..the Agueda River!.

..the Agueda River!.

…o Rio Águeda!…. (the Agueda River)!.

…nós, uma criança alegre, despreocupada, sem conhecimento de que à sua volta se desenvolvia o conflito mais mortal da história da humanidade, envolvendo directamente mais de 100 milhões de pessoas de mais de 30 países, marcado por 50 a 85 milhões de mortes, a maioria das quais civis, que incluíram massacres, o genocídio do Holocausto, bombardeios estratégicos, morte premeditada de fome e doenças e o único uso de armas nucleares em conflitos, que deu pelo nome de Segunda Guerra Mundial, uma guerra global, que durou de 1939 a 1945!. (We, a cheerful, carefree child, unaware that the most deadly conflict in the history of humankind was unfolding, directly involving more than 100 million people from more than 30 countries, marked by 50 to 85 million most of which were civilians, including massacres, Holocaust genocide, strategic bombing, premeditated starvation and starvation, and the only use of nuclear weapons in conflict, which he called World War II, a lasted from 1939 to 1945)!.

…nascemos, crescemos e vivíamos lá, naquela aldeia remota do Vale do Ninho d’Águia, na encosta agreste da montanha do Caramulo, quase uma divisão entre a montanha e o mar, onde pela noite, não havendo luz eléctrica, se a terra tremesse, nascendo dos céus uma pequena luz, que seria uma qualquer estrela, talvez uma estrela nova, daquelas que fazem oscilar um continente, ninguém dava por isso!. (We were born, grew and lived there, in that remote village of the Valley of the Nest of Eagle, on the rugged hillside of the Caramulo mountain, almost a division between the mountain and the sea, where at night, there being no electricity, earth shake, a small light rising from the skies, that would be any star, maybe a new star, those that make a continent oscillate, no one gave it)!

…era uma região, onde a sua ocupação antiga remonta à Idade do Bronze, marcada por diversos monumentos megalíticos, como por exemplo, a alguma distância ao norte da nossa aldeia, está o sítio arqueológico do “Cabeço do Vouga”, uma importante fortificação militar romana ao longo das rotas de Olissipo (Lisboa) até Bracara Augusta (Braga), que foi povoada por sucessivos habitantes, onde por certo se incluíam os celtas, os turdulianos ou os lusitanos!. (Was a region where its ancient occupation dates back to the Bronze Age, marked by several megalithic monuments, such as some distance north of our village, is the archaeological site of “Head of the Vouga”, an important military fortification Roman route along the routes from Olissipo (Lisbon) to Bracara Augusta (Braga), which was populated by successive inhabitants, where the Celts, the Turdulians or the Lusitanians were certainly included)!.

…principalmente o povo Celta, que formaram um ramo da maior família indo-européia e, que entraram na história por volta de 400 aC, já divididos em vários grupos linguísticos e se espalharam por grande parte da Europa continental ocidental, com destaque para a Península Ibérica, a Irlanda e a Grã-Bretanha!. (Mainly the Celtic people, who formed a branch of the largest Indo-European family, and who entered history around 400 BC, already divided into various linguistic groups and spread throughout much of Western Continental Europe, the Iberian Peninsula, Ireland and Great Britain)!.

…vários historiadores acreditaram que o povo Celta vinha das ilhas da foz do Reno e eram “expulsos de suas casas pela frequência das guerras e pela violenta ascensão do mar”!. (Several historians believed that the Celtic people came from the islands of the Rhine mouth and were “expelled from their houses by the frequency of the wars and by the violent rise of the sea”)!.

…povo com estes princípios, acreditamos nós que, ao andarem pela Península Ibérica, se devem ter localizado nas colinas do noroeste, entre os rios Tormes, Douro e Tejo, do que é hoje o país Portugal, talvez por causa da aproximação ao mar, adoptando formas de vida mais urbanas, chegando mesmo a cunhar moedas, com inscrições celtibéricas!. (People with these principles, we believe that, as they travel through the Iberian Peninsula, they must have been located in the northwestern hills, between the Tormes, Douro and Tejo rivers, of what is now Portugal, perhaps because of the sea, adopting more urban forms of life, even cointing coins, with Celtiberian inscriptions)!.

…de uma maneira ou de outra, nós, talvez descendentes do povo Celta, somos guerreiros, aventureiros e gostamos do mar e, quando ainda crianças em pleno crescimento, corríamos, descalços e com pouca roupa no corpo, descendo e subindo as encostas daquele vale, onde ao fundo corria um pequeno ribeiro, formando alguns pequenos lagos de água limpa e pura, onde nos podíamos banhar e beber a sua água!. (In one way or another, we, perhaps descendants of the Celtic people, are warriors, adventurers and we like the sea, and when we were still growing children, we would run barefoot and with little clothing on our bodies, going down and up the slopes of that valley, where in the background a small stream flowed, forming some small lakes of clean and pure water, where we could bathe and drink its water)!.

…o ribeiro, por sua vez, corria em direcção à ribeira da aldeia de Assequins, onde aí sim, a crosta terrestre, lentamente começava a ser plana, flutuando por perto aquelas zonas ribeirinhas do Rio Águeda, onde essa ribeira vinha a desaguar, quase junto à então vila de Águeda, que naquela época era um local próspero, (embora nós, oriundos das aldeias serranas, não usufruímos dessa prosperidade, pois éramos considerados, serranos, patêgos), com um comércio estável que apoiava negócios locais ou regionais e, existia um porto fluvial, onde os barcos atracavam, trazendo peixe fresco das praias do oceano Atlântico, levando lenha, pessoas e bens, de volta!. (The brook, on the other hand, ran towards the stream of the village of Assequins, where the earth’s crust slowly began to be flat, floating by those riverside areas of the Águeda River, where the stream was pouring, almost next to the then village of Águeda, which at that time was a prosperous place (although we, from the mountain villages, did not enjoy this prosperity, since we were considered, from mountain, “patêgos”), with a stable commerce that supported local or regional business and, there was a river port, where the boats docked, bringing fresh fish from the shores of the Atlantic Ocean, carrying firewood, people and property, back)!.

…esta então vila de Águeda, onde em criança frequentámos a Escola do Adro, em épocas remotas, funcionou como um centro auxiliar na estrada para Santiago de Compostela e, com a sua posição geográfica assim a beneficiava, (à beira dum rio), dizem que foi certamente visitada pela rainha Isabel, no ano de 1325, durante as suas costumeiras peregrinações àquele centro religioso!. Mais tarde, por volta do ano de 1834, ascendeu à categoria de assento municipal, como consequência da Revolução Liberal Portuguesa, sendo um importante lugar político, com posição político-militar estratégica, permitindo que esta então vila, apoiasse as tropas militares durante a segunda invasão francesa, quando funcionava como hospital militar!. (This village of Águeda, where as a child we attended the School of the Adro, in remote times, functioned as an auxiliary center on the road to Santiago de Compostela and, with its geographical position so benefited, (at the edge of a river) , say that she was certainly visited by Queen Elizabeth in the year 1325, during her usual pilgrimages to that religious center!. Later, around the year 1834, it ascended to the category of municipal seat, as a consequence of the Portuguese Liberal Revolution, being an important political place, with strategic political-military position, allowing that this village, to support the military troops during the second French invasion, when it functioned as a military hospital)!.

…no entanto, não é da então vila de Águeda, que hoje queremos falar, mas sim do seu rio, do Rio Águeda, a que dedicamos este texto, para tal recorremos a algumas fotos antigas, que nos chegam de pessoas amigas, que felizmente ainda vivem lá em Portugal e, que de uma maneira ou de outra as conseguiram, o que nós do coração agradecemos!. (However, it is not the village of Águeda, which today we want to talk about, but rather its river, the River Águeda, to which we dedicate this text, for that we resorted to some old photos, which come to us from friendly people, who fortunately still live there in Portugal and, who in one way or another have succeeded, what we heartfelt thanks)!.

…nunca esqueceremos a primeira vez que vislumbrámos o rio, cremos mesmo que o estávamos ouvindo, antes de descer-mos ao seu leito, o que logo nos fez entender quanto tão vasto e importante era para nós crianças, aquele espaço!. Quando tomámos contacto com a sua água, quase como um peregrino, compreendemos, sabíamos que um dia estaríamos de volta num curto espaço e tempo!. (We will never forget the first time we glimpsed the river, we even believed we were listening to it, before descending to its bed, which soon made us understand how vast and important it was for us children, that space!. When we came into contact with his water, almost like a pilgrim, we understood, we knew that one day we would be back in a short space of time)!.

…naquela idade, habituados a banharmo-nos naqueles pequenos lagos do ribeiro do nosso vale, experimentar a água do Rio Águeda, percorrendo-o, nadando com os nossos próprios braços, era incomparável!. É verdade que nem todos são capazes de ter experiências como esta, devido ao facto de não viverem próximo de rios, mas o facto é que a experiência foi o que foi, por causa da idade de crianças, em que quase tudo era um fascínio e, de como foi feita, ou mesmo de tanto quanto onde aconteceu!. (At that age, accustomed to bathe in those small lakes of the stream of our valley, to experience the water of the River Águeda, running it, swimming with our own arms, was incomparable!. It is true that not everyone is able to have experiences like this, due to the fact that they do not live near rivers, but the fact is that the experience was what it was, because of the age of children, where almost everything was a fascination and, how it was done, or even how much it happened)!.

…acreditamos na natureza, mas especialmente na natureza profunda, como a água cristalina que naquele tempo deslizava naquele rio, que tem o mesmo nome da então vila de Águeda, atravessando-a, que tem a sua nascente na montanha do Caramulo, talvez há milhões de anos, proveniente de um qualquer “Glacier”, no lugar da aldeia de Varzielas, percorrendo um percurso de aproximadamente quarenta quilómetros, vindo a desaguar no Rio Vouga, junto à aldeia de Eirol, próximo da cidade de Aveiro, onde juntando as suas águas às da Ria com o mesmo nome, acaba por entrar nas águas do oceano Atlântico!. (We believe in nature, but especially in the deep nature, like the crystalline water that at that time glided in that river, that has the same name of the then village of Águeda, crossing it, that has its source in the mountain of Caramulo, perhaps for millions of years, from any glacier, in the a place of the village of Varzielas, traveling for about forty kilometers, coming to the River Vouga, near the village of Eirol, near the city of Aveiro, where joining its waters to the Ria with the same name, ends up entering the waters of the Atlantic Ocean)!.

…existe um ditado que diz, “sem um rio não há pessoas e sem pessoas não há um rio”!. Pensando neste ditado, recordamos as pessoas que se juntavam junto ao seu cais, por ocasião das festas da paróquia da então vila de Águeda, onde existia o cenário dos barcos moliceiros, que vinham das aldeias e vilas da região das praias do oceano, com bandeiras coloridas nos seus mastros, ancoravam no cais, acendiam os seus fogareiros, assando sardinha, cujo cheiro inundava todo o cais!. (There is a saying that says “without a river there are no people and without people there is no river”!. Thinking of this dictum, we remember the people who gathered by their docks, on the occasion of the feasts of the parish of the then village of Águeda, where the scene of the Moliceiro boats came from the villages and villages of the region of the ocean beaches, with flags colored on their masts, anchored on the docks, lit their stoves, roasting sardines, the smell of which flooded the entire pier)!.

…ou os barcos ancorados do Ti’André, que os alugava a 15 tostões à hora, mas não podíamos nos distanciar da sua vista, pois ficava sentado junto ao cais, esperando-nos, ocupando o espaço do seu negócio de peixe, na antiga Praça do Peixe, que existia junto ao cais!. (Or the anchored boats of the Ti’André, who rented them at fifteen pence an hour, but we could not distance ourselves from his sight, for he was sitting by the dock waiting for us, occupying the space of his fish business, in the old Fish Square, which existed by the pier!.

…mesmo até dos “quiosques” que lá existiam, junto ao cais, um, que vendia jornais e os livritos do “mundo de aventuras”, outro, da senhora Iria, que vendia fruta, com destaque para as bananas, que era uma fruta rara, por ser tropical!. (Even one of the “kiosks” that existed there, near the dock, one, which sold newspapers and books of the “world of adventure”, another one of Mrs. Iria, who sold fruit, especially bananas, which was a rare fruit, for be tropical)!.

…para o lado da nascente do rio, logo a seguir à ponte, do lado oposto da então vila, existia um pequeno cais de onde saíam por ocasião das festas da Páscoa, viajens em barcos moliceiros, puxados à vara, que partiam em direcção à nascente, à montanha, onde navegavam grupos de pessoas ilustres da vila, com serviço de criados, (onde a nossa querida mãe Ilda se incluía como servente), realizando banquetes, regados com vinho tirado do barril, (não se usava garrafas), navegando rumo ao parque do Souto do Rio, que era uma área com árvores frondosas, numa zona quase plana junto ao rio, na colina de uma pequena montanha!. (To the side of the source of the river, just after the bridge, on the opposite side of the village, there was a small quay from where they went on the occasion of Easter celebrations, trips on Moliceiro boats, pulled to the pole, (where our beloved mother Ilda was included as servant), making banquets, watered with wine taken from the barrel, (no bottles were used) , sailing towards the Souto do Rio park, which was an area with leafy trees, in an almost flat area by the river, on the hill of a small mountain)!.

…o rio, ao passar sob a ponte da então vila, fazia uma pequena curva, que aos nossos olhos de criança, parecia muito grande!. A sua água ia limpa, peixes, como as carpas, os pimpões ou os robacos, escondiam-se em pequenas áreas com vegetação!. Os patos do senhor “Tanoeiro” de Além da Ponte, nadavam e multiplicavam-se, criando ninhos, que só ele sabia o seu lugar!. A nora gigante, montada numa pequena represa, onde nós aprendemos a nadar, “chiava”, levando a água a fertilizar os campos da várzea, cultivados com milho!. (The river, passing under the bridge of the then village, made a small curve, which in our eyes as a child, seemed very large!. Their water was clear, fish, like carp, pimp or robacos, hid in small areas with vegetation!. The ducks of Senhor “Cooper” of Beyond the Bridge, swam and multiplied, creating nests, that only he knew its place!. The giant “ferris wheel”, mounted on a small dam, where we learned to swim, “squealed”, taking water to fertilize the fields of the várzea, grown with corn)!.

…algumas mulheres, “usavam a música dos seus sonhos de verão”, cantavam, lavavam e secavam a roupa nos areais do lado nascente, porque no inverno, “sofriam a música dos seus sonhos de inverno”, que eram as inundações, criadas pela chuva e algumas tempestades, não só na várzea, como nas ruas da então vila, e nós, ouvíamos muitas vezes as pessoas a gritar:

   – acudam, o meu Manel foi na bateira, buscar as duas ovelhas que, andavam a pastar do lado de lá do Rio e, estão cercadas pelas águas!.

(Some women “used the music of their summer dreams”, sang, washed, and dried their clothes on the sands of the east side, because in winter they “suffered the music of their winter dreams”, which were the floods created by rain and some storms, not only in the floodplain, but also in the streets of the village, and we often heard people shout:

  – They go, my Manel went in the “bateira”, to look for the two sheep that, were grazing on the side of there of the River and, are surrounded by the waters)!.

…ou mesmo, frazes como estas:

  – lá vai mais uma vaca e uma cabra, já mortas a boiar, levada pelas águas da corrente!.

(Or even, frazes like these:

  – There goes another cow and a goat, already dead to float, taken by the waters of the current)!.

…ou alguns habitantes das ruas inundadas, procurando, laranjas, tangerinas e outras coisas, que boiavam nas águas que enchiam as ruas!. (Or some of the inhabitants of the flooded streets, searching, oranges, tangerines and other things, that floated in the waters that filled the streets)!.

…mesmo alguns habitantes da parte baixa da então vila, guardavam pequenas bateiras no quintal, esperando as inundações do inverno!. (Even some inhabitants of the lower part of the village, kept small bundles in the yard, waiting for the floods of winter)!.

…há uns anos atrás, finalmente visitámos Portugal e, o impacto visual do desenvolvimento por si só, mudou o cenário para sempre!. O possível impacto visual do Rio Águeda é inimaginável!. Existe uma represa para guardar a água em frente à agora cidade de Águeda, é um mar de água rasa, sem corrente, que inundou a maior parte do que era o nosso rio, que por sua vez era, “um lugar sagrado, onde os Espíritos habitavam”, onde, principalmente na época de verão, assoriado em algumas partes, dava origem a extensos areais, que eram o nosso lugar de diversão e o lugar de trabalho das lavadeiras, preservado para a eternidade como um “monumento do tempo”!. (A few years ago, we finally visited Portugal and the visual impact of development alone changed the landscape forever!. The possible visual impact of the Águeda River is unimaginable!. There is a dam to guard the water in front of the now city of Águeda, it is a shallow, uncharged sea of water that flooded most of what was our river, which in turn was “a sacred place, where the Spirits inhabited”, where, especially in the summer time, assorted in some parts, gave rise to extensive sand, which were our place of fun and the place of work of washerwomen, preserved for eternity as a “monument of time”)!.

…com estes arranjos urbanísticos de embelezamento, (dizem-nos que é o progresso) mas, juntos, esses factores destruiram totalmente a nossa experiência de criança, mudaram a vida e o percurso natural do Rio Águeda!. Para nós, o nosso rio de criatnça, está perdido para sempre e, nunca mais será reclamado o nosso rio original! (With these urbanistic arrangements of beautification, (they tell us that it is progress), but together, these factors completely destroyed our experience as a child, changed the life and the natural course of the Águeda River!. For us, our child’s river is lost forever, and our original river will never be reclaimed)!

…nós, guardamos na nossa memória, o silêncio sagrado da água limpa correndo, naquele leito desbotado, os bosques sombrios de árvores antigas que existiam escondidos nas suas margens, onde havia ninhos de pintassilgos e rouxinóis, ficando bocados nossos por lá, deste para nós, “rio sem fim”!. Hoje o nosso rio, com este aspecto moderno, será o que pretende ser, ou seja, uma atracção turística, todavia este lugar para nós é sagrado, merece o respeito de todos, merece a nossa protecção e, como alguém disse um dia, “não há nada mais prático no tempo, do que a preservação da beleza natural”!. Possívelmente estamos enganados, talvez seja o progresso que o esteja a preservar!. Oxalá que sim!. (We keep in our memory the sacred silence of the clean water, running in that faded bed, the dark woods of old trees that existed hidden in its banks, where there were nests of goldfinches and nightingales, being left ours bits there, of this one for us, “endless river”!. Today our river, with this modern aspect, will be what it pretends to be, that is to say, a tourist attraction, nevertheless this place for us is sacred, deserves the respect of all, it deserves our protection and, as somebody said one day, “there is nothing more practical in time, than the preservation of natural beauty”!. Possibly we are wrong, maybe it is the progress that is preserving it!. I hope so!

Tony Borie, March 2019.

…Ruby Beach!.

…Ruby Beach!.


…Praia dos Rubis!. (Ruby Beach)!.

…estávamos no estado de Washington, dentro da Península Olímpica, que é uma área considerada Património da Humanidade, ou seja, uma área que é um marco selecionado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas) para a educação, a ciência ou a cultura, como tendo significado cultural, histórico, científico ou outro, e é legalmente protegido por tratados internacionais!. (We were in the state of Washington, within the Olympic Peninsula, which is an area considered World Heritage, that is, an area that is a landmark selected by UNESCO (United Nations) for education, science or culture , as having cultural, historical, scientific or other significance, and is legally protected by international treaties)!.

…são locais julgados importantes para os interesses colectivos da humanidade, como tendo uma posição histórica e identificável, com significado cultural ou físico especial, como por exemplo uma antiga ruína, uma estrutura histórica, uma construção, uma cidade, um complexo, um deserto, uma floresta, uma ilha, um lago, um monumento, uma montanha ou uma outra área ou região selvagem!. (Are places deemed important for the collective interests of humanity, as having a historical and identifiable position, with special cultural or physical significance, such as an ancient ruin, a historical structure, a building, a city, a complex, a desert, a forest, an island, a lake, a monument, a mountain or another area or wilderness)!.

…são áreas que, não só podem significar uma realização notável da humanidade, servindo como evidência da nossa história intelectual, tal como neste caso, tratando-se do Parque Nacional Olímpico, pode também servir como um laboratório vivo, para cientistas ou estudantes, pois trata-se de uma Reserva da Biosfera!. (Are areas that not only can signify a remarkable achievement of humanity, serving as evidence of our intellectual history, as in this case, being the Olympic National Park, it can also serve as a living laboratory for scientists or students , because it is a Biosphere Reserve)!.

…tínhamos viajado com algum conforto da nossa “White Fox” (nome da nossa caravana), por uma estrada estreita, onde era possível passar por outro veículo só em alguns locais indicados pelas placas de sinalização, percorrendo durante horas, uma área de intenso arboredo, com árvores centenárias que cobriam a estrada formando um “túnel”, com abertas aqui e ali, que nos proporcionavam lindos cenários de baías desertas, que foram locais ocupados por culturas sucessivas de povos indígenas!. (We had traveled with some comfort from our “White Fox” (name of our caravan), by a narrow road, where it was possible to pass by another vehicle only in some places indicated by the signposting, running for hours, an area of intense arboretum, with centuries-old trees that covered the road forming a “tunnel”, with open here and there, that provided us with beautiful scenery of deserted bays, which were places occupied by successive cultures of indigenous peoples)!.

…até que chegámos à cidade de Porto de Nossa Senhora dos Anjos, (Port Angeles), pois foi assim que a baptizou um explorador espanhol, que a invadiu, por volta do ano de 1791, navegando numa expedição do sul da Califórnia, reivindicando-a para a corôa de Espanha!. (Until we reached the city of Port of Our Lady of the Angels (Port Angeles), for it was thus that she was baptized by a Spanish explorer, who invaded her, circa 1791, sailing on a Southern California expedition, claiming it for the crown of Spain)!.

…anos depois, possívelmente americanos descendentes dos europeus, começaram a estabelecer-se por aqui, formando uma pequena vila baleeira, pesqueira e marítima que se foi desenvolvendo, comercializando com a hoje cidade de Victoria, British Columbia, em território do Canadá, que naquele tempo era servido por um sistema de barcaças através do Estreito de Juan de Fuca, que fica do lado de lá, no norte!. (Years later, possibly Americans descended from the Europeans, began to establish themselves here, forming a small whaling, fishing and maritime village that was developing, commercializing with the today city of Victoria, British Columbia, in territory of Canada, which at that time was served by a system of barges through the Strait of Juan de Fuca, which lies on the north side)!.


…dormimos aqui, num parque de Caravanas!. (We sleep here in a caravan park)!.

…pela manhã do próximo dia, seguindo o nosso roteiro, continuámos viajando, sempre com velocidade controlada, dentro da já mencionada Península Olímpica, que é o grande braço de terra no oeste do estado de Washington, que fica do outro lado do “Puget Sound de Seattle”, (que é um complexo sistema do estuário e das suas bacias marinhas interconectadas, com uma conexão principal com o Oceano Pacífico), onde está situado o Parque Nacional Olímpico, composto por quatro regiões, que são, a costa do Pacífico, as áreas alpinas, a floresta tropical temperada do lado oeste e as florestas do lado leste, que são mais áridas, delimitadas a oeste pelo Oceano Pacífico, a norte pelo Estreito de Juan de Fuca e a leste por Hood Canal!. (On the following morning, following our itinerary, we continued to travel, always with controlled speed, within the aforementioned Olympic Peninsula, which is the great land arm in western Washington, which is on the other side of the “Puget Sound of Seattle” (which is a complex system of the estuary and its interconnected sea basins, with a main connection with the Pacific Ocean), where is located the Olympic National Park, composed of four regions, which are, Pacific, alpine areas, the temperate rainforest on the west side and the forests on the east side, which are more arid, bounded to the west by the Pacific Ocean, to the north by the Strait of Juan de Fuca and to the east by Hood Canal)!.

…e que hoje, ainda contém um dos últimos lugares inexplorados nos Estados Unidos, onde existem três ecossistemas distintos, que são floresta subalpina e prado de flores silvestres, a floresta temperada e a costa acidentada do Pacífico, que é onde se situa a “Ruby Beach” (Praia dos Rubis), a mais setentrional das praias do sul na secção costeira deste maravilhoso parque!. (And which today still contains one of the last unexplored places in the United States, where there are three distinct ecosystems, which are subalpine forest and meadow of wildflowers, temperate forest and rugged coast of the Pacific, which is where the “Ruby Beach”, the most northern of the southern beaches in the coastal section of this wonderful park)!.

…esta praia é a razão deste texto!. “Ruby Beach” (Praia dos Rubis), é assim chamada por causa dos cristais em forma de rubi na areia da praia e que, é um dos tais locais protegidos, destinados à conservação e à prática para a posteridade, que de outra forma estaria sujeita a riscos de invasão humana ou animal, acesso não monitorado, não controlado, irrestrito ou ameaça de negligência!. (This beach is the reason for this text!. “Ruby Beach” is so named because of the ruby crystals in the sand of the beach and that it is one of such protected sites intended for conservation and practice for posterity, which otherwise would be subject to risks of human or animal invasion, unmonitored, uncontrolled, unrestricted access or threat of neglect)!.

…depois de estacionar a nossa “White Fox”, descemos o penhasco até à praia, percorrendo uma trilha bem cuidada, com pequenos degraus em algumas áreas, sempre com atenção às pedras que nos apareciam pelo caminho e, aqui e ali, parando, não só para descansar, como para admirar a paisagem serena e muitas vezes deslumbrante do poderoso Oceano Pacífico!. (After parking our “White Fox”, we went down the cliff to the beach, following a well-maintained trail, with small steps in some areas, always paying attention to the stones that appeared on the way, and here and there, stopping, not only to rest, but to admire the serene and often stunning landscape of the mighty Pacific Ocean)!.

…ao chegar à praia, composta por areia graúda de cor cinzenta, tirámos o calçado, passámos sobre os troncos das árvores perdidas pela praia, que já tiveram vida e agora servem para tornar esta praia única!. Tentando recuperar do esforço físico feito pela descida, levantámos a cabeça e olhámos em redor, o cenário, com as ondas do mar do Pacifico, subindo para as rochas, que estão ali há milhões de anos, resistentes!. Naquele momento parámos de pensar, meditámos, tomámos a camara fotográfica nas mãos e, divirtimo-nos!. (On reaching the beach, made up of gravel gray sand, we took off our shoes, we passed over the tree trunks lost by the beach, which already had life and now serve to make this beach unique!. Trying to recover from the physical effort made by the descent, we lifted our heads and looked around, the scenery, with the waves of the Pacific Ocean, rising to the rocks, which have been there for millions of years, resilient!. At that moment we stopped thinking, we meditated, we took the photographic camera in our hands and enjoy ourselves)!.

…como praticamente todas as praias na costa norte, a Praia dos Rubis, pois é assim que vamos passar a identificá-la, derivado às tempestades do oceano Pacífico, ao precipitado do terreno, ao denso arvoredo existente nas ravinas junto à costa, acomula uma enorme quantidade de troncos de árvores, batidos pelas ondas que, depois de navegarem por tempo indeterminado no oceano, vêm dar de novo à costa, formando pilhas de troncos, que continuam a movimentar-se consoante a fúria das ondas!. (As practically all the beaches on the north coast, “Ruby Beach”, derived from the storms of the Pacific Ocean, the precipitate of the terrain, the dense grove of ravines by the coast, it contains an enormous amount of tree trunks, beaten by the waves that, after sailing indefinitely in the ocean, come back to the coast, forming piles of logs, that continue to move according to the fury of the waves)!.

…olhando a fúria das ondas e, pessoas tal como nós, sempre interessados em história, a Praia dos Rubis é a localização de não um, mas dois ou mais confrontos armados entre os nativos da tribo Quinault local e os exploradores, tanto espanhóis como britânicos e até americanos, no final do século XVIII!. (Looking at the fury of the waves and, people just like us, always interested in history, “RubY Beach” is the location of not one, but two or more armed clashes between the natives of the local Quinault tribe and the explorers, both Spanish as British and even American, in the late eighteenth century)!.

…contam-nos a história que, afinal é quase igual a muitas outras, de navegadores exploradores, que aconteceu mais ou menos assim:

A primeira batalha com a tribo Quinault foi registrado no ano de 1775, quando um navegador explorador espanhol ancorou ao largo, próximo da foz do rio Quinault!. Uns anos depois vieram os britânicos, tal como os americanos que, apesar de encontros amigáveis no início, logo se tornaram violentos!. Houve luta, onde os Quinault massacraram grupos de desembarque de espanhóis e britânicos, que imediatamente retaliaram de maneira igualmente violenta!. Segundo alguns historiadores, os espanhóis violaram um cemitério sagrado quando plantaram a sua cruz na praia!. Outros historiadores especulam que os Quinault estavam cautelosos com os estranhos “de barba preta” por causa de relatos de que haviam ouvido falar da brutalidade dos comerciantes de peles Russos, lá ao norte, nas montanhas Aleutas, no hoje estado do Alaska!.

(Tell us the story that, after all is almost the same as many others, of exploring browsers, which happened more or less like this:

The first battle with the Quinault tribe was recorded in the year 1775, when a Spanish exploratory navigator anchored off, near the mouth of the Quinault River!. A few years later came the British, just like the Americans who, despite friendly encounters at first, soon became violent!. There was fighting, where the Quinault massacred landing groups of Spaniards and Britons, who immediately retaliated in an equally violent manner!. According to some historians, the Spaniards violated a sacred cemetery when they planted their cross on the beach!. Other historians speculate that the Quinaults were wary of “black-bearded” strangers because of reports that they had heard of the brutality of the Russian fur traders up north in the Aleutian mountains in the present state of Alaska)!.

…de uma maneira ou de outra, o tal homem “de barba preta” foi avançando, as vendas de peles eram lucrativas, estimularam o aumento do comércio na região, mas infelizmente os comerciantes trouxeram doenças infecciosas, tal com o sarampo, ou uma série de epidemias de varíola e gripe, que dizimou a população costeira, que era fraca demais para resistir ao avanço dos colonos brancos ansiosos para preservar o controle do rio Quinault e, hoje as areias desta praia, estão cheias de troncos, mas naquela época estiveram cobertas de sangue, de batalhas ferozes, onde a morte e a destruição tiveram aqui lugar, onde nos dias de hoje, uma pequena ilha ao largo da costa, agora lar de um farol, foi chamada Ilha da Destruição, para lembrar aqueles que pereceram em batalha!. (In one way or another, the “black-bearded” man was advancing, fur sales were profitable, stimulated increased trade in the region, but unfortunately traders brought infectious diseases such as measles, or a series of epidemics of smallpox and influenza that decimated the coastal population, which was too weak to resist the advance of white settlers eager to preserve control of the Quinault River, and, at least, the sands of this beach are full of logs, but at that time were covered with blood, fierce battles, where death and destruction took place here, where today a small island off the coast, now home to a lighthouse, was called Isle of Destruction, to remind those who perished in battle)!.

…deixemos a história em paz e, nós que vivemos no estado da Florida, acostumados a ver praias quase desertas, com areia branca e ondas suaves, verificamos que aqui é diferente, esta costa acidentada e isolada, é quase um diamante em bruto, ao longo do poderoso Oceano Pacífico, conhecido por ondas enormes, fortes tempestades que formam lagoas de marés!. (Let us leave the story alone, and we who live in the state of Florida, accustomed to seeing beaches almost deserted with white sand and soft waves, we find that here is different, this rugged and isolated coast, it is almost a rough diamond , along the mighty Pacific Ocean, known for huge waves, strong storms that form tidal lagoons)!.

…quem pensar em bronzeamento, natação, usar fato de banho ou praticar “surf”, a Praia dos Rubis, não é esse típico destino de praia, no entanto, quem como nós, caminhantes do dia, gostamos de aventura, carregar uma mochila, amantes da vida selvagem, da água fresca, dos rios, dos oceanos, apreciando a natureza tal como ela é, é o lugar ideal!. (Who think of tanning, swimming, wearing swimwear or practicing surfing, “Ruby Beach”, is not this typical beach destination, however, who, like us, hikers of the day, like adventure, carry a backpackers, wildlife lovers, fresh water, rivers, oceans, enjoying nature as it is, is the ideal place)!.

…podemos admirar um cenário onde existem milhares de espécies marinhas, observar pássaros, tais como as gaivotas ocidentais, as águias e outras aves costeiras, que se sentem seguras, voando e alimentando-se ao longo da costa!. (We can admire a scenario where there are thousands of marine species, bird watching, such as the western seagulls, eagles and other coastal birds, who feel safe, flying and feeding along the coast)!.

…ou o ambiente marinho e as pequenas ilhas visíveis acima das águas da maré alta que são protegidos pelos refúgios de vida selvagem ao longo da costa, onde podemos observar grandes colónias de nidificação de aves, como murres comuns ou os papagaios-do-mar, que vivem naqueles postos rochosos!. (Or the marine environment and small islands visible above the high tide waters that are protected by wildlife refuges along the coast, where we can observe large nesting colonies of birds, such as common murres or parrots, sea, living in those rocky outposts)!.

…como por exemplo, um pouco ao norte, está a Abbey Island, erguendo-se sobre as ondas, quebrando-as!. É o lar das lontras marinhas e aves migratórias, onde as estrelas do mar e os mexilhões crescem!. Dizem-nos que estas rochas cobertas com algumas pequenas árvores que saiem do mar, é uma das formações rochosas mais fotografadas do Parque Nacional Olímpico, pelo menos por ocasião do pôr do sol no noroeste do Oceano Pacífico, mostrando um cenário incrível e inspirador, com o céu em erupção numa tapeçaria impossível de reproduzir!. Talvez!. (Like for example, a little to the north, is to Abbey Island, rising on the waves, breaking them!. It is home to sea otters and migratory birds, where sea stars and mussels grow!. They are said to be one of the most photographed rock formations in the Olympic National Park, at least at sunset in the Pacific Northwest, showing an incredible and inspiring setting, with the sky erupting in a tapestry impossible to reproduce!. Perhaps!).

…as pilhas de troncos, vagueando em qualquer direção, para cima e para baixo na praia, já por si é uma aventura!. As piscinas naturais, durante a maré baixa, a praia rochosa ao norte torna-se viva, com minúsculos caranguejos e ameijoas, enterrados nas areias batidas pelas ondas do mar e, claro, coloridas aqui e ali, pelas várias cores das pequenas estrelas do mar!. (Piles of logs, wandering in any direction, up and down the beach, by itself is an adventure!. The natural pools, during low tide, the rocky beach to the north becomes alive, with tiny crabs and clams, buried in the sands struck by the waves of the sea and, of course, colored here and there, by the various colors of the small stars of the sea)!.

…dizem-nos também que, mesmo em dias de chuva, a Praia dos Rubis é um destino imperdível, com enormes ondas batendo contra enormes pedaços de troncos, sendo jogados ao ar como palitos e, os ventos soprando nos penhascos, em toda a região costeira onde esta praia está localizada, sendo constantemente eleita, o melhor lugar para vigiar as tempestades no estado de Washington!.(They also tell us that even on rainy days “Ruby Beach” is a must-see destination, with huge waves crashing against huge pieces of logs, being thrown into the air like sticks, and the winds blowing on the cliffs, everywhere. the coastal region where this beach is located, being constantly elected, the best place to watch the storms in Washington state)!.

…nós, caminhantes do mundo, viajando ao longo da costa do estado de Washington, consideramos a Praia dos Rubis o lugar perfeito de praia, onde não vamos para nadar ou apanhar sol, mas sim para caminhar, explorar piscinas naturais, observar aves, focas e lontras ou até observar as baleias nadando!. É quase pela mesma razão que vamos visitar o Parque Nacional Olímpico, que talvez seja pelo arboredo, talvez pelo deserto, pelo isolamento ou até pela beleza incomparável do noroeste do Pacífico!. (We, hikers of the world, traveling along the coast of Washington State, consider “Ruby Beach” the perfect beach place, where we will not swim or sunbathe, but to walk, explore natural pools, observe birds, seals and otters or even watching whales swimming!. It is almost for the same reason that we are going to visit the Olympic National Park, perhaps because of the arboredo, perhaps the desert, the isolation or even the incomparable beauty of the Pacific Northwest)!.

…já nos esquecíamos de mencionar que, no parque de estacionamento existem painéis informativos e quartos de banho, explicando diversos itinerários com ascesso à praia, e nós, “que usamos as nossas pernas para ajudar o medir o mundo”, adorámos esta nossa experiência, que foi a visita à Praia dos Rubis e lembrem-se que, “uma jornada de mil quilómetros, começa com um único passo”!. (We forgot to mention that in the car park there are informative panels and bathrooms, explaining various itineraries with access to the beach, and we, “who use our legs to help measure the world”, we loved this ours experience, that was the visit to “Ruby Beach” and remember that, “a journey of a thousand kilometers, begins with a single step”!.

Tony Borie, March 2019.

…the Trees!.

…the Trees!.

…as árvores!. (The trees)!.

…descalços, sorrindo e correndo, com a sacola da escola pendurada aos ombros, diziamos:

  – bom dia avó Agar!.

(Barefoot, smiling and running, with the school bag hanging from his shoulders, we said:

  – Good morning, grandma Agar)!.

..ela, a avó Agar, embrulhada numa saia de pano de borel cardado de cor castanha, uma blusa de linho branco, um xaile preto sobre a cabeça, umas sandálias nos pés que tinham sido sapatos no Brazil, sentada no tronco de uma árvore, que diziam os vizinhos, “os dois juntos, ela e o tronco, deviam de andar pelas duas centenas de anos”, olhava o infinito e, ao ver-nos passar, devia pensar, falando baixinho, só para si:

   – era por ocasião das colheitas e, fui eu que assisti a minha filha Ilda, quando esta criança nasceu!.

(Her grandmother Agar, wrapped in a brown carded borel cloth skirt, a white linen blouse, a black shawl over her head, sandals on her feet that had been shoes in Brazil, sitting on the trunk of a tree, which the neighbors said, “the two together, she and the trunk, were to walk for two hundred years”, looked at the infinite and, as we passed, she had to think, speaking quietly, only for herself:

– It was on the occasion of the harvests, and it was I who watched my daughter Ilda, when this child was born)!.

…éramos uma criança nativa da aldeia do Vale do Ninho d’Águia, na vertente agreste da montanha do Caramulo, onde todos se conheciam e respeitavam, vivendo quase em comunidade, que era como dizer, quando uns tinham fartura, todos usufriam dela, no entanto, quando o clima não era favorável para a agricultura, portanto havia alguma fome, igualmente todos a sofriam!. (We were a child native of the Valley of the Nest of Eagle, on the rugged slope of Caramulo mountain, where everyone knew each other and lived, living almost in community, which was to say, when one had plenty, everyone would enjoy it, however, when the climate was not favorable to agriculture, so there was some hunger, equally everyone suffered)!.

…já aqui falámos da querida e saudosa avó Agar, mas do tronco, que alguns anos atrás tinha sido árvore, nunca falámos!. Era uma árvore de carvalho que, tal como os habitantes daquela aldeia remota, sofria o frio, a geada, a neve, o calor, a chuva ou vento ciclónico mas, sempre voltava a florir por altura da primavera!. (We have already spoken of the dear and beloved grandmother Agar, but of the trunk, which a few years ago had been a tree, we never spoke!. It was an oak tree that, like the inhabitants of that remote village, suffered cold, frost, snow, heat, rain, or cyclonic wind, but it always flowered again in the spring)!.

…era uma árvore altiva, que talvez por dezenas de anos ou mesmo séculos, se desenvolveu, formando um tronco com galhos lenhosos, como uma forma de se elevar acima de outras plantas, para competir pela luz solar!. Sim, uma árvore, igual a outras que nos dizem que hoje, apesar de tudo o que por aí se faz em nome do progresso, ainda existem em todo o planeta, pouco mais de 3 trilhões de árvores maduras, que começaram a desenvolver-se há pelo menos 370 milhões de anos!. (It was a haughty tree, which perhaps for tens of years or even centuries, developed, forming a trunk with woody branches, as a way to rise above other plants, to compete for sunlight!. Yes, a tree, like other trees that tell us that today, despite all that is done in the name of progress, there are still around the planet, just over 3 trillion mature trees that have begun to develop there are at least 370 million years)!.

…era uma árvore, que a mãe natureza, sempre cuidadosa com a preservação do ambiente, cercou com uma camada de casca, que serviu durante a sua vida, como uma barreira protectora, tendo abaixo do solo, uma ramificação de raízes, que serviram, não só para a ancorar, mas também para extrair água e todos os nutrientes do solo, para poder sobreviver!. Por outro lado, acima do solo, os seus ramos, que se dividiam em pequenos galhos, possuiam folhas, que captavam energia luminosa convertendo-a em vitaminas e ingredientes que, tal como qualquer ser humano, lhe fornecia a comida para o seu crescimento e desenvolvimento!. (Was a tree, which mother nature, always careful with the preservation of the environment, surrounded with a layer of bark, which served during its life, as a protective barrier, having below the ground, a branch of roots, which not only to anchor it, but also to extract water and all the nutrients from the soil in order to survive!. On the other hand, above the ground, its branches, which were divided into small branches, had leaves, which captured light energy converting it into vitamins and ingredients that, like any human being, provided food for its growth and development)!.

…tudo isto, é um fenómeno da natureza que nos faz pensar como ela, a “natureza pura”, é perfeita, deslumbrante, graciosa, imaginável, e claro, não está ao alcance do ser humano, que se julga o melhor, que pensa que, executando e desenvolvendo as suas experiências de laboratório, pode competir com ela, a natureza!. (All this is a phenomenon of nature that makes us think how she, “pure nature”, is perfect, dazzling, graceful, imaginable, and of course, not within the reach of the human being, who thinks himself the best, who thinks that by running and developing her laboratory experiments, she can compete with her, nature)!.

…por exemplo!. Um certo dia, estando nós pescando na praia de Matanzas, aqui na área onde presentemente vivemos, durante a ocasião da subida de maré, duas ou três ondas mais altas, deram á praia, formando uma lagoa na praia em poucos minutos que, talvez centenas de bombas de água, trabalhando durante dias, jamais conseguiriam juntar tanta quantidade de água num só lugar!. (For example!. One day, while we were fishing on the beach of Matanzas, here in the area where we now live, during the rise of the tide, two or three waves higher, gave to the beach, forming a lagoon on the beach in a few minutes, maybe hundreds of water pumps, working for days, would never be able to gather so much water in one place)!.

…isto é a natureza!. Onde não só a água, como também as árvores desempenham um papel significativo na redução da erosão e na moderação do nosso clima!. Elas, as árvores, removem o dióxido de carbono da atmosfera e armazenam grandes quantidades de carbono nos seus tecidos!. As florestas fornecem um habitate para muitas espécies de animais e plantas!. (This is nature!. Where not only water but also trees play a significant role in reducing erosion and moderating our climate!. They, the trees, remove carbon dioxide from the atmosphere and store large amounts of carbon in their tissues!. Forests provide a habitat for many species of animals and plants)!.

…não querendo desviarmo-nos do tronco daquela árvore de carvalho em que, enquanto crianças, a nossa avó Agar estava sentada, teremos que agradecer à mãe natureza que, agora neste momento da nossa vida, vemos com mais atenção, apreciando estas enormes as florestas tropicais que por aqui existem ao nosso redor, que estão entre os habitates mais biodiversos do mundo!. (Not wanting to get away from the trunk of that oak tree where, as children, our grandmother Agar was sitting, we will have to thank the mother nature that, now at this moment in our life, we see more attentively, appreciating these enormous the tropical forests that surround us here, which are among the most biodiverse habitats in the world)!

…continuando, as árvores plantadas em ambientes urbanos, onde são conhecidas como árvores de rua ou árvores de amenidade, podem fornecer sombra e resfriamento por meio da evapotranspiração, absorver gases de efeito estufa e poluentes, interceptar a chuva e reduzir o risco de inundações, fornecem madeira para construção, combustível para cozinhar e aquecer, são a fonte de muitos e saborosos frutos e alimentos que se tornaram conhecidos em todo o mundo, como as maçãs, as peras, as ameixas, as cerejas, as bananas, ou as nesperas, os figos, laranjas, tangerinas e os limões que existem e crescem no nosso quintal!. (Continuing, trees planted in urban environments where they are known as street trees or amenity trees can provide shade and cooling through evapotranspiration, absorb greenhouse gases and pollutants, intercept rainfall and reduce the risk of floods, provide wood for building, fuel for cooking and heating, are the source of many tasty fruits and foods that have become known all over the world, such as apples, pears, plums, cherries, bananas, or nesperas, figs, oranges, mandarins and lemons that exist and grow in our backyard)!.

…a sua madeira é usada para construir carroças, implementos agrícolas, barcos, canoas ou na construção naval!. É usada para fazer móveis, cabos de ferramentas, caixas, escadas, instrumentos musicais, arcos, armas, fósforos, cabides, vassouras, sapatos, cestas, torneados, escultura, brinquedos, lápis, rolos, engrenagens, parafusos de madeira, barris, caixas, facetas, membros artificiais, remos, esquis, colheres de madeira, equipamentos desportivos ou até bolas de madeira, e claro, para as nossas esculturas e miniaturas!. (Your wood is used to build carts, agricultural implements, boats, canoes or shipbuilding!. It is used to make furniture, tool handles, boxes, ladders, musical instruments, bows, weapons, matches, hangers, brooms, shoes, baskets, sculpture, toys, pencils, rollers, gears, wood screws, barrels, boxes, facets, artificial limbs, oars, skis, wooden spoons, sports equipment or even wooden balls, and of course, for our sculptures and thumbnails)!.

…tudo isto, além de ter muitos outros usos, no entanto, em algumas partes do mundo, o lucro fácil, a ganância e o desprezo pela natureza, fazem com que as florestas vão diminuindo à medida que as árvores são derrubadas para aumentar a quantidade de terras disponíveis para outros fins!. Dizem-nos que, cerca de 15 bilhões de árvores sejam cortadas anualmente e cerca de 5 bilhões sejam plantadas, tudo isto para nosso desespero, pois nos 12.000 anos desde o início da agricultura humana, o número de árvores no mundo diminuiu!. (All this, in addition to having many other uses, however, in some parts of the world, easy profit, greed and contempt for nature, cause forests to decline as trees are felled to increase the amount of land available for other purposes!. We are told that about 15 billion trees are cut annually and about 5 billion are planted, all to our despair, because in the 12,000 years since the beginning of human agriculture, the number of trees in the world has decreased)!.

…nesta área onde agora vivemos, existem milhares de espécies de plantas vivas, onde a sua maior parte cresce em redor de pântanos e lagoas, que pensamos que ainda não foram totalmente pesquisadas por botânicos, fazendo com que a diversidade de árvores e áreas sejam pouco conhecidas, no entanto, devido à sua longevidade e utilidade, as árvores por aqui, sempre foram reverenciadas, chegando ao ponto de algumas áreas com bosques, como por exemplo a zona da “Princesa”, próximo do local onde vivemos, dizem-nos que são sagrados, com várias culturas, onde os “Índios Americanos”, todos os anos por ocasião do mês de Fevereiro, fazem uma reunião, cumprindo alguns rituais!. (In this area where we now live, there are thousands of species of live plants, where most of it grows around marshes and ponds, which we think have not yet been fully researched by botanists, causing the diversity of trees and areas are little known, however, due to their longevity and usefulness, the trees around here have always been revered, reaching the point of some areas with woods, such as the area of the “Princess”, near the place where we live, in which they are sacred, with various cultures, where the “American Indians”, every year during the month of February, hold a meeting, performing some rituals)!.

…quando por aqui caminhamos ou sobre a nossa bicicleta, (agora sózinhos, pois a nossa dedicada esposa Isaura recupera da sua intervenção cirúrgica e o amigo Fernando foi de vez, foi lá para o norte), prestamos alguma atenção às árvores e, sendo uma região semi-tropical, quase tropical, com um clima de algumas monções, onde uma parte mais seca do ano alterna com um período chuvoso, diferentes espécies de árvores de folhas largas dominam estas florestas, onde as raízes são geralmente uma parte subterrânea da árvore, mas algumas espécies de árvores desenvolveram raízes aéreas, onde os propósitos comuns para raízes aéreas podem ser de dois tipos, contribuir para a estabilidade mecânica da árvore, ou talvez obter o oxigênio do ar, principalmente quando esse oxigénio não está disponível no solo devido ao excesso de água!. (When we walk here or on our bicycle (now alone, because our dedicated wife Isaura recovers from his surgical intervention and his friend Fernando went from there to the north), we pay attention to the trees and, being a semi tropical, almost tropical region, with a climate of some monsoon, where a drier part of the year alternates with a rainy season, different species of broadleaf trees dominate these forests, where the roots are usually an underground part of the tree, but some tree species have developed aerial roots, where common purposes for aerial roots can be of two types, contribute for the mechanical stability of the tree, or perhaps get oxygen from the air, especially when that oxygen is not available in the soil due to excess water)!.

…se parar-mos, olhar-mos uma árvore, o objetivo principal do seu tronco é levantar os ramos e as folhas acima do solo, permitindo que a árvore ultrapasse outras plantas e as superponha para a luz solar, e claro, também servir de veículo, transportando a água e nutrientes, que vêm das raízes para as partes aéreas, assim como o contrário, ou seja, distribuindo os alimentos produzidos pelas folhas, para todas as outras partes, incluindo as suas raízes!. (If we stop, look at a tree, the main objective of its trunk is to raise the branches and the leaves above the ground, allowing the tree to surpass other plants and superimposes them to sunlight, and of course, too serving as a carrier, transporting the water and nutrients, which come from the roots to the aerial parts, as well as the opposite, ie distributing the food produced by the leaves, to all other parts, including their roots !.

…olhamos a árvore e não prestamos muita atenção à sua casca, no entanto, principalmente o seu tronco, está protegido contra os elementos, doenças, ataque de animais e até o fogo e, tal como a nossa pele, está perfurado por um grande número de poros respiratórios finos, através dos quais o oxigênio se difunde!. Embora a casca funcione como uma barreira protectora, ela é atacada por insetos chatos, que depositam os seus ovos nas fendas, originando larvas, criando túneis, que podem atacar a árvore, levando por vezes à sua morte!. (We look at the tree and we do not pay much attention to its bark, however, especially its trunk, it is protected from the elements, diseases, attack of animals and even fire and, like our skin, is pierced by a large numbers of fine respiratory pores, through which oxygen diffuses!. Although the bark functions as a protective barrier, it is attacked by flat insects, which lay their eggs in crevices, originating larvae, creating tunnels that can attack the tree, sometimes leading to its death)!.

…a natureza é perfeita!. Colocou as folhas nas árvores de modo a que, se repararmos minusiosamente, estão dispostas na árvore de forma a maximizar sua exposição à luz sem sombrear umas às outras, sendo um investimento importante na árvore, que até podem ser espinhosas ou contendo venenos, para desencorajar ataques de estranhos, levando à sua destruição!. E mais, quando chove e existe alguma brisa, elas, as folhas, movem-se, para receber a água da chuva do outro lado!. (The nature is perfect!. He placed the leaves in the trees so that, if we mend ourselves, they are arranged in the tree in order to maximize their exposure to light without shading one another, being an important investment in the tree, which may even be prickly or containing poisons, to discourage attacks from strangers, leading to their destruction!. Moreover, when it rains and there is some breeze, they, the leaves, move, to receive rainwater from the other side)!.

…nós, nesta um pouco avançada idade, adoramos árvores, consideramos as árvores um dos principais fenómenos da natureza, cremos mesmo que o ser humano não resistiria viver, se elas, as árvores não existissem!. Reparem bem, meditem na maravilha, no modo como se reproduzem!. Uma árvore está estacionada num lugar, alguém tem que levar as sementes, que são a principal maneira de as árvores se reproduzirem e que variam muito no seu tamanho ou na sua forma, para outra área, para outra zona, mesmo para outro continente e, para uma árvore se transformar numa árvore adulta, precisa sobretudo de luz!. Assim, se as sementes caíssem diretamente no solo, a competição entre elas, com a sombra da árvore mãe, provávelmente impediria que as outras florescessem!. (We, in this somewhat advanced age, we love trees, we consider trees one of the main phenomena of nature, we even believe that the human being could not resist living, if they did not, the trees did not exist!. Look carefully, meditate on the wonder, the way they reproduce!. A tree is parked in a place, someone has to take the seeds, which are the main way for the trees to reproduce and which vary greatly in size or shape, to another area, to another zone, even to another continent, for a tree to become an adult tree, it needs light!. So if the seeds fell directly on the ground, competition between them, with the shadow of the mother tree, would probably prevent the others from blossoming)!.

…no entanto, a natureza é inteligente!. Ajuda-se, não precisa do ser humano, que por vezes é um seu inimigo, atacando-a, mesma querendo destrui-la!. Mas ela, a natureza, ignorando o ser humano, faz esse serviço! Como?. Com a ajuda do vento, aproveitando o aumento da velocidade do vento acima do solo, transportando sementes emplumadas, com asas, ou pelos animais, incluindo mamíferos e aves, que comem os frutos e descartam as sementes ou engolem-nas, de modo que passam pelo intestino para serem depositadas nas fezes do animal, bem longe da árvore mãe!. A germinação de algumas sementes é melhorada quando são processadas dessa maneira!. Outras usam a gravidade para que as sementes caiam e às vezes rolem, ou até pelos os insectos, que pousam aqui e ali, que talvez sem o saberem transportam sementes minúsculas, que fertilizam outras áreas!. (However, nature is smart!. It helps itself, it does not need the human being, who is sometimes its enemy, attacking it, even wanting to destroy it!. But she, nature, ignoring the human being, does this service!. As?. With the help of the wind, taking advantage of the increased speed of the wind above the ground, carrying feathered seeds, with wings, or by the animals, including mammals and birds, that eat the fruits and discard the seeds or swallow them, so that they pass by the intestine to be deposited in the feces of the animal, well away from the mother tree!. The germination of some seeds is improved when processed in this way!. Others use gravity so that the seeds fall and sometimes roll, or even by the insects, that land here and there, which perhaps unknowingly carry tiny seeds that fertilize other areas)!.

…as árvores são uma parte importante do ecossistema terrestre, fornecendo habitats essenciais, incluindo muitos tipos de floresta para comunidades de organismos e, estabilizam o solo, previnem o rápido escoamento da água da chuva, ajudam a prevenir a desertificação, têm um papel no controle do clima e ajudam na manutenção da biodiversidade e no equilíbrio do ecossistema!. (Trees are an important part of the terrestrial ecosystem, providing essential habitats, including many types of forest to communities of organisms and, stabilizing the soil, preventing the rapid drainage of rainwater, helping to prevent desertification, have a role in climate control and help in maintaining biodiversity and ecosystem balance)!.

…tal como quando crianças, na nossa aldeia nativa, passava o combóio das seis e meia, com a sua locomotiva a todo vapor, montanha acima, deitando fragulas de lume pela sua chaminé, encendiando a cabana da palha à Ti’Gracinda, hoje as pessoas gritam, “há fogo na floresta”!. Sim, existem fogos, alguns iniciados pela natureza, causados por relâmpagos, que estimulam a liberação e a germinação das sementes, especialmente do pinheiro-manso que também enriquece o solo da floresta com cinzas de madeira e remove a vegetação concorrente possuindo smentes que germinam melhor após exposição a altas temperaturas!. (As when children in our native village passed the six-and-a-half-hour train with its locomotive at full steam, up the mountain, pouring fragments of fire through its chimney, lighting the hut of straw to Ti’Gracinda, today people shout, “there is fire in the forest”!. Yes, there are fires, some initiated by nature, caused by lightning, which stimulate the release and germination of the seeds, especially of the tame pine that also enriches the forest soil with ashes of wood and removes the competing vegetation possessing sires that germinate better after exposure to high temperatures)!.

…este texto já vai longo, não queremos abusar da paciência dos nossos leitores, pois poderíamos estar aqui a mencionar mil e uma coisas que vêm das árvores, como por exemplo, lá no Portugal distante da Europa, a cortiça é produzida a partir da casca espessa do sobreiro!. É colhida das árvores vivas, uma vez a cada dez anos, numa indústria ambientalmente sustentável e, mais de metade da cortiça em todo o mundo vem de lá de Portugal e é largamente usada, principalmente para fazer rolhas para garrafas de vinho, que nós, apesar da idade, continuamos a beber, com alguma regra!. (This text goes a long way, we do not want to abuse the patience of our readers, because we could be here to mention a thousand and one things that come from the trees, as for example, in Portugal far from Europe, cork is produced from of the thick bark of the cork tree!. It is harvested from live trees once every ten years in an environmentally sustainable industry and more than half the cork in the world comes from Portugal and is widely used mainly to make corks for wine bottles which we, despite age, we continue to drink, with some rule)!.

…no entanto ainda vamos ter tempo para lembrar que, pelo menos 120 drogas vêm de fontes vegetais, muitas delas da casca das árvores, que podem ter uma altura máxima de 130 m (430 pés), mas muitas pessoas acreditam que o espécime conhecido mais alto da Terra, seja uma sequoia costeira, no Redwood National Park, Califórnia, que já visitámos!. Assim como a árvore viva mais antiga com uma idade verificada também é na Califórnia, é um pinheiro de “Bristlecone Great Basin” que continua crescendo nas Montanhas Brancas!. Foi datado pela perfuração de uma amostra central, contando os seus anéis anuais, estimando-se que atualmente tenha 5.068 anos de idade!. (However we will still have time to remember that at least 120 drugs come from plant sources, many of them from bark, which can have a maximum height of 130 m (430 ft), but many people believe that the specimen known highland of the Earth, is a coastal sequoia, in Redwood National Park, California, that we have visited!. Just as the oldest living tree with a verified age is also in California, it is a “Bristlecone Great Basin” pine that continues to grow in the White Mountains!. It was dated by drilling a central sample, counting its annual rings, estimating that it is currently 5,068 years old)!.

…pensando que ainda não somos tão velhos como uma árvore, estamos gratos do coração por ainda nos acompanharem e, se não é pedir-vos muito, ao passarem por uma árvore, se tiverem algum tempo disponível e a temperatura for alta, apreciem-na, nem que seja a sua sombra, porque as árvores são muito importantes na nossa vida, pelo menos neste continente Norte Americano, onde nos dizem que, a democracia começou quando o “Grande Pacificador” formou a Confederação Iroquois, inspirando os guerreiros das cinco nações americanas originais a enterrar suas armas sob a “Árvore da Paz”, um pinheiro branco oriental e, na história da criação na Bíblia, a “Árvore da Vida” e o conhecimento do bem e do mal, foram plantados por Deus no Jardim do Éden!. (Thinking that we are not yet as old as a tree, we are grateful of the heart for still following us, and if it is not asking you much, when passing through a tree, if you have some time available and the temperature is high, appreciate, even if it is their shadow, because the trees are very important in our life, at least in this North American continent, where we are told that, democracy began when the “Great Peacemaker” formed the Iroquois Confederation, inspiring the warriors of the five original American nations to bury their weapons under the “Tree of Peace,” an Eastern white pine tree, and in the history of creation in the Bible the “Tree of Life” and the knowledge of good and evil were planted by God in the Garden of Eden)!.

Tony Borie, March 2019.

…walk alone or in good company!

…walk alone or in good company!

..caminhar sózinho ou em boa companhia!. (walk alone or in good company)!.

…enquanto nós, ocasionalmente, por motivos da nossa companheira e esposa Isaura, se encontrar em convalescença de uma pequena cirurgia, caminhamos sózinhos, aproveitando a oportunidade e a tranquilidade para refletir sobre a nossa já um pouco longa vida!. (While we occasionally, on the grounds of our companion and wife Isaura, find ourselves convalescent of a minor surgery, we walk alone, taking the opportunity and the tranquility to reflect on our already a little long life)!.

…outras pessoas gostam de andar acompanhadas, proporcionando uma boa conversa, que pode ajudar a enfrentar uma caminhada mais difícil, lidando com longos e tediosos trechos, lutando contra o tempo e outras dificuldades juntos!. Um acompanhante pode ajudar-nos a decidir o caminho certo e, o que fazer quando estivermos em dificuldades e até aprofundar amizades, conversando sobre as nossas esperanças e possíveis problemas!. (Other people like to walk accompanied, providing a good conversation, which can help tackle a more difficult walk, dealing with long and tedious stretches, fighting against time and other difficulties together!. An escort can help us decide the right path, and what to do when we are in difficulties and even deepen friendships, talking about our hopes and possible problems)!.

…nós, com alguma experiência, procuramos caminhos rurais e tranquilos, sobretudo com vegetação, se possível com impressionante paisagem de água e com raios de sol, no entanto, se surgir uma chuva miudinha não ficamos desapontados, pelo contrário, até agradecemos a dádiva!. (We, with some experience, look for rural and tranquil paths, especially with vegetation, if possible with impressive landscape of water and rays of sun, however, if a small shower arises we are not disappointed, on the contrary, we even thank the gift!.

…procuramos este tempo para apreciar a paisagem, tirar fotos, e claro, conversar com outros caminhantes que por nós vão passando, considerando-nos um “artista da terra”, de contacto com a natureza, reivindicando para nós este acto de caminhar como “uma arte”!. (We look for this time to appreciate the landscape, to take photos, and of course, to talk with other walkers who are passing through us, considering us a “artist of the earth”, contact with nature, claiming for us this act of walking as “an art”)!.

…os próprios passos dos nossos pés, são um trabalho que fazem parte da paisagem que percorremos, do tempo, do espaço, onde uma simples significância, como uma folha caída, uma ave passando, um réptil escondendo-se, uma árvore centenária, são uma “prenda da natureza pura”, compensando-nos da aventura de não sabermos o que nos pode acontecer depois daquela curva, depois daquele riacho! No entanto, uma coisa é certa, o espaço significa distância e, “uma obra de arte, pode muito bem ser uma jornada”!. (The footsteps of our feet are a work that is part of the landscape we travel, time, space, where a simple significance, like a fallen leaf, a passing bird, a reptile hiding, a centennial tree , are a “gift of pure nature”, compensating us for the adventure of not knowing what can happen to us after that curve, after that stream! However, one thing is certain, space means distance and, “a work of art, may well be a journey”)!.

…já caminhámos em áreas rurais, em praias, em desertos, em pequenas áreas de famosas trilhas, como “Santa Fé”, “Oregon”, “Mormon”, “Califórnia” ou “Appalachian”!. (We have already walked in rural areas, beaches, deserts, small areas of famous trails, such as “Santa Fe”, “Oregon”, “Mormon”, “California” or “Appalachian”)!.

…já caminhámos em pequenas áreas de estradas desertas como do “Alaska Highway”!. (We have already walked on small areas of deserted roads such as the “Alaska Highway”!.

…do “Dalton Highway”!. (The “Dalton Highway”)!.

…ou da “Estrada 66”!. (or “Route 66”)!.

…já atravessámos nos dois sentidos a famosa ponte “Golden Gate” na baía de São Francisco, onde num espaço de horas, tivémos a sensação de receber na face, a brisa do pacífico, com algum nevoeiro, sol, frio ou calor!. (We have crossed both ways the famous Golden Gate Bridge in San Francisco Bay, where in a space of hours we had the sensation of receiving the Pacific breeze with some fog, sun, cold or heat)!.

…onde entre outras curiosidades, vamos apreciando colinas, montanhas, desertos, rochas esculpidas por forças naturais, capturando momentos mágicos em fotografias, onde estão representados linhas e círculos, feitos com materiais que encontramos nesses locais!. (Where, among other curiosities, we enjoy hills, mountains, deserts, rocks sculpted by natural forces, capturing magical moments in photographs, where lines and circles are represented, made with materials that we find in these places)!.

…gravámos algumas imagens ao redor do mundo, deixámos algumas marcas, feitas com pedras ou pedregulhos alinhadas em leitos secos de rios e baías, como na aldeia de Homer, no Alaska, traçámos sulcos na areia de muitas praias, de alguns oceanos, os “nossos passos, fizeram marcas, as nossas pernas carregaram e ajudaram a medir o mundo”, mas sempre com a convicção de que, “adoramos caminhar, adoramos a conexão do nosso próprio corpo com a natureza, somos nós para o mundo”, agradecendo ao “Criador” por termos vivido, por termos existido!. (We recorded some images around the world, left some marks, made of stones or boulders lined up in dry beds of rivers and bays, as in the village of Homer, Alaska, we made grooves in the sand of many beaches, “our steps, made marks, our legs carried and helped to measure the world”, but always with the conviction that, “we love to walk, we love the connection of our own body with nature, we are to the world”, thanking the “Creator” for having lived, for having existed)!.

…hoje, o tempo não está limpo, o sol ainda não apareceu, no entanto é nossa intenção caminhar, talvez na praia de Matanzas, aqui próximo de casa, esculpir os nossos pés na areia molhada, cujas marcas vão ser levadas pela maré seguinte, ou ajustar alguns galhos de uma árvore caída no areal, trazida pela maré, não sabemos de onde, para um primeiro plano de uma foto, que pode ser de lama e água, paus e pedras, ou da pequena floresta da baía do rio Matanzas!. (Today, the weather is not clear, the sun has not yet appeared, however it is our intention to walk, perhaps on the beach of Matanzas, near here, to carve our feet in the wet sand, whose marks will be carried by the tide next, or adjust some branches of a fallen tree in the sand, brought by the tide, we do not know from where, to a foreground of a photo, which may be mud and water, sticks and stones, or the small river bay forest Matanzas)!.

…a arte está nos nossos olhos de observador, na mente do criador, onde todos podemos ter um significado oculto e profundo, ou um impacto visual vigoroso, nas coisas mais simples, seja nas cidades, (detestamos cidades), ou num deserto!. Muitas vezes notamos o que os outros não percebem, percebendo nós e, talvez capturando esses momentos, que podem dar uma dimensão extra às nossas experiências de caminhadas!. (Art is in our eyes of observer, in the mind of the creator, where we can all have a deep and hidden meaning, or a powerful visual impact, in the simplest things, be it in cities, (we detest cities), or in a desert!. We often notice what others do not realize, noticing us and, perhaps capturing those moments, that can give an extra dimension to our hiking experiences)!.

Tony Borie, February 2019.

…Dead Horse Point State Park!.

…Dead Horse Point State Park!.

Parque Estadual Ponto do Cavalo Morto!. (Dead Horse Point State Park)!.

…os verdadeiros lugares, aqueles que nos deslumbram ao primeiro olhar, não estão descritos, ou mesmo mencionados em nenhum mapa, é quase como dizer, “nunca são”!. Por esta razão, a vida de um viajante é uma aventura ousada, “ou nada”!. Vamos mesmo mais longe ao ponto de dizer-mos que, a aventura pode-nos causar alguns danos, mas a monotonia, o estar-mos estacionados em um só lugar, causa-nos mais danos, pode-nos até matar, que é uma palavra feia, horrível mesmo, o que, pelo menos na nossa já um pouco avançada idade, era uma espécie de libertação, de final de um dever cumprido!. (The real places, those that dazzle us at first glance, are not described, or even mentioned in any map, is almost like saying, “never are!” For this reason, the life of a traveler is a daring adventure, “or nothing”! We go even further to the point of saying that adventure can cause us some damage, but monotony, being parked in one place, causes us more damage, can kill us, which is a ugly word, horrible even, which, at least in our already somewhat advanced age, was a kind of liberation, end of a duty fulfilled)!.

…deixemos estas palavras de “final de um dever cumprido” e, pensar que, daqui a alguns anos, pelo menos não ficaremos desapontados com as coisas que não fizémos e poderíamos fazer!. Portanto, tiramos as amarras, navegamos para longe do porto seguro, aproveitamos os ventos alísios, como os navegadores de outrora fizeram na era dos descobrimentos, desfraldamos as velas, vamos à aventura, vamos explorar, vamos descobrir, vamos fazendo algumas viagens de estudo!. (Let us leave these words “end of a duty fulfilled” and think that in a few years at least we will not be disappointed with the things we did not and could do! Therefore, we take the moorings, sail away from the safe harbor, take advantage of the trade winds, as the navigators of yesteryear did in the era of discoveries, unfurl the sails, let’s adventure, let’s explore, let’s find out, let’s do some study trips)!.

…vamos, quando nos é possível, percorrendo este enorme continente norte americano que, alguns historiadores dizem, que depois dos seus habitantes nativos, a que chamaram “Índios”, foram as emprezas de navegação, constituídas com o apoio do governo de diversos países, principalmente oriundos da Europa, na procura do ouro, da prata, do lucro, do enriquecimento rápido, compostas por aventureiros, vulgo “corsários”, que pouco a pouco, foram controlando os tais nativos, a que como já mencionámos chamaram “Índios”, colocando-os em pequenas áreas a que chamaram “Reservas”!. (We go, when possible, to travel across this enormous North American continent, which some historians say, that after its native inhabitants, what they called “Indians”, were the shipping companies, constituted with the support of the government of several countries, mainly from Europe, in the search for gold, silver, profit, and rapid enrichment, composed by adventurers, commonly known as “corsairs”, who little by little controlled the natives, who, as we have already mentioned, called “Indians”, putting them in small areas they called “Reservations”)!.

…quase sempre em nome da civilização, às vezes de uma ou outra religião, foram avançando, ocupando, repovoando estas imensas e maravilhosas planícies, desertos, praias, planaltos, desfiladeiros, rios, lagos ou cordilheiras de montanhas, cobertas de árvores e outra vegetação, com séculos, trazendo com eles uma civilização moderna, onde primeiro, vinham os tais guerreiros, (corsários), treinados para combate, depois traziam pessoas que, começando por viver em grupo, acabavam por se constituir em famílias!. (Almost always in the name of civilization, sometimes of one religion or another, have been advancing, occupying, repopulating these immense and wonderful plains, deserts, beaches, plateaus, ravines, rivers, lakes or mountain ranges covered with trees and another vegetation, with centuries, bringing with them a modern civilization, where first came the warriors, (corsairs), trained for combat, then brought people who, starting with living in a group, eventually became families)!.

…este pequeno resumo serve para ilustrar a história de hoje, onde nós, rumo em direcção ao leste, vindos do oeste, tínhamos dormido num parque de caravanas, numa pequena povoação, que é um encontro de estradas, localizada às margens do Rio Verde, um importante afluente do rio Colorado, a que dão o nome de Rio Verde, no estado de Utah!. Alguns dos seus habitantes orgulham-se em nos dizer que, a rota comercial da Antiga Trilha Espanhola, nos de 1829 a 1850 atravessou o Rio Verde, originando aqui o assentamento de Rio Verde, que começou como uma travessia do rio, onde um tal Sr. Blake montou ao lado leste do rio, uma barcaça e uma estação de caminho, tornando-se numa paragem para viajantes, tal como nós, onde havia essa tal barcaça para transportar pessoas, suprimentos e animais, para o outro lado do rio!. (This brief summary serves to illustrate today’s story, where we, heading east from the west, had slept in a caravan park, in a small settlement, which is a road meeting, located on the banks of the Green River, an important tributary of the Colorado River, which they call Green River, in the state of Utah!. Some of its inhabitants are proud to tell us that the trade route of the Old Spanish Trail between 1829 and 1850 crossed the Green River, originating here the settlement of Green River, which began as a crossing of the river, where a Mr. Blake rode to the east side of the river, a barge and a station of road, becoming a stop for travelers, just like us, where there was such a barge to transport people, supplies and animals, across the river)!.

…uns dias antes, quando viajávamos em direcção ao oeste, parámos na margem sul do Parque Nacional de Canyonlands, percorrendo parte do parque, até que o trajecto da estrada acabou, não permitindo seguir mais em frente!. O cenário era maravilhoso, mas não se podia prosseguir, pensando nós que talvez só fosse possível visitar essa área viajando do lado norte!. Era verdade, pois a informação que recebemos posteriormente era nesse sentido e, agora situados na parte norte, fomos visitar essa área a que dão o nome de Parque Estadual Ponto do Cavalo Morto!. (A few days earlier, as we traveled westward, we stopped on the south bank of Canyonlands National Park, traversing part of the park, until the road was over, not allowing us to go any further! The scenery was wonderful, but we could not go on, thinking we might only be able to visit this area traveling on the north side! It was true, because the information we received later was in that sense, and now located in the northern part, we went to visit this area that they call the Dead Horse Point State Park)!.

…valeu a pena, pois o dramático panorama do rio Colorado e do Parque Nacional de Canyonlands, que uns dias antes tínhamos visitado, cobre 5.362 acres (2.170 ha) de deserto elevado a uma altitude de 1.800 m.!. (It was worth it, for the dramatic panorama of the Colorado River and Canyonlands National Park, which a few days before we had visited, covers 5,362 acres (2,170 ha) of high desert at an altitude of 1,800 m)!.

…tem vários miradouros com cenários deslumbrantes, trilhas para caminhadas de montanha, algumas estradas pavimentadas e, a história que lhe dá o nome de Ponto do Cavalo Morto, tem sido frequentemente anotado em listas de nomes de lugares incomuns, pois nasceu pela causa do seu uso como um curral natural para cowboys, no século desanove, onde alguns cavalos morriam de exposição solar!. Mais tarde, também ganhou alguma fama porque a sua área também foi usada na cena final “Grand Canyon” do filme de 1991, Thelma & Louise!. (There are several belvederes with stunning scenery, mountain hiking trails, some paved roads and the history that gives it the name of Dead Horse Point, has often been annotated in lists of names of unusual places, because it was born for the cause of its use as a natural corral for cowboys, in the desanove century, where some horses died from sun exposure!. Later, it also gained some fame because its area was also used in the final scene “Grand Canyon” of the 1991 film, Thelma & Louise)!.

…segundo a lenda, Ponto do Cavalo Morto, recebeu esse nome porque o topo deste planalto, serviu como um curral natural com altos penhascos verticais em todos os lados, menos um!. Apenas uma estreita faixa de terra de cerca de 30 metros de largura ligava o Ponto do Cavalo Morto, a um planalto muito maior, chamado Ilha no Céu, agora parte do Parque Nacional de Canyonlands, que já tínhamos visitado anteriormente!. (According to legend, Dead Horse Point, received that name because the top of this plateau, served as a natural corral with high vertical cliffs on all sides, minus one!. Only a narrow strip of land about 30 feet wide connected the Dead Horse Point to a much larger plateau called the Island in the Sky, now part of Canyonlands National Park, which we had previously visited)!.

…todas as lendas assentam na mesma história!. Claro, primeiro, os nativos americanos como um todo, uniram-se para resistir à invasão espanhola, depois, por volta do ano de 1850, vieram as pessoas da fé Mórmon, para estabelecer os seus assentamentos na região do Moabe e outras áreas do sudeste do hoje estado do Utah e, das muitas histórias sobre como esse alto promontório de terra, que recebeu este nome incomum, como o Ponto do Cavalo Morto, sempre resistiu, como sendo uma península de rocha no topo de penhascos de arenito!. (All the legends are based on the same story! Of course, first, the Native Americans as a whole united to resist the Spanish invasion, then, around the year 1850, came the people of the Mormon faith, to establish their settlements in the Moab region and other areas of the Southeast of today’s state of Utah and, of the many stories about how this high land promontory, which received this unusual name, like the Dead Horse Point, has always resisted, as being a rock peninsula on top of sandstone cliffs)!.

…como anteriormente já mencionámos, se nos situarmos em qualquer dos seus estratégicos miradouros, podemos verificar que esta península é conectada ao planalto por uma estreita faixa de terra que, de acordo com a tal lenda, o ponto foi usado como um curral para os mustang selvagens que percorriam o topo do planalto!. Os cowboys reuniam esses cavalos, no estreito braço de terra que ainda tem apenas 30 metros de largura, que era cercado com galhos e arbustos!. (As we have already mentioned, if we stand on any of its strategic belvederes, we can verify that this peninsula is connected to the plateau by a narrow strip of land that, according to such legend, the point was used as a corral for the wild mustangs that roamed the top of the plateau! The cowboys gathered these horses, in the narrow arm of land that is still only 30 meters wide, which was surrounded with twigs and bushes)!.

…isso criou um curral natural cercado por penhascos íngremes para baixo em todos os lados, não permitindo escapatória!. Os cowboys então escolhiam os cavalos que queriam, todavia certa vez, por alguma razão desconhecida, os cavalos ficaram encalhados naquele ponto sem água, onde morreram de sede à vista do rio Colorado, a dois mil metros abaixo!. (This created a natural corral surrounded by steep cliffs down on all sides, not allowing escape!. The cowboys then chose the horses they wanted, but once, for some unknown reason, the horses were stranded at that point without water, where they died of thirst in sight of the Colorado River, two thousand meters below)!.

…esperamos que tenham gostado da história de hoje porque, a vida é curta e o mundo é muito grande e, não é o que olhamos que importa, é o que vemos, porque quando duas estradas divergiram numa planície ou numa floresta, nós como somos aventureiros, seguimos quase sempre a menos percorrida, porque também é isso que faz quase toda a diferença para quem gosta de aprender!. (We hope you have enjoyed the story of today because life is short and the world is very big and it is not what we look at that matters, it is what we see, because when two roads diverged on a plain or a forest, we as we are adventurous, we almost always follow the less traveled, because that is also what makes almost all the difference for those who like to learn)!.

Tony Borie, February 2019.

…maybe a little crazy and something aggressive!.

…maybe a little crazy and something aggressive!.


…talvez um pouco loucos e algo agressivos!. (maybe a little crazy and something aggressive)!.

…talvez dezenas, talvez centenas de vezes temos mencionado aqui a Guerra Colonial Portuguesa em África!. Quiz o destino que lá fossemos parar, participando nela como combatentes, quando ainda éramos jovens, quando a nossa mente devia de estar desanuviada para aprender e procurar motivos de aprendizagem para uma educação de vida sã, de família, produtiva e útil, para ajudar a continuação de um futuro mundo mais justo, sobretudo onde houvesse paz, prosperidade e no mínimo, as crianças tivessem um simples farrapo a cobrir-lhes o corpo e um naco de pão para se alimentarem!. No fundo, no fundo, houvesse, compreenção e alguma benevolência, entre as pessoas!. (Maybe dozens, maybe hundreds of times we have mentioned here the Portuguese Colonial War in Africa!. Perhaps the fate that we would stop there, participating in it as combatants, when we were still young, when our mind should be cleared to learn and look for learning motives for a healthy, productive family life, useful education to help the continuation of a more just world, especially where there was peace, prosperity and, at the very least, the children had a simple rag to cover their bodies and a loaf of bread to feed themselves!. Deep down, deep down, there was understanding and some benevolence among people!

…em lugar de todas estas virtudes, vivemos momentos de angústia, de medo, de sofrimento, de fúria, de injustiças, de actos de profunda repugnância e violência, onde resultaram, combates, ataques nocturnos com granadas de morteiro e balas de espingarda metralhadora, minas e fornilhos a rebentarem e matarem companheiros também jovens como nós!. (Instead of all these virtues, we live in moments of anguish, fear, suffering, fury, injustice, acts of deep repugnance and violence, resulting in night fighting with mortar shells and shotgun bullets machine gun, mines, and fangs to burst and kill fellows who are also young)!.

…de emboscadas traiçoeiras e mortíferas nas savanas, rios e pântanos cobertos de lama e tarrafo que, passado dois anos e, quando regressámos à Europa, já como veteranos de combate, passando por algumas experiências de vida mais traumáticas que se possam imaginar, onde a família que nos recebeu, sabia, notava imediatamente, que alguma coisa estava mal connosco, pela nossa linguagem, maneira de se comportar, pois estávamos diferentes, talvez um pouco loucos e algo agressivos!. (Of treacherous and deadly ambushes on the savannahs, rivers and marshes covered with mud and a pipe that, two years later, and when we returned to Europe, already as veterans of combat, going through some more traumatic life experiences that can be imagined, where the family that received us, knew, noticed immediately, that something was wrong with us, by our language, way to behave, because we were different, maybe a little crazy and something aggressive)!.

…esse nosso aspecto era normal, era o preço muito elevado de ter servido a nação numa zona de guerra, era a lotaria da vida onde nos pode sair um bilhete premiado com a morte, era o síndrome de guerra que nos leva por todo o tempo do resto das nossas vidas, a uma pesada viajem no coração das trevas!. (This aspect of us was normal, it was the very high price of having served the nation in a war zone, it was the lottery of life where we can get a ticket rewarded with death, it was the war syndrome that takes us all over the time of the rest of our lives, to a heavy journey in the heart of darkness)!.

…no fundo, no fundo, éramos sobreviventes de uma maldita guerra de guerrilha, numa região de África, onde uma das partes mais trágicas, para alguns talvez esperançosa, era a cara da necessidade humana!. Era o doente abandonado, a família faminta, a criança que não sabia ler, eram homens e mulheres, alguns sem abrigo, com roupa em farrapos, lutando pela sobrevivência, numa terra muito rica e com um solo muito fértil!. (Deep down we were survivors of a bloody guerrilla war in an area of Africa where one of the most tragic parts, to some perhaps hopeful, was the face of human need!. It was the abandoned patient, the famished family, the child who could not read, were men and women, some homeless, clothed in rags, struggling for survival, in a very rich land with a very fertile soil!

…e tudo isto começou porquê?. Porque, sobretudo quando os navegadores portugueses, ainda no século quinze, saindo da Europa, navegando junto à costa quase sempre com terra à vista, vindo a terra aqui e ali, muitas vezes para se abastecerem de água ou outros produtos de sobrevivência onde, dando largas ao seu instinto de guerreiros, geravam lutas, demonstrando a ganância da conquista de pequenos portos, vilas ou aldeias por onde passavam, começando a chegar à costa de África, concentrando as suas energias no golfo da Guiné, navegando mesmo até Angola!. No início, esperavam encontrar ouro mas, em toda aquela região, logo descobriram que os escravos eram um bem mais valioso, ali à sua disposição, disponíveis, e claro, para uma possível exportação!. (And all this started why?. Because, especially when the Portuguese navigators, still in the fifteenth century, leaving Europe, sailing along the coast almost always with land in sight, coming to land here and there, often to stock up on water or other survival products where, giving long in their instinct of warriors, generated fights, demonstrating the greed of the conquest of small ports, villages or villages where they passed, beginning to reach the coast of Africa, concentrating their energies in the Gulf of Guinea, sailing even to Angola!. At first they hoped to find gold, but throughout that region they soon discovered that slaves were a more valuable commodity, there at their disposal, available, and of course, for possible export)!.

…se consultar-mos a história universal, ela diz-nos que, o Império Islâmico já estava por lá estabelecido no comércio de escravos africanos, talvez por séculos, ligando-o ao comércio de escravos árabes!. Todavia, os portugueses que haviam conquistado o porto islâmico de Ceuta no ano de 1415, assim como várias outros portos, vilas ou aldeias no que é hoje o actual país Marrocos, no que chamavam uma cruzada contra os vizinhos islâmicos, conseguiram estabelecer-se com sucesso naquela área!. (If we look at universal history, it tells us that the Islamic Empire was already established there in the African slave trade, perhaps for centuries, linking it to the Arab slave trade!. However, the Portuguese who had conquered the Islamic port of Ceuta in 1415, as well as several other ports, villages or villages in what is now Morocco today, in what they called a crusade against their Islamic neighbors, managed to establish themselves with success in that area)!.

…portanto, viram, aprenderam!. Lá na Guiné, assim como em toda a costa até Angola, alguns países europeus rivais, já ocupavam grande parte do comércio (principalmente escravos) enquanto os governantes africanos locais confinavam os portugueses à costa, para onde enviavam os africanos escravizados para os tais portos, vilas ou aldeias, ocupados pelos portugueses, ou mesmo para alguns fortes na costa de África, que mais tarde se foram construindo, de onde eram exportados!. (Therefore, they have seen, they have learned!. There in Guinea, as well as all the coast to Angola, some rival European countries already occupied much of the trade (mainly slaves) while the local African rulers confined the Portuguese to the coast, where they sent the Africans enslaved to such ports, villages or villages occupied by the Portuguese, or even for some forts on the coast of Africa, which were later built, from where they were exported)!

…claro, houve lutas pela ocupação e domínio do território ao longo da costa, da Guiné até Angola, pois os portugueses queriam consolidar a sua vantagem contra invasões de rivais holandeses, britânicos e franceses!. No entanto, as cidades portuguesas fortificadas de Luanda (estabelecida em 1587 com 400 colonos portugueses) e Benguela (um forte de 1587, uma cidade de 1617) permaneceram quase continuamente em mãos portuguesas!. (Of course, there were struggles for occupation and domination of the territory along the coast, from Guinea to Angola, as the Portuguese wanted to consolidate their advantage against invasions of Dutch, British and French rivals!. However, the fortified Portuguese cities of Luanda (established in 1587 with 400 Portuguese settlers) and Benguela (a fort of 1587, a city of 1617) remained almost continuously in Portuguese hands)!.

…tal como na Guiné, o comércio de escravos tornou-se a base da economia local em Angola!. As excursões eram cada vez mais para o interior, para obter cativos que foram vendidos por governantes africanos!. A principal fonte desses escravos, foram os capturados como o resultado da perda de uma ou outra guerra, ou de conflitos entre etnias com outras tribos africanas, todavia o resultado foi que, mais de um milhão de homens, mulheres e crianças foram enviados de toda a costa africana, desde a Guiné até Angola, para o outro lado do Atlântico!. Nesta região, diferentemente da Guiné, o comércio permaneceu em grande parte nas mãos dos portugueses, onde quase todos os escravos foram destinados ao Brazil!. (As in Guinea, the slave trade became the basis of the local economy in Angola!. The excursions were more and more inland, to get captives that were sold by African rulers!. The main source of these slaves were captured as the result of the loss of either war or ethnic conflict with other African tribes, but the result was that more than one million men, women, and children were sent from all the African coast, from Guinea to Angola, to the other side of the Atlantic!. In this region, unlike Guinea, trade remained largely in the hands of the Portuguese, where almost all slaves were destined for Brazil)!.

…mais tarde, na disputa pela África, durante a Primeira Guerra Mundial, tal qual como o dividir do espólio de qualquer saque, a reivindicação das Colónias Africanas de Portugal, foi reconhecida pelas outras potências europeias durante a década de 1880, onde os limites finais da África Portuguesa foram acordados pela negociação na Europa, no ano de 1891, onde Portugal ficou com o controle efectivo de pouco mais do que a faixa costeira desde a Guiné, passando por Angola até Moçambique!. (Later in the dispute over Africa during World War I, just as the division of the spoils of any plunder, the claim of the African Colonies of Portugal, was recognized by the other European powers during the 1880s, where the final boundaries of Portuguese Africa were agreed by the negotiation in Europe in the year 1891, where Portugal was effectively in control of little more than the coastal strip from Guiné, through Angola to Mozambique)!.

…na Segunda Guerra Mundial e, já no final da década de 1950, as Forças Armadas Portuguesas viram-se confrontadas com o paradoxo gerado pelo regime ditatorial do Estado Novo que se encontrava no poder desde 1926!. Por um lado, a política de neutralidade portuguesa na Segunda Guerra Mundial colocou as Forças Armadas Portuguesas fora do caminho de um possível conflito Leste-Oeste, por outro lado, o regime sentiu a crescente responsabilidade de manter sob controle as suas Colónias Ultramarinas em África e, assim proteger os cidadãos que por lá habitavam!. (In the Second World War, and in the late 1950s, the Portuguese Armed Forces found themselves confronted with the paradox generated by the dictatorial regime of Estado Novo, which had been in power since 1926!. On the one hand, the policy of Portuguese neutrality in World War II put the Portuguese Armed Forces out of the way of a possible East-West conflict, on the other hand, the regime felt the growing responsibility of keeping its Overseas Colonies in control in Africa and, thus protecting the citizens who lived there)!.

…assim, Portugal viu como solução, ingressar na OTAN, Organização do Tratado do Atlântico Norte, também chamada de Aliança do Atlântico Norte, que é uma aliança militar intergovernamental entre 29 países norte-americanos e europeus, como membro fundador em 1949, integrado nos seus vários comandos militares e que, constitui um sistema de defesa colectiva pelo qual os seus estados membros independentes concordam com a defesa mútua em resposta a um ataque de qualquer parte externa!. Naquela época, o principal foco da OTAN, era a prevenção de um ataque soviético convencional contra a Europa Ocidental, em detrimento dos preparativos militares contra as revoltas guerrilheiras nas Províncias Ultramarinas de Portugal, consideradas essenciais para a sobrevivência da nação!. (Thus, Portugal saw as a solution, joining NATO, North Atlantic Treaty Organization, also called the North Atlantic Alliance, which is an intergovernmental military alliance between 29 North American and European countries, as a founding member in 1949, integrated into its various military commands and which constitutes a system of collective defense by which its independent member states agree to mutual defense in response to an attack from any outside! At that time, NATO’s main focus was the prevention of a conventional Soviet attack against Western Europe, to the detriment of military preparations against guerrilla revolts in the Overseas Provinces of Portugal, considered essential for the survival of the nation)!.

…depois, depois veio a revolta do povo africano, veio a Guerra Colonial Portuguesa em África que, nas aldeias e vilas de Portugal era conhecida como a Guerra Ultramarina e, nas então Colónias Portuguesas de África, o povo que lutava pela libertação e independência do seu território, chamava a Guerra de Libertação, entre os anos de 1961 e 1974, que foi travada entre os militares (muitos eram milicianos e forçados), ao serviço do então governo de Portugal e os emergentes movimentos nacionalistas que se foram criando nas então Colónias Africanas Portuguesas, onde no fundo, no fundo, nenhuma das partes saíu vencedora, porque entretanto, elementos das Forças Armadas Portuguesas deram um golpe de estado, na capital do então Portugal Colonial, a cidade de Lisboa, no mês de Abril, no ano de 1974, derrubando o governo, cujo pretexto, era um protesto contra o custo e a duração desta, como já anteriormente dissémos, maldita e sangrenta guerra!. (Then came the revolt of the African people, the Portuguese Colonial War in Africa came to be known in the villages and towns of Portugal as the Overseas War, and in the then Portuguese Colonies of Africa the people fighting for liberation and independence, called the Liberation War between 1961 and 1974, which was fought between the military (many were militias and forced), serving the then Portuguese government and the emerging nationalist movements that were Portuguese Colonies, where, deep down, neither party was victorious, because in the meantime, elements of the Portuguese Armed Forces gave a coup in the capital of Portugal Colonial, the city of Lisbon, in April, in the year 1974, overthrowing the government, whose pretext was a protest against the cost and duration of this, as we have said before, damn and bloody war)!.

…e nós, ainda jovens, oriundos da Europa, com uma educação de aldeia, onde os princípios honestos de família vinham de há séculos, vivemos todo este cenário, muitas vezes a angústia, o desespero e o medo!. Todavia ainda vamos escrevendo, com a intenção de que a nossa dor, sirva de exemplo, sobretudo para os jovens, para que nunca se envolvam em nenhum conflito armado!. (And we, still young, from Europe, with a village education, where the honest principles of family came from centuries ago, we live this whole scenario, often the anguish, despair and fear!. However, we are still writing, with the intention that our pain be an example, especially for young people, so that they never get involved in any armed conflict)!.

…longe do nosso pensamento, recordar aquele ditado que diz, “É frustante quando você conhece quase todas as respostas, mas ninguém se preocupa em fazer as perguntas”!. Não, não é essa a nossa intenção, temos alguma experiência de vida, já por nós passaram muitas primaveras floridas, muitas temperaturas tórridas de verão, chuvas torrenciais de outono e muitos frios glaciares de inverno, contudo, a força que nos faz mover os dedos, ao passar pelo computador, é o reflexo de momentos de horror, mêdo e angústia, de um veterano de guerra, que deu os melhores anos da sua jovem vida em defesa do seu País, numa guerra sangrenta em África, a milhares de quilómetros da aldeia onde nasceu, combatendo pessoas, que nenhum mal lhe tinham feito antes e, que nem sequer conhecia!. (Far from our thinking, remember that saying that says, “It’s frustrating when you know almost all the answers, but no one cares to ask the questions”!. No, this is not our intention, we have some experience of life, already we have passed many flower springs, many torrid summer temperatures, torrential autumn rains and many cold winter glaciers, yet the force that makes us move our fingers , is a reflection of moments of horror, fear and anguish, of a war veteran, who gave the best years of his young life in defense of his Country, in a bloody war in Africa, thousands of kilometers away from the village where he was born, fighting people, whom no evil had done to him before, and whom he did not even know)!.

Tony Borie, February 2019.

…we walked there, we live this war!.

…we walked there, we live this war!.

…andámos por lá, vivemos esta guerra! (we walked there, we live this war)!.

…como combatentes, ao serviço do então governo colonial de Portugal, vivemos a Guerra Colonial Portuguesa em África que, nas aldeias e vilas de Portugal era conhecida como a Guerra Ultramarina e, nas então Colónias Portuguesas de África, o povo que lutava pela libertação e independência do seu território, chamava a Guerra de Libertação!. (As combatants, at the service of the then colonial government of Portugal, we lived the Portuguese Colonial War in Africa, which in the villages and towns of Portugal was known as the Overseas War and, in the then Portuguese Colonies of Africa, the people fighting for liberation and independence of its territory, called the War of Liberation)!.

…esta maldita guerra de guerrilha, entre os anos de 1961 e 1974, foi travada entre os militares (muitos eram milicianos e forçados), ao serviço do então governo de Portugal e os emergentes movimentos nacionalistas que se foram criando nas então Colónias Africanas Portuguesas, onde foram cometidas muitas atrocidades por todas as forças envolvidas neste maldito e sangrento conflito, no entanto, no fundo, no fundo, nenhuma das partes saíu vencedora, porque entretanto, elementos das Forças Armadas Portuguesas deram um golpe de estado, na capital do então Portugal Colonial, a cidade de Lisboa, no mês de Abril, no ano de 1974, derrubando o governo, cujo pretexto, era um protesto contra o custo e a duração desta, como já anteriormente dissémos, maldita e sangrenta guerra!. (This damn guerrilla war between 1961 and 1974 was fought between the military (many were militia and forced), serving the then Portuguese government and the emerging nationalist movements that were being created in the then African Colonies Portuguese, where many atrocities were committed by all the forces involved in this bloody and bloody conflict, however, deep down, basically none of the parties won, because in the meantime, elements of the Portuguese Armed Forces gave a coup in the capital of then Portugal Colonial, the city of Lisbon, in April 1974, overthrowing the government, whose pretext was a protest against the cost and duration of this, as we have already said, damn and bloody war)!.

…nós combatemos em território da então Província Colonial da Guiné Portuguesa em África, onde fomos colocados num cenário de guerra, tirando-nos do ambiente da nossa aldeia no vale do Ninho de d’Águia, lá na vertente afreste da montanha do Caramulo, do seio da nossa família, deixando de ouvir o comboio das seis e meia, que todos os dias nos acordava, tanto a nós como às ovelhas, às cabras e restantes animais que por lá viviam, de que tanto gostávamos, trouxeram-nos para a cidade, com costumes e pessoas diferentes, deram-nos uma instrução básica, concentrada em matar, ensinaram-nos as partes do corpo, em como se matava, com prolongamento de dor, rápido, com faca, ou simplesmente com as mãos, ensinaram-nos a manusear uma pistola, uma metralhadora ou uma granada e, que a usássemos, para possívelmente matar um ser humano, (o que felizmente, dada a nossa especialidade de “Cripto”, portanto não éramos militar de acção, este cenário nunca nos aconteceu)!. (We fought in territory of the then Colonial Province of Portuguese Guinea in Africa, where we were placed in a scenario of war, taking us from the environment of our village in the valley of the Nest of Eagle, there on the slope of the mountain of Caramulo , from the bosom of our family, not listening to the train of six and a half, which every day woke us up, both us and the sheep, the goats and other animals that lived there, which we liked so much, brought us to the city, with different customs and people, gave us a basic instruction, focused on killing, taught us the parts of the body, how to kill ourselves, with prolonged pain, fast, with knife, or simply with hands, taught to use a pistol, a machine gun or a grenade and that we use it to possibly kill a human being (which fortunately, given our specialty of “Crypto”, so we were not It happened)!.

…embarcaram-nos, tal como uma outra normal mercadoria, no porão de um navio de carga!. Atravessando o oceano, largarando-nos dentro de um miserável e sangrento conflito, a milhares de quilómetros de distância da nossa aldeia, da nossa família e dos nossos amigos, ficando num cenário onde íamos combater pessoas que não conhecíamos e que nada tínhamos em contra, que lutavam e morriam pelo seu território, pela sua indepência e pela sua liberdade!. (Shipped us, just like another normal commodity, into the hold of a cargo ship!. Crossing the ocean, leaving us in a miserable and bloody conflict, thousands of miles away from our village, our family and our friends, settling in a scenario where we were going to fight people we did not know and we had nothing against, who fought and died for their territory, for their independence and for their freedom)!.

…íamos para um cenário de combate muito mal preparados, tando militar como mentalmente, sem equipamento, sem assistência médica conveniente, mal alimentados, forçados e desmotivados, depois de ouvir vezes sem conta o blá, blá, blá, de alguns dos nossos instrutores, tal como as palavras do então chefe governo de Portugal que, num horário nobre da televisão do estado, nos explicava que a nossa mãe Pátria estava ameçada, devíamos defender a nossa bandeira, devíamos ir para a guerra, em força e, declamando solenemente algumas palavras do Hino Nacional, pronunciava solenemente, “contra os canhões, marchar, marchar”!. (We would go to a very badly prepared combat scenario, military as well as mentally, without equipment, without proper medical assistance, poorly fed, forced, and unmotivated, after listening over and over again the blah, blah, blah, of some of our instructors, like the words of the then head of government of Portugal who, in prime time state television, explained to us that our mother Motherland was threatened, we should defend our flag, we should go to war in force and, solemnly declaiming a few words from the National Anthem, solemnly pronounced, “against the guns, march, march”)!.

…e nós, tal como muitos dos nossos companheiros, pensávamos e, sem o notar-mos, falávamos baixinho:

   – que injustiça!. Porque razão nos mandaram para aqui?. Estes naturais olham para nós, vêm tal e qual, como eu os podia ver, se eles invadissem a minha aldeia, lá na vertente agreste da montanha do Caramulo!.

…esta é era uma verdade, que não podíamos esquecer e nos atormentava a todo o momento!

(And we, like many of our companions, thought and, without noticing, we spoke softly:

– What injustice!. Why did they send us here?. These natives look at us, they come as and such, as I could see them, if they invaded my village, there on the rugged slope of Mount Caramulo!.

This was a truth that we could not forget and tormented us all the time)!.

…chegámos a este cenário no ano de 1964, quando uns meses antes, o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) começou o combate, onde os seus guerrilheiros atacaram uma sede portuguesa na vila de Tite, localizada ao sul da cidade de Bissau, a capital, perto do rio Corubal!. Depois, muitas ações semelhantes rapidamente se espalharam por toda o território, exigindo uma presença mais activa das forças portuguesas!. (We came to this scene in 1964, when a few months before the African Party for the Independence of Guinea and Cape Verde (PAIGC) began the fighting, where its guerrillas attacked a Portuguese headquarters in the village of Tite, south of the city of Bissau, the capital, near the river Corubal!. Afterwards, many similar actions quickly spread throughout the territory, requiring a more active presence of Portuguese forces)!.

…a guerra foi-se desenvolvendo com o PAIGC a realizar também ataques na área do norte, onde na altura apenas o movimento menor de guerrilha, que dava pelo nome de Frente para a Libertação e Independência da Guiné (FLING) estava a lutar!. Já nessa altura, o PAIGC começava a receber apoio militar, do Bloco Socialista, principalmente de Cuba, cujo apoio duraria até o fim da guerra!. (The war developed with the PAIGC also to carry out attacks in the northern area, where at the time only the minor guerrilla movement, called the Liberation Front and Independence of Guinea (FLING) was fighting!. By that time, the PAIGC was beginning to receive military support from the Socialist bloc, mainly from Cuba, whose support would last until the end of the war)!.

…as tropas portuguesas assumiram inicialmente uma postura defensiva, limitando-se a defender as vilas e aldeias onde se iam instalando, todavia estas operações defensivas foram muito devastadoras para os militares portugueses, que não estavam familiarizados com o terreno, frequentemente atravessados por rios, pântanos, lama e tarrafo, onde eram regularmente atacados fora das áreas povoadas!. Só algum pempo depois é que existiram operações navais anfíbias, que foram instituídas para superar alguns dos problemas de mobilidade inerentes às áreas subdesenvolvidas e pantanosas do território, utilizando os comandos dos fuzileiros como forças de ataque, todavia a desmoralização era constante, entre outros motivos, pelo crescimento dos simpatizantes que eram recrutados pelo movimento de libertação PAIGC entre a população rural!. (The Portuguese troops initially assumed a defensive posture, limiting itself to defending the villages and villages where they were settling, but these defensive operations were very devastating for the Portuguese military, who were unfamiliar with the terrain, often crossed by rivers , marshes, mud and tarrafo, where they were regularly attacked outside the populated areas!. Only a few moments later, there were amphibious naval operations, which were instituted to overcome some of the mobility problems inherent in the underdeveloped and marshy areas of the territory, using the commandos of the Marines as attacking forces, but the demoralization was constant, among other reasons, by the growth of the sympathizers who were recruited by the PAIGC liberation movement among the rural population)!.

…vivemos esta mortífera guerra em África, por um período de dois anos, regressando ao continente Europeu, um pouco doentes e abalados, com estilhaços de granadas e marcas de ferimentos no corpo, mas continuamos vivos para lembrar, desejando que a paz exista em todo o mundo!. (We live this deadly war in Africa, for a period of two years, returning to the European continent, a little sick and shaken, with pieces of grenades and marks of wounds on the body, but we are still alive to remember, wishing that peace exists all over the world)!.

…e que sobretudo as crianças, possam crescer, sorrir e ser educadas, num ambiente de felicidade e prosperidade!. (and especially children, can grow, smile and be educated, in an atmosphere of happiness and prosperity)!.

Tony Borie February 2019.