma estrela nova, daquelas que fazem oscilar um continente, ninguém dava por isso!. (As we have explained several times in this rather advanced age, both our body and our mind automatically react to the firing of memory, feeling again at certain times, especially after seeing a peaceful scene and quiet, water and forest, a great longing, (one of the most beautiful words in the Portuguese language), impossible to translate into other languages, reminding us of the scenery of wild forest, peace and quiet of our youth, where we were born and raised, in that remote village of the Eagle’s Nest Valley, on the rugged slope of Caramulo mountain, there in Europe, almost a division between the mountain and the sea, where at night, without electricity, if the earth shook, rising from the skies a little light, which would be any star, maybe a new star, those that make a continent oscillate, no one noticed)!.

…esta palavra saudade, para nós, exprime um conjunto enorme de sentimentos, muito típicos dos portugueses e dos povos que falam português, que não é mais do que um sentimento melancólico causado pela ausência de pessoas ou coisas a que se estava afectivamente muito ligado, pelo afastamento de um lugar ou de uma época, ou pela privação de experiências agradáveis vividas anteriormente, como é o nosso caso, daquela região, onde a sua ocupação antiga remonta à Idade do Bronze, marcada por diversos monumentos megalíticos, como por exemplo, a alguma distância ao norte da nossa aldeia, está o sítio arqueológico do “Cabeço do Vouga”, uma importante fortificação militar romana que foi povoada por sucessivos habitantes, onde por certo se incluíam os celtas, os turdulianos ou os lusitanos, a que nós nos orgulhamos muito de descender!. (This word misses us, expressing a huge set of feelings, very typical of Portuguese and Portuguese speaking peoples, which is nothing more than a melancholy feeling caused by the absence of people or things that were affectionately very linked by the remoteness of a place or an era, or the deprivation of pleasant experiences previously lived, as is the case in that region, where its ancient occupation dates back to the Bronze Age, marked by various megalithic monuments, such as , some distance north of our village, is the archaeological site of the “Cabeço do Vouga”, an important Roman military fortification that was populated by successive inhabitants, which included the Celts, Turdulians or Lusitans, to which we We are very proud to descend)!.

…e claro, pessoas como nós, não gostamos do barulho do trânsito, que infelizmente é a herança do modernismo e a especificidade das cidades modernas, que são protegidas por um pequeno parque com algumas áreas verdes mas, com o passar do tempo, são superados pelo aumento da sua população, pela construção de grandes edifícios, pelos sons e imagens do progresso, dando lugar à poluição e abandono dessas áreas verdes, desviando as pessoas para outras actividades, como por exemplo, eventos, espectáculos desportivos ou musicais, ou mesmo visitas às agora chamadas “plazas”, ou “shopping centers”, onde as pessoas passeiam, visitando lojas de produtos de marca, onde entre outras actividades, gastam o que têm e o que não têm!. (And of course, people like us do not like the noise of traffic, which unfortunately is the heritage of modernism and the specificity of modern cities, which are protected by a small park with some green areas but, over time, they are overcome by the increase in their population, the construction of large buildings, the sounds and images of progress, giving way to pollution and abandonment of these green areas, diverting people to other activities such as events, sports or musical shows, or even visits to what are now called “plazas”, or “shopping malls” where people stroll around, visiting brand name stores, where among other activities they spend what they have and what they don’t have)!.

…e, nestes dias estamos quase no final do ano, o tempo vai ficando um pouco mais frio mas, continuamos a sentir o rangido debaixo dos nossos pés!. É uma coisa que não podemos controlar, pois este som fica impresso na nossa memória, é um som acústico específico que nos alivia de algumas dores e, chutando areia ou pedras vamos caminhando, agora numa das quase diárias visitas ao “Waterfronf Park”!. (And these days it is almost the end of the year, the weather is getting a little colder but we still feel the squeaking under our feet!. This is something we cannot control, because this sound is imprinted in our memory, it is a specific acoustic sound that relieves us of some pains and, kicking sand or stones, we are now walking on one of the almost daily visits to “Waterfronf Park”)!.

…este maravilhoso espaço, é o tal que segue ao longo do canal de água salgada, a que chamam “Intracoastal Waterway” e, em algumas zonas confunde-se com o Rio Matanzas ou o Rio Halifax, mas é navegável pelo menos até zona de Ponce de Leon Inlet, ao sul da cidade de Daytona, onde existe uma abertura natural, nas Ilhas da Barreira, no centro da Florida, que liga a extremidade norte da Lagoa Mosquito e a extremidade sul do Rio Halifax, que naquela zona, entra no Oceano Atlântico!. (This wonderful space is the one that follows along the saltwater channel, which they call the “Intracoastal Waterway” and in some areas is confused with the Matanzas River or the Halifax River, but is navigable at least until Ponce de Leon Inlet area, south of the city of Daytona, where there is a natural opening, in the Barrier Islands in central Florida, which connects the northern end of the Mosquito Lagoon and the southern end of the Halifax River, which in that area, enters the Atlantic Ocean)!.

…procuramos este tempo para apreciar a paisagem, tirar fotos, e claro, conversar com outros caminhantes que por nós vão passando, considerando-nos um “artista da terra”, de contacto com a natureza, reivindicando para nós este acto de caminhar como “uma arte”!. (We seek this time to enjoy the landscape, take photos and, of course, talk to other hikers who pass by us, considering ourselves an “artist of the earth”, in contact with nature, claiming for us this act of walking as “an art”)!.

…os próprios passos dos nossos pés, são um trabalho que fazem parte da paisagem que percorremos, do tempo, do espaço, onde uma simples significância, como uma folha caída, uma ave passando, um réptil escondendo-se, uma árvore centenária, são uma “prenda da natureza pura”, compensando-nos da aventura de não sabermos o que nos pode acontecer depois daquela curva, depois daquele riacho! No entanto, uma coisa é certa, o espaço significa distância e, “uma obra de arte, pode muito bem ser uma jornada”!. (The very steps of our feet, are a work that are part of the landscape we travel, of time, of space, where a simple significance, like a fallen leaf, a bird passing, a reptile hiding, a centenary tree, are a “gift of pure nature”, compensating us for the adventure of not knowing what can happen to us after that bend, after that stream! However, one thing is for sure, space means distance and, “a work of art, may very well be a journey”)!.

…hoje, ao contrário de outros momentos, não havia tráfico no canal, talvez as pessoas que viajam em embarcações, tivessem preferido viajar em mar aberto, não entrando no canal na área da cidade histórica de Santo Agostinho, mais própriamente, no St. Augustine Inlete, onde nós já entrámos e saímos várias vezes, quando vamos pescar no Oceano Atlântico, cuja zona é potencialmente perigosa, onde os velejadores visitantes devem estar conscientes pelo menos durante condições de tempestade, quando o vento se encontra com a corrente, onde a parte mais profunda, pode ficar rasa em poucas horas!. (Today, unlike at other times, there was no traffic in the canal, perhaps people traveling by boat would have preferred to travel in the open sea, not entering the canal in the historic city area of St. Augustine, more specifically in St. Augustine Inlete, where we have been in and out several times, when we go fishing in the potentially dangerous Atlantic Ocean, where visiting sailors should be aware at least during stormy conditions, when the wind meets the current, where the deepest part can be shallow in a few hours)!.

…a maré estava cheia, no entanto, as aves exóticas, as garças, tanto azuis como brancas, os osprey, as águias, os golfinhos, os manates, os alligatores ou os répteis, não andavam por lá, o sossego era quase total mas, estávamos nós, tentando transformar este maravilhoso cenário em nossa casa, sentindo-nos mesmo em casa!. (The tide was full, however, the exotic birds, the herons, both blue and white, the osprey, the eagles, the dolphins, the manates, the alligators or the reptiles, were not walking there, the quiet was almost total but, we were trying to turn this wonderful scenery into our home, feeling really at home)!.

…longe da cidade, podendo respirar, reflectir e apreciar um maravilhoso cenário, sem necessitar da experiência da situação constante de questões e visões ligadas, principalmente ao espaço auditivo, neste caso a televisão, ouvindo discursos urbanos, actuais ou passados sobre objectivos e estratégias políticas ou económicas, bem como diferentes abordagens à experiência sensorial dos humanos, referindo quase sempre na alteração, desses para nós, quase malditos espaços urbanos, onde constantemente se ouvem frazes estudadas, ditas também quase sempre por políticos, para captar a maior audiência possível!. (Far from the city, being able to breathe, reflect and enjoy a wonderful scenery, without needing to experience the constant situation of questions and visions related, mainly to the auditory space, in this case the television, listening to current or past urban speeches about goals and political or economic strategies, as well as different approaches to the sensory experience of humans, almost always referring to the alteration, from these to us, almost cursed urban spaces, where we often hear frail students, also often spoken by politicians, to capture the widest possible audience)!.

…somos pessoas de outra época mas, felizes por proteger e, pelo menos tentar deixar o planeta terra mais limpo e agradável para as gerações futuras, pelo menos quando por aqui caminhamos, em pleno contacto com a natureza!. (We are people from another time, but happy to protect and at least try to make planet Earth cleaner and more enjoyable for future generations, at least when we walk here, in full contact with nature)!.

Tony Borie, November 2019.