…grandes Estradas!. (Great Roads)!.

…grandes Estradas!. (Great Roads)!.

…grandes Estradas! (1) (Great Roads) (1)

…quando não havia lama, poeira ou buracos, havia chuva e granizo, enormes geadas, buracos e rachaduras na estrada!. (When there was no mud, dust or holes, there was rain and hail, huge frosts, holes and cracks in the road)!.

…existem no mundo várias, todavia, por isto ou por aquilo não se tornaram tão famosas como algumas “grandes estradas” onde, quase todas as pessoas têm receio de nelas viajar, (só por lá transitam os profissionais condutores de camiões ou algumas pessoas possuidoras do tal sentimento de aventura), no entanto têm cenários únicos, alguns lindíssimos, talvez por serem desertas, isoladas, geladas ou quentes, não terem segurança, atravessarem planícies, rios selvagens, montanhas de gelo ou savanas e, estarem ligadas a alguns eventos, uns felizes, outros não, talvez até dramáticos que, assinalaram épocas históricas!. (There are many in the world, however, for this or that they have not become as famous as some “big roads” where, almost everyone is afraid to travel on them, (only truck drivers or some possessing such a sense of adventure), yet have unique scenery, some beautiful, perhaps because they are deserted, secluded, cold or warm, unsafe, crossing plains, wild rivers, ice mountains or savannas, and being linked to some events, some happy, some not, perhaps even dramatic, that marked historical epochs)!.

…ao iniciar um relato de algumas das “grandes estradas” que por aí existem, nada nos move a não ser a curiosidade e o contacto com outras pessoas de diferentes culturas, pois somos fãs de viagens longas e aventuras, principalmente por lugares ainda selvagens e que nos proporcionem um verdadeiro contacto com a natureza!. Todavia, às vezes podemos viajar milhares e milhares de milhas, sem ter nada além de pessoas ruins, comida ruim, internet ruim, tempo ruim, isto e aquilo… mas, quando menos se espera, encontramos a “história” e, esse lugar e todas essas coisas menos boas, passam a ser excelentes!. (when starting an account of some of the “great roads” out there, nothing moves us but curiosity and contact with other people from different cultures, because we are fans of long trips and adventures, especially places still wild and give us a real contact with nature!. However, sometimes we can travel thousands and thousands of miles, having nothing but bad people, bad food, bad internet, bad weather, this and that … but when we least expect it, we find the “story” and this place and all these less good things become excellent)!.

…no texto de hoje explicamos que, estradas como a “Route 66”, que vai desde a cidade de Chicago, no estado de Illinois, até à cidade de Los Angeles, no estado da Califórnia, a qual já tivémos o previlégio de viajar em todo o seu percurso, são insignificantes!. (In today’s text we explain that roads like “Route 66” run from the city of Chicago, Illinois, to the city of Los Angeles, California, which we already had the privilege of travel all their way, are insignificant)!.

…comparadas com a infame “The Road of Bones”, (“O Caminho dos Ossos”), que é o apelido dado à estrada R504 Kolyma Highway, na Rússia, devido à história horrível da sua construção, atravessando o Extremo Oriente Russo, fazendo parte da rota M56!. (Compared to the infamous “The Road of Bones”, which is the nickname given to the R504 Kolyma Highway in Russia due to the horrible history of its construction, crossing the Russian Far East as part of the M56)!.

…esta estrada está situada numa região onde as temperaturas mais frias fora da Antártida já foram registradas e, as pessoas consideram-na a estrada mais fria do mundo!. (This road is situated in a region where the coldest temperatures outside Antarctica have been recorded, and people consider it the coldest road in the world)!.

…oficialmente é conhecida como a R504 Kolyma Highway, (Kolyma, é o rio que deu o nome a toda a região)!.(It is officially known as the R504 Kolyma Highway (Kolyma is the river that gave its name to the entire region)!.

…é uma enorme estrada pelo Extremo Oriente Russo que se estende por uns incríveis 2.031 km (1.262 milhas), começando em torno de Nizhny Bestyakh e termina em Magadan, famosa por seus “gulags” soviéticos!. (A huge road through the Russian Far East that stretches for an incredible 2,031 km (1,262 miles), starting around Nizhny Bestyakh, and ends in Magadan, famous for its “Soviet gulags”)!.

…os Russos locais chamam a estrada de “Trassa”, que se traduz simplesmente como “A rota”!. “O Caminho dos Ossos” é a única estrada na área, portanto não há necessidade de distingui-la de outras estradas e, além de pavimentar e tornar mais agradável o aspecto da cidade de Magadan, a estrada é principalmente de terra, pedra e cascalho, para nela se viajar em qualquer clima!. (Local Russians call the road “Trassa”, which translates simply as “The Route”!. “The Road of Bones” is the only road in the area, so there is no need to distinguish it from other roads, and besides paving and making the look of Magadan City more pleasant, the road is mostly dirt, stone and gravel, to travel in any weather)!.

…já mencionámos que é a estrada mais fria do mundo, não só pelo clima rigoroso da Sibéria, mas também pela “fria razão” de que foi construída durante a era “stalinista” da União Soviética, onde os prisioneiros do campo de trabalho de Sevvostlag começaram o primeiro trecho no ano de 1932, continuando a sua construção com o uso de trabalho forçado destes prisioneiros até ao ano de 1953!. (We have already mentioned that it is the coldest road in the world, not only for the harsh climate of Siberia, but also for the “cold reason” that it was built during the “Stalinist” era of the Soviet Union, where the prisoners of the labor camp from Sevvostlag began the first stretch in the year 1932, continuing their construction with the use of forced labor of these prisoners until the year 1953)!.

…num pequeno resumo explicamos que o trabalho forçado começou no ano de 1932, levando mais de vinte anos para ser concluída, sendo construída quase inteiramente através do trabalho forçado dos “gulags” locais!. O trabalho era inerentemente árduo e foi realizado em todos os climas, desde o inverno rigoroso da Sibéria, onde as temperaturas caíam até 50 graus negativos, até aos verões implacáveis e infestados de mosquitos e, como resultado pelo menos 25 prisioneiros morriam todos os dias!. (In a brief summary we explain that forced labor began in the year 1932, taking more than twenty years to complete, being built almost entirely through the forced labor of local “gulags”!. The work was inherently hard and was done in every climate, from the harsh Siberian winter, where temperatures dropped to minus 50 degrees, to the relentless, mosquito-infested summers and as a result at least 25 prisoners died every day)!.

…como a estrada estava sendo construída em permafrost, era muito mais prático enterrar os cadáveres em baixo ou ao redor da estrada, do que continuar cavando túmulos!. Ainda hoje, muitas pessoas relatam que encontram os ossos dos trabalhadores mortos subindo à superfície da estrada, e claro, esta estrada ocupa um lugar especial, embora escuro, no coração de muitos russos siberianos!. (As the road was being built in permafrost, it was far more practical to bury the corpses below or around the road than to continue digging graves!. Even today, many people report that they find the bones of dead workers rising to the surface of the road, and of course, this road occupies a special, albeit dark, place in the heart of many Siberian Russians)!.

…o apelido “O Caminho dos Ossos” fala da história horrível da construção desta estrada, com o trabalho fisico e forçado dos prisioneiros, usando apenas picaretas e carrinhos de mão!. Durante este período, prisioneiros políticos em “gulag” forneceram a força de trabalho necessária não só para a sua construção, como para a mineração de ouro ou abate de árvores para a recuperação de madeira, onde milhares de prisioneiros trabalhavam até à sua morte, morrendo devido às condições desfavoráveis de trabalho, de exaustão, fome e ao frio rigoroso, onde muitos foram baleados por não trabalharem o suficiente, enquanto outros morreram devido a condições brutais de congelamento nos campos dos “gulags”, com temperaturas tão baixas como os 50 graus negativos!. (The nickname “The Road of Bones” tells the horrible story of the construction of this road, with the prisoners physical and forced labor, using only picks and wheelbarrows!. During this period political prisoners in “gulag” provided the necessary workforce not only for its construction, but also for gold mining or logging for timber, where thousands of prisoners worked to their death, dying due to unfavorable working conditions, exhaustion, hunger and severe cold, where many were shot for not working hard, while others died from brutal freezing conditions in the “gulag camps”, with temperatures as low as 50 degrees negatives)!.

…hoje, esta estrada é tratada como um memorial e, a aventura de nela viajar, transformou-a numa lenda, pois o “Caminho dos Ossos”, está situada no extremo nordeste da Sibéria, sendo escavada na tundra pantanosa há quase 70 anos pelos prisioneiros “gulag”!. Isto parece um grande paradoxo mas, dizem que esta estrada de terra, pedra e cascalho está no “fim do mundo” e, quem chega ao final do “Caminho dos Ossos” já deixou esse mundo para trás, e mais ainda, os russos locais, dizem que, “É impossível viver por aqui, mas também é impossível sair daqui”, talvez ainda querendo estar junto dos seus antepassados, que morreram na sua construção!. (Today, this road is treated as a memorial and the adventure of traveling on it has made it a legend, as the “The Road of Bones” is situated in the far northeast of Siberia and was excavated in the marshy tundra for almost 70 years. years by the prisoners “gulag”!. This sounds like a big paradox, but it is said that this dirt, stone and gravel road is at the “end of the world” and whoever reaches the end of the “The Road of Bones” has already left this world behind, and even more, the local Russians, say that, “It is impossible to live here, but also impossible to get out of here”, perhaps still wanting to be with their ancestors, who died in their construction)!.

…deixando a história e falando das condições de circulação nesta estrada, é considerada extremamente perigosa, especialmente durante o inverno, que dura dez meses, com uma visibilidade reduzida, devido ao gelo e à neve pesada, todavia durante o verão, as condições tornam-se ainda mais extremas quando a lama se torna no pior inimigo e, devido ao permafrost durante estes meses, não há asfalto, levando a engarrafamentos por causa da lama, sempre que as chuvas de verão caem!. Por estranho que pareça, durante o mês de Outubro, as condições da estrada estão no seu melhor, quando a superfície está coberta de gelo!. (Leaving history and talking about driving conditions on this road, is considered extremely dangerous, especially during the winter, which lasts ten months, with low visibility due to ice and heavy snow, but during summer, conditions they become even more extreme when mud becomes the worst enemy and, due to permafrost during these months, there is no asphalt, leading to mud traffic jams whenever summer rains fall!. Oddly enough, during October the road conditions are at their best when the surface is covered with ice)!.

…atravessando o Extremo Oriente Russo, ou seja, parte da Sibéria, que corresponde a uma área de 77% da Russia, (todavia abriga aproximadamente 36 milhões de pessoas, que são sòmente 27% da população do país), percorrendo desertos siberianos de gelo, terra ou areia preta e cascalho, onde toda a região é extremamente fria, principalmente no inverno, como por exemplo a cidade de Oymyakon, situada a aproximadamente 100 km desta estrada, que tem a particulariedade de ser o lugar mais frio e habitado do mundo, com temperaturas que podem cair até 50 graus negativos!. (Across the Russian Far East, ie part of Siberia, which accounts for an area of 77% of Russia (however it houses approximately 36 million people, which are only 27% of the country’s population), traversing Siberian deserts ice, earth or black sand and gravel, where the whole region is extremely cold, especially in winter, such as the city of Oymyakon, located about 100 km from this road, which has the particularity of being the coldest and most inhabited place of the world, with temperatures that can drop up to minus 50 degrees)!.

…assim, após a queda do governo soviético, a estrada foi percorrida pela primeira vez por motociclistas ocidentais no verão de 1995!. Depois, não muitos, mas alguns, têm tentado, pelo menos aqueles que querem completar a sua volta ao mundo, atravessando parte da Sibéria, pelo menos para aquelas séries de televisão, onde concluiem a travessia, com aguma assistência, juntando-se a um qualquer comboio de carga russo, cujos camiões conseguem atravessar, principalmente os rios, que vão cheios de água e gelo!. Dizem-nos mesmo que existem disponíveis viagens comerciais para um pequeno número de motociclistas!. (So after the fall of the Soviet government, the road was first traveled by western motorcyclists in the summer of 1995!. Then, not many, but some, have tried, at least those who want to complete their round the world, crossing part of Siberia, at least for those television series, where they conclude the crossing with some assistance, joining a any Russian freight train, whose trucks can cross, especially the rivers, which are full of water and ice!. We are even told that commercial trips are available for a small number of motorcyclists)!.

…e por último lembramos que esta “infame estrada” (não pela estrada, mas pelo processo como foi construída), termina na cidade de Magadan, no mar de Okhotsk que é o último posto avançado da civilização oriental na extensão despovoada da Sibéria!. (And lastly we remember that this “infamous road”(not the road, but the process as it was built) ends in the city of Magadan on the Okhotsk Sea which is the last outpost of eastern civilization in the unpopulated stretch of Siberia)!.

…onde a Máscara da tristeza se eleva acima da cidade, no único monumento da região que lembra a miséria dos prisioneiros nos campos de “Gulag”, prestando homenagem a milhões de pessoas que morreram nas minas ou na construção de estradas, sob o Grande Terror Stalin, que os levou a este lugar, onde deveriam ser exterminados à vontade do ditador, através do trabalho forçado e do frio!. (Where the Mask of Sorrow rises above the city, the only monument in the region reminiscent of the misery of prisoners in the “Gulag” camps, paying tribute to millions of people who died in the mines or in road construction under the Great Terror Stalin, who led them to this place, where they were to be exterminated at the dictator’s will through forced labor and cold)!.

N.B. – Algumas fotos e algumas frases que ilustram este texto e que incluímos na sua composição, tomámos a liberdade de as retirar de várias fontes durante as nossas pesquisas, agradecendo àqueles que tiveram a coragem de as publicar, para que o resto do mundo as aprecie, (sobretudo as que tiveram o previlégio de viver em países com liberdade de expressão e, principalmente nesta quadra festiva do Natal), lembrem e meditem nestas martirizadas pessoas, onde milhares e milhares, não tiveram qualquer Natal e não praticaram qualquer crime, sómente talvez, o de terem um pensamento com ideias diferentes!. (NB – Some photos and phrases illustrating this text that we included in its composition, we took the liberty of removing them from various sources during our searches, thanking those who had the courage to publish them so the rest of the world would appreciate them, (especially those had the privilege of living in countries with freedom of expression and, in this festive Christmas season), remember and meditate on these martyred people, where thousands and thousands did not have any Christmas and did not commit any crime, just maybe having a thought with different ideas)!.

(“Grandes Estradas”, continuará em próximos textos) (“Great Roads” will continue in future texts).

Tony Borie December 2019.

…sonhando o nosso Natal!. (Dreaming of our Christmas)!.

…sonhando o nosso Natal!. (Dreaming of our Christmas)!.

…sonhando o nosso natal!. (Dreaming of our Christmas)!.

…nós, viajantes do mundo, na esperança de rever a família, levámo-nos numa aventura de algumas centenas de milhas em direcção ao norte, antes de começar uma curva para oeste, rumo à montanha, cercados de um cenário de neve com algumas das mais belas paisagens do mundo, onde num agradável passeio familiar, por alguns momentos “sonhámos o nosso natal”!. (We travelers from the world, hoping to see our family again, set out on a few hundred mile northward adventure before beginning a westward curve towards the mountain, surrounded by snow-capped scenery, some of the most beautiful landscapes in the world, where in a pleasant family outing, for a few moments we “dreamed of our Christmas”)!.

…e, para aqueles que passaram na classe de matemática da antiga quarta classe da escola primária, nós, já estamos a usar as cerca de 6.275 que nos restam, das 30.000, pois as outras 23.725 foram passadas crescendo e trabalhando, vezes que, como já mencionámos nos restam, para apreciar-mos o nascer e pôr do sol, com que somos contemplados durante a nossa já um pouco longa vida mas, neste momento e por ali, havia mais de 345.759.407… pés de neve, branca e fresca, onde, se as houvesse, as renas podiam puxar os trenós, guiados por aqueles “Pais Natais”, de faces rosadas e grandes barbas, também brancas!. (And for those who passed the math class of the former fourth grade elementary school, we are already using the remaining 6,275 of us, out of the 30,000, because the other 23,725 were spent growing up and working, sometimes, as we have mentioned, we have left to enjoy the sunrise and sunset with which we are contemplated during our already long life, but at this moment and there, there were more than 345,759,407… feet of snow, white and fresh, where, if there were any, the reindeer could pull the sleighs, guided by those “Christmas Fathers” with pink faces and big white beards)!.

…os nossos netos gritavam: “Uma história! Uma história!”. Nós, continuando a sonhar, claro, não os querendo desiludir, transformámo-nos numa “Árvore de Natal”, junto de muitas outras, todavia, algumas vozes apontadas em nossa direcção eram ouvidas, dizendo: “Esta é esplêndida, não queremos as outras”!. (Our grandchildren shouted: “A story! A story!”. We, continuing to dream, of course, not wanting to disappoint them, became a “Christmas Tree”, along with many others, yet some voices pointed toward us were heard saying, “This is splendid, we do not want the others”)!.

…ouvindo estas palavras, ficámos orgulhosos, vendo à nossa volta os nossos netos que, viam e admiravam junto a nós, o Menino Jesus, deitado num berço feito de palha, junto dos seus pais Maria e José, dos Reis Magos e das ovelhinhas, que tinham vindo de Belém, um país muito distante!. (Hearing these words, we were proud, seeing around us our grandchildren, who saw and admired beside us, the baby Jesus, lying in a cradle made of straw, next to his parents Mary and Joseph, of the wise men and the little sheep, who had come from Bethlehem, a country far away)!.

…estavam todos sentados à nossa volta, ou seja, junto da sua “Árvore de Natal”!. Os seus olhares dividiam-se em nós e nas bonitas embalagens dos presentes que nos rodeavam, dando mesmo a entender que escondiam coisas fascinantes, sonhos e desejos que se iriam realizar com a tarefa ofegante da sua abertura!. Tudo isto se passava numa casinha confortável ao lado de uma lareira com um fogo crepitante e quente, onde o vento soprava a neve do lado de fora, que se ouvia, uivando pela chaminé!. (Were all sitting around us, that is, by their “Christmas Tree”!. Their eyes were divided on us and the beautiful wrappings of the gifts that surrounded us, even implying that they hid fascinating things, dreams and desires that would be fulfilled with the panting task of their opening!. All this was set in a comfortable little house beside a fireplace with a crackling hot fire, where the wind blew the snow outside, howling through the chimney)!.

…então lembrámos e explicámos o Natal do nosso coração, muito diferente do que é celebrado hoje, onde os nossos pais, não tendo recursos financeiros, dando lugar a qualquer possibilidade de nos contemplar com qualquer presente, (a nossa querida avó Agar, às vezes nos oferecia aqueles bom-bons de chocolate de 1 tostão, embrulhados naquelas pratas azuis, amarelas e vermelhas), que saboreávamos ao cheiro e calor da fogueira na lareira, junto da chaminé negra do lume de inverno, no escuro da nossa aldeia de meninos, alumiados pela candeia de azeite, pois não existia luz eléctrica, onde o tal cheiro do Natal antecedia uns dias antes, com algumas brincadeiras de rua e, a visita pela mão da nossa avó Agar, para ver-mos o “presépio” na igreja da vila!. Era um Natal raro, que já não existe, assim como a bondade no coração de todos nós, também é rara ou está quase extinta!. (Then we remembered and explained the Christmas of our heart, very different from what is celebrated today, where our parents, having no financial resources, giving rise to any possibility of contemplating us with any gift, (our dear grandmother Agar, sometimes we were offered those penny-chocolate goodies, wrapped in those blue, yellow, and red silver) that we savored by the smell and warmth of the fire in the hearth by the black chimney of the winter fire in the dark of our village, lit by the oil lamp, because there was no electric light, where the smell of Christmas preceded a few days earlier, with some street games and the visit by the hand of our grandmother Agar, to see the “crib” in the village church!. It was a rare Christmas that no longer exists, just as goodness in our hearts is either rare or almost extinct)!.

…hoje, neste mundo de consumismo, trocam-se presentes, dão-se coisas uns aos outros das quais a maior parte não precisamos!. Um verdadeiro presente é oferecer algum carinho e compreenção, sobretudo saber ouvir, socorrer e escutar as outras pessoas em dificuldade, oferecer um par de óculos graduados a quem necessita, uma bengala a quem já não consegue caminhar sem ajuda, uma cadeira de rodas a um paralítico ou bens de primeira necessidade, principalmente a famílias com alguns filhos pequenos e em dificuldades, que não têm a possiblidade de os comprar!.
(Today, in this world of consumerism, they exchange gifts, give each other things that most of us don’t need!. A real gift is to offer some affection and understanding, especially knowing how to listen, help and listen to other people in difficulty, offering a pair of prescription glasses to those in need, a cane to those who can no longer walk without help, a wheelchair to a paralytic or basic necessities, especially to families with some young children in difficulty who cannot afford to buy them)!.

…acordámos!. Já passámos há muito as sete dezenas de anos de vida, temos viajado por anos e anos, atravessámos oceanos e diversos continentes, com tempestades de neve, chuva, pedras e poeira, lama, mas também a luz brilhante do sol e, até já visitámos o que dizem ser a sua casa, lá na aldeia de Polo Norte, no estado do Alaska e, acreditem que temos procurado, mas infelizmente, nunca encontrámos o Pai Natal!. (We woke up!. We have been long past seven dozen years of life, we have been traveling for years and years, we have crossed oceans and various continents, with snowstorms, rain, rocks and dust, mud, but also bright sunlight and we have even visited what they say is your home there in the village of North Pole, in the state of Alaska and believe me we have been looking for it but unfortunately we have never found Santa)!.

…tenham umas Boas Festas, companheiros da vida!. (Have a Happy Holidays, life mates)!.

Tony Borie, December 2019.

…tira da terra o que precisas para viver!.(Take from the earth only what you need to live)!.

…tira da terra o que precisas para viver!.(Take from the earth only what you need to live)!.

…tira da terra somente o que precisas para viver!. (Take from the earth only what you need to live)!.

…nós caminhantes do mundo, viajávamos pelas Grandes Planícies do Norte, algumas delas ainda hoje reivindicadas pelo povo “Lakota”, oriundo da tribo “Sioux”, que habitavam partes dos estados americanos da Dakota do Sul, Dakota do Norte, Montana, Nebraska e Wyoming, mais precisamente as fronteiras que seriam o rio Yellowstone ao norte, o rio Platte ao sul, o rio Missouri ao leste e talvez uma linha irregular marcando o oeste!. (We hikers of the world traveled the Great Northern Plains, some of which are still claimed today by the Lakota people from the Sioux tribe, who lived in parts of the states of South Dakota, North Dakota, Montana, Nebraska and Wyoming, more precisely the borders that would be the Yellowstone River to the north, the Platte River to the south, the Missouri River to the east, and perhaps a jagged line marking the west)!.

…este povo indígena vivia livremente por aqui, em conjunto com os vastos rebenhos de búfalos, tendo a sua agricultura, principalmente de milho, que era a base do seu sustento, além da pesca e da caça sazonal aos búfalos, respeitavam a natureza, “retirando dela somente o necessário para sobreviver”!. (This indigenous people lived freely here, together with the vast buffalo herds, and their agriculture, mainly corn, which was the basis of their livelihood, in addition to fishing and seasonal hunting of buffalo, respected nature, “Taking from it only what is necessary to survive”)!.

…tudo isto antes de quase serem exterminados pela invasão e colonização deste imenso continente, pelos euro-americanos, que eram os tais colonos e exploradores, principalmente quando da descoberta de ouro na Califórnia e posteriormente em Montana que deu origem à Corrida ao Ouro, atravessando e invadindo o seu território!. (All of this before they were almost wiped out by the invasion and colonization of this immense continent by the Euro-Americans, who were such settlers and explorers, especially when gold was discovered in California and later in Montana which gave rise to the Gold Rush, crossing and invading your territory)!.

…hoje, quando viajamos por aqui, o cenário durante milhas e milhas é de algumas áreas de cultivo de trigo, cevada ou milho, alguns poços de petróleo trabalhando e, aqui e ali, talvez para nos lembrarem que aquela área em outros tempos foi território do povo “Lakota”, aparecem algumas tendas armadas desse povo, até pequenos monumentos!. (Today, when we travel here, the scenery for miles and miles is of some areas of wheat, barley or corn growing, some working oil wells, and here and there, perhaps to remind us that that area in other times it was territory of the “Lakota” people, some armed tents of that people appear, even small monuments)!.

…e, nós parámos num desses lugares, onde existia um letreiro com a seguinte legenda, que nos faz pensar e meditar na sabedoria deste povo!. Cá vai:  (and, we stopped in one of those places, where there was a sign with the following legend, that makes us think and meditate on the wisdom of this people!. Here goes:)

“Os velhos Lakotas amavam o solo e sentavam-se ou reclinavam-se no chão com o sentimento de estarem próximos de um poder maternal!. Era bom para a pele tocar a terra e os velhos gostavam de se descalçar e andar com os pés nus sobre a terra sagrada!. As tendas eram erguidas sobre a terra e os altares feitos de terra!. O solo era tranquilizante, revigorador, purificador e medicinal!. Por isso é que os velhos índios ainda hoje se sentam directamente na terra, fonte de suas forças vitais!. Para eles, sentar-se ou deitar-se no chão permite pensar com mais profundidade e sentir com mais clareza, podendo penetrar nos mistérios da vida e descobrir o seu parentesco com outras formas de vida ao seu redor!. Os velhos Lakotas eram sábios, sabiam que o coração do homem distante da natureza se torna duro, sabiam que a falta de respeito pelas coisas vivas leva imediatamente à falta de respeito pelos humanos”!. (“Old Lakotas loved the ground and sat or reclined on the floor with the feeling of being close to a motherly power. It was good for the skin to touch the earth, and the old men liked to take off their bare feet and walk with bare feet over the holy land!. The tents were erected upon the earth and the altars made of earth!. The soil was soothing, invigorating, purifying and medicinal!. That is why the old Indians still sit directly on the earth, source of their vital forces!. For them, sitting or lying on the floor allows them to think deeper and feel more clearly, and to penetrate the mysteries of life and discover their kinship with other life forms around them!. The old Lakotas were wise, they knew that the heart of man far from nature becomes hard, they knew that the lack of respect for living things leads immediately to the lack of respect for humans)!.

…que lição mais rica este povo nos dá, a nós seres humanos que pensamos que dominamos tudo o que existe sobre o planeta “Terra”, modificando, enviando para longe o tempo das trevas e da escuridão!. Pois pelo menos no mundo considerado desenvolvido, temos luz sempre que queremos, água quente ou fria sob demanda, comemos legumes frescos o ano todo, em casa existe o frigorífico, o fogão a gás ou eléctrico, a TV, lá fora ou na garagem está o carro com sistema aquecido e climatizado, temos ascesso à internet e, alguns até vivem com esses telefones de última geração todo o tempo que estão acordados, tomando conhecimento do que vai passando pelo resto do mundo!. (What a richer lesson these people give us, to us human beings who we think have mastered everything that exists on planet Earth, changing, sending away the time of darkness and darkness!. For at least in the developed world, we have light whenever we want it, hot or cold water on demand, we eat fresh vegetables all year round, at home there is the fridge, the gas or electric stove, the TV, outside or the garage is the car with heated and air-conditioned system, we have ascended to the internet and some even live with these state of the art phones all the time they are awake, knowing what is going on in the rest of the world)!.

…nós também gostamos de todas essas coisas modernas, portanto não somos contra nada disso mas, não podemos esquecer que todos nós somos governados por ciclos que não criamos e que, em algumas partes do mundo são designados por estação quente, estação das chuvas ou estação fria e, em outras partes são designamos por primavera, verão, outono e inverno, e claro, foi a natureza que os criou!. (We like all these modern things too, so we are not against any of this but we must not forget that we are all governed by cycles that we do not create and that in some parts of the world they are called hot season, rainy season or cold season and elsewhere we call it spring, summer, fall and winter, and of course, it was nature that created them !.

…nós os seres humanos, entre outros, criámos os ciclos do ano fiscal, do horário do trabalho ou até da temporada do futebol e, pensamos que estamos no comando, que estamos no control, pensamos até que dirigimos o ambiente em que vivemos, ficando libertos dos tais limites do mundo natural, que esses sim, só a natureza controla!. (We humans, among others, have created the cycles of the fiscal year, the working hours or even the football season and, we think we are in charge, we are in control, we even think we drive the environment in which we live , being freed from such limits of the natural world, that these, only nature controls)!.

…por exemplo, já pensaram que é a terra que nos alimenta!. Ela sim, a terra dá-nos tudo para viver, dá-nos a água, os cereais, os vegetais, as frutas, alimenta os animais e as aves que alguns consomem, as árvores que nos dão sombra, purificam o ambiente e nos fornecem a madeira para entre outras, construir habitações, o ciclo natural da luz, do sol para nos aquecer, do frio para limpar o solo de certas áreas e que a natureza entende que assim ficam melhor para receber as sementes que, no próximo ciclo nos dão uma boa colheita, ou até a escuridão necessária para descansar o cérebro e dormir!. (For example they already thought it is the land that feeds us!. Yes, the earth gives us everything to live, gives us water, cereals, vegetables, fruits, feeds the animals and birds that some consume, the trees that give us shade, purify the environment and provide us among others, to build houses, the natural cycle of light, the sun to warm us, the cold to clean the soil of certain areas, and that nature understands that it is better to receive the seeds that in the next cycle give us a good harvest, or even the darkness needed to rest the brain and sleep)!.

…somos caminhantes do mundo!. Em cada caminhada com a natureza, recebemos muito mais do que procuramos e, lembramos e meditamos sobre este povo “Lakota” que viviam em contacto com a terra ou seja, com a natureza, tanto nas estações torridas do verão como nos frios da neve Ártica do inverno e, do qual também somos admiradores e que, entre outras, nos dizem para “retirar da terra somente o necessário para viver”!. (We are hikers of the world!. In each walk with nature, we receive much more than we seek and remember and meditate on these “Lakota” people who lived in contact with the earth, ie nature, both in the torrential seasons of the summer and in the cold Arctic snow, from which we are also admirers and who, among others, tell us to “take from the earth only what is necessary to live”)!.

…todavia, felizmente e segundo as estatísticas, hoje ainda existem mais ou menos 170.000, mas infelizmente, somente cerca de 2.000 ainda falam a língua Lakota, ou seja Lakȟótiyapi!. (However, fortunately and according to statistics, today there are still around 170,000, but unfortunately, only about 2,000 still speak the Lakota language, ie Lakȟótiyapi)!.

Tony Borie, November 2019.

 

…há minas na estrada!. (There are mines on the road)!.

…há minas na estrada!. (There are mines on the road)!.

…há minas na estrada!. (There are mines on the road)!.

…já por diversas vezes explicámos alguns episódios da nossa dolorosa vivência como combatentes, por um período de dois anos, quando da passagem e envolvimento pela mobilização forçada, quando ainda éramos jovens, pouco mais que crianças, na mortífera guerra de guerrilha, que pouco a pouco se foi espalhando por toda a então Província Colonial Portuguesa da Guiné, em África, que envolviam alguns grupos armados que, fartos de um regime Europeu e colonial, pegaram em armas e, lutavam e morriam pela independência do seu território, querendo sobretudo ver-se livres das amarras que os prendiam às decisões com origens coloniais, do então governo colonial de Portugal, país situado na Europa!. (We have several times explained a few episodes of our painful experience as combatants, for a period of two years, when the passage and involvement by forced mobilization, when we were young, little more than children, in the deadly guerrilla war which little by little it was spreading throughout the Portuguese Colonial Province of Guinea, in Africa, involving some armed groups who, fed up with a European and colonial regime, took up arms and fought and died for the independence of their territory, especially wanting get rid of the bonds that bound them to decisions with colonial origins, from the then colonial government of Portugal, a country located in Europe)!.

…numa então província, que nos livros da escola primária se designava por, Província Colonial da Guiné Portuguesa, em África, onde Portugal governou colonialmente por mais de cinco séculos, com uma enorme área pantanosa, onde combatendo esses grupos armados que lutavam pela independência do seu território, as forças armadas de Portugal ali estacionadas tentavam utilizar as suas forças navais anfíbias, para poder superar os problemas de mobilidade de ascesso às áreas subdesenvolvidas e pantanosas, porque nas áreas secas, onde existiam as savanas e florestas, as estradas eram “carreiros” quase sempre armadilhados!. (In a province, which in the books of the primary school was called, Colonial Province of Portuguese Guinea, in Africa, where Portugal ruled colonially for over five centuries, with a huge swampy area, where fighting these armed groups fighting for the independence of its territory, the Portuguese armed forces stationed there tried to use their amphibious naval forces to overcome the mobility problems of access to underdeveloped and swampy areas, because in the dry areas, where savannahs and forests existed, the roads were “Paths” almost always trapped)!.

…nesta situação e, com o crescimento constante dos simpatizantes que lutavam e morriam pela independência do seu teritório, que eram recrutados entre a população rural pelos grupos de guerrilheiros, pouco a pouco as forças armadas de Portugal assumiram uma postura defensiva, limitando-se a defender o território de aldeias e vilas onde estavam estacionados aquartelamentos improvisados, com fortes dispositivos militares, porque fora dessas áreas, eram regularmente atacadas e, em algumas situações, eram fortemente fustigadas pelo fogo dos guerrilheiros, que conheciam o terreno em que se movimentavam!. (In this situation and, with the steady growth of supporters fighting and dying for the independence of their territory, who were recruited from the rural population by the guerrilla groups, little by little the Portuguese armed forces took a defensive stance, limiting themselves. defending the territory of villages and towns where makeshift quarters were stationed, with strong military devices, because outside these areas were regularly attacked and, in some situations, were strongly buffeted by the fire of the guerrillas, who knew the terrain on which they moved)!.

…como por diversas vezes explicámos “a maldição de um veterano é que nunca esquece” e hoje, iremos explicar um desses ataques às forças armadas Portuguesas!. O texto é um pouco longo, mas cremos que vale a pena ler, porque envolve episódios com motivos da vida de então, onde retratamos algumas injustiças que causavam sofrimento ao normal cidadão e que, os responsáveis pela governação do então Portugal, com regime colonial, entendiam que eram episódios de uma vida normal da época, principalmente que se devia morrer em combate ao serviço da mãe Pátria, numa qualquer província de África e, ficar por lá, enterrado em qualquer lugar, porque tudo eram províncias da nação Portugal, ou seja território Português, tal como fosse o Minho, o Alentejo ou o Algarve!. (As we have repeatedly explained “the curse of a veteran is that he never forgets” and today we will explain one of these attacks on the Portuguese armed forces!. The text is a little long, but we believe it is worth reading, because it involves episodes with motives of life then, where we portray some injustices that caused suffering to the normal citizen and that those responsible for the governance of then Portugal, with colonial rule, they understood that they were episodes of a normal life of the time, especially that one should die in combat at the service of the mother country, in any province of Africa, and stay there, buried anywhere, because they were all provinces of the nation Portugal, ie Portuguese territory, such as Minho, Alentejo or the Algarve)!.

…este texto de acção, ou seja de combate, que vamos tentar relatar, passou-se na região do Oio, a saída desta coluna militar foi da vila de Mansôa, onde estávamos estacionados, iam a caminho da região de Mansabá, sendo descrita, logo à chegada ao aquartelamento, pelos companheiros “Mister Hóstia”, pelo “Setubal” e pelo “Curvas, alto e refilão”, dos quais infelizmente não temos fotografias, mas tentámos desenhar uns rabiscos, talvez exagerados, mas dão a entender o que para nós eram esses heróis companheiros que, quase todos dias andavam enterrados nas “bolanhas” (pântanos), rios, savanas e florestas da então província da Guiné, que a contaram, destroçados no corpo e na alma, interrompendo-se uns aos outros em profunda aflição, juntamente com os seus companheiros e, que todos os presentes no dormitório ouviram, onde mais tarde pouca diferença fazia do relatório que passou pelas nossas mãos, que exercendo as nossas tarefas de cifrar e decifrar mensagens, o traduzimos em código para ir para o comando territorial na capital da província!. (This action text, that is combat, which we will try to report, took place in the Oio region, the exit of this military column was from the village of Mansôa, where we were stationed, were going to the Mansabá region, being described, upon arrival at the barracks, by the comrades “Mister Host”, “Setubal” and “Curves, tall and fussy”, of which unfortunately we do not have photographs, but we tried to draw some scribbles, perhaps exaggerated, but they imply what for us were those fellow heroes who, almost every day, were buried in the “bolanhas” (marshes), rivers, savannas and forests of the province from Guinea, who told it, torn in body and soul, interrupting each other in deep distress, along with his comrades, and which everyone in the dormitory heard, where later it made little difference from the report that came to us, which in our task of encrypting and deciphering messages, translated it into code to go to territorial command in the provincial capital)!.

…nós, tirámos alguns apontamentos no nosso diário de guerra, mas são apenas rabiscos, mas que andam muito perto da verdade e, os nomes de “Mister Hóstia”, “Setubal” e “Curvas, alto e refilão”, são nomes de guerra, com que nos baptizávamos uns aos outros, como por exemplo nós, que éramos o “Cifra”!. A linguagem é um pouco rude em algumas palavras, mas era o natural da época, principalmente entre companheiros que viviam juntos num cenário de guerra bastante agressivo!. Portanto cá vai: (We have taken some notes in our war diary, but they are just scribbles, but they are very close to the truth, and the names of “Mister Host”, “Setubal” and “Curves, tall and fussy” are names war, with which we baptized each other, as we, for example, who were the “Cipher”!. The language is a little rough in some words, but it was the natural of the time, especially among mates who lived together in a very aggressive war scenario!. So here goes:)

…o “Mister Hóstia”, soldado do Pelotão de Morteiros, que foi baptizado com este nome de guerra, porque andava sempre com uma bíblia pequenina, daquelas de bolso na mão e, não perdia qualquer oportunidade de recitar ou mesmo cantar partes dessa mesma bíblia!. Tudo isto se passava na barraca dormitória e, às vezes por horas, até o mandarem calar ou algum companheiro mais afoito, lhe arremeçar com um travesseiro!. (“Mister Host”, soldier of the Mortar Squad, who was baptized with this name of war, because he always carried a small bible, one of those pocket-sized in hand, and lost no opportunity to recite or even sing parts of it same bible!. All of this was going on in the dormitory tent, and sometimes for hours, until they shut him up or some daring companion tossed him a pillow)!.

…uma certa vez, o “Curvas, alto e refilão”, também soldado do Pelotão de Morteiros, (um militar de combate, considerado “herói” pelos companheiros, sendo condecorado pelo então governo Português, pela sua bravura e defesa dos seus companheiros em combate, com a medalha Cruz de Guerra), até lhe queria mandar com um banco, feito da madeira de uma caixa de munições, dizendo-lhe, na sua linguagem rude e malcriada: (Once, the “Curves, tall and fussy”, also soldier of the Mortar Squad, (a combat military man, considered “hero” by his comrades, being decorated by the then Portuguese government, for his bravery and defense of his comrades in combat, with the Cross of War medal), even wanted to send him with a bench, made of the wood of an ammunition box, telling him, in his rude and rude language:)

     – Ou te calas com essa merda, ou parto-te já este banco nos cornos!.
     – (Or shut up with that shit, or break this seat in the horns already)!.

…quem o salvou, foi o “Trinta e Seis” (soldado rádio-telegrafista, era o seu nome de guerra), baixo e forte na estatura, que quando caminhava, alguns diziam que “rolava” e, ele rindo-se mostrava o terceiro dedo da mão direita, também direito, que se intrometeu e disse ao “Curvas, alto e refilão”, com ar grave e decidido: (Who saved him was the “Thirty-Six” (radio-telegraph soldier, was his name of war), short and strong in stature, who when he walked, some said he “rolled” and, laughing showed the third finger of the right hand, also right, that intruded and said to the “Curves, tall and fussy”, with serious and determined air:)

    – Quanto mais velho estás, mais bruto te tornas!. Cala-te e vê se ouvindo isto, purificas a tua alma!.
  – (The older you are, the grosser you become!. Shut up and see if you hear this, you purify your soul)!.

…ao que o “Curvas, alto e refilão”, logo responde: (To which the “Curves, tall and fussy”, soon answers:)

– Alma, uma merda!. A minha alma, se é que isso existe, já está no inferno, desde que a desgraçada da minha mãe, me abandonou quando era criança!.
– (Soul, shit!. My soul, if any, is already in hell since my mother’s bastard left me as a child)!.

…agora, fazemos um pequeno intervalo, saindo do cenário de guerra onde estávamos, explicamos um pouco a história de vida do companheiro “Curvas, alto e refilão” antes do seu alistamento nas forças armadas!. (Now, we take a short break, leaving the war scene where we were, explain a little the life story of fellow “Curves, tall and fussy” before his enlistment in the military)!.

…não tinha família, tinha sido abandonado pela sua mãe, que diziam que “andava na vida” (prostituição). Era oriundo de uma aldeia da província da Beira Alta, perto de Espanha, andou primeiro, encostado a uns vizinhos, que lhe davam de comer, dormindo num palheiro desses mesmos vizinhos, depois já mais crescido, meteu-se à estrada, caminhando e estendendo a mão, pedindo comida aqui e ali, roubando fruta e outras coisas, vindo parar à capital Lisboa, talvez na procura da mãe, que era o que os vizinhos lhe diziam onde ela devia estar a viver!. (Had no family, had been abandoned by his mother, who said he “walked in life” (prostitution)!. He was originally from a village in the province of Beira Alta, near Spain!. He walked first, leaning against some of his neighbors, who were feeding him, sleeping in a haystack of those same neighbors, his hand, asking for food here and there, stealing fruit and other things, coming to the capital Lisbon, perhaps looking for his mother, which was what the neighbors told her where she should be living)!.

…na capital Lisboa, conviveu com rapazes da rua, alguns nas mesmas condições, sem qualquer família, começando por usar uma caixa de engraxar sapatos por um período diário de mais ou menos oito horas, pois a referida caixa, pertencia a uma espécie de “sindicato”, onde entregavam uma certa quantia em dinheiro pelo seu aluguer, tanto fazia que trabalhassem ou não e, entre eles diziam: (In the capital Lisbon, he lived with street boys, some in the same conditions, without any family, starting by using a shoe shine box for a daily period of about eight hours, because the box belonged to one species “syndicate”, where they gave a certain amount of money for their rent, whether they worked or not, and among them said:)

     – Esta caixa, não tem boas escovas, da próxima, quando for levantá-la ao “sindicato”, quero a “número cinco”, é mais alta e tem escovas das novas e boas!.
     – (This box, has no good brushes, next time when I raise it to the “syndicate”, I want “number five”, is taller and has new and good brushes)!.

…portanto a referida caixa, era uma peça de ferramenta que trabalhava vinte e quatro horas por dia, mas em diferentes mãos, tal como se fosse um táxi, de uma importante empreza!. (So that box was a piece of tool that worked twenty-four hours a day, but in different hands, as if it were a taxi, of an important enterprise)!.

…o seu corpo alto e curvado, foi o motivo para o seu baptizmo com o nome de guerra “Curvas, alto e refilão”, talvez fosse derivado a ter cescido durante anos, curvado, trabalhando na caixa de engraxar sapatos!. Usava a referida caixa, mais ou menos das dez da noite até às seis da manhã, em zonas pouco recomendáveis a uma criança da sua idade, como por exemplo, em frente e dentro de bares, que estavam abertos toda a noite, em frente a casas de prostituição, em ruas mal iluminadas, mas que tinham movimento àquela hora e, em outros locais pouco recomendáveis, pelo menos como já explicámos, a uma criança!. Cremos que daí, nasceu a sua reles linguagem!. (His tall, curved body was the reason for his baptism under the war name “Curves, tall and fussy”, perhaps derived from having grown for years, bent over, working on the shoe shine box!. He used the box, from about 10 pm to 6 am, in areas not recommended for a child of his age, such as in front of bars, which were open all night in front of houses of prostitution, in dimly lit streets, but which were moving at this hour, and in other places not recommended, at least as we have already explained, to a child!. We believe that from there his poor language was born)!.

…crescendo neste ambiente, passado uns anos, sabia como roubar uma carteira do bolso de um casaco ou de umas calças sem que o dono se apercebesse, como pedir esmola a um turista em francês ou inglês, sabia os locais na capital onde a vida lhe era mais fácil, sabia os sintomas e como podia vigarizar uma pessoa chegada recente à capital, vendendo-lhe mesmo a “Estação do Rossio”, enfim, tinha a escola da rua!. (Growing up in this environment, after a few years, knew how to steal a wallet from the pocket of a coat or trousers without the owner noticing, how to beg a tourist in French or English, knew the places in the capital where the life was easier for him, he knew the symptoms, and how he could swindle a newcomer to the capital, even selling him the “Rossio Station”, so he had the street school)!.

…claro, pouco a pouco, conforme aumentavam os seus conhecimentos naquele ambiente de rua, também aumentavam a sua ficha na esquadra da polícia, pois, por dezenas e dezenas de vezes, foi apanhado na hora certa, mas no local errado e, quando chegou o momento de que pensava que tinha a idade, essas mesmas autoridades ao libertarem-no mais uma vez, lhe recomendaram o serviço militar obrigatório, apresentando-se de seguida num quartel da capital dizendo que queria ser militar!. (Of course, little by little, as your knowledge in that street environment increased, so did your record at the police station, because dozens and dozens of times you were caught at the right time, but in the wrong place and, when the time came when he thought he was of age, these same authorities, releasing him once again, recommended compulsory military service, then reported to a barracks in the capital saying he wanted to be a military man)!.

…recebeu o tal treino, de como defender-se e saber matar, de que ele não precisava, pois a sua curta vida já lhe tinha proporcionado todas essas “virtudes” e, foi defender a sua mãe Pátria, pois a mãe verdadeira, essa abandonou-o, “andava na vida” (prostituição), dormindo todos os dias em camas diferentes, levando beijos, que em lugar de carícias eram mordidelas de escorpião, carícias no seu corpo, que em lugar de atitudes de amor, eram apertões que lhe deixavam marcas negras em todo o corpo, de pessoas desesperadas, que se queriam servir dela por uns minutos e, quando passavam a boca pelo seu corpo, pensavam que estavam a comêr um bife de uma vaca com carne de boa qualidade!. (Received such training, how to defend himself and know how to kill, which he did not need, because his short life had already provided him with all these “virtues” and went to defend his mother country, because the true mother, she abandoned him, “walked in life” (prostitution), sleeping every day in different beds, taking kisses, which instead of caresses were bites of scorpion, caresses in his body, which instead of attitudes of love, were squeezes that left black marks all over her body, desperate people who wanted to serve her for a few minutes, and when they mouthed her body, they thought they were eating a beef steak of good quality)!.

…e o agora nosso companheiro, soldado de combate “Curvas, alto e refilão”, não mais soube dela, se nesse momento a visse, não a reconhecia, pois talvez já estivesse a morrer com a doença de sífilis, que naquele tempo não perdoava, ou tivesse sido atirada ao rio Tejo, por não ter cumprido, com as regras do seu “chavalo” (pessoa que a explorava e vigiava), que lhe dizia, com a boca a cheirar a tabaco e álcool de fraca qualidade, com as unhas tratadas, mas cheirando mal por todos os poros do seu corpo, pois o seu banho, era o perfume de qualidade baixa, que comprava aos ciganos, às vezes nem comprava, era a troco dos favores das “garinas” (jovens prostitutas), que tinha por sua conta!. (And now our companion, combat soldier “Curves, tall and fussy” no longer knew of her, if at that moment saw her, did not recognize her, because perhaps was already dying with the disease of syphilis, which at that time did not forgive, or had been thrown into the Tagus River, for not having complied with the rules of her “chavalo” (the person who exploited and watched over her), who said to her, with her mouth smelling of poor quality tobacco and alcohol, with her nails treated, but smelling bad for every pore of her body, because her bath, was the scent of low quality, which bought the gypsies, sometimes did not even buy, was in exchange for the favors of the “girls” (young prostitutes), which was on your own)!.

…e, com os olhos, sem qualquer brilho, postos nos seus, pensando que via na sua frente, uma vaca leiteira, que lhe devia de dar uns tantos litros de leite ao dia, lhe dizia, passando na sua cara umas mãos secas e amarelas pelo cigarro que sempre segurava entre os dedos, que a protegia e que ninguém lhe faria qualquer mal, pois ele, era o seu dono e senhor e, que nessa noite, depois de se prostituir até alta madrugada, na rua, nos bares, ou num simples táxi, teria o previlégio, como prémio, ir dormir com ele, num reles quarto de umas águas furtadas, que ocupava algumas horas durante o dia ou da noite, pois esse mesmo quarto, era um local de trabalho, servindo de ponto de encontro, para o serviço das suas “garinas” (jovens prostitutas), que mantinha no mercado de prostituição!. (And with his eyes, without any glare, on his, thinking that he saw in front of him, a dairy cow, that should give him a few liters of milk a day, he said, rubbing his hands over his face dry and yellow from the cigarette he always held between his fingers, which protected her and that no one would do her any harm, for he was its owner and lord, and that night, after prostituting herself until dawn, on the street, in the streets bars, or a simple taxi, would have the privilege, as a prize, go to sleep with him, in a poor room of attic, which occupied a few hours during the day or night, because that same room, was a place of work, serving meeting place, for the service of their “girls” (young prostitutes), who kept in the prostitution market)!.

…enfim, a mãe abandonou-o, talvez quando ele mais precisava dela, e juntamente connosco, pois navegámos pelo oceano Atlântico, no porão do mesmo navio de carga, desembarcando nesta província do então Ultramar Português e, neste cenário de guerra, cumprimos um período de tempo forçado de dois anos, juntos, amigos, combatentes e sobreviventes, de uma horrível guerra de guerrilha!. (Finally, the mother abandoned him, perhaps when he needed her most, and together with us, as we sailed through the Atlantic Ocean, in the hold of the same cargo ship, landing in this province of the then Portuguese Overseas and, in this war scenario, we have met a forced time of two years together, friends, combatants and survivors, of a horrible guerrilla war)!.

…perdoem se nos alongámos, mas todo este relato era o que o companheiro “Curvas, alto e refilão” nos contava, em alguns momentos em que lhe vinham algumas lágrimas aos olhos, principalmente quando aterrava por lá a avioneta do correio, onde quase todos recebiamos notícias da família e, ele não, nunca recebeu uma simples carta durante todos estes dois anos e, nesse momento se recolhia, umas vezes sentado no chão, outras deitado e encolhido no capim rasteiro, que existia em determinada área do aquartelamento, não muito distante do local onde exercíamos as nossas tarefas de cifrar e decifrar mensagens e nós, vendo-o lá, iamos ao seu encontro, ouvindo-o, às vezes por horas!. (Forgive us if we lengthened, but all this report was what the fellow “Curves, tall and fussy” told us, in some moments when there were some tears coming to his eyes, especially when the plane of the post landed there, where we almost all heard from the family, and no, he never received a simple letter during all these two years and at that moment he would retreat, sometimes sitting on the floor, sometimes lying and huddled in the undergrowth that existed in a certain area of the quarter, not far from where we were to encrypt and decipher messages, and we, seeing him there, would meet him, listening to him, sometimes for hours)!.

…depois de lerem este relato, compreenderão melhor a linguagem e algumas atitudes do companheiro “Curvas, alto e refilão”, em relatos seguintes, onde ele é o protagonista!. (After reading this account, you will better understand the language and some attitudes of the companion “Curves, loud and fussy”, in subsequent reports, where he is the protagonist)!.

…mais uma vez perdoem este intervalo no texto, mas vamos voltar ao cenário de guerra, falando do “Mister Hóstia”, (espero que ainda se lembram do nome deste companheiro), que neste momento, faz parte de uma coluna militar, que tem que viajar entre duas áreas no interior norte, entre aldeias onde existem aquartelamentos das forças armadas Portuguesas!. (Once again forgive this break in the text, but let’s go back to the war scene, talking about the “Mister Host”, (I hope you still remember the name of this fellow), who is now part of a military column who have to travel between two areas in the northern interior, between villages where there are quarters of the Portuguese armed forces)!.

…ele, o “Mister Hóstia” vai contar-nos, ou seja, nós vamos tentar escrever o mais aproximadamente o que foram as suas palavras!. Algumas cenas são horríveis, mais uma vez perdoem, não queremos de alguma maneira ferir os vossos sentimentos, vai descrever-nos o mêdo e a angústia por que passou, tal como nos contou a nós no momento da chegada ao aquartelamento, explicando um cenário que nós, ao ouvir este relato, nos arrepiámos, comovendo-nos, indo pouco a pouco perdendo a cor da cara, tendo-nos sentado para não cair no chão! O “Mister Hóstia”, com as lágrimas nos olhos e a tremer de emoção, ia nos contando: (He, the “Mister Host” will tell us, that is, we will try to write as roughly as his words were, some scenes are horrible, once again forgive, we do not want to hurt your feelings will describe to us the fear and anguish you have experienced, as you told us upon arrival at the barracks, explaining a scenario that we, on hearing this account, shuddered, moved, bit by bit, losing face color, having us sit so we don’t fall to the floor!, The “Mister Host”, with tears in his eyes and shaking with emotion, was telling us:).

…atravessam zonas de combate!. A estrada de terra batida por onde vão passar é estreita, em alguns locais, além de alguma água existe capim e árvores rasteiras de ambos os lados, quase encobre a estrada!. É um potencial local para uma possível emboscada, colocação de minas ou fornilhos, pelo menos no momento em que transitam viaturas auto!. (Cross combat zones!. The dirt road they are going to pass is narrow, in some places, besides some water there is grass and undergrowth on both sides, almost covering the road!. It is a potential place for a possible ambush, mines or fornillos, at least when driving cars)!.

…o “Mister Hóstia”, tal como o “Setubal”, e o “Curvas, alto e refilão” que eram militares de combate, pois pertenciam a uma unidade de pelotão de morteiros, já tinham alguma experiência em combate!. (“Mister Host”, like “Setubal”, and “Curves, tall and fussy” who were combat soldiers, since they belonged to a mortar platoon unit, already had some combat experience)!.

…nessa manhã, o “Mister Hóstia”, cheio de fé, pois meia hora antes de partirem já estava de joelhos, encostado ao mosquiteiro em oração profunda!. Viajam agora com parte de uma companhia de intervenção, reforçada com alguns soldados guinéus alistados nas forças armadas, que normalmente serviam de guias e tradutores!. Eram transportados em viaturas abertas, tipo quatro bancos compridos no topo da viatura, dois ao meio, de costas um para o outro, e por vezes dois mais, um de cada lado!. (This morning the “Mister Host”, full of faith, for half an hour before leaving was already on his knees, leaning against the mosquito net in deep prayer!. They are now traveling with part of an intervention company, reinforced with some Guinean soldiers enlisted in the military, who usually served as guides and translators!. They were carried in open cars, like four long seats on top of the car, two in half, with their backs to each other, and sometimes two more, one on each side)!.

…aquela viatura estava coberta com sacos de areia na frente, para sofrer menos com o impacto de possível rebentamento de uma mina, ou qualquer outro engenho explosivo!. O “Mister Hóstia”, nunca viajou na frente ao lado do condutor, o seu lugar preferido nestas situações era o
segundo a contar de trás, num dos bancos do meio, portanto nem o primeiro nem o terceiro, no segundo é que se sentia mais confortável!. (That vehicle was covered with sandbags at the front, to suffer less from the impact of a possible mine blast, or any other explosive device!. The “Mister Host” never traveled in front of the driver’s side, his favorite seat in these situations was the second from behind, in one of the middle seats, so neither the first nor the third, in the second it felt more comfortable)!.

…as viaturas que faziam parte desta coluna militar, rolavam a uma velocidade muito baixa, talvez dez ou quinze quilómetros por hora!. Iam devagar, mesmo muito devagar, vigilantes, no entanto fazia um calor infernal e um silêncio demasiado calmo!. No espaço de segundos, a coluna é flagelada por rajadas de metralhadora, seguida de uma forte rebentação!. Uma rebentação, estrondosa!. (The vehicles that were part of this military column, rolled at a very low speed, maybe ten or fifteen kilometers per hour!. They were slow, very slow, watchful, yet it was hellish heat and too quiet! Within seconds, the column is plagued by bursts of machine gun, followed by a loud burst!. A crashing, thunderous)!.

…o “Mister Hóstia”, só se lembra de, já no chão, na berma da estrada, sem capacete de protecção, sem a G-3, mas com os carregadores à cinta, apalpar a cabeça por diversas vezes, assim como algumas partes do corpo na procura de sangue, o que felizmente não viu!. Abaixou-se o mais que pode, procurando esconder o corpo!. (“Mister Host” only remembers, already on the ground, on the side of the road, without protective helmet, without the G-3, but with the loaders in the belt, to feel the head several times, as well as some parts of the body in search of blood, which fortunately did not see)!. He bent down as far as he could, trying to hide his body)!.

…com o impacto da rebentação da mina ou qualquer outro engenho explosivo, na frente da viatura, quase todos os militares foram projectados, e voaram para o chão!. O barulho dos tiros que se seguiu à rebentação, era cada vez mais forte, vinham das árvores, lá ao longe!. A seu lado, um militar, também já com uma certa experiência em combate, o “Setubal” (seu nome de guerra, derivado a ser oriundo da cidade de Setubal), não parava de dar tiros na direcção das árvores, consumiu todas as suas munições, as que trazia e as que o “Mister Hóstia” lhe deu!. (With the impact of the mine breaking or any other explosive device in front of the vehicle, almost all the military were projected, and flew to the ground!. The noise of the gunshots that followed the surf was getting louder, coming from the trees far away!. Beside him, a military man, also already with some combat experience, the “Setubal” (his war name, derived from the city of Setubal), kept shooting at the trees, consumed all his ammunition, the ones he brought, and the ones the “Mister Host” gave him)!.

…passado uns longos dez, quinze ou vinte minutos, ninguém sabia ao certo, o som dos tiros fica menos frequente de parte a parte, até que terminaram!. Ouviam-se, gemidos, alguns gritos de aflição e o som de qualquer coisa a arder, com algum fumo expesso que saía do que restava da frente da viatura!. (After a long ten, fifteen or twenty minutes, no one knew for sure, the sound of the gunshots is less frequent from side to side until they are finished!. There were moans, some shouts of distress, and the sound of something burning, with some thick smoke coming out of what was left of the front of the car)!.

…quase simultâneamente começou a ouvir-se as palavras obscenas e a fúria do “Curvas, alto e refilão”, que apesar de ferido na parte inferior de uma perna, com a ajuda da sua G-3 servindo de muleta, caminhava de um lado para o outro, gesticulando, chamando por alguns nomes de companheiros, querendo certificar-se se havia mais alguém ferido precisando de ajuda!. (Almost simultaneously began to hear the obscene words and fury of the “Curves, tall and fussy”, who despite being injured at the bottom of one leg, with the help of his G-3 serving as a crutch, walked from side by side, gesturing, calling for some names of mates, wanting to make sure someone else was injured in need of help)!.

…o “Setubal”, levanta-se devagar, olha em volta, e deita-se de novo ao lado do “Mister Hóstia” e, com as mãos na cabeça, exclama: (The “Setubal”, slowly gets up, looks around, and lies down again next to the “Mister Host” and, with his hands on his head, exclaims:)

    – Meu Deus, que desastre!.
    – (My God, what a disaster)!.

…e tinha sido um desastre!. Houve três mortos e sete feridos, alguns com balas no corpo!. A frente da viatura, destroçada pela rebentação do engenho explosivo, estava trucidada!. Do “Vouzela” (seu nome de guerra, por ser oriundo da então vila de Vouzela), que era o condutor, e do furriel Madeira, que era o militar que ia a seu lado, foram recolhidas algumas partes do corpo!. Recolheram, os pés, com parte das pernas e parte da cintura, assim como alguma parte superior do corpo e da cabeça, que estavam protegidos pelas botas, cinto das cartucheiras e pelo capacete, que guardaram em dois casacos camuflados que o “Setubal” e o “Mister Hóstia”, despiram!. Havia sangue e pedaços de carne humana colados ao que restava da frente da viatura!. (And it had been a disaster!. There were three dead and seven wounded, some with bullets in the body)!. The front of the car, shattered by the explosion of the explosive device, was smashed!. From the “Vouzela” (his name of war, coming from the then village of Vouzela), which was the driver, and from the furriel Madeira, which was the military man who was by his side, some body parts were collected!. They gathered their feet, part of the legs and waist, as well as some upper body and head, which were protected by the boots, cartridge belt and helmet, which they kept in two camouflage coats that the “Setubal” and the “Mister Host” undressed!. There was blood and pieces of human flesh glued to what was left of the front of the car)!.

…um militar, acabou de morrer nos braços do “Mister Hóstia”, as suas últimas palavras, foram mais ou menos estas: (A military man, just died in the arms of the “Mister Host”, his last words were something like this:)

“Mister Hóstia”, vou morrer, diz ao amigo “Cifra” (era o nosso nome de guerra devido às nossas tarefas), que mande todas as minhas coisas, mais aquilo que ele sabe, para a minha família em Portugal, que era de onde eu nunca devia ter saído!.
– (“Mister Host”, I’m going to die, tell my friend “Cifra” (it was our name of war due to our tasks), to send all my things, plus what he knows, to my family in Portugal, which was where I should never have left)!.

…estas palavras, foram ditas devagar, aos soluços e com uma bondade nos olhos, que o “Mister Hóstia”, não mais pode esquecer!. (These words were spoken slowly, with sobs and with a kindness in their eyes, which the “Mister Host” can no longer forget)!.

…o “Mister Hóstia”, ainda lhe disse: (The “Mister Host”, said to him:)

– Não morres nada, pois não tens qualquer ferimento!.
– (You die nothing, for you have no injury)!.

…mas a sua cara tombou para o lado e morreu!. Este militar não mostrava qualquer ferimento à vista no corpo, mas ao virarem-no de costas, viram sangue, descobrindo uma bala alojada nas costas, um pouco abaixo da clavícula, todos diziam que essa bala alojada no seu corpo, não era motivo para morrer, mas possivelmente algum orgão lhe rebentou por dentro, com o impacto da rebentação da mina, ou minas, ninguém sabia!. (But his face fell to the side and died!. This military man showed no visible injury to his body, but turning his back saw blood, discovering a bullet lodged in the back, just below the collarbone, all said that this bullet lodged in his body was no reason to die, but possibly some organ burst inside, with the impact of the mine breaking, or mines, nobody knew)!.

…pedidos socorros, vieram dois helicópteros, que recolheram o morto, o que restava dos outros dois mortos e alguns feridos com mais gravidade!. Os feridos sem gravidade, incluindo o “Curvas, alto e refilão”, assim como o resto dos militares, regressaram ao ponto de partida!. (Calls for help, came two helicopters, which collected the dead, what was left of the other two dead and some more seriously injured!. The non-serious wounded, including the “Curves, all and fussy”, as well as the rest of the military, returned to the starting point)!.

…uns dias depois, foram buscar o que restava da viatura, onde já faltavam, algumas partes e onde estavam escritas legendas provocatórias e de intimidação aos militares, escritas a tinta amarela e verde, pelos guerrilheiros, sinal de que o local tinha sido visitado antes!. Esta estrada, que não era mais que um carreiro, que os militares usavam para encurtar caminho, não mais foi usada!. (A few days later, they went to search for what was left of the vehicle, where some parts were missing, and where they were written provocative and intimidating captions to the military, written in yellow and green ink by the guerrillas, a sign that the place had been visited before)!. This road, which was no more than a path, which the military used to shorten the path, was no longer used)!.

…nós, fizémos uma colecta para angariação de dinheiro entre todos, pagando os custos, colaborando com os militares encarregues de mandar as coisas e o corpo deste militar morto em combate para Portugal, (porque de outra maneira era enterrado no cemitério da capital da província ou mesmo na vila de Mansôa, onde estávamos estacionados), incluindo um bocado do camuflado ainda ensanguentado que o militar usava no momento em que foi morto, que o “Mister Hóstia”, teve a coragem de cortar, quando descobriu o buraco da bala no seu corpo!. (We made a collection to raise money from everyone, paying the costs, collaborating with the military in charge of sending things and the body of this dead soldier in combat to Portugal, (because otherwise he was buried in the cemetery of the capital even in the village of Mansôa, where we were stationed), including a bit of the still bloodied camouflage that the military man wore at the time he was killed, which the “Mister Host” had the courage to cut when he discovered bullet in your body)!.

…colocámos tudo, dentro da pequena mala amarrando-a com uma corda junto do saco de campanha, que se encontrava debaixo da sua cama, sendo enviado para Portugal com a ajuda do Movimento Nacional Feminino, mais aquilo a que se referia, que era um envelope com algum dinheiro, que era dele e, nos tinha pedido para guardar num compartimento quase secreto do Centro Cripto, dinheiro este que ele recebia de ajudar algumas vezes na messe dos sargentos e que, quando nos entregava, para lho guardar, dizia: (We put everything inside the small suitcase by tying it with a rope next to the campaign bag, which was under her bed, being sent to Portugal with the help of the National Women’s Movement, plus what she was referring to, that it was an envelope with some money, which was his own, and he had asked us to keep it in an almost secret compartment of the Crypto Center, which he sometimes received from helping with the sergeants’ mess and when he handed it to us to keep it, he said:)

– Isto, é para um começo de vida, quando regressar a Portugal!.
– (This is for a beginning of life when you return to Portugal)!.

…no momento em que recolhiamos todas as coisas na mala e no saco de campanha, incluindo o bocado de camuflado ensanguentado, o “Curvas, alto e refilão”, num ataque de fúria, agarra-se à cama deste militar, rasga o mosquiteiro, abraça-se ao colchão e grita em plenos pulmões: (As we gather everything in the suitcase and the campaign bag, including the bloody camouflage piece, the “Curves, tall and fussy”, in a fit of fury, clings to the military’s bed, tears the mosquito net, cuddles to the mattress and shouts in the top of his lungs:

– Eu máto-os, eu máto-os a todos!. Só vou descansar, quando os matar!.
 – (I kill them, I kill them all!. I will only rest when I kill them)!.

…todos fugiram dele!. Mais tarde o “Trinta e Seis” (soldado rádio-telegrafista, era o seu nome de guerra), aproximou-se e levou-o para fora da barraca dormitória!. (Everyone ran away from him!. Later the “Thirty-Six” (radio-telegraph soldier was his war name) approached and led him out of the dormitory tent)!.

…nunca soubemos nada do que passou com os restos mortais do condutor “Vouzela” e da furriel Madeira, ou onde foram spultados! (We never knew anything about what happened to the remains of the driver Vouzela and the furriel Madeira, or where they were spilled)!.

…já em Portugal, visitámos a família deste militar morto em combate, por algumas vezes!. Era de uma aldeia na região da serra da Estrela! Havia lá uma irmã e um irmão, já ambos casados, assim como a sua mãe que andava sempre vestida de preto e, dizia: (Already in Portugal, we visited the family of this military man killed in combat, a few times!. It was from a village in the Serra da Estrela region!. There was a sister and brother there, both already married, as well as their mother who was always dressed in black and said:)

– Ainda não fui, mas não tarda muito tempo!. Sou viúva duas vezes, do meu Joaquim, que Deus lhe guarde a alma em descanso, e do meu António, que era a cara do pai quando nasceu, e que deu o corpo às balas, lá na guerra de África!.
    – (I haven’t been yet, but it won’t be long! I am a widow twice, my Joaquim, may God keep his soul at rest, and my Antonio, who was the face of his father when he was born, and who gave the body to the bullets, there in the war of Africa)!.

…e mostrava sempre a fotografia do António e beijava-a, encostando-a ao coração!. (And always showed the photograph of Antonio and kissed it, touching it to the heart)!.

Tony Borie, November 2019.

…mais um grito de revolta!. (One more shout of revolt)!.

…mais um grito de revolta!. (One more shout of revolt)!.

…mais um grito de revolta!. (One more shout of revolt)!.

…é ainda madrugada, sentei-me na frente do computador, fazendo a normal “busca diária” por diferentes latitudes e, encontrei vários temas e assuntos que sobressaiam!. (It is still dawn, I sat in front of the computer, doing the normal “daily search” for different latitudes and found several themes and subjects that stand out)!.

…um, era o problema da falta de água potável em diferentes, algumas até remotas, zonas do planeta que habitamos chamado “Terra”!. (One, was the problem of lack of drinking water in different, some even remote, areas of the planet we inhabit called “Earth”)!.

…e, verificámos que a humanidade não tem recursos para extrair água em zonas áridas, como em algumas regiões de África, da América do Sul ou mesmo na Austrália, mas em contrapartida tem dinheiro para procurar água, vida inteligente ou outras valias, no longínquo planeta “Marte”!. (And we have found that mankind cannot afford to draw water in arid areas such as some regions of Africa, South America or even Australia, but in return has money to look for water, smart life or other assets, on the distant planet “Mars”)!.

…depois havia notícias como o aumento de temperatura, onde nos explicam que no final do século poderá exceder os 12 graus!. Se for verdade, iria haver a extinção de algumas espécies em cascata, como o Tigre-Urso Polar, os simpáticos Pinguins, algumas espécies de Tartarugas, o Atum Rabilho do Atlântico, o célebre Gorila da Montanha, o Rinoceronte, o Elefante, os Pandas gigantes, ou a Águia Imperial!. (Then there was news like the rise in temperature, which explains that by the end of the century it could exceed 12 degrees!. If true, there would be the extinction of some cascading species, such as the Polar Bear Tiger, the friendly Penguins, some Turtle species, the Atlantic Bluefin Tuna, the famous Mountain Gorilla, the Rhino, the Elephant, the Pandas giants, or the Imperial Eagle)!.

…iria haver secas incrivelmente graves em grandes partes do planeta, chuvas muito severas em outras regiões, tempestades mais intensas, ondas devastadoras de calor numa escala que ninguém na história humana alguma vez experimentou, massas de refugiados, aumento nos preços dos alimentos no mundo e, entre outras catástrofes na agenda humana, um aumento do nível da água do mar que iria afogar as regiões costeiras do planeta!. (There would be incredibly severe droughts in large parts of the planet, very severe rainfall in other regions, more intense storms, devastating waves of heat on a scale no one in human history has ever experienced, masses of refugees, rising food prices in the world world and, among other disasters on the human agenda, a rise in sea level that would drown the coastal regions of the planet)!.

…então nós perguntamos: “Existem recursos para se procurar água e vida inteligente no planeta “Marte” mas, haverá também vida inteligente no planeta “Terra”, que possa prevenir todas estas catástrofes anunciadas”?. (Then we ask: “Are there resources to look for water and intelligent life on planet “Mars”, but is there also intelligent life on planet “Earth” that can prevent all these announced disasters”)?.

…”adiante que se faz noite”, como nos dizia a nossa querida avó materna Agar de quem, cada vez temos mais saudades!. (“Ahead of Night”, as our dear maternal grandmother Agar told us, whom we miss the most)!.

…saudades de quando éramos crianças, que com ela assistíamos às tarefas dos grupos de homens e mulheres que trabalhavam os campos, que eram verdes e nunca ardiam e que hoje estão secos e cobertos de cinzas, talvez pelo excesso de uma “liberdade queimada”!. (We missed when we were children, with whom we watched the tasks of the groups of men and women who worked the fields, who were green and never burning and who are now dry and covered with ashes, perhaps by the excess of a “burnt freedom”)!.

…saudades dos ajuntamentos à volta de um simples petisco, (porque já não existem petiscos tal como pão, azeitonas e um malga de vinho) nem grupos de trabalhadores da terra, que utilizavam esses momentos para recompensa do trabalho árduo, principalmente ao final das tardes, ou até da vida simples de outrora, como por exemplo o cheirar os odores dos campos com erva ceifada de fresco, ou até daquelas tascas, onde se bebia um “copo de três” que, infelizmente já passaram à história!. (Miss the gatherings around a simple snack, (because there are no more snacks such as bread, olives and a wine malga) or groups of land workers, who used these moments to reward hard work, especially at the end in the afternoons, or even the simple life of yore, such as smelling the odors of the fields with freshly mown grass, or even those taverns, where one drank a “glass of three” which, unfortunately, are now history)!.

…hoje, e infelizmente é uma realidade, claro, também existem excepções e, nós nada tendo em contra, apenas simplesmente mencionamos, em lugar de ajuntamentos à volta de um petisco, fazem-se banquetes e jantaradas, com intelectuais, revolucionários, prostitutas, chulos, violadores, políticos, (alguns que no futuro até são identificados como ladrões ou assassinos), atletas milionários de clubes na bancarrota, cantores pimba, presidentes, sindicalistas, apresentadores de televisão, ou seja os profissionais da faladura, sendo quase todos Doutores, Professores, Engenheiros ou Gestores que, em lugar de exercerem as profissões para que estudaram (se é que estudaram), infelizmente se dedicam exclusivamente à política, onde todos, num lamaçal de controlo mediático, chegam em luxuosos carros, alguns com chauffer privado!. (Today, and unfortunately it is a reality, of course, there are also exceptions and, having nothing against it, we just mention, instead of gatherings around a snack, banquets and dinners are held with intellectuals, revolutionaries, prostitutes, pimps, rapists, politicians (some who in the future are even identified as thieves or murderers), bankruptcy club millionaires, pimba singers, presidents, trade unionists, television presenters, almost all of the flawed professionals. Doctors, Professors, Engineers or Managers who, instead of exercising the professions for which they studied (if they studied at all), unfortunately are devoted exclusively to politics, where everyone, in a media-controlled mire, arrives in luxurious cars, some with private chauffer)!.

…naquele tempo, um homem ou uma mulher nascia e crescia num ambiente de trabalho, atravessava um breve período de florescimento da sua beleza e do desejo sexual, onde mostravam os seus dotes em bailaricos de aldeia, casavam aos vinte ou perto dessa idade, atingiam a maturidade aos trinta e, o resto das suas vidas era um trabalho físico pesado, as lides domésticas, a educação dos seus filhos, (onde alguns trabalhavam muitas horas por dia para ajudar os pais), a vinda dos netos, tornando-se idosos, onde principalmente nas vilas e aldeias, usufruindo de alguma paz, envelheciam junto da sua família, convivendo com outros idosos, alguns seus amigos de infância, num qualquer lugar ao sol, esperando pela hora de deixarem este mundo!. (At that time, a man or woman was born and raised in a work environment, was going through a brief period of flowering of their beauty and sexual desire, where they showed their skills in village dancers, married at or near that age, reached maturity at the age of thirty and the rest of their lives were heavy physical labor, housework, the education of their children (where some worked many hours a day to help their parents), the coming of grandchildren, making if elderly, where mainly in the towns and villages, enjoying some peace, aged with their family, living with other elderly, some of their childhood friends, somewhere in the sun, waiting for the time to leave this world)!.

…hoje, em alguns países desenvolvidos, (infelizmente, quase todos estão a ser vendidos a retalho) é oferecido um mundo maravilhoso, servido numa “bandeja de ouro”, onde talvez o maior contraditório, que na nossa simples opinião é a causa central da violência e degeneração da vida emocional nas grandes cidades que, voltando à palavra infelizmente, são dominadas por meios electrónicos de comunicação, cuja influência parece crescer lado a lado com a falta de comunicação real entre os seres humanos, onde existe o acesso ao crédito facil, incluindo diversos cartões de crédito para uma só pessoa, facilitando a compra de uma casa ou de um carro, e claro, podem comer carne ou peixe todos os dias, o importante é consumir, pois as grandes superfícies estão mesmo ali!. (Today, in some developed countries, (unfortunately, almost all of them are being retailed) a wonderful world is offered, served on a “gold tray” where perhaps the greatest contradiction, which in our simple opinion is the cause of violence and the degeneration of emotional life in large cities which, unfortunately, are dominated by electronic means of communication, whose influence seems to grow side by side with the lack of real communication between human beings, where there is access to credit easy, including multiple credit cards for one person, making it easy to buy a house or a car, and of course, can eat meat or fish every day, the important thing is to consume, because the large surfaces are right there)!.

…resultado!. As grandes cidades onde vivem, tornam-se importantes centros que infelizmente degeneram pelo seu distanciamento da verdadeira natureza, das tais florestas ou áreas de agricultura verdes e dos seus ritmos vitais básicos, onde a chuva, o frio ou o sol determiam as leis e, as pessoas tal como um animal em cativeiro, perdem a alegria de viver, porque o ser humano distante da natureza é preso pelas suas preocupações pessoais e dificilmente encontra paz dentro ou fora de si, e claro, o resultado é a violência, primeiro no pensamento e sentimento, depois, o que já é uma catástrofe, é na realidade exterior, onde alguns quase são convidados a começar na rota do crime!. (Result!. The large cities in which they live become important centers that unfortunately degenerate from their remoteness from true nature, from such green forests or agricultural areas, and from their basic vital rhythms, where rain, cold, or sun determined the laws and, people like a captive animal lose the joy of living, because the human being away from nature is trapped by their personal concerns and hardly finds peace inside or outside themselves, and of course, the result is violence, first thought and feeling, then, what is already a catastrophe, is in reality outside, where some are almost invited to start on the crime route)!.

…não vamos pensar em catástrofes mas na realidade, nos tempos de hoje e, colaborando com os previlégios da vida moderna e confortável do tal consumismo, se o filho do meu vizinho tem, o meu também tem que ter!. (Let’s not think of catastrophes but in reality, in today’s times and, collaborating with the privileges of the modern and comfortable life of such consumerism, if my neighbor’s son has, mine also has to have)!.

…existem Universidades por tudo quanto é cidade, oferecendo cursos às centenas, onde podem obter o precioso certificado de habilitações para poderem concorrer ao tão desejado emprego!. É o facilitismo para toda a gente inteligente, são os tempos de fartura mas, tal como anteriormente explicámos, existe o contraditório, ou seja, o pequeno problema onde, voltando ao princípio deste texto dizíamos que, “continuam gastando dinheiro procurando água e vida inteligente no planeta “Marte” e, aqui no planeta “Terra”, existe a falta de recursos para a sua exploração, morrendo todos os dias milhares de pessoas por falta de água potável”!. (Universities exist for every city, offering courses in the hundreds, where they can obtain the precious certificate of qualification to be able to apply for the desired job!. It is facilitism for all intelligent people, it is the times of plenty but, as we explained earlier, there is the contradictory, that is, the little problem where, going back to the beginning of this text we said, “They keep spending money looking for water and smart life. on the planet “Mars” and here on the planet “Earth” there is a lack of resources for its exploitation, dying every day thousands of people for lack of drinking water”)!.

…depois, falando da continuação das gerações vindouras, os filhos vivem com os pais até aos trinta, namoram uns anos e alguns casam aos quarenta, criando dívidas nos tais investimentos modernos que lhe proporcionam a tal vida decente nas grandes cidades, acabando o resto das suas vidas escravos desses mesmos investimentos, trabalhando e vivendo algumas décadas de prazer da boa vida a que se acostumaram e, futuros filhos, que serão os seus descendentes e continuação do povoamento deste planeta onde vivemos, isso é um projecto a que só alguns previligiados terão acesso, ou seja, aqueles que renunciaram aos previlégios da vida moderna e confortável do consumismo! (Then, speaking of the continuation of the generations to come, the children live with their parents until their thirties, date a few, and some marry at forty, creating debts in such modern investments that give them such decent living in the big cities, ending the the rest of their lives slaves to those same investments, working and living a few decades of pleasure from the good life they have become accustomed to, and future children who will be their descendants and continuing the settlement of this planet where we live, this is a project that only a few privileges will have access, that is, those who have renounced the privileges of the modern and comfortable life of consumerism)!.

…não nos envergonhamos, pelo contrário, consideramo-nos uns previlegiados de ter nascido há mais de três quartos de um século, onde felizmente ninguém pensava sequer na palavra “consumismo”, até se dizia que comíamos “o pão amassado com o suor do rosto”, numa vida dura, com muitas carências, com invernos tristes, numa aldeia sem luz eléctrica, onde à noite se mergulhava na escuridão, mas onde as pessoas sobreviviam e sonhavam!. (We are not ashamed, on the contrary, we consider ourselves to be privileged to have been born more than three quarters of a century ago, where fortunately no one even thought of the word “consumerism”, even it was said that we ate “bread crushed with sweat of the face”, in a hard life, with many needs, with sad winters, in a village without electricity, where at night it plunged into darkness, but where people survived and dreamed)!.

…a única vivência menos boa, foi os anos de juventude passados na Guerra Colonial, no entanto, com algum esforço ainda nos consideramos “Um jovem rapaz que nasceu há mais de três quartos de um século”, que entre outras, teve a infeliz sorte de ir combater na estúpida Guerra Colonial Portuguesa em África!. (The only less good experience was the years of youth spent in the Colonial War, however, with some effort we still consider ourselves “A young boy who was born more than three quarters of a century ago”, which among others, had the unfortunate luck in fighting the stupid Portuguese Colonial War in Africa)!.

…resumindo!. O ser humano é o único animal que destrói, polui, e faz inúmeras maldades com sua própria espécie!. Mesmo assim, o único animal que é considerado racional, somos nós os humanos e, então perguntamos: “Procura-se água e vida inteligente no planeta “Marte” mas, haverá vida inteligente no planeta “Terra”, que possa prevenir todas estas catástrofes, ou entre outras coisas, toda esta vida moderna e confortável do consumismo”?. (In short, the human being is the only animal that destroys, pollutes, and does innumerable evil deeds with his own species!. Even so, the only animal that is considered rational is us humans and then We ask: “Is water and intelligent life sought on the planet “Mars”, but is there intelligent life on planet “Earth” that can prevent all these disasters, or among other things, all this modern, comfortable life of consumerism”?.

Tony Borie, November 2019.

…a maldição de um veterano é que nunca esquece!. (The curse of a veteran is that he never forgets)!.!

…a maldição de um veterano é que nunca esquece!. (The curse of a veteran is that he never forgets)!.!

Tony Borie - "Pieces of my life"

…a maldição de um veterano é que nunca esquece!.(The curse of a veteran is that he never forgets)!.

…já passaram mais de cinco décadas, quase seis, mas, o corpo e a mente de um veterano de guerra, quanto mais a sua idade avança, infelizmente, mais frequentemente reage aos disparos da memória, dando lugar ao sentimento que pode ser representado nestas simples palavras!. (It’s been more than five decades, almost six, but the body and mind of a war veteran, the older he gets, unfortunately, the more often he reacts to the firing of memory, giving way to the feeling that can be. represented in these simple words)!.

…“a maldição de um veterano é que nunca esquece”!.(“The curse of a veteran is that he never forgets”)!.

…sentindo de novo em alguns momentos, os efeitos e as causas de ter servido a nação numa zona de guerra, que foi sem…

View original post 3,858 more words