…the pig slaughter!.

…the pig slaughter!.

…a matança do porco!. (The pig slaughter)!.

…sem nunca querer ferir a sensibilidade dos nossos leitores, vamos tentar lembrar como se processava a “matança do porco”, na nossa aldeia do Vale do Ninho d’Águia, lá na encosta agreste da montanha do Caramulo, naquele Portugal da nossa juventude!. (Without ever wanting to hurt the sensibility of our readers, let us try to remember how the “pig slaughter” took place in our village in the Valley of the Nest of Eagle, on the rugged hillside of the Caramulo mountain, in that Portugal of our youth)!.

…no texto de hoje quase não existem fotos e, toda esta história, envolve palavras um pouco desagradáveis, como morte, sangue, até talvez alguma tortura, mas vamos lembrar-nos “que não é uma guerra ou um conflito”, antes pelo contrário, é a história de uma festa tradicional, que normalmente ocorria no outono e início do inverno, uma altura em que o tempo naquela região começava a ficar frio, já que o frio era necessário como um método natural de preservar as quantidades relativamente grandes de carne, durante o “massacre” do animal!. (In the text today there are almost no photos and, all this history, involves a few nasty words, like death, blood, maybe even some torture, but let’s remember “it’s not a war or a conflict” before on the contrary, it is the story of a traditional feast, which usually occurred in the fall and early winter, a time when the time in that region began to get cold, since cold was necessary as a natural method of preserving the relatively large quantities of meat, during the “slaughter” of the animal)!.

…afinal, a nossa família não fazia mais do que continuar uma parte essencial das tradições invernais dos primeiros tempos medievais, onde o abate dos suínos era considerado um evento importante na sociedade rural das aldeias e, também uma oportunidade para as famílias se reunirem!. (After all, our family did nothing more than continue an essential part of the winter traditions of the early medieval times, where swine slaughtering was considered an important event in rural village society and also an opportunity for families to gather)!.

…eram alguns dias de fartura, normalmente antes da época do Natal, que nos proporcionavam uma “culinária festiva” onde, antes da “salga” e armazenamento das diferentes partes do animal, havia algum excesso de consumo, não só para a nossa família, como para os vizinhos!. (It was a few days of plenty, usually before the Christmas season, that gave us a “festive cooking” where, before the “salting” and storage of different parts of the animal, there was some excess consumption, not only for our family, to the neighbors)!.

…era um trabalho realizado ao ar livre, preferível quando as temperaturas não ficavam muito abaixo do ponto de congelamento, portanto o abate era processado na estação de inverno, onde as famílias normalmente precisavam produzir alguns resultados antes da época do Natal, principalmente para proporcionar a tal “culinária festiva”!. (Was an outdoor work, preferable when temperatures were not well below freezing, so the slaughter was processed in the winter season, where families usually had to produce some results before the Christmas season, especially for provide such “festive cooking”)!.

…não era o caso na nossa família, onde o porco normalmente tinha uma idade que podia ir de seis meses a um ano, que a mãe Ilda chamava “porco de engorda”, e era morto para sustento da família, onde a mãe Ilda lhe dava de comer e o tratava com algum carinho e uma certa afeição, chegando ao ponto de que, quando se chegava ao momento da “matança”, andar triste, dizendo que não queria ir mais ao curral e, eram só lamúrias que saiam da sua boca, fugindo para casa do senhor Jaime Barbeiro!. No entanto, alguns porcos são abatidos em diferentes idades, como por exemplo os leitões, que são de 1,5 a 3 meses de idade!. (Was not the case in our family, where the pig was usually of six months to a year, which Ilda’s mother called “pig fattening”, and was killed for family support, where the mother Ilda fed him and treated him with some affection and a certain affection, to the point that, when it came to the moment of “killing”, to walk sad, saying that he did not want to go to the corral anymore, and it was just whining that came out from his mouth, fleeing to the house of Mr. Jaime Barber!. However, some pigs are slaughtered at different ages, such as piglets, which are 1.5 to 3 months old)!.

…dizem-nos que, historicamente, o massacre da “matança do porco”, era um ofício que passava de pais para filhos!. Não foi o nosso caso, pois nós presenciávamos esta tarefa, participando nela, mas sempre sentindo um certo receio, no entanto o pai António, era quase professional, era o “matador da aldeia”, seguindo um ritual que vamos tentar exemplificar!. (They tell us that, historically, the massacre of the “pig slaughter” was a trade that went from parents to children!. It was not our case, because we witnessed this task, participating in it, but always feeling a certain fear, nevertheless the father Antonio, was almost professional, was the “matador of the village”, following a ritual that we will try to exemplify)!.

…num ritual quase medieval, ele, o nosso pai António, possuía uma pequena caixa em madeira, onde guardava algumas facas e cutelos, sempre muito bem afiados e limpos, assim como duas cordas pequenas com alguma flexibilidade, mas resistentes!. Entrava no curral, segurando uma corda, passando a sua mão carinhosamente na cabeça do animal, colocando a corda na perna esquerda trazeira, trazendo-o para fora com algum esforço mas sempre sózinho, até ao lugar do sacrifício, que já tinha preparado com algumas tábuas em cima de uns troncos de madeira que tinha trazido uns dias antes das terras altas do pinhal!. (In an almost medieval ritual, he, our father Antonio, had a small wooden box, where he kept some knives and cleavers, always very well sharp and clean, as well as two small strings with some flexibility, but resistant!. He entered the corral, holding a rope, running his hand affectionately on the animal’s head, placing the rope on his left hind leg, bringing it out with some effort but always alone, to the place of sacrifice, which he had already prepared with some boards over some timber trunks he had brought a few days before the upland pinewood)!.

…aí chegado, tocava num lado do lombo do animal, ao mesmo tempo que puxava a corda e, o animal desiquilibrado tombava em cima das tábuas!. O animal, abria a boca, aflito e, aproveitando a oportunidade, logo lhe passava a outra corda através das queixadas inferiores, depois da fileira de dentes, amarrando com força às tábuas!. No entretanto, já o nosso irmão mais velho, o Jorge, tinha feito a mesma coisa, com a corda da perna trazeira!. De seguida, segurava a outra perna trazeira e, o nosso irmão do meio, o Manuel, segurava e abria as pernas da frente!. O pai António, com uma das facas, a maior e bem afiada, dava um golpe fatal, na goela, no local preciso em direcção ao coração, que fazia com que o animal, passado um ou dois minutos estava morto!. (There he touched one side of the animal’s back, at the same time pulling the rope, and the unbalanced animal fell on the boards!. The animal would open its mouth, distressed and, seizing the opportunity, soon passed the other rope through the lower jaws, after the row of teeth, tying tightly to the boards! In the meantime, our older brother, Jorge, had done the same thing, with the back leg rope!. Then he held the other back leg, and our middle brother, Manuel, was holding and opening his front legs!. His father, Antonio, with one of his knives, the largest and most well-honed, gave a fatal blow to the gullet at the precise spot toward the heart, which made the animal, after a minute or two, dead).

…o ritual prosseguia!. Hoje, o animal fica inconsciente por atordoamento eléctrico ou por dióxido de carbono, mas naquele tempo era assim e nós, segurávamos no alguidar, que era um recipiente, em barro vermelho, vidrado, (que também se usava para lavar os pés à noite, antes de ir para a cama), com algum vinho no fundo, que era para misturar no sangue, para não colhar, aparando o sangue do animal, assistindo com algum receio a toda esta operação, ficando traumatizados talvez por uns dias, depois passava, no entanto, hoje, ainda nos lembramos!. (The ritual went on!. Today, the animal is unconscious by electric stunning or carbon dioxide, but at that time it was like that and we held the pot, which was a container of red clay, (which was also used to wash our feet at night before to go to bed), with some wine in the bottom, which was to mix in the blood, not to reap, trimming the blood of the animal, watching with fear the whole operation, being traumatized perhaps for a few days, then passed, however, today, we still remember)!.

…seguindo o ritual de um povo rural de aldeia, com alguma caruma, trazida uns dias antes das já mencionadas terras altas do pinhal, começava o fogo, em cima do animal já morto!. Um fogo lento, suave e controlado, queimando-lhe todos os pêlos!. Depois era lavado e raspado, usando algumas facas, incluindo a mesma faca que o matou!. Terminada esta operação de limpeza, virava-se o corpo do animal de barriga para o ar, colocava-se uma peça de madeira curva, a que lá em casa chamavam “chambaril”, entre as duas pernas trazeiras!. Esta operação, era feita com uma certa habilidade, pois a peça de madeira, era colocada entre o nervo e o osso do animal!. (Following the ritual of a rural village people, with some caruma, brought a few days before the already mentioned highlands of the pine forest, began the fire, on top of the already dead animal!. A slow, gentle and controlled fire, burning all her hair!. Then it was washed and scraped, using a few knives, including the same knife that killed him!. After this cleansing operation, the animal’s body was turned over to the air, a piece of curved wood was placed, which was called “chambaril” in the house between the two hind legs!. This operation was done with a certain skill, for the piece of wood was placed between the nerve and the bone of the animal)!.

…ainda hoje não sabemos se era uma formalidade pagã mas, naquele momento havia um intervalo na tarefa da “matança”!. A mãe Ilda, que tinha fugido para casa do senhor Jaime Barbeiro, já tinha regressado a casa, ainda com algumas lágrimas nos olhos!. Na panela de três pernas, que existia na lareira da cozinha, já tinha cozido algum sangue, pois o resto era para as morcelas e outros ingredientes que constituiriam a culinária para o resto do ano!. Era só uma fervura, deixava-se arrefecer um pouco, curtando-se aos quadrados pequenos, levando algum sal, alho, salsa e um pouco de pimenta, quando havia!. Todo este manjar, era colocado na bacia comunitária, feita de barro vermelho, nicada nas pontas e com alguns “gatos”, (arames colocados para segurar as partes partidas) e era servido aos presentes em cima do animal morto, que estava no chão térreo de barriga ao ar!. Era acompanhado de pão de broa e água pé!. Todo este ritual, um pouco macabro, era normal e, festejado com alegria!. (Even today we do not know if it was a pagan formality, but at that moment there was an interval in the task of “killing”!. Mother Ilda, who had fled to the house of Mr. Jaime Barbeiro, had already returned home, still with some tears in her eyes!. In the three-legged pot that existed in the kitchen hearth, she had already cooked some blood, for the rest was for the morels and other ingredients that would make up the kitchen for the rest of the year!. It was just a boil, allowed to cool a little, craning the small squares, taking some salt, garlic, parsley and a little pepper, when there was!. All this food was placed in the community basin, made of red clay, nicely tipped and with some “cats” (wires placed to hold the broken parts) and was served to those present on top of the dead animal, which was on the ground floor of belly to the air!. It was accompanied by bread and water foot!. All this ritual, a little macabre, was normal and celebrated with joy)!.

…em seguida, arrastava-se o animal para debaixo do cabanal, com uma corda pendurava-se, de modo a ficar mais ou menos, três palmos acima do chão!. O pai António, dava-lhe uns certos golpes, via a qualidade da carne, que era determinada com um golpe nas costas da carcaça, que dividia as duas metades, vendo a sua espessura, (normalmente era de quatro a cinco dedos), retirava-lhe as vísceras e os intestinos, ficando a carcaça a escorrer até ao outro dia!. Nessa noite, nós, na companhia do irmão do meio, o Manuel e do cão Piloto, dormíamos no cabanal guardando a carcaça, simplesmente para os ratos não a roerem!. (Then the animal was dragged under the hut, with a rope hanging, so that it was about three feet above the ground!. Father António gave him a few strokes, he saw the quality of the meat, which was determined by a blow on the back of the carcass, which divided the two halves, seeing its thickness (usually four to five fingers), removed the viscera and the intestines, leaving the carcass to drain until the other day!. That night, we, in the company of the middle brother, Manuel and the Piloto, slept in the hut keeping the carcass, simply for the rats not to gnaw)!.

…ao outro dia, o ritual continuava!. Sem se seguir qualquer padrão de higiene recomendado, que hoje incluiu vários requisitos para as pessoas, ferramentas e o espaço utilizado nesta tarefa, onde todos os envolvidos no “massacre” devem ser saudáveis, com protecção na cabeça, avental e botas, principalmente as suas mãos limpas ou as facas e cutelos também limpos e desinfetados antes do seu uso!. (The next day, the ritual continued!. Without following any standard of hygiene recommended, which today included several requirements for the people, tools and space used in this task, where everyone involved in the “massacre” should be healthy, with protection on the head, apron and boots, especially their clean hands or knives and cleavers also cleaned and sanitized before use)!.

…seguindo os costumes de uma sociedade rural, tradicionalmente patriarcal, onde as mulheres eram responsáveis por tarefas relativamente humildes, como esperar e cozinhar para todos os envolvidos durante todo o evento, mantendo o ambiente limpo (lavar e esfregar), bem como esvaziar as entranhas (tripas), a fim de torná-las adequadas para mais tarde se confeccionarem as chouriças e as morcelas!. Aos homens eram tradicionalmente designados os restantes trabalhos durante o abate como o desmantelamento da carcaça que era cortada em presuntos, ombros, barriga, lombo, costeletas, pernas ou outros cortes de menor importância!. (Following the customs of a traditionally patriarchal rural society where women were responsible for relatively humble tasks such as waiting and cooking for all involved throughout the event, keeping the environment clean (washing and rubbing) as well as emptying the entrails (intestines), in order to make them suitable for later to make the chorizo and morcelas!. Men were traditionally assigned the remaining work during slaughter, such as the dismantling of the carcass which was cut into hams, shoulders, belly, loin, ribs, legs or other minor cuts)!.

…algumas partes do animal eram cozinhadas nesse mesmo dia, como parte da cabeça, que era cozida em vinho tinto, ou alguma carne e gordura das entranhas, a que chamávamos “rojões das tripas”!. (Some parts of the animal were cooked that same day as part of the head, which was cooked in red wine, or some flesh and fat from the bowels, which we called “bowels of guts”)!.

…depois, durante uns dias havia fartura, pois a mãe Ilda fazia rojões, chouriças, morcelas, carne da barriga fresca com feijão e outras iguarias culinárias que faziam a nossa delícia!. Tudo se aproveitava, as várias “sobras” eram colocadas de várias formas para se conservarem por meses, num processo tradicional, até mesmo a parte da pele eram preservadas para serem cozidas com feijão!. (Later, for a few days there was plenty, for her mother Ilda made “rojões” and sausages, fresh belly meat with beans and other culinary delicacies that made our delight!. Everything was taken advantage of, the various “leftovers” were put in various forms to be preserved for months, in a traditional process, even the part of the skin was preserved to be cooked with beans)!.

…sobre a lareira da cozinha havia o fumeiro!. Era uma parte essencial para a preservação e armazenamento a longo prazo de presuntos, chouriças e morcelas, onde a carne era pendurada em prateleiras e ganchos no fumeiro, ficando depois a fumar!. A madeira perfumada, como a nogueira ou a cerejeira era deixada queimando lentamente junto à parede da lareira, que dava um sabor e cor adicionais à carne, além de servir para curar a carne!. (The chimney was over the fireplace!. It was an essential part for the long-term preservation and storage of hams, pork sausages and sausages, where the meat was hung on shelves and hooks in the smoker, then smoking!. The scented wood, like walnut or cherry tree, was left burning slowly by the fireplace wall, which gave an additional flavor and color to the flesh, and served to heal the flesh)!.

…hoje, vamos a um supermercado e vêmos as embalagens de carne de porco, muito bonitas e bem preparadas, ficando nós com uma certa dificuldade em escolher qual a embalagem que devemos comprar, pois todas têm um bom aspecto, todavia naquele tempo, não havendo frigoríficos, quase tudo era “salgado”, ou seja, o sal era esfregado completamente em cada pedaço de carne e todas as superfícies eram cobertas, sendo depois colocadas numa grande caixa de madeira, que a conservava por meses, para mais tarde ser utilizada e então processada em produtos comestíveis!. (Today, we go to a supermarket and see the packages of pork, very beautiful and well prepared, we are with a certain difficulty in choosing which packaging to buy, since they all look good, however at that time, there were no refrigerators, almost everything was “salty”, that is, the salt was completely wiped on each piece of meat and all surfaces were covered, and then placed in a large wooden box, which kept it for months, later to be used and then processed into edible products)!.

…lá na aldeia do Vale do Ninho d’Águia, havia uma série de costumes tradicionais associados à “matança do porco”, havia uma importância mágica especial ligada àquela data, que ocorria no outono e início de inverno, onde os habitantes rurais da nossa aldeia acreditavam que a carne de um porco abatido no Dia de São Tomás (21 de Dezembro) duraria mais!. Também havia uma lenda “cigana” de que, as raparigas colectavam os ossos, espalhando-os pelo quintal, num ritual para fins de uma possível magia amorosa, pois acreditavam que quando um cão arrebatasse o primeiro osso, a rapariga que tivesse jogado o osso, seria a primeira a se casar!. (There in the village of Valley the Nest of the Eagle, there were a number of traditional customs associated with the “slaughter of the pig”, there was a special magical importance attached to that date, which occurred in autumn and early winter, where the rural inhabitants of our village believed that the flesh of a pig slaughtered on St. Thomas’ Day (December 21) would last longer!. There was also a “gypsy” legend that the girls collected the bones, scattering them around the yard, in a ritual for possible lovemaking, believing that when a dog snatched the first bone, the girl who had thrown the bone , would be the first to marry)!.

Tony Borie, April 2019.

…a hell of a place to lose a cow!.

…a hell of a place to lose a cow!.

…um inferno de lugar para perder uma vaca!. (A hell of a place to lose a cow)!.

…vindos do norte, (mesmo do norte deste continente), onde ele termina e nada mais existe, depois de algumas semanas, quase duas dezenas de milhar de milhas, com sol, chuva, calor, frio ou neblina, tempestade de ocasião, estradas pequenas ou grandes, tráfego pesado ou estradas desertas, cruzando lagos, grandes rios ou pequenos riachos, animais ou aves selvagens voando ou atravessando a estrada, cidades grandes ou pequenas, convivendo com pessoas com diferentes costumes, às vezes comendo em alguns restaurantes de estrada, que se podiam considerar bons, normais ou assim assim, mesmo aqueles onde não precisamos de dizer o que queremos, basta pedir a iguaria da foto número 2, 3, 4, 5, ou mesmo 6, onde não importa o sabor dos ingredientes, pois basta banhá-los em “ketchup”, que é um molho na base de uma mistura de condimentos onde sobressaiem sabores específicos, mas que geralmente incluem cebola, pimenta da Jamaica, coentro, cravo, cominho, alho, mostarda, aipo, canela, gengibre, e claro, tomate, pois geralmente é conhecido como “molho de tomate”!. (Coming from the north (even from the north of this continent), where it ends and nothing else exists, after a few weeks, almost two tens of thousands of miles, with sun, rain, heat, cold or mist, storm of occasion, small or large roads, heavy traffic or deserted roads, crossing lakes, large rivers or small streams, animals or wild birds flying or crossing the road, large or small cities, living with people with different customs, sometimes eating in some restaurants road, which could be considered good, normal or so, even those where we do not need to say what we want, just ask for the delicacy of photo number 2, 3, 4, 5, or even 6, where no matter the flavor of the ingredients, since it is enough to bathe them in “ketchup”, which is a sauce based on a mixture of condiments that emphasize specific flavors, but usually include onion, allspice, coriander, cloves, cumin, garlic, mustard, celery, cinnamon gengi bre, and of course, tomato because it is generally known as “tomato sauce”)!.

…tudo isto é verdade e normal em qualquer viajante, mas nós, como já anteriormente dissémos, basta-nos aparecer um cenário de um rio ou mesmo ribeiro, onde exista lugar para estacionar a nossa “White Fox” (nome da nossa caravana), a água fresca esteja mesmo ali, logo é um lugar que consideramos a nossa casa e, o céu aberto será o nosso tecto, e claro, se houver pessoas, ou mesmo animais, serão a nossa família de ocasião!. (All this is true and normal in any traveler, but we, as we have said before, we only have a scene of a river or even a brook where there is a place to park our “White Fox” (name of our caravan ), the fresh water is right there, soon it is a place that we consider our house and, the sky will be open our roof, and of course, if there are people, or even animals, will be our family of occasion)!.

…assim chegámos ao sul do estado de Utah, viajando na estrada estadual número 12, que é uma estrada com um lindo e exótico cenário, chamando-lhe mesmo “Estrada 12 – Uma Viagem Cénica Através do Tempo”, considerada “All-American Road” (Estrada Típica Americana)!. (So we reached southern Utah, traveling on State Highway 12, which is a road with a beautiful, exotic setting, calling it “Highway 12 — A Journey Through Time Scenic Byway”, considered “All-American Road”!

…atravessa a “Floresta Nacional Dixie”, que ocupa quase dois milhões de acres (8.000 km2) e estende-se por cerca de 170 milhas (270 km) em todo o sul de Utah, onde os pinheiros ponderosa cercam as “hoodoos” (são grandes colunas naturais em forma cónica que sustêm no seu topo um bloco de rocha maior, que funciona como protector da erosão até que, com o continuar da erosão, não seja mais possível sustentar esse bloco) de arenito vermelho, que povoam o Red Canyon em abundância!. (Runs through the “Dixie National Forest”, which occupies nearly two million acres (8,000 km2) and extends for about 170 miles (270 km) across southern Utah, where Ponderosa pine surrounds “hoodoos” (are large, conical-shaped natural columns that support a larger block of rock at its top, which acts as a protector of erosion until, as erosion continues, it is no longer possible to sustain this block) of red sandstone, which populate the Red Canyon in abundance)!.

…todavia o Red Canyon certamente não é tão famoso quanto as lendas do “Wild West” (Oeste Selvagem), da área, como Butch Cassidy, pois os seus crimes infames são bem conhecidos em toda a área e, a sua casa de infância era uma cabine situada por aqui!. (However the Red Canyon is certainly not as famous as the legends of the area’s “Wild West”, such as Butch Cassidy, as their infamous crimes are well known throughout the area, and their home childhood was a booth situated here)!.

…no entanto a sabedoria do “Wild West”, fala de um momento em que o velho Butch entrou numa zaragata, numa dança de cidade, em Panguitch, (povoação por onde também passámos), por causa de uma moça, jovem e bonita!. Acreditando que matou um homem com um duro golpe, Cassidy fugiu para as montanhas vermelhas do deserto, hoje conhecidas como Red Canyon!. O homem a quem ele bateu, viveu, mas um grupo perigoso de homens desejosos de matá-lo, foram mandados para encontrá-lo, no entanto Butch conseguiu escapar, escondendo-se ao longo da estrada acidentada que agora é famosa como a “Cassid Trail” (Trilha do Cassid)!. Vamos acabar e esquecer esta história passada por aqui, no entanto esta história deixou o Red Canyon com uma sombra do infame proscrito do “Wild West” e, ao contrário de nós, os habitantes da área não são rápidos em esquecer!. (But the wisdom of the “Wild West” speaks of a moment when old Butch burst into a city dance at Panguitch (a village we passed by), because of a young, beautiful!. Believing he killed a man with a heavy blow, Cassidy fled to the red desert mountains, now known as Red Canyon!. The man he hit lived, but a dangerous group of men eager to kill him were sent to find him, however Butch managed to escape, hiding along the rugged road that is now famous as the “Cassid Trail”!. Let’s finish and forget this past history here, however this story left the Red Canyon with a shadow of the infamous outlaw of the “Wild West” and, unlike us, the inhabitants of the area are not quick to forget)!.

…prosseguindo a nossa jornada, também seguindo aquele lema de viajantes que nos ensina de que, “Uma jornada é melhor medida em cenário do que em milhas”, chegámos ao lugar que verdadeiramente pretendíamos visitar e que, foi a razão deste desvio!. (Continuing our journey, also following that motto of travelers that teaches us that, “A journey is better measured in scenery than in miles”, we arrived at the place that we truly wanted to visit and that was the reason for this detour)!.

…afortunadamente, neste dia havia sol!. Chegados à borda espectacular do Planalto Paunsaugunt, um lugar onde torres e arcos de pedra intrincadamente esculpidos brilham numa deslumbrante variedade de cores e, nós, como todos os que chegam pela primeira vez, junto à ravinas vermelhas do Bryce Canyon National Park, a primeira expressão, logo a seguir à admiração do cenário é:

– Oooohhhh, como é possível isto existir!

(Fortunately, on this day there was sun!. Arriving at the spectacular edge of the Paunsaugunt Plateau, a place where intricately carved towers and stone arches shine in a dazzling array of colors and, we, like all first-timers, reach the red gates of Bryce Canyon National Park, the first expression, So, following the admiration of the scenario is:

     – Oooohhhh, how can this exist)!.

…sabíamos que, o estado de Utah, é o lar de muitos e bonitos Parques Nacionais e que, o Parque Nacional Bryce Canyon é considerado um dos mais magníficos e inspiradores, onde há aproximadamente15 milhões de anos a terra, principalmente nesta região começou a mudar, formando uma série de planaltos!. (We knew that the state of Utah is home to many beautiful National Parks and that, Bryce Canyon National Park is considered one of the most magnificent and inspiring, where there are approximately 15 million years of land, mainly in this region began to change, forming a series of plateaus)!.

…o Paunsaugunt, que é o nome deste extenso planalto, com o Rio Paria gradualmente erodindo a sua borda, para formar o Bryce Canyon, onde as rochas são compostas por camadas após camadas, de depósitos de sedimentos depositados há milhões de anos, quando esta área estava no fundo de um possível lago!. (The Paunsaugunt, which is the name of this extensive plateau, with the Paria River gradually eroding its edge, to form Bryce Canyon, where rocks are layered after layers of sediment deposits deposited millions of years ago, when this area was at the bottom of a possible lake)!.

…quase todos os lugares incomuns que existem no Planeta Terra têm uma identificação!. Claro, o Bryce Canyon, que verdadeiramente não é uma ravina como o seu nome indica, tem o nome de “Bryce” em homenagem a um dos primeiros colonos da região, chamado Ebenezer Bryce, um pioneiro Mórmon, que no século dezoito emigrou da Escócia, casando-se com uma moça local!. (Almost all the unusual places that exist on Planet Earth have an ID!. Of course, Bryce Canyon, which truly is not a ravine as its name implies, bears the name “Bryce” in honor of one of the earliest settlers in the region, named Ebenezer Bryce, a Mormon pioneer who in the eighteenth century emigrated from Scotland, marrying a local girl)!.

…como verdadeiro pioneiro, foi-se mudando, sempre em direcção ao sul e, em meados da década de 1870, chegou ao Rio Paria, onde ele e sua família se estabeleceram por vários anos!. Foi nessa época que Bryce fez um seu comentário imortal sobre o que hoje chamam Bryce Canyon, chamando-lhe, “um inferno de lugar para perder uma vaca”!. (As a true pioneer, he moved, always heading south, and in the mid-1870s he arrived at Paria River, where he and his family settled for several years!. It was at this time that Bryce made an immortal comment about what they now call Bryce Canyon, calling it, “a hell of a place to lose a cow”)!.

…a conservação desta área de grande beleza continua intocada, bem como o enorme valor científico da informação histórica, presa aos seus pináculos, não sendo este desfiladeiro de forma alguma um lugar estagnado, apesar de cada pináculo retroceder em média cerca de um pé a cada 50 anos e, neste cenário em constante mudança, é a água que desempenha o papel mais vital na formação e eventual destruição do magnífico cenário!. (The conservation of this area of great beauty remains untouched, as well as the enormous scientific value of historical information, stuck to its pinnacles, this gorge not being in any way a stagnant place, although each pinnacle recoils on average about a foot every 50 years and, in this ever-changing scenario, is the water that plays the most vital role in the formation and eventual destruction of the magnificent scenery)!.

…porquê?. Porque a rocha foi colocada em camadas, há uma variação na dureza da rocha formada e, quando o escoamento da água escorre pela rocha, algumas áreas são corroídas rapidamente, enquanto outras se mantêm firmes!. Como facilmente se compreende, esta variação na velocidade da erosão provoca a formação de pináculos, ou “hoodoos” (já explicámos o significado desta palavra), de rochas estáveis, onde em alguns lugares a água penetra através de rachaduras e consome buracos abaixo da superfície!. (Because?. Because the rock has been layered, there is a variation in the hardness of the rock formed, and when the water runoff flows through the rock, some areas are quickly corroded, while others stand firm!. As can easily be understood, this variation in the speed of erosion causes the formation of pinnacles, or “hoodoos” (we have already explained the meaning of this word), of stable rocks, where in some places water penetrates through cracks and consumes holes below the surface)!.

…a vista deste maravilhoso cenário, sempre em mutação de cores, que vão desde o amarelo, laranja ou marrom avermelhado, que mudam a sua cor à medida que a luz também muda, das suas formações rochosas bizarras e coloridas, composta pelas torres, paredes e arcadas é espetacular e, como acima explicámos, quando a rocha lateral se erode, mais um arco é deixado para trás, onde às vezes, eventualmente, esse arco se possa desmoronar, deixando mais dois ou talvez três pilares, que se vão juntar ao resto deste como já mencionámos, maravilhoso cenário!. (The sight of this wonderful scenery, always changing colors, ranging from yellow, orange or reddish brown, that change their color as the light also changes, its bizarre and colorful rock formations, composed of the towers , walls and arcades is spectacular and, as explained above, when the lateral rock is eroded, another arch is left behind, where sometimes this arch may eventually collapse, leaving two or perhaps three pillars, which are gone join the rest of this as we have already mentioned, wonderful scenery)!.

…este parque também contém uma grande variedade de plantas e animais selvagens, incluindo prados e florestas!. Os esquilos terrestres são abundantes perto das áreas de observação, assim como também é possível ver ocasionalmente, aqui e ali, veados, alces e antílopes pastando no arvoredo, composto principalmente por pinheiros ponderosa e pequenos ciprestes!. Dizem-nos que, alguns ursos e leões da montanha, também entram no parque ocasionalmente, mas raramente são vistos pelos turistas!. (This park also contains a wide variety of plants and wildlife, including meadows and forests!. Terrestrial squirrels are abundant near the observation areas, as well as occasionally seeing, here and there, deer, elk and antelope grazing in the grove, composed mainly of ponderosa pine and small cypresses!. We are told that some mountain bears and lions also enter the park occasionally, but are rarely seen by tourists)!.

…procurámos alguma informação sobre a habitação humana precoce na área do hoje chamado Bryce Canyon, onde houve levantamentos arqueológicos, tanto no Parque Nacional Bryce Canyon como no Planalto de Paunsaugunt, que nos mostram que as pessoas estiveram na área há pelo menos 10.000 anos, pois artefatos de Basketmaker Anasazi de vários milhares de anos, foram encontrado ao sul do parque!. Outros artefactos do Anasazi, do período Pueblo e da Cultura Fremont, também foram por aqui encontrados!. (We looked for some information on early human habitation in the area of today’s Bryce Canyon, where there were archaeological surveys in both Bryce Canyon National Park and Paunsaugunt Plateau, which show us that people have been in the area for at least 10,000 years, Anasazi Basketmaker artifacts of several thousands of years have been found south of the park!. Other artefacts from the Anasazi, from the Pueblo period and the Fremont Culture, have also been found here)!.

…isto demonstra que, os índios americanos, principalmente o povo “Paiute”, estavam lá muito antes da chegada dos pioneiros e, de acordo com a lenda e a tradição dos “Paiute”, milhões de anos antes de aparecerem na Terra, havia outro povo que vivia nesta área chamados “To-when-an-ung-wa”, (palavras sem tradução), onde naquela época, se dizia que a terra era diferente, sendo muito verde e verdejante com riachos e rios de água limpa e fresca, onde os animais e pássaros eram abundantes e os “hoodoos” ainda não haviam sido criados!. (This shows that the American Indians, especially the Paiute people, were there long before the arrival of the pioneers and, according to the legend and tradition of the Paiute, millions of years before they appeared on Earth, there were other people living in this area called “To-when-an-ung-wa”, where at that time it was said that the land was different, being very green and green with streams and rivers of clean fresh water, where animals and birds were abundant and the hoodoos had not yet been create)!.

…deixámos o cenário maravilhoso deste parque, pensando que, viajamos porque nos faz perceber que apesar da idade um pouco avançada, o quanto ainda não vimos, o quanto ainda não vamos ver, e o quanto ainda precisamos de ver!. (We left the wonderful scenery of this park, thinking that, we travel because it makes us realize that despite the age a little advanced, how much we still have not seen, how much still we will not see, and how much still need to see)!.

Tony Borie, March 2019.

…fake news!.

…fake news!.

…notícias falsas!. (Fake News)!.

…a história diz-nos que, em Inglaterra, no já distante ano de 1622, se criou o primeiro jornal para contar notícias às pessoas, publicando-se periódicamente, onde certamente, uma ou duas, talvez três, ou mesmo um conjunto de pessoas, reuniam as notícias que o povo ou alguém mais “coscuvilheiro”, lhes comunicava e, levavam à letra de imprensa, numa simples folha, onde nem sequer sonhavam com as grandiosas organizações de comunicação social que hoje existem!. (History tells us that in England, in the distant year of 1622, the first newspaper was created to tell people news, and it was periodically published, where one or two, perhaps three, or even a whole of people, gathered the news that the people or someone else “coquette” communicated to them, and they carried the press in a simple sheet, where they did not even dream of the great organizations of social communication that exist today)!.

…no nosso modesto entender, ser jornalista, é exercer uma actividade, ou criar um produto jornalístico que envolva a preparação de material escrito, visual ou de áudio, destinado à sua publicação através dos médias, com referência a eventos factuais e contínuos de interesse público, ou seja pretender-se informar a sociedade sobre si mesma e tornar públicos os eventos que deviam ser verdadeiros, que de outra forma permaneceriam privados!. (In our modest understanding, to be a journalist, is to carry out an activity, or to create a journalistic product that involves the preparation of written, visual or audio material, destined for publication through means, with reference to factual and continuous events of public interest, that is to say, to inform society about itself and to make public the events that were supposed to be true, which would otherwise remain private)!.

…nesta sociedade moderna, hoje, consideramos a comunicação social, como uma das principais potências mundiais, onde as suas armas são as palavras e as imagens!. São eles os principais fornecedores de informações, e claro, talvez opiniões sobre assuntos públicos, onde o seu principal objectivo devia ser falar-nos, mostrar-nos, exemplificar-nos, dar-nos conhecimentos de algo que é notícia, é novo, é recente, é primeira informação!. Em outras palavras, era dar-nos conhecimento de algo que acaba de acontecer e, é verdadeiro!. (In this modern society, today, we consider the media, as one of the main world powers, where your weapons are words and images!. They are the main suppliers of information, and of course, perhaps opinions about public affairs, where their main objective should be to speak to us, to show us, to exemplify us, to give us knowledge of something that is news, is new, is recent, it’s first information!. In other words, it was giving us knowledge of something that just happened and, it’s true)!.

…ela, a tal comunicação social, faz nascer os seus heróis, fazendo-os desaparecer, no momento em que entende que já não são os seus heróis!. Alguma, dessa comunicação social, praticam um tipo de jornalismo ou propaganda, que pode ser amarela, ou qualquer outra cor, mas de acordo com o seu parecer, onde existem notícias falsas, que consistem em desinformação deliberada, pretendendo levar a “água ao seu moinho”, ou seja atingir o seu objectivo, a sua cor, o seu ponto de vista, que pode ser o lado oposto, tanto político, financeiro como social, que normalmente é uma tática conhecida como imprensa mentirosa!. (She, to such social communication, causes her heroes to be born, making them disappear, at the moment when she understands that they are no longer her heroes!. Some of this media practice a type of journalism or propaganda, which may be yellow or any other color, but according to their opinion, where there is false news, which consists of deliberate misinformation, intending to bring “water to your mill), that is to achieve its objective, its color, its point of view, which can be the opposite side, both political, financial and social, which is usually a tactic known as a liar press)!.

…hoje, têm ao seu serviço um conjunto de comentadores e pessoas que nos aparecem à frente dessa comunicação, principalmente a visual, que ao falarem, pretendem lançar dúvidas sobre notícias, que a nós nos parecem legítimas, mas que eles as dizem, com a intenção de enganar para ganharem a sua causa, que pode ser tanto financeira como política, muitas vezes usando manchetes sensacionalistas, desonestas ou falsas para aumentar o número de leitores, e claro, maiores audiências e maiores receitas!. (Today, they have at their service a group of commentators and people who appear to us at the forefront of this communication, especially the visual, who in speaking, intend to cast doubt on news, which seems legitimate to us, but which they say, with the intent to cheat to win their cause, which can be both financial and political, often using sensational, dishonest or false headlines to increase the number of readers, and of course, larger audiences and higher revenues)!.

…infelizmente hoje, as notícias tradicionais espalhadas pelos médias, tanto na imprensa escrita, como visual ou mesmo on-line, têm sempre como principal objectivo as receitas de publicidade gerada por essa actividade, independentemente da veracidade das histórias publicadas, não lhes importando se as notícias são falsas e intencionalmente enganosas, saíram de uma sátira ou de uma paródia, se destinam a divertir ou enganar o público!. (Unfortunately today, the traditional news spread by the media, in the written press, as visual or even online, always have as main objective the advertising revenues generated by this activity, regardless of the veracity of the published stories, no matter if the news is false and intentionally misleading, out of a satire or a parody, are meant to amuse or deceive the public)!.

…os médias, adoram “desgraças”!. Não lhes interessa dar a notícia de uma criança que nasceu feliz, um jardim com flores, um casal que viveu com honestidade, dando ao mundo uns descendentes com educação superior, para ajudar a continuar um mundo onde exista alguma paz!. No entanto, diáriamente abrem os noticiários, principalmente em horário nobre, anunciando horrores, como fotos da criança morta ou com fome, da terra queimada pelo fogo, da aldeia destruída pelas explosões dos bombardeamentos inimigos naquela maldita guerra, o filho que matou os pais para obter dinheiro para consumir droga ou do ataque terrorista onde morreram dezenas pessoas!. (The average ones, they love “misfortunes”!. It does not interest them to give the news of a child who was born happy, a garden with flowers, a couple who lived with honesty, giving to the world descendants with higher education, to help to continue a world where there is some peace!. However, they daily open the newscasts, especially in prime time, announcing horrors, such as photos of the dead or hungry child, of the land burned by fire, of the village destroyed by the explosions of the enemy bombings in that damn war, the son who killed the parents for get money to consume drugs or the terrorist attack where dozens of people died)!.

…nós, deste lado do oceano Atlântico, seguimos as quatro principais estações de televisão Portuguesas, que transmitem a sua antena para o país onde vivemos e, não querendo acreditar, parece-nos que, as notícias são controladas, não são um órgão independente que devia operar dentro de estruturas jornalísticas, como em qualquer sociedade democrática, onde o acesso à informação pode desempenhar um papel-chave num sistema sem freios e contrapesos, destinado a limitar o excesso de poderes concentrados em governos, empresas e outras entidades de indivíduos!. (We, on this side of the Atlantic Ocean, follow the four main Portuguese television stations, which transmit their antenna to the country where we live and, not wanting to believe, it seems to us that, news is controlled, not an organ which should operate within journalistic structures, as in any democratic society, where access to information can play a key role in a system without checks and balances, aimed at limiting the excess of powers concentrated in governments, companies and other entities of individuals)!.

…em Portugal, país onde nascemos, tentando seguir a sua actividade tanto política, como social ou desportiva, pois felizmente ainda lá temos familiares que constantemente trazemos no coração, sabemos que por lá se exerce um sistema de democracia algo exagerada, dando como exemplo as notícias de carácter tendencioso, onde constantemente se fala de determinado clube de futebol e, das três, quatro, cinco, às vezes seis vezes ao dia, onde a personagem do Presidente da República aparece nos ecrans da televisão a dar a sua opinião, gesticulando, (quando encara a câmara, normalmente sorri), exemplificando o seu parecer sobre assuntos de que, na sua qualidade de Presidente, devia ser mais cometido, não dando um exemplo que, leva mais tarde a problemas não só para si, com para a população que o elegeu!. (In Portugal, where we were born, trying to follow their political, social or sporting activities, fortunately we still have family members that we constantly bring into our hearts, we know that there is a system of democracy that is exaggerated. for example, the news of tendentious character, where one constantly speaks of a certain football club and, of the three, four, five, sometimes six times per day, where the character of the President of the Republic appears on the television screens giving his opinion, (when he looks at the camera, he usually smiles), exemplifying his opinion on matters which, in his capacity as President, should be more committed, not giving an example that leads later to problems not only for himself, but for the population who elected him)!.

…e porquê?. Porque os médias sabem que, dando cobertura a esta personagem e a este clube de futebol, tiram alguma vantagem, primeiro porque o clube é popular pelo seu passado e se situa na capital, e da personagem do presidente, que na nossa opinião, além de outras virtudes, carece de sentido de estado, mas de quem as sondagens da dita comunicação social parecem favorecer, sabendo que normalmente o pessoal é pouco exigente, gosta da sua simpatia, que é a característica que mais faz sobressair a sua personalidade narcísica e, que vêm nele a pessoa que quer aparecer, quer dar nas vistas e, dá-lhes assunto, dá-lhes notícias, “enchem-lhe papel”, pensando que assim, têm acesso a informações verificáveis colectadas, sem saberem, (ou talvez saibam), que estão a aderir a padrões jornalísticos que podem fornecer aos cidadãos comuns, as ferramentas necessárias para participar em favor de um processo político, do qual não querem ou detestam vir a aderir, e claro, o que é demais, cria conflitos, satura, desgasta, onde infelizmente a realidade é o povo na rua, formando as greves e os protestos, organizados pelos sindicatos que os representam!. (It’s because?. Because the averages know that, giving coverage to this character and this football club, they take some advantage, first because the club is popular because of its past and is located in the capital, and the character of the president, who in our opinion, besides other virtues, it lacks a sense of state, but of whom the soundings of the said social media seem to favor, knowing that the staff is usually not very demanding, likes his sympathy, which is the characteristic that most emphasizes his narcissistic personality and, they see in him the person who wants to appear, wants to appear in the eye, and gives them subject, gives them news, “fill him with paper”, thinking that they thus have access to verifiable information collected without knowing (or perhaps knowing) , who are adhering to journalistic standards that can provide ordinary citizens with the tools they need to participate in favor of a political process that they do not want or hate to join, and of course, what is too much, creates conflicts, saturates, wears, where unfortunately the reality is the people on the street, forming strikes and protests, organized by the unions that represent them)!.

…na nossa opinião, os valores das notícias, às vezes chamados de critérios de notícias, determinam quanta proeminência uma notícia é dada por um meio de comunicação e a atenção que é dada pelo público, onde o jornalismo de notícias tem um conjunto amplamente acordado de valores, muitas vezes referido como “noticiabilidade”, no entanto os valores das notícias não são universais e podem variar amplamente entre diferentes culturas, enquanto outras se tornaram extraordinariamente específicas para a imprensa de certas nações, como neste caso de Portugal!. (In our opinion, the values of news, sometimes called news criteria, determine how much prominence a news is given by a medium of communication and the attention that is given by the public, where news journalism has a broad set agreed on values, often referred to as “newsworthiness,” however the news values are not universal and may vary widely between different cultures, while others have become extraordinarily specific to the press of certain nations, as in this case of Portugal)!.

…felizmente hoje, o status do jornalismo, juntamente com os médias de massa, sofreram profundas mudanças resultantes da publicação de notícias na Internet!. Isso criou uma mudança no consumo das notícias, à medida que as pessoas consomem cada vez mais notícias sobre leitores eletrónicos, smartphones e outros dispositivos eletrónicos!. (Fortunately today, the status of journalism, along with mass media, has undergone profound changes resulting from the publication of news on the Internet!. This has created a shift in news consumption as people increasingly consume news about e-readers, smartphones and other electronic devices)!.

…e hoje, por aqui nos ficamos, sorriam, tenham um bom tempo nas vossas vidas!. (And today, here we stay, smile, have a good time in your lives)!.!.

Tony Borie, March 2019.

…route 99 B.C. Canada!.

…route 99 B.C. Canada!.

…estrada 99 B. C. Canada!. (Route 99 from B. C. Canada)!.

…estrada 99 da Columbia Britânica, Canadá!. (no ano de 2006, o jornal The Guardian, do Reino Unido, nomeou esta estrada, como a quinta melhor viagem pelo mundo)! (Route 99 from British Columbia, Canada!. (in the year 2006, The Guardian newspaper of the United Kingdom named this road as the fifth best trip in the world!).

…nesta já um pouco avançada idade, com quase nada para perder, mantemos um lema, que para nós é apetecível, tal como, “Se isso te assusta, pode ser uma boa coisa para tentar”!. (In this already somewhat advanced age, with almost nothing to lose, we maintain a motto, which for us is palatable, such as, “If this scares you, may be a good thing to try”)!.

…não queremos chegar ao fim da nossa já um pouco longa vida e achar que vivemos apenas a sua duração, ou seja o seu “comprimento”!. Queremos ir um pouco além disso, queremos também viver um pouco da sua “largura”, viver alguns dos seus pormenores, como por exemplo, ouvir aquela simpática senhora, com sotaque de voz local, onde tínhamos parado para comprar gasolina, água e outros géneros necessários para a sobrevivência de quem anda na estrada a algum tempo que, quando lhe perguntámos se íamos na direcção certa para poder entrar na estrada 99, pois era uma região onde o satélite não dava sinal ao nosso sistema de navegação, sorridente nos disse:

– estrada 99?. É uma estrada quase deserta, que passa através das montanhas!. Porque não ficam aqui algum tempo, temos uma série de atracções, incluindo passeios a cavalo, visualização da paisagem, caminhadas, pesca e outras actividades ao ar livre!. A estrada 99, se é que querem viajar por ela, fica mais ou menos a 1 hora ao sul, quantos quilómetros são, não sabemos!.

(We do not want to reach the end of our already a little long life and think that we live only its duration, ie its “length”!. We want to go a little further, we want to live a little of its “breadth”, to live some of its details, such as listening to that nice lady, with a local voice accent, where we had stopped to buy gas, water and other things needed to the survival of someone who has been on the road for some time, when we asked if we were going in the right direction to enter the Route 99, because it was a region where the satellite did not signal our navigation system, smiling told us:

– Route 99?. It is an almost deserted road that passes through the mountains!. Because we do not stay here for some time, we have a number of attractions including horseback riding, landscape viewing, hiking, fishing and other outdoor activities!. Route 99, if you want to travel by it, is about 1 hour south, how many kilometers are we do not know)!.

…nós, que quando viajamos nos sentimos desconfortáveis, quando estamos confortáveis de mais, ao ouvir-mos estas recomendações, “quase deserta, através das montanhas” e como somos caminhantes aventureiros, onde o mundo é a nossa casa e o céu é o nosso tecto, onde a beira de um rio, onde exista um espaço para a nossa “White Fox” (nome da nossa caravana) estacionar e a água fresca esteja mesmo ali, é um lugar que logo consideramos a nossa casa, e claro, se houver pessoas, ou mesmo animais, serão a nossa família de ocasião, logo pensámos:

– perfeito, é mesmo por aí que queremos ir!.

(We who, when we travel, feel uncomfortable, when we are too comfortable, when we hear these recommendations, “almost deserted, through the mountains” and as we are adventurous hikers, where the world is our home and the sky is our roof, where the edge of a river, where there is a space for our “White Fox” (name of our caravan) park and the fresh water is right there, is a place that soon we consider our house, and of course, if there are people, or even animals, will be our family of occasion, soon we think:

    – Perfect, that’s the way we want to go)!.

…estávamos na Columbia Britânica, em território do Canadá e, “se fôssemos ficar em um só lugar, iríamos criar raízes, em vez de pernas e pés”, portanto, seguimos em direcção ao sul, à procura da tal estrada 99!. (We were in British Columbia, in the territory of Canada and, “if we were to stay in one place, we would take roots instead of legs and feet”, so we headed south, looking for that Route 99)!.

…encontrámo-la!. Hoje, chama-se Estrada 99, derivado à antiga Rota dos EUA 99, com a qual originalmente se conectava!. No entanto também é conhecida ao sul de Vancouver, como o Delta do Fraser ou a estrada Sea to Sky (Mar para o Céu), talvez à sua proximidade ao Rio Fraser e, durante o seu percurso de aproximadamente 400 quilómetros, também a conhecem como a Estrada Squamish ou Whistler Highway, com a particulariedade de no ano de 2006, o jornal The Guardian, do Reino Unido, nomeou a Sea to Sky (Mar para o Céu), como a quinta melhor viagem pelo mundo!. (We found it!. Today, it is called Route 99, derived from the old US Route 99, with which it originally connected!. However it is also known south of Vancouver, such as the Fraser Delta or the Sea to Sky route, perhaps to its proximity to the Fraser River and, during its course of approximately 400 kilometers, they are also known as the Squamish Route or Whistler Highway, with the particularity of the year 2006, the UK’s The Guardian has named Sea to Sky as the fifth best trip in the world)!.

…seguimos por algum tempo por uma área plana, quando a estrada começava por ser um pequeno labirinto, por entre pequenas montanhas que, quase sem o notar-mos, já eram maiores, com grandes desfiladeiros e, lá ao fundo, aqui e ali podíamos ver o Rio Fraser, umas vezes calmo, outras com revolta, agressivo, com águas a saltarem no ar!. (We continued for some time on a flat area, when the road began to be a small labyrinth, among small mountains that, without being noticed, were already larger, with large canyons and, in the background, here and there there we could see the Fraser River, sometimes calm, sometimes revolted, aggressive, with waters leaping in the air)!.

…nós, por vezes pensamos que podíamos não ter ido aonde pretendíamos ir, mas tal como o revolto Rio Fraser, acabámos por ir onde pretendíamos estar!. E mais, ao andarmos por aqui, percorrendo as margens deste rio, que é o mais longo dentro da Columbia Britânica, que cresce no “Pass Fraser”, perto da Montanha Blackrock nas Montanhas Rochosas, e flui por 1.375 quilómetros (854 mi), até ao Estreito da Geórgia, na cidade de Vancouver, para onde leva por ano mais de 20 milhões de toneladas de sedimento, que entram no oceano, abastecendo-se de água cristalina, que desce em cataratas das montanhas, onde há milhões de anos existiam “Glacieres”!. (We sometimes thought we might not have gone where we wanted to go, but like the Fraser River uprising, we ended up going where we wanted to be! What’s more, as we walk down the banks of this river, which is the longest in British Columbia, which grows in the Pass Fraser, near Blackrock Mountain in the Rockies, and flows for 1,375 kilometers (854 mi) Straits of Georgia, in the city of Vancouver, where it takes more than 20 million tons of sediment per year, which enter the ocean, supplying with crystalline water, that descends in cataracts of the mountains, where millions of years ago existed “Glacieres”)!.

…alguém nos disse um dia que, “Se queremos saber a verdade de quem verdadeiramente somos, devemos caminhar até que ninguém saiba o nosso nome”!. Foi o que fizémos, sempre em direção ao sul, subindo e descendo a montanha, onde nos surgiam os cenários mais bonitos, até chegarmos à povoação de Lillooet, que é considerada um dos mais antigos locais habitados continuamente neste continente!. (Someone told us one day that, “If we want to know the truth of who we truly are, we must walk until no one knows our name”!. That’s what we did, always heading south, going up and down the mountain, where we found the most beautiful scenery, until we reach the village of Lillooet, which is considered one of the oldest continuously inhabited places on this continent)!.

…é uma área considerada pelos arqueólogos, como sendo habitada por vários milhares de anos, fica na margem do lado de lá do Rio, onde se pode ver uma ponte de ferro, que deve ligar a estrada à povoação!. O local tem painéis informativos, onde não importa o anglo em que se coloca para tirar uma foto, porque todas saiem quase perfeitas!. (Is an area considered by archaeologists, as being inhabited for several thousands of years, is on the bank of the river beyond, where you can see an iron bridge, which should connect the road to the village!. The place has informative panels, where no matter the anglo in poses to take a photo, because they all come out almost perfect)!.

…um longo trecho de estrada, principalmente de montanha, com um cenário de ravinas e precipícios, pode ensinar-mos mais sobre nós mesmos, do que viver dezenas de anos em tranquilidade, por tal, nem que não houvesse tempo, tínhamos que parar aqui e ali, pois o barulho da água ao passar pelas rochas que compunham o fundo de um qualquer ribeiro, despertavam a nossa atenção!. (A long stretch of road, especially a mountain, with a scenery of ravines and cliffs, can teach us more about ourselves, than live for decades in tranquility, so that even if there was no time, we had to to stop here and there, for the noise of the water passing through the rocks that formed the bottom of any stream, aroused our attention)!.

…é um estreito entre montanhas, a estrada atravessa-o, é o Parque Provincial do Lago Duffey!. É a leste da cimeira da montanha do Cayoosh Pass, onde uma enorme acomulação de troncos de madeira se juntam na saída do lago, talvez por dezenas ou centenas de anos, talvez até milhares, proporcionando um cenário de natureza pura, onde quase todos os viajantes param, para admirar e fotografar e, ninguém se questiona porque os troncos de madeira estão lá, demonstrando a nós, seres humanos que, a terra, o céu, os bosques, os campos, os lagos, os rios, as montanhas e o mar, são excelentes professores e ensinam-nos mais do que podemos aprender dos livros!. (Is a narrow between mountains, the road crosses it, is the Provincial Park of Lake Duffey!. It is to the east of the mountain summit of the Cayoosh Pass, where a huge concourse of wooden logs gather at the lake’s expanse, perhaps for tens or hundreds of years, perhaps even thousands, providing a scenery of pure nature where almost all travelers stop, to admire and photograph, and no one questions itself because the wood trunks are there, showing us, humans, that the earth, the sky, the woods, the fields, the lakes, the rivers, the mountains and the sea, are excellent teachers and teach us more than we can learn from books)!.

…quando viajamos por esta estrada de montanha, que foi construída por volta do ano de 1960, verificamos que o perigo da aventura vale mais do que mil dias de tranquilidade e conforto!. Algum conforto, pelo menos para nós viajantes, pois por aqui existem estações de serviço com loja de conveniência, nesta povoação chamada de Pemberton, que antes só era acessível por comboio, onde os seus habitantes se lembram quando 100 anos atrás, ou seja por volta do ano de 1860, passaram por aqui cerca de 30,000 mineiros, na corrida ao ouro no Fraser Canyon Gold Rush!. (When we travel on this mountain road, which was built around the year 1960, we find that the danger of adventure is worth more than a thousand days of tranquility and comfort!. Some comfort, at least for us travelers, because here there are service stations with convenience store, in this village called Pemberton, which was only accessible by train, where its inhabitants remember when 100 years ago, or around of the year 1860, there were around 30,000 miners here, in the gold rush at Fraser Canyon Gold Rush)!.

…avançando, começaram a aparecer alguns hoteis, restaurantes, pousadas e algumas vivendas!. Estávamos a chegar à civilização, em outras palavras estávamos a chegar à rotina, aquela rotina terrível que mata toda a imaginação e toda nossa capacidade de entusiasmo!. Estávamos a chegar à cidade de Whistler, onde por entre algum tráfico, procurámos um parque para estacionar a nossa “White Fox”!.. (In the beginning, some hotels, restaurants, inns and some houses began to appear!. We were getting to civilization, in other words we were getting to the routine, that terrible routine that kills all our imagination and all our capacity for enthusiasm!. We were coming to the city of Whistler, where through some traffic, we searched for a park to park our “White Fox”)!.

…chegámos à Vila Olimpica, já era a meio da tarde e, como o mundo é grande e bonito, nós, logo pensámos em dar uma boa olhada nesta zona, antes que escurecesse!. Tirámos fotos, percorremos os lugares que todos os visitantes procuram, os lugares onde os atletas olimpicos se reuniam, onde recebiam as medalhas, todos aqueles pormenores que vemos na televisão e nos jornais, quando se realizam estes eventos!. Estamos a falar da hoje cidade de Whistler e, ainda não falámos do que representa, como começou ou onde está localizada, portanto cá vai!. (We arrived at Olympic Village, it was already mid-afternoon and, as the world is big and beautiful, we soon thought to take a good look at this area before it gets dark!. We took photos, walked the places that all the visitors look for, the places where the Olympic athletes met, where they received the medals, all those details that we see on television and in the newspapers, when these events take place!. We are talking about today’s city of Whistler and we have not talked about what it stands for, how it started or where it is located, so here it goes)!.

…a história dos lugares por onde viajamos, faz parte do nosso roteiro, tendo sempre a noção de que a aventura não está pendurada numa corda ao lado de uma montanha!. A aventura de um viajante de caravana, é uma atitude que devemos aplicar aos obstáculos do dia-a-dia da nossa vida, portanto vamos explicar um pouco de como a primeira pesquisa britânica da Royal Navy, que ocorreu na década de 1860, onde essas pessoas que por aqui andaram, chamados topógrafos, ao verem esta montanha, logo lhe chamaram, montanha de Londres, por causa do nevoeiro pesado e a nuvem que normalmente estava sempre em torno da montanha!. (The history of the places where we travel, is part of our script, always having the notion that the adventure is not hanging on a rope next to a mountain!. The adventure of a caravan traveler is an attitude that we must apply to the obstacles of our day-to-day life, so let’s explain a little bit about how the first British Navy survey of the 1860s, where these people who walked here, called surveyors, when they saw this mountain, soon called it, mountain of London, because of the heavy fog and the cloud that was usually always around the mountain)!.

…no entanto a área adquiriu informalmente o nome “Whistler” devido a uma espécie de marmota que ainda hoje habita as montanhas do noroeste da América do Norte, que normalmente vivem perto da linha das árvores, principalmente nas suas encostas com alguma vegetação, para poderem alimentar-se, com a possibilidade de, além de comerem, esconderem-se fácilmente nas áreas com rochas que também por aqui existem!. (However the area informally acquired the name “Whistler” due to a species of marmot that still inhabits the mountains of northwestern North America that normally live near the tree line, especially on its slopes with some vegetation, to be able to feed themselves, with the possibility of, besides eating, hiding easily in the areas with rocks that also exist here)!.

…tal como as pessoas que pensam que, devem ir em aventuras para descobrir onde realmente pertencem, nós, fazendo parte dos mais de dois milhões de pessoas visitam Whistler anualmente, primeiro para o esqui alpino e o snowboard e, no verão, praticar bicicleta de montanha, no Whistler Blackcomb, o que não é o nosso caso, pois a idade recomenda-nos exercícios mais suaves, menos excitantes!. (Like people who think they should go on adventures to find out where they really belong, we, being part of more than two million people visit Whistler annually, first for downhill skiing and snowboarding and in the summer, to practice mountain bike, at Whistler Blackcomb, which is not our case, because age recommends us exercises softer, less exciting)!.

…no entanto a vila, onde se pode e deve caminhar, ganhou inúmeros prémios de design e hoje, Whistler foi eleito entre os principais destinos da América do Norte, pelas principais revistas de esqui desde meados da década de 1990!. (however the village, where one can and should hike, has won numerous design awards and today, Whistler has been voted among the top North American destinations by major ski magazines since the mid-1990s)!.

…e mais, durante as Olimpíadas de Inverno de 2010, Whistler hospedou a maioria dos eventos Alpinos, Nórdicos, de Luge, de Esqueletos e de Bobsled, (estilo de esquis), embora o esqui estilo livre e todos os eventos de snowboard ficassem hospedados na vila de Cypress Mountain, perto da cidade de Vancouver!. (And more, during the 2010 Winter Olympics, Whistler hosted most of the Alpine, Nordic, Luge, Skeleton and Bobsled events (skiing style), although freestyle skiing and all snowboarding events were staying in the village of Cypress Mountain, near the city of Vancouver)!.

…um dos propósitos da nossa vida de viajantes, afinal de contas, é vivê-la, experimentar ao máximo esta experiência, alcançar ansiosamente coisas novas e, sem ou com pouco medo, sempre na esperança de uma experiência mais nova e mais rica, por tal, antes de dizer adeus à Vila Olimpica, fomos comer alguma coisa e beber duas cervejas, a um restaurante, dos muitos que por ali havia, uma comida diferente, feita com ingredientes locais!. (One of the purposes of our travelers’ lives, after all, is to live it, to experience this experience to the fullest, to eagerly reach for new things and, with or without little fear, always in the hope of a newer and richer experience so before saying goodbye to Olympic Village, we went to eat something and drink two beers, one restaurant, the many that there was, a different food, made with local ingredients)!.

…a montanha, a água cristalina, as árvores centenárias por onde a estrada 99 passa, não é um luxo, mas sim uma necessidade do espírito humano e, nós, sempre na direcção sul, com aqueles cenários frequentes da água revoltosa passando sobre pedras, chegámos e entrámos na área da cidade de Vancouver!. (The mountain, the crystal clear water, the hundred-year-old trees through which Route 99 passes, is not a luxury, but a necessity of the human spirit, and we, always in a southerly direction, with those frequent scenes of unruly water passing over stones, we arrived and we entered the Vancouver city area)!.

…para nossa tristeza, era a civilização!. A ponte Lions Gate era já ali, o tráfico aumentava!. Ao passarmos pela ponte tirámos algumas fotos da Baía e da cidade, ao longe, pensando que, alguns dos caminhos bonitos não podem ser descobertos, sem nos perder-mos, mas verdadeiramente talvez seja, “não nos perdermos”, mas sim “encontrarmo-nos”!. (To our sadness, it was civilization!. The Lions Gate Bridge was already there, the traffic increased!. As we passed by the bridge, we took some photos of the Bay and the city, in the distance, thinking that some of the beautiful paths can not be discovered, without losing ourselves, but truly maybe it is, “not to get lost”, but “to meet”)!.

…como já dissemos por diversas vezes, as cidades passam-se, por norma não se pára, só se houver necessidade de comprar algo que se precise mesmo, no entanto a cidade de Vancouver é uma cidade que quer se queira ou não, se deve visitar, tem a maior densidade de população do Canada, sendo mesmo a quarta densidade de população na America do Norte, logo atrás de Nova Yorque, São Francisco e a Cidade do México, estando nas cinco melhores cidades, como melhor qualidade de vida!. (As we have said several times, cities are passed, as a rule does not stop, only if there is need to buy something that is really needed, however the city of Vancouver is a city that wants to like it or not, it is the fourth largest population density in North America, just behind New York, San Francisco and Mexico City, being in the five best cities, as a better quality of life)!.

…no entanto o dia já ia longo, a fronteira era já ali, o tráfico não nos dava muita oportunidade para procurar um parque de caravanas, pelo menos próximo da cidade, estacionar a nossa “White Fox”, junto a um hotel na cidade, era tarefa um pouco difícil, portanto decidimos continuar rumo ao sul, rumo à fronteira, rumo a nossa casa e, um pouco pepois estávamos na fronteira com os USA, esperando na linha, com alguns desejos de ver a placa onde diz, “Welcome to USA”!. (But the day was already long, the frontier was already there, the traffic did not give us much opportunity to look for a caravan park, at least near the city, to park our “White Fox”, next to a hotel in the city, was a rather difficult task, so we decided to continue south to the border, towards our house and, a bit later we were on the border with the USA, waiting in line, with some desires to see the sign where it says ” Welcome to USA “)!.

Tony Borie, March 2019.

..the Agueda River!.

..the Agueda River!.

…o Rio Águeda!…. (the Agueda River)!.

…nós, uma criança alegre, despreocupada, sem conhecimento de que à sua volta se desenvolvia o conflito mais mortal da história da humanidade, envolvendo directamente mais de 100 milhões de pessoas de mais de 30 países, marcado por 50 a 85 milhões de mortes, a maioria das quais civis, que incluíram massacres, o genocídio do Holocausto, bombardeios estratégicos, morte premeditada de fome e doenças e o único uso de armas nucleares em conflitos, que deu pelo nome de Segunda Guerra Mundial, uma guerra global, que durou de 1939 a 1945!. (We, a cheerful, carefree child, unaware that the most deadly conflict in the history of humankind was unfolding, directly involving more than 100 million people from more than 30 countries, marked by 50 to 85 million most of which were civilians, including massacres, Holocaust genocide, strategic bombing, premeditated starvation and starvation, and the only use of nuclear weapons in conflict, which he called World War II, a lasted from 1939 to 1945)!.

…nascemos, crescemos e vivíamos lá, naquela aldeia remota do Vale do Ninho d’Águia, na encosta agreste da montanha do Caramulo, quase uma divisão entre a montanha e o mar, onde pela noite, não havendo luz eléctrica, se a terra tremesse, nascendo dos céus uma pequena luz, que seria uma qualquer estrela, talvez uma estrela nova, daquelas que fazem oscilar um continente, ninguém dava por isso!. (We were born, grew and lived there, in that remote village of the Valley of the Nest of Eagle, on the rugged hillside of the Caramulo mountain, almost a division between the mountain and the sea, where at night, there being no electricity, earth shake, a small light rising from the skies, that would be any star, maybe a new star, those that make a continent oscillate, no one gave it)!

…era uma região, onde a sua ocupação antiga remonta à Idade do Bronze, marcada por diversos monumentos megalíticos, como por exemplo, a alguma distância ao norte da nossa aldeia, está o sítio arqueológico do “Cabeço do Vouga”, uma importante fortificação militar romana ao longo das rotas de Olissipo (Lisboa) até Bracara Augusta (Braga), que foi povoada por sucessivos habitantes, onde por certo se incluíam os celtas, os turdulianos ou os lusitanos!. (Was a region where its ancient occupation dates back to the Bronze Age, marked by several megalithic monuments, such as some distance north of our village, is the archaeological site of “Head of the Vouga”, an important military fortification Roman route along the routes from Olissipo (Lisbon) to Bracara Augusta (Braga), which was populated by successive inhabitants, where the Celts, the Turdulians or the Lusitanians were certainly included)!.

…principalmente o povo Celta, que formaram um ramo da maior família indo-européia e, que entraram na história por volta de 400 aC, já divididos em vários grupos linguísticos e se espalharam por grande parte da Europa continental ocidental, com destaque para a Península Ibérica, a Irlanda e a Grã-Bretanha!. (Mainly the Celtic people, who formed a branch of the largest Indo-European family, and who entered history around 400 BC, already divided into various linguistic groups and spread throughout much of Western Continental Europe, the Iberian Peninsula, Ireland and Great Britain)!.

…vários historiadores acreditaram que o povo Celta vinha das ilhas da foz do Reno e eram “expulsos de suas casas pela frequência das guerras e pela violenta ascensão do mar”!. (Several historians believed that the Celtic people came from the islands of the Rhine mouth and were “expelled from their houses by the frequency of the wars and by the violent rise of the sea”)!.

…povo com estes princípios, acreditamos nós que, ao andarem pela Península Ibérica, se devem ter localizado nas colinas do noroeste, entre os rios Tormes, Douro e Tejo, do que é hoje o país Portugal, talvez por causa da aproximação ao mar, adoptando formas de vida mais urbanas, chegando mesmo a cunhar moedas, com inscrições celtibéricas!. (People with these principles, we believe that, as they travel through the Iberian Peninsula, they must have been located in the northwestern hills, between the Tormes, Douro and Tejo rivers, of what is now Portugal, perhaps because of the sea, adopting more urban forms of life, even cointing coins, with Celtiberian inscriptions)!.

…de uma maneira ou de outra, nós, talvez descendentes do povo Celta, somos guerreiros, aventureiros e gostamos do mar e, quando ainda crianças em pleno crescimento, corríamos, descalços e com pouca roupa no corpo, descendo e subindo as encostas daquele vale, onde ao fundo corria um pequeno ribeiro, formando alguns pequenos lagos de água limpa e pura, onde nos podíamos banhar e beber a sua água!. (In one way or another, we, perhaps descendants of the Celtic people, are warriors, adventurers and we like the sea, and when we were still growing children, we would run barefoot and with little clothing on our bodies, going down and up the slopes of that valley, where in the background a small stream flowed, forming some small lakes of clean and pure water, where we could bathe and drink its water)!.

…o ribeiro, por sua vez, corria em direcção à ribeira da aldeia de Assequins, onde aí sim, a crosta terrestre, lentamente começava a ser plana, flutuando por perto aquelas zonas ribeirinhas do Rio Águeda, onde essa ribeira vinha a desaguar, quase junto à então vila de Águeda, que naquela época era um local próspero, (embora nós, oriundos das aldeias serranas, não usufruímos dessa prosperidade, pois éramos considerados, serranos, patêgos), com um comércio estável que apoiava negócios locais ou regionais e, existia um porto fluvial, onde os barcos atracavam, trazendo peixe fresco das praias do oceano Atlântico, levando lenha, pessoas e bens, de volta!. (The brook, on the other hand, ran towards the stream of the village of Assequins, where the earth’s crust slowly began to be flat, floating by those riverside areas of the Águeda River, where the stream was pouring, almost next to the then village of Águeda, which at that time was a prosperous place (although we, from the mountain villages, did not enjoy this prosperity, since we were considered, from mountain, “patêgos”), with a stable commerce that supported local or regional business and, there was a river port, where the boats docked, bringing fresh fish from the shores of the Atlantic Ocean, carrying firewood, people and property, back)!.

…esta então vila de Águeda, onde em criança frequentámos a Escola do Adro, em épocas remotas, funcionou como um centro auxiliar na estrada para Santiago de Compostela e, com a sua posição geográfica assim a beneficiava, (à beira dum rio), dizem que foi certamente visitada pela rainha Isabel, no ano de 1325, durante as suas costumeiras peregrinações àquele centro religioso!. Mais tarde, por volta do ano de 1834, ascendeu à categoria de assento municipal, como consequência da Revolução Liberal Portuguesa, sendo um importante lugar político, com posição político-militar estratégica, permitindo que esta então vila, apoiasse as tropas militares durante a segunda invasão francesa, quando funcionava como hospital militar!. (This village of Águeda, where as a child we attended the School of the Adro, in remote times, functioned as an auxiliary center on the road to Santiago de Compostela and, with its geographical position so benefited, (at the edge of a river) , say that she was certainly visited by Queen Elizabeth in the year 1325, during her usual pilgrimages to that religious center!. Later, around the year 1834, it ascended to the category of municipal seat, as a consequence of the Portuguese Liberal Revolution, being an important political place, with strategic political-military position, allowing that this village, to support the military troops during the second French invasion, when it functioned as a military hospital)!.

…no entanto, não é da então vila de Águeda, que hoje queremos falar, mas sim do seu rio, do Rio Águeda, a que dedicamos este texto, para tal recorremos a algumas fotos antigas, que nos chegam de pessoas amigas, que felizmente ainda vivem lá em Portugal e, que de uma maneira ou de outra as conseguiram, o que nós do coração agradecemos!. (However, it is not the village of Águeda, which today we want to talk about, but rather its river, the River Águeda, to which we dedicate this text, for that we resorted to some old photos, which come to us from friendly people, who fortunately still live there in Portugal and, who in one way or another have succeeded, what we heartfelt thanks)!.

…nunca esqueceremos a primeira vez que vislumbrámos o rio, cremos mesmo que o estávamos ouvindo, antes de descer-mos ao seu leito, o que logo nos fez entender quanto tão vasto e importante era para nós crianças, aquele espaço!. Quando tomámos contacto com a sua água, quase como um peregrino, compreendemos, sabíamos que um dia estaríamos de volta num curto espaço e tempo!. (We will never forget the first time we glimpsed the river, we even believed we were listening to it, before descending to its bed, which soon made us understand how vast and important it was for us children, that space!. When we came into contact with his water, almost like a pilgrim, we understood, we knew that one day we would be back in a short space of time)!.

…naquela idade, habituados a banharmo-nos naqueles pequenos lagos do ribeiro do nosso vale, experimentar a água do Rio Águeda, percorrendo-o, nadando com os nossos próprios braços, era incomparável!. É verdade que nem todos são capazes de ter experiências como esta, devido ao facto de não viverem próximo de rios, mas o facto é que a experiência foi o que foi, por causa da idade de crianças, em que quase tudo era um fascínio e, de como foi feita, ou mesmo de tanto quanto onde aconteceu!. (At that age, accustomed to bathe in those small lakes of the stream of our valley, to experience the water of the River Águeda, running it, swimming with our own arms, was incomparable!. It is true that not everyone is able to have experiences like this, due to the fact that they do not live near rivers, but the fact is that the experience was what it was, because of the age of children, where almost everything was a fascination and, how it was done, or even how much it happened)!.

…acreditamos na natureza, mas especialmente na natureza profunda, como a água cristalina que naquele tempo deslizava naquele rio, que tem o mesmo nome da então vila de Águeda, atravessando-a, que tem a sua nascente na montanha do Caramulo, talvez há milhões de anos, proveniente de um qualquer “Glacier”, no lugar da aldeia de Varzielas, percorrendo um percurso de aproximadamente quarenta quilómetros, vindo a desaguar no Rio Vouga, junto à aldeia de Eirol, próximo da cidade de Aveiro, onde juntando as suas águas às da Ria com o mesmo nome, acaba por entrar nas águas do oceano Atlântico!. (We believe in nature, but especially in the deep nature, like the crystalline water that at that time glided in that river, that has the same name of the then village of Águeda, crossing it, that has its source in the mountain of Caramulo, perhaps for millions of years, from any glacier, in the a place of the village of Varzielas, traveling for about forty kilometers, coming to the River Vouga, near the village of Eirol, near the city of Aveiro, where joining its waters to the Ria with the same name, ends up entering the waters of the Atlantic Ocean)!.

…existe um ditado que diz, “sem um rio não há pessoas e sem pessoas não há um rio”!. Pensando neste ditado, recordamos as pessoas que se juntavam junto ao seu cais, por ocasião das festas da paróquia da então vila de Águeda, onde existia o cenário dos barcos moliceiros, que vinham das aldeias e vilas da região das praias do oceano, com bandeiras coloridas nos seus mastros, ancoravam no cais, acendiam os seus fogareiros, assando sardinha, cujo cheiro inundava todo o cais!. (There is a saying that says “without a river there are no people and without people there is no river”!. Thinking of this dictum, we remember the people who gathered by their docks, on the occasion of the feasts of the parish of the then village of Águeda, where the scene of the Moliceiro boats came from the villages and villages of the region of the ocean beaches, with flags colored on their masts, anchored on the docks, lit their stoves, roasting sardines, the smell of which flooded the entire pier)!.

…ou os barcos ancorados do Ti’André, que os alugava a 15 tostões à hora, mas não podíamos nos distanciar da sua vista, pois ficava sentado junto ao cais, esperando-nos, ocupando o espaço do seu negócio de peixe, na antiga Praça do Peixe, que existia junto ao cais!. (Or the anchored boats of the Ti’André, who rented them at fifteen pence an hour, but we could not distance ourselves from his sight, for he was sitting by the dock waiting for us, occupying the space of his fish business, in the old Fish Square, which existed by the pier!.

…mesmo até dos “quiosques” que lá existiam, junto ao cais, um, que vendia jornais e os livritos do “mundo de aventuras”, outro, da senhora Iria, que vendia fruta, com destaque para as bananas, que era uma fruta rara, por ser tropical!. (Even one of the “kiosks” that existed there, near the dock, one, which sold newspapers and books of the “world of adventure”, another one of Mrs. Iria, who sold fruit, especially bananas, which was a rare fruit, for be tropical)!.

…para o lado da nascente do rio, logo a seguir à ponte, do lado oposto da então vila, existia um pequeno cais de onde saíam por ocasião das festas da Páscoa, viajens em barcos moliceiros, puxados à vara, que partiam em direcção à nascente, à montanha, onde navegavam grupos de pessoas ilustres da vila, com serviço de criados, (onde a nossa querida mãe Ilda se incluía como servente), realizando banquetes, regados com vinho tirado do barril, (não se usava garrafas), navegando rumo ao parque do Souto do Rio, que era uma área com árvores frondosas, numa zona quase plana junto ao rio, na colina de uma pequena montanha!. (To the side of the source of the river, just after the bridge, on the opposite side of the village, there was a small quay from where they went on the occasion of Easter celebrations, trips on Moliceiro boats, pulled to the pole, (where our beloved mother Ilda was included as servant), making banquets, watered with wine taken from the barrel, (no bottles were used) , sailing towards the Souto do Rio park, which was an area with leafy trees, in an almost flat area by the river, on the hill of a small mountain)!.

…o rio, ao passar sob a ponte da então vila, fazia uma pequena curva, que aos nossos olhos de criança, parecia muito grande!. A sua água ia limpa, peixes, como as carpas, os pimpões ou os robacos, escondiam-se em pequenas áreas com vegetação!. Os patos do senhor “Tanoeiro” de Além da Ponte, nadavam e multiplicavam-se, criando ninhos, que só ele sabia o seu lugar!. A nora gigante, montada numa pequena represa, onde nós aprendemos a nadar, “chiava”, levando a água a fertilizar os campos da várzea, cultivados com milho!. (The river, passing under the bridge of the then village, made a small curve, which in our eyes as a child, seemed very large!. Their water was clear, fish, like carp, pimp or robacos, hid in small areas with vegetation!. The ducks of Senhor “Cooper” of Beyond the Bridge, swam and multiplied, creating nests, that only he knew its place!. The giant “ferris wheel”, mounted on a small dam, where we learned to swim, “squealed”, taking water to fertilize the fields of the várzea, grown with corn)!.

…algumas mulheres, “usavam a música dos seus sonhos de verão”, cantavam, lavavam e secavam a roupa nos areais do lado nascente, porque no inverno, “sofriam a música dos seus sonhos de inverno”, que eram as inundações, criadas pela chuva e algumas tempestades, não só na várzea, como nas ruas da então vila, e nós, ouvíamos muitas vezes as pessoas a gritar:

   – acudam, o meu Manel foi na bateira, buscar as duas ovelhas que, andavam a pastar do lado de lá do Rio e, estão cercadas pelas águas!.

(Some women “used the music of their summer dreams”, sang, washed, and dried their clothes on the sands of the east side, because in winter they “suffered the music of their winter dreams”, which were the floods created by rain and some storms, not only in the floodplain, but also in the streets of the village, and we often heard people shout:

  – They go, my Manel went in the “bateira”, to look for the two sheep that, were grazing on the side of there of the River and, are surrounded by the waters)!.

…ou mesmo, frazes como estas:

  – lá vai mais uma vaca e uma cabra, já mortas a boiar, levada pelas águas da corrente!.

(Or even, frazes like these:

  – There goes another cow and a goat, already dead to float, taken by the waters of the current)!.

…ou alguns habitantes das ruas inundadas, procurando, laranjas, tangerinas e outras coisas, que boiavam nas águas que enchiam as ruas!. (Or some of the inhabitants of the flooded streets, searching, oranges, tangerines and other things, that floated in the waters that filled the streets)!.

…mesmo alguns habitantes da parte baixa da então vila, guardavam pequenas bateiras no quintal, esperando as inundações do inverno!. (Even some inhabitants of the lower part of the village, kept small bundles in the yard, waiting for the floods of winter)!.

…há uns anos atrás, finalmente visitámos Portugal e, o impacto visual do desenvolvimento por si só, mudou o cenário para sempre!. O possível impacto visual do Rio Águeda é inimaginável!. Existe uma represa para guardar a água em frente à agora cidade de Águeda, é um mar de água rasa, sem corrente, que inundou a maior parte do que era o nosso rio, que por sua vez era, “um lugar sagrado, onde os Espíritos habitavam”, onde, principalmente na época de verão, assoriado em algumas partes, dava origem a extensos areais, que eram o nosso lugar de diversão e o lugar de trabalho das lavadeiras, preservado para a eternidade como um “monumento do tempo”!. (A few years ago, we finally visited Portugal and the visual impact of development alone changed the landscape forever!. The possible visual impact of the Águeda River is unimaginable!. There is a dam to guard the water in front of the now city of Águeda, it is a shallow, uncharged sea of water that flooded most of what was our river, which in turn was “a sacred place, where the Spirits inhabited”, where, especially in the summer time, assorted in some parts, gave rise to extensive sand, which were our place of fun and the place of work of washerwomen, preserved for eternity as a “monument of time”)!.

…com estes arranjos urbanísticos de embelezamento, (dizem-nos que é o progresso) mas, juntos, esses factores destruiram totalmente a nossa experiência de criança, mudaram a vida e o percurso natural do Rio Águeda!. Para nós, o nosso rio de criatnça, está perdido para sempre e, nunca mais será reclamado o nosso rio original! (With these urbanistic arrangements of beautification, (they tell us that it is progress), but together, these factors completely destroyed our experience as a child, changed the life and the natural course of the Águeda River!. For us, our child’s river is lost forever, and our original river will never be reclaimed)!

…nós, guardamos na nossa memória, o silêncio sagrado da água limpa correndo, naquele leito desbotado, os bosques sombrios de árvores antigas que existiam escondidos nas suas margens, onde havia ninhos de pintassilgos e rouxinóis, ficando bocados nossos por lá, deste para nós, “rio sem fim”!. Hoje o nosso rio, com este aspecto moderno, será o que pretende ser, ou seja, uma atracção turística, todavia este lugar para nós é sagrado, merece o respeito de todos, merece a nossa protecção e, como alguém disse um dia, “não há nada mais prático no tempo, do que a preservação da beleza natural”!. Possívelmente estamos enganados, talvez seja o progresso que o esteja a preservar!. Oxalá que sim!. (We keep in our memory the sacred silence of the clean water, running in that faded bed, the dark woods of old trees that existed hidden in its banks, where there were nests of goldfinches and nightingales, being left ours bits there, of this one for us, “endless river”!. Today our river, with this modern aspect, will be what it pretends to be, that is to say, a tourist attraction, nevertheless this place for us is sacred, deserves the respect of all, it deserves our protection and, as somebody said one day, “there is nothing more practical in time, than the preservation of natural beauty”!. Possibly we are wrong, maybe it is the progress that is preserving it!. I hope so!

Tony Borie, March 2019.

…Ruby Beach!.

…Ruby Beach!.


…Praia dos Rubis!. (Ruby Beach)!.

…estávamos no estado de Washington, dentro da Península Olímpica, que é uma área considerada Património da Humanidade, ou seja, uma área que é um marco selecionado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas) para a educação, a ciência ou a cultura, como tendo significado cultural, histórico, científico ou outro, e é legalmente protegido por tratados internacionais!. (We were in the state of Washington, within the Olympic Peninsula, which is an area considered World Heritage, that is, an area that is a landmark selected by UNESCO (United Nations) for education, science or culture , as having cultural, historical, scientific or other significance, and is legally protected by international treaties)!.

…são locais julgados importantes para os interesses colectivos da humanidade, como tendo uma posição histórica e identificável, com significado cultural ou físico especial, como por exemplo uma antiga ruína, uma estrutura histórica, uma construção, uma cidade, um complexo, um deserto, uma floresta, uma ilha, um lago, um monumento, uma montanha ou uma outra área ou região selvagem!. (Are places deemed important for the collective interests of humanity, as having a historical and identifiable position, with special cultural or physical significance, such as an ancient ruin, a historical structure, a building, a city, a complex, a desert, a forest, an island, a lake, a monument, a mountain or another area or wilderness)!.

…são áreas que, não só podem significar uma realização notável da humanidade, servindo como evidência da nossa história intelectual, tal como neste caso, tratando-se do Parque Nacional Olímpico, pode também servir como um laboratório vivo, para cientistas ou estudantes, pois trata-se de uma Reserva da Biosfera!. (Are areas that not only can signify a remarkable achievement of humanity, serving as evidence of our intellectual history, as in this case, being the Olympic National Park, it can also serve as a living laboratory for scientists or students , because it is a Biosphere Reserve)!.

…tínhamos viajado com algum conforto da nossa “White Fox” (nome da nossa caravana), por uma estrada estreita, onde era possível passar por outro veículo só em alguns locais indicados pelas placas de sinalização, percorrendo durante horas, uma área de intenso arboredo, com árvores centenárias que cobriam a estrada formando um “túnel”, com abertas aqui e ali, que nos proporcionavam lindos cenários de baías desertas, que foram locais ocupados por culturas sucessivas de povos indígenas!. (We had traveled with some comfort from our “White Fox” (name of our caravan), by a narrow road, where it was possible to pass by another vehicle only in some places indicated by the signposting, running for hours, an area of intense arboretum, with centuries-old trees that covered the road forming a “tunnel”, with open here and there, that provided us with beautiful scenery of deserted bays, which were places occupied by successive cultures of indigenous peoples)!.

…até que chegámos à cidade de Porto de Nossa Senhora dos Anjos, (Port Angeles), pois foi assim que a baptizou um explorador espanhol, que a invadiu, por volta do ano de 1791, navegando numa expedição do sul da Califórnia, reivindicando-a para a corôa de Espanha!. (Until we reached the city of Port of Our Lady of the Angels (Port Angeles), for it was thus that she was baptized by a Spanish explorer, who invaded her, circa 1791, sailing on a Southern California expedition, claiming it for the crown of Spain)!.

…anos depois, possívelmente americanos descendentes dos europeus, começaram a estabelecer-se por aqui, formando uma pequena vila baleeira, pesqueira e marítima que se foi desenvolvendo, comercializando com a hoje cidade de Victoria, British Columbia, em território do Canadá, que naquele tempo era servido por um sistema de barcaças através do Estreito de Juan de Fuca, que fica do lado de lá, no norte!. (Years later, possibly Americans descended from the Europeans, began to establish themselves here, forming a small whaling, fishing and maritime village that was developing, commercializing with the today city of Victoria, British Columbia, in territory of Canada, which at that time was served by a system of barges through the Strait of Juan de Fuca, which lies on the north side)!.


…dormimos aqui, num parque de Caravanas!. (We sleep here in a caravan park)!.

…pela manhã do próximo dia, seguindo o nosso roteiro, continuámos viajando, sempre com velocidade controlada, dentro da já mencionada Península Olímpica, que é o grande braço de terra no oeste do estado de Washington, que fica do outro lado do “Puget Sound de Seattle”, (que é um complexo sistema do estuário e das suas bacias marinhas interconectadas, com uma conexão principal com o Oceano Pacífico), onde está situado o Parque Nacional Olímpico, composto por quatro regiões, que são, a costa do Pacífico, as áreas alpinas, a floresta tropical temperada do lado oeste e as florestas do lado leste, que são mais áridas, delimitadas a oeste pelo Oceano Pacífico, a norte pelo Estreito de Juan de Fuca e a leste por Hood Canal!. (On the following morning, following our itinerary, we continued to travel, always with controlled speed, within the aforementioned Olympic Peninsula, which is the great land arm in western Washington, which is on the other side of the “Puget Sound of Seattle” (which is a complex system of the estuary and its interconnected sea basins, with a main connection with the Pacific Ocean), where is located the Olympic National Park, composed of four regions, which are, Pacific, alpine areas, the temperate rainforest on the west side and the forests on the east side, which are more arid, bounded to the west by the Pacific Ocean, to the north by the Strait of Juan de Fuca and to the east by Hood Canal)!.

…e que hoje, ainda contém um dos últimos lugares inexplorados nos Estados Unidos, onde existem três ecossistemas distintos, que são floresta subalpina e prado de flores silvestres, a floresta temperada e a costa acidentada do Pacífico, que é onde se situa a “Ruby Beach” (Praia dos Rubis), a mais setentrional das praias do sul na secção costeira deste maravilhoso parque!. (And which today still contains one of the last unexplored places in the United States, where there are three distinct ecosystems, which are subalpine forest and meadow of wildflowers, temperate forest and rugged coast of the Pacific, which is where the “Ruby Beach”, the most northern of the southern beaches in the coastal section of this wonderful park)!.

…esta praia é a razão deste texto!. “Ruby Beach” (Praia dos Rubis), é assim chamada por causa dos cristais em forma de rubi na areia da praia e que, é um dos tais locais protegidos, destinados à conservação e à prática para a posteridade, que de outra forma estaria sujeita a riscos de invasão humana ou animal, acesso não monitorado, não controlado, irrestrito ou ameaça de negligência!. (This beach is the reason for this text!. “Ruby Beach” is so named because of the ruby crystals in the sand of the beach and that it is one of such protected sites intended for conservation and practice for posterity, which otherwise would be subject to risks of human or animal invasion, unmonitored, uncontrolled, unrestricted access or threat of neglect)!.

…depois de estacionar a nossa “White Fox”, descemos o penhasco até à praia, percorrendo uma trilha bem cuidada, com pequenos degraus em algumas áreas, sempre com atenção às pedras que nos apareciam pelo caminho e, aqui e ali, parando, não só para descansar, como para admirar a paisagem serena e muitas vezes deslumbrante do poderoso Oceano Pacífico!. (After parking our “White Fox”, we went down the cliff to the beach, following a well-maintained trail, with small steps in some areas, always paying attention to the stones that appeared on the way, and here and there, stopping, not only to rest, but to admire the serene and often stunning landscape of the mighty Pacific Ocean)!.

…ao chegar à praia, composta por areia graúda de cor cinzenta, tirámos o calçado, passámos sobre os troncos das árvores perdidas pela praia, que já tiveram vida e agora servem para tornar esta praia única!. Tentando recuperar do esforço físico feito pela descida, levantámos a cabeça e olhámos em redor, o cenário, com as ondas do mar do Pacifico, subindo para as rochas, que estão ali há milhões de anos, resistentes!. Naquele momento parámos de pensar, meditámos, tomámos a camara fotográfica nas mãos e, divirtimo-nos!. (On reaching the beach, made up of gravel gray sand, we took off our shoes, we passed over the tree trunks lost by the beach, which already had life and now serve to make this beach unique!. Trying to recover from the physical effort made by the descent, we lifted our heads and looked around, the scenery, with the waves of the Pacific Ocean, rising to the rocks, which have been there for millions of years, resilient!. At that moment we stopped thinking, we meditated, we took the photographic camera in our hands and enjoy ourselves)!.

…como praticamente todas as praias na costa norte, a Praia dos Rubis, pois é assim que vamos passar a identificá-la, derivado às tempestades do oceano Pacífico, ao precipitado do terreno, ao denso arvoredo existente nas ravinas junto à costa, acomula uma enorme quantidade de troncos de árvores, batidos pelas ondas que, depois de navegarem por tempo indeterminado no oceano, vêm dar de novo à costa, formando pilhas de troncos, que continuam a movimentar-se consoante a fúria das ondas!. (As practically all the beaches on the north coast, “Ruby Beach”, derived from the storms of the Pacific Ocean, the precipitate of the terrain, the dense grove of ravines by the coast, it contains an enormous amount of tree trunks, beaten by the waves that, after sailing indefinitely in the ocean, come back to the coast, forming piles of logs, that continue to move according to the fury of the waves)!.

…olhando a fúria das ondas e, pessoas tal como nós, sempre interessados em história, a Praia dos Rubis é a localização de não um, mas dois ou mais confrontos armados entre os nativos da tribo Quinault local e os exploradores, tanto espanhóis como britânicos e até americanos, no final do século XVIII!. (Looking at the fury of the waves and, people just like us, always interested in history, “RubY Beach” is the location of not one, but two or more armed clashes between the natives of the local Quinault tribe and the explorers, both Spanish as British and even American, in the late eighteenth century)!.

…contam-nos a história que, afinal é quase igual a muitas outras, de navegadores exploradores, que aconteceu mais ou menos assim:

A primeira batalha com a tribo Quinault foi registrado no ano de 1775, quando um navegador explorador espanhol ancorou ao largo, próximo da foz do rio Quinault!. Uns anos depois vieram os britânicos, tal como os americanos que, apesar de encontros amigáveis no início, logo se tornaram violentos!. Houve luta, onde os Quinault massacraram grupos de desembarque de espanhóis e britânicos, que imediatamente retaliaram de maneira igualmente violenta!. Segundo alguns historiadores, os espanhóis violaram um cemitério sagrado quando plantaram a sua cruz na praia!. Outros historiadores especulam que os Quinault estavam cautelosos com os estranhos “de barba preta” por causa de relatos de que haviam ouvido falar da brutalidade dos comerciantes de peles Russos, lá ao norte, nas montanhas Aleutas, no hoje estado do Alaska!.

(Tell us the story that, after all is almost the same as many others, of exploring browsers, which happened more or less like this:

The first battle with the Quinault tribe was recorded in the year 1775, when a Spanish exploratory navigator anchored off, near the mouth of the Quinault River!. A few years later came the British, just like the Americans who, despite friendly encounters at first, soon became violent!. There was fighting, where the Quinault massacred landing groups of Spaniards and Britons, who immediately retaliated in an equally violent manner!. According to some historians, the Spaniards violated a sacred cemetery when they planted their cross on the beach!. Other historians speculate that the Quinaults were wary of “black-bearded” strangers because of reports that they had heard of the brutality of the Russian fur traders up north in the Aleutian mountains in the present state of Alaska)!.

…de uma maneira ou de outra, o tal homem “de barba preta” foi avançando, as vendas de peles eram lucrativas, estimularam o aumento do comércio na região, mas infelizmente os comerciantes trouxeram doenças infecciosas, tal com o sarampo, ou uma série de epidemias de varíola e gripe, que dizimou a população costeira, que era fraca demais para resistir ao avanço dos colonos brancos ansiosos para preservar o controle do rio Quinault e, hoje as areias desta praia, estão cheias de troncos, mas naquela época estiveram cobertas de sangue, de batalhas ferozes, onde a morte e a destruição tiveram aqui lugar, onde nos dias de hoje, uma pequena ilha ao largo da costa, agora lar de um farol, foi chamada Ilha da Destruição, para lembrar aqueles que pereceram em batalha!. (In one way or another, the “black-bearded” man was advancing, fur sales were profitable, stimulated increased trade in the region, but unfortunately traders brought infectious diseases such as measles, or a series of epidemics of smallpox and influenza that decimated the coastal population, which was too weak to resist the advance of white settlers eager to preserve control of the Quinault River, and, at least, the sands of this beach are full of logs, but at that time were covered with blood, fierce battles, where death and destruction took place here, where today a small island off the coast, now home to a lighthouse, was called Isle of Destruction, to remind those who perished in battle)!.

…deixemos a história em paz e, nós que vivemos no estado da Florida, acostumados a ver praias quase desertas, com areia branca e ondas suaves, verificamos que aqui é diferente, esta costa acidentada e isolada, é quase um diamante em bruto, ao longo do poderoso Oceano Pacífico, conhecido por ondas enormes, fortes tempestades que formam lagoas de marés!. (Let us leave the story alone, and we who live in the state of Florida, accustomed to seeing beaches almost deserted with white sand and soft waves, we find that here is different, this rugged and isolated coast, it is almost a rough diamond , along the mighty Pacific Ocean, known for huge waves, strong storms that form tidal lagoons)!.

…quem pensar em bronzeamento, natação, usar fato de banho ou praticar “surf”, a Praia dos Rubis, não é esse típico destino de praia, no entanto, quem como nós, caminhantes do dia, gostamos de aventura, carregar uma mochila, amantes da vida selvagem, da água fresca, dos rios, dos oceanos, apreciando a natureza tal como ela é, é o lugar ideal!. (Who think of tanning, swimming, wearing swimwear or practicing surfing, “Ruby Beach”, is not this typical beach destination, however, who, like us, hikers of the day, like adventure, carry a backpackers, wildlife lovers, fresh water, rivers, oceans, enjoying nature as it is, is the ideal place)!.

…podemos admirar um cenário onde existem milhares de espécies marinhas, observar pássaros, tais como as gaivotas ocidentais, as águias e outras aves costeiras, que se sentem seguras, voando e alimentando-se ao longo da costa!. (We can admire a scenario where there are thousands of marine species, bird watching, such as the western seagulls, eagles and other coastal birds, who feel safe, flying and feeding along the coast)!.

…ou o ambiente marinho e as pequenas ilhas visíveis acima das águas da maré alta que são protegidos pelos refúgios de vida selvagem ao longo da costa, onde podemos observar grandes colónias de nidificação de aves, como murres comuns ou os papagaios-do-mar, que vivem naqueles postos rochosos!. (Or the marine environment and small islands visible above the high tide waters that are protected by wildlife refuges along the coast, where we can observe large nesting colonies of birds, such as common murres or parrots, sea, living in those rocky outposts)!.

…como por exemplo, um pouco ao norte, está a Abbey Island, erguendo-se sobre as ondas, quebrando-as!. É o lar das lontras marinhas e aves migratórias, onde as estrelas do mar e os mexilhões crescem!. Dizem-nos que estas rochas cobertas com algumas pequenas árvores que saiem do mar, é uma das formações rochosas mais fotografadas do Parque Nacional Olímpico, pelo menos por ocasião do pôr do sol no noroeste do Oceano Pacífico, mostrando um cenário incrível e inspirador, com o céu em erupção numa tapeçaria impossível de reproduzir!. Talvez!. (Like for example, a little to the north, is to Abbey Island, rising on the waves, breaking them!. It is home to sea otters and migratory birds, where sea stars and mussels grow!. They are said to be one of the most photographed rock formations in the Olympic National Park, at least at sunset in the Pacific Northwest, showing an incredible and inspiring setting, with the sky erupting in a tapestry impossible to reproduce!. Perhaps!).

…as pilhas de troncos, vagueando em qualquer direção, para cima e para baixo na praia, já por si é uma aventura!. As piscinas naturais, durante a maré baixa, a praia rochosa ao norte torna-se viva, com minúsculos caranguejos e ameijoas, enterrados nas areias batidas pelas ondas do mar e, claro, coloridas aqui e ali, pelas várias cores das pequenas estrelas do mar!. (Piles of logs, wandering in any direction, up and down the beach, by itself is an adventure!. The natural pools, during low tide, the rocky beach to the north becomes alive, with tiny crabs and clams, buried in the sands struck by the waves of the sea and, of course, colored here and there, by the various colors of the small stars of the sea)!.

…dizem-nos também que, mesmo em dias de chuva, a Praia dos Rubis é um destino imperdível, com enormes ondas batendo contra enormes pedaços de troncos, sendo jogados ao ar como palitos e, os ventos soprando nos penhascos, em toda a região costeira onde esta praia está localizada, sendo constantemente eleita, o melhor lugar para vigiar as tempestades no estado de Washington!.(They also tell us that even on rainy days “Ruby Beach” is a must-see destination, with huge waves crashing against huge pieces of logs, being thrown into the air like sticks, and the winds blowing on the cliffs, everywhere. the coastal region where this beach is located, being constantly elected, the best place to watch the storms in Washington state)!.

…nós, caminhantes do mundo, viajando ao longo da costa do estado de Washington, consideramos a Praia dos Rubis o lugar perfeito de praia, onde não vamos para nadar ou apanhar sol, mas sim para caminhar, explorar piscinas naturais, observar aves, focas e lontras ou até observar as baleias nadando!. É quase pela mesma razão que vamos visitar o Parque Nacional Olímpico, que talvez seja pelo arboredo, talvez pelo deserto, pelo isolamento ou até pela beleza incomparável do noroeste do Pacífico!. (We, hikers of the world, traveling along the coast of Washington State, consider “Ruby Beach” the perfect beach place, where we will not swim or sunbathe, but to walk, explore natural pools, observe birds, seals and otters or even watching whales swimming!. It is almost for the same reason that we are going to visit the Olympic National Park, perhaps because of the arboredo, perhaps the desert, the isolation or even the incomparable beauty of the Pacific Northwest)!.

…já nos esquecíamos de mencionar que, no parque de estacionamento existem painéis informativos e quartos de banho, explicando diversos itinerários com ascesso à praia, e nós, “que usamos as nossas pernas para ajudar o medir o mundo”, adorámos esta nossa experiência, que foi a visita à Praia dos Rubis e lembrem-se que, “uma jornada de mil quilómetros, começa com um único passo”!. (We forgot to mention that in the car park there are informative panels and bathrooms, explaining various itineraries with access to the beach, and we, “who use our legs to help measure the world”, we loved this ours experience, that was the visit to “Ruby Beach” and remember that, “a journey of a thousand kilometers, begins with a single step”!.

Tony Borie, March 2019.