…terras pantanosas da Flórida!. (…swampy lands of Florida)!.

…vivemos por aqui, como tal vamos escrevendo daquilo que vimos, às vezes de episódios que observamos durante as nossas frequentes caminhadas, algumas delas… aquáticas!. E, na nossa já um pouco avançada idade, caminhar tornou-se um hábito que nos vai mantendo com alguma energia, e claro, caminhando vamos criando algumas personagens na nossa imaginação, que nos vão ajudando a ir vivendo e enfrentar os problemas do dia a dia!.

(…we live around here, so we write from what we saw, sometimes from episodes we observed during our frequent walks, some of them… aquatic!. And, at our somewhat advanced age, walking has become a habit that keeps us going with some energy, and of course, walking we create some characters in our imagination, which will help us to go on living and face the problems of the day)!.

…algumas até nos fazem rir pelas situações engraçadas em que por vezes se envolvem, como por exemplo, as “golfinhas”, umas pequeninas tartarugas, que se aventuraram na água pela primeira vez, mas com muita dificuldades em nadar, e nós, vendo-as aflitas, ajudámos a voltar à terra firme!.

(…some even make us laugh because of the funny situations in which they sometimes get involved, such as the “golfinhas”, little turtles, who ventured into the water for the first time, but with great difficulty in swimming, and we, seeing them the afflicted ones, we help to get back to dry land)!.

…como tal, vimos, observamos aquilo a que chamamos “histórias ambulantes”, e que depois contamos, como por exemplo o armazenamento natural de água nos lagos, alguns artificiais, que são essenciais para restaurar a saúde da natureza, capturando descargas excessivas das chuvas torrenciais da época dos tornados, que são essenciais para melhorar a saúde dos estuários, que são muito danificados pelas altas descargas de água e pelos efeitos prejudiciais de naturais possíveis inundações!.

(…as such, we have seen, we observe what we call “walking stories”, and which we later tell, such as the natural storage of water in lakes, some artificial, which are essential to restore the health of nature, capturing excessive rainfall torrents from the time of tornadoes, which are essential for improving the health of estuaries, which are heavily damaged by high water discharges and the harmful effects of possible natural flooding)!

…e, esta maravilhosa costa marítima e histórica de uma Florida ainda um pouco selavagem onde presentemente vivemos, tem uma herança que remonta a uns 6.000 anos atrás, no entanto, por volta do século 16, os exploradores europeus trouxeram para esse povo pacífico um conflito cultural travado pela liberdade religiosa e pelo controle de lucrativas rotas marítimas, construindo assentamentos que pouco a pouco e alguns anos depois, se transformaram em “Fortalezas”, equipadas militarmente!.

(…and, this wonderful historic sea coast of a still somewhat wild Florida where we now live, has a heritage that goes back some 6,000 years ago, however, around the 16th century, European explorers brought conflict to this peaceful people. culturally hindered by religious freedom and the control of lucrative maritime routes, building settlements that little by little and a few years later, were transformed into “Fortalezas”, equipped militarily)!.

…porquê?. Porque entre outras razões, estratégicamente, a corrente do Golfo que atravessa o Estreito da Flórida e continua subindo pela costa leste, virando um pouco para oeste em direção aos portos europeus, era frequentemente aproveitada como rota de navegação para os comboios transoceânicos que iam transportando suprimentos navais, ouro e prata ou tudo o mais que era possível e que entendiam que era útil para enriquecer o património das companhias de expedição e de alguns reinos Europeus!.

(…because?. Because among other reasons, strategically, the Gulf Stream that crosses the Florida Straits and continues up the east coast, turning a little west towards European ports, was often used as a navigation route for the transoceanic convoys that carried supplies. naval, gold and silver or everything else that was possible and who understood that it was useful to enrich the patrimony of the expedition companies and of some European kingdoms)!.

…e, por aqui foi ficando o resto, ou seja, um povo que tinha sido pilhado dos seus bens naturais e pouco mais!. Contudo, a natureza, essa foi um património que não conseguiram levar e, é dela que frequentemente falamos, tal como as terras pantanosas, como por exemplo os “Everglades da Flórida”, um dos únicos grandes campos do mundo, que é marcado por um lençol lento e silencioso de água doce que se move acima e abaixo do solo!.

(…and, around here, the rest remained, that is, a people who had been plundered of their natural assets and little else!. However, nature, this was a heritage that they were unable to take and it is often referred to as the marshy lands, such as the “Everglades of Florida”, one of the only great fields in the world, which is marked by a slow and silent sheet of fresh water that moves above and below the ground)!.

…são terras que fornecem um habitat para espécies de ampla variedade, como a pantera da Flórida ou o urso preto, os alligatores (crocodilos), bem como outras espécies, tal como para alguns fazendeiros, ajudando-os na agricultura e no escoamento de nutrientes, protegendo as terras secas para recarga de água e, esta vasta área húmida também fornece água para milhões de pessoas!.

(…are lands that provide a habitat for a wide variety of species such as the Florida panther or black bear, alligators as well as other species, as for some farmers, helping them in agriculture and nutrient run-off , protecting drylands for water recharge, and this vast wetland also provides water for millions of people)!.

…e existem por aqui tantos “Everglades”, que hoje felizmente têm alguma protecção, com programas federais para proteger e restaurar as áreas húmidas que ajudam a reabastecer o ambiente, retornando milhões e milhões de galões de água das chuvas sazonais para o seu leito, que por sua vez, ajudam a restaurar o fluxo natural de água!.

(…and there are so many “Everglades” around here, which happily have some protection today, with federal programs to protect and restore wetlands that help replenish the environment, returning millions and millions of gallons of seasonal rainwater to their bed, which in turn help to restore the natural flow of water)!.

…estes pântanos de água doce, salgada ou salubre, que abrangem quase toda da Flórida, ligando alguns rios, riachos ou canais, mostram um cenário típico que varia consoante as estações do ano, alguns cujas nascentes fornecem águas subterrâneas essenciais para outros rios e estuários, ao mesmo tempo que oferecem oportunidades únicas para pesca e outras atividades recreativas!.

(…these fresh, salt or brackish water swamps, which cover most of Florida, connecting some rivers, streams or canals, show a typical scenario that varies with the seasons, some whose springs provide essential groundwater for other rivers and estuaries, while offering unique opportunities for fishing and other recreational activities)!.

…e, as estatísticas dizem-nos que milhares de famílias se estão movendo para o estado da Flórida a cada ano, como tal, as fontes de água subterrânea para a maioria das nascentes da Flórida, ou seja, a água potável, está a esgotar-se à medida que a demanda por água das áreas urbanas e práticas agrícolas insustentáveis ​​aumentam continuamente, tal como a poluição, incluindo fertilizantes e esgoto, espécies invasoras, nutrientes excessivos e erosão também prejudicam a saúde das nascentes!.

(…and, statistics tell us that thousands of families are moving to the state of Florida each year, as such, the groundwater sources for most of Florida’s springs, ie drinking water, are running out. up as urban water demand and unsustainable agricultural practices ​​continuously increase, as do pollution, including fertilizers and sewage, invasive species, excessive nutrients and erosion, also harm the health of springs)!.

…assim, nós os humanos temos que ajudar para que as nascentes de água doce, tal como as principais fontes e mananciais, tenham uma gestão sustentável e proteção duradoura, para minimizar as causas dramáticas que em alguns casos está a afectar a proteção da terra e, para que as nascentes saudáveis ​​continuem a existir, tal como estes maravilhosos “Everglades”!.

(…so, we humans have to help so that freshwater springs, as well as the main sources and springs, have a sustainable management and lasting protection, to minimize the dramatic causes that in some cases are affecting the protection of the land and , so that healthy springs ​​continue to exist, just like these wonderful “Everglades”)!.

…a nossa cultura de vida ensinou-nos a aprender a celebrar os defensores do clima como heróis e, já alguém escreveu que, “Alguém precisa de nos explicar por que querer água potável nos torna numa espécie de activistas, no entanto, propor a destruição da água com uma guerra química ou a ganância do desbravamento das florestas, na procura dum enriquecimento fácil, não torna essas pessoas como uma corporação terrorista”!.

(…our culture of life has taught us to learn to celebrate climate advocates as heroes, and someone has written that, “Someone needs to explain to us why wanting clean water makes us something of an activist, yet proposing destruction of water with a chemical war or the greed of clearing the forests, in search of an easy enrichment, does not make these people like a terrorist corporation”)!

…algumas pesquisas dizem-nos que no planeta Terra, mais de 20 milhões de mulheres e crianças, caminham mais de 45 minutos ao dia para colectar água potável, por vezes esperando na fila, para encher o seu recipiente numa fonte que está quase a secar!. Pensando nisto, faz-nos aumentar a conscientização sobre a nossa necessidade de proteger as gerações futuras, e claro, para a sobrevivência do nosso planeta!.

(…some research tells us that on planet Earth, more than 20 million women and children walk more than 45 minutes a day to collect drinking water, sometimes waiting in line, to fill their container at a fountain that is almost dry!. With this in mind, it makes us raise awareness about our need to protect future generations, and of course, for the survival of our planet)!.

…e, se deixarmos as coisas acontecerem enquanto esperamos que os nossos filhos ou netos criem uma mudança cultural, estaremos fugindo à nossa responsabilidade para com o futuro deles e, se ignorar-mos o risco de que a maior parte dos desastres climáticos são causados pelos humanos, e que infelizmente até se vão tornando tão normalizados nas nossas vidas, então sim, talvez sem o notar-mos, estamos a contribuir para a destruição dos recursos naturais e para que a sua futura vida, seja ainda mais difícil do que a nossa!.

(…and if we let things happen while we wait for our children or grandchildren to create a cultural change, we are evading our responsibility for their future and if we ignore the risk that most climate disasters are caused by human beings, and who unfortunately are even becoming so normalized in our lives, so yes, perhaps without us noticing, we are contributing to the destruction of natural resources and for their future life to be even more difficult than ours)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…não vamos, mas iremos!. (…we won’t, but we will)!.

…a nossa “White Fox” (nome com que carinhosamente baptizamos a nossa caravana), está parada há quase dois anos!. Não é bem parada, porque fazemos pequenas viajens ao redor do lugar onde vivemos, algumas até mesmo ao longo do estado da Flórida, mas as tais longas viajens com alguma aventura, pelo menos uma vez ao ano, não as temos feito!. 

(…our “White Fox” (name with which we affectionately christen our caravan), has been out of action for almost two years!. It’s not very quiet, because we take small trips around the place where we live, some even along the state of Florida, but such long trips with some adventure, at least once a year, we haven’t done)!.

…porquê?. Primeiro, foi porque a pandemia de coronavírus avançava com bloqueios, cancelando tudo à sua volta, recomendando-nos a permanecer em casa, em alguns casos forçando-nos com uma demanda reprimida, onde todos nos perguntávamos qual a maneira mais segura de viajar, se é que se podia viajar e, entre as opções que existiam, qual a que fazia mais sentido!. A segunda opção, é muito simples!. É a saúde física e mental, e claro, a vontade em sair de casa, agora nesta já um pouco avançada idade!..

(…because?. First, it was because the coronavirus pandemic advanced with blockades, canceling everything around it, recommending us to stay at home, in some cases forcing us with a pent-up demand, where we all asked ourselves the safest way to travel, if is that you could travel and, among the options that existed, which made the most sense!. The second option is very simple!. It’s physical and mental health, and of course, the desire to leave the house, now at this somewhat advanced age)!.

…depois de vacinados, dando assim a nossa contribuição para a saúde pública e, para que o mundo volte a ter um novo rosto, o rosto da comunidade de imunização, temos planos em voltar à estrada, para estar-mos mais vivos e começar a ter menos medo, porque quando começamos a proceder assim, “perdemos algum medo, mas ganhamos uma vida inteira”, porque são as pequenas coisas, estes pequenos pormenores, como a terra, o céu, os bosques e campos, lagos e rios, as montanha e o mar, que são os nossos excelentes professores e, às vezes ensinam-nos mais do que podemos aprender em livros!.

(…after being vaccinated, thus giving our contribution to public health and, for the world to have a new face, the face of the immunization community, we have plans to get back on the road, to be more alive and start to be less afraid, because when we start doing this, “we lost some fear, but we gained a lifetime”, because it’s the little things, these little details, like the earth, the sky, the woods and fields, lakes and rivers, the mountain and sea, who are our excellent teachers and sometimes teach us more than we can learn from books)!.

…mas inafortunamente a saúde um pouco menos boa, fez-nos adiar por algum tempo os tais planos de voltar à estrada ainda este verão!. Tudo se irá resolver e o norte, o tal norte indo sempre para oeste, irá de novo ser percorrido, e aqui e ali, iremos encontrar a aventura pendurada numa corda, ao lado duma montanha, dum rio selvagem, numa estrada deserta, dentro de uma tempestade, onde 574.156,74… pés de chuva constante, ou 732.489,24… pés, de neve branca e gelada, nos irão causar algumas dificuldades mas, se na verdade queremos saber verdadeiramente quem somos, teremos que viajar até que ninguém saiba o nosso nome!.

(…but unfortunately the health a little less good, made us postpone for some time such plans to return to the road this summer!. Everything will be resolved and the north, that north always going west, will be traversed again, and here and there, we will find the adventure hanging on a rope, beside a mountain, a wild river, on a desert road, within a storm, where 574,156.74…feet of constant rain, or 732,489.24…feet of icy white snow, will cause us some difficulties, but if we really want to know who we are, we will have to travel to let no one know our name)!.

…se a presente situação melhorar e a saúde voltar, lá para o outono voltaremos à estrada e, se a oportunidade surgir, iremos fotografar tudo ou todas as coisas que os nossos olhos virem e, que entender-mos que são dignas disso, e claro, algumas cenas, mesmo que sejam menos recomendáveis, onde dizem que é proibido fotografar, se a oportunidade surgir, também as vamos fotografar e, não iremos dizer que quem as fotografou, foi aquele outro, e que depois nos enviou as fotografias da prisão!. 

(…if the present situation improves and health returns, by autumn we will return to the road and, if the opportunity arises, we will photograph everything or all the things that our eyes see and that we understand are worthy of it, of course , some scenes, even if they are less recommendable, where they say it is forbidden to photograph, if the opportunity arises, we will also photograph them and, we will not say that it was that other one who photographed them, and who later sent us the prison photographs)!.

…até um dia destes, companheiros da vida!. 

(…until one of these days, life companions)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, Century XXI.

…veteranos!. (…veterans)!.

…somos uns “veteranos”, já ultrapassados! (…we are “veterans”, already outdated)!

…alguns dizem, é a vida!. Mas, sem concordar muito com estas palavras, a vida é o presente!. Porque os anos, os meses e os dias vão passando e pouco a pouco vamos ficando sós, esquecidos… ou lembrados por alguma família ou por alguns amigos, ou talvez com nomes em causas ou monumentos por aquilo que de bom para uns ou de mau para outros fizémos!. E quem sabe, talvez quando o nosso corpo apodrecer, o nome em ruas secundárias onde vivemos, que a muito custo alguns vão recordar!.

(…some say, it’s life!. But, without much agreeing with these words, life is the present!. Because the years, months and days go by and little by little we are left alone, forgotten… or remembered by some family or friends, or perhaps with names in causes or monuments for what is good for some or bad for others we did!. And who knows, maybe when our bodies rot, the name in the back streets where we live, which some will remember at great cost)!.

…no entanto, longe do lugar pacato onde presentemente vivemos, onde continuamos a praticar os usos e costumes do antigamente, existe um outro, lá na Europa, onde o dinheiro (algum fácil), destruiu todas as estruturas sociais!. Estamos numa época sem valores, ou seja, onde o respeito, a solidariedade, aquela amizade que começava em crianças lá na escola primária, onde havia o tal espírito de grupo, já estão ultrapassados!. Infelizmente, os novos exemplos de vida, são apreendidos pelas novas gerações já no seio das suas famílias, o que não facilita em nada a tarefa de nós, os mais velhos e, para mais “veteranos de guerra”!.

(…however, far from the peaceful place where we currently live, where we continue to practice the ways and customs of yesteryear, there is another one, over there in Europe, where money (some easy one) has destroyed all social structures!. We are in a time without values, that is, where respect, solidarity, that friendship that started with children in primary school, where there was such a group spirit, are already outdated!. Unfortunately, the new examples of life are learned by the new generations already within their families, which does not make the task of us, the elders and, for more “war veterans” easier)!.

…porquê?. Porque, para quem trabalhou no “duro”, muito mais de três quartos da sua existência, (forçado a viver num cenário horrivel de guerra nas savanas e pântanos no golfo de África ao serviço da sua pátria, ou seja, da nação onde nasceu, que dá pelo nome de Portugal), hoje sobrevive (alguns doentes), com uma reforma e previlégios ultrapassados, ao contrário de quem dirige os destinos do país, alguns ainda jovens, (que felizmente para eles, nunca viveram uma qualquer guerra), no entanto, controlam tudo, alimentando-se de anormalidades, por vezes semeando desgraças e instabilidade, e vejam lá, que até são acarinhados por alguns meios de comunicação social que entretanto subsidiaram, mesmo não respeitando quem é escolhido pelo voto dos eleitores!. 

(…because?. Because, for those who worked the “hard”, much more than three quarters of their existence, (forced to live in a horrible scenario of war in the savannas and swamps of the Gulf of Africa at the service of their homeland, that is, the nation where they were born, which goes by the name of Portugal), today survives (some patients), with a pension and outdated privileges, unlike those who run the country’s destinies, some still young, (who fortunately for them, have never experienced any war), in the however, they control everything, feeding on abnormalities, sometimes sowing disgrace and instability, and look, they are even cherished by some media that have subsidized in the meantime, even though they do not respect who is chosen by the voters’ vote)!.

…e continuando, o nosso sentimento de alguma revolta vai crescendo, porque nesse maravilhoso país onde nascemos “à beira mar plantado”, lá na Europa, ao qual continuamos ligados até à hora da nossa morte, pelo sentimento de ter dado o corpo às balas num horrivel cenário de guerra em África, defendendo a sua bandeira, os tais meios de comunicação, abrem o “six o’clock news”, (noticiário das seis horas), anunciando problemas de corrupção de alguns governantes e não só, que são chamados à barra do tribunal acompanhados de advogados que fizeram ou contribuiram para o ordenamento das leis que rejem o país, deixando aqui e ali “aquelas fugas” necessárias para que os problemas se arrastem até ficarem resolvidos única e simplesmente pela absolvição dos mesmos, nem que seja porque o seu prazo legal expirou!. 

(…and continuing, our feeling of some revolt grows, because in this wonderful country where we were born “by the sea, planted”, there in Europe, to which we remain connected until the time of our death, by the feeling of having given our bodies to bullets in a horrible scenario of war in Africa, defending their flag, such media open the “six o’clock news”, announcing corruption problems of some governments and others, who are called at the bar of the court, accompanied by lawyers who made or contributed to the ordering of the laws that govern the country, leaving here and there “those leaks” necessary for problems to drag on until they are resolved solely and simply by their acquittal, even if only because your legal deadline has expired)!.

…é a tal democracia exagerada, (porque o sistema de democracia é bom, mas exagerado não), no seu rosto actual, que para nós, infelizmente é uma fraude e um negócio de alguns, sem solução à vista e, nas nossas longas caminhadas por aqui, tentando algum exercício físico e apreciando o que resta da natureza, por momentos sentimos uma tristeza profunda que nos perturba, porque a tal democracia exagerada, foi e é aproveitada por oportunistas engravatados, para em bem próprio, se encherem de imediato de fortunas colossais, onde o individualismo egoísta se sobrepõe aos interesses sobretudo do povo, e em especial da geração a que pertencemos!.

(…is such exaggerated democracy, (because the system of democracy is good, but not exaggerated), in its current face, which for us, unfortunately, is a fraud and a business for some, with no solution in sight, and in our long walks around here, trying some physical exercise and enjoying what is left of nature, for a moment we feel a deep sadness that disturbs us, because such exaggerated democracy was and is used by opportunists in suits, for their own good, to be immediately filled with fortunes. colossal, where selfish individualism takes precedence over the interests above all of the people, and especially of the generation to which we belong)!.

…enfim, na nossa simples e modesta opinião, a sociedade está caótica, a instabilidade é permanente e assim vai continuar por muitos anos, mesmo tal como acima já mencionámos, quando o nosso corpo apodrecer e, cremos que era certo aquele ditado do povo que dizia, “fica-te mundo, cada vez pior”, onde emerjem cavalgaduras, que chegam ao topo dizendo ser o que nunca foram e ter formação que nunca tiveram, passeando-se pelo país e estrangeiro, usando dinheiros e meios públicos para se promoverem pessoalmente!.

(…in short, in our simple and modest opinion, society is chaotic, instability is permanent and will continue for many years, even as we mentioned above, when our bodies rot and, we believe that the saying of the people that he said, “the world becomes worse and worse”, where horseback riding emerges, reaching the top claiming to be what they never were and to have training they never had, walking around the country and abroad, using money and public means to promote themselves personally)!.

…infelizmente, por mais que tentássemos, nunca fomos capazes de o fazer mas, existe um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do nosso corpo (tal como a farda amarela de combatente em África) e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares, é o tal tempo da mudança e, se não ousarmos fazê-lo, teremos ficado para sempre à margem de nós mesmos!.

(…unfortunately, no matter how hard we tried, we were never able to do it, but there is a time when you have to abandon the used clothes, which already have the shape of your body (such as the yellow fighter’s uniform in Africa) and forget about the our paths, which always lead us to the same places, is such a time of change and, if we don’t dare to do it, we will have remained forever on the sidelines of ourselves)!.

…claro, o povo não é burro, pelo menos aquele da nossa geração, percebe todo o cenário que vai passando, vai sofrendo até que qualquer dia a morte o leve, (na esperança de que pelo menos coloquem o seu corpo num caixão e o respeitem e venerem, não como os companheiros combatentes que ficaram abandonados para sempre nas savanas e pântanos de África), mesmo sabendo que está a hipotecar todos os seus sentimentos de família ao ponto de ver o país que defendeu em cenário de guerra, criar dívidas que serão pagas por uma hipotética terceira ou quarta geração e, não vai às urnas de voto porque talvez entenda, entre outros motivos, que não existe uma oposição credível!. 

(…of course, the people are not stupid, at least those of our generation, they understand the whole scenario that is going on, they will suffer until any day that death takes them, (hoping that they will at least put their body in a coffin and respect and venerate him, not like fellow combatants who were abandoned forever in the savannas and swamps of Africa), even knowing that he is mortgaging all his family feelings to the point of seeing the country he defended in a scenario of war, creating debt that will be paid by a hypothetical third or fourth generation and, it does not go to the ballot boxes because perhaps it understands, among other reasons, that there is no credible opposition)!.

…e nós, deste lado do Atlântico, ficamos tristes e envergonhados com estas notícias, no entanto, sabemos e entendemos que somos “uns velhos e antiquados (veteranos de guerra), mas continuamos a viver daquilo que poupámos quando estávamos no mercado de trabalho, e claro, com a ajuda incondicional da nossa dedicada esposa e companheira por mais de cinco décadas, que vai mantendo o fogão da cozinha a funcionar pelo menos uma vez ao dia!.

(…and we, on this side of the Atlantic, are saddened and embarrassed by this news, however, we know and understand that we are “old and old-fashioned (war veterans), but we continue to live on what we saved when we were in the labor market, and of course, with the unconditional help of our dedicated wife and companion for more than five decades, we keep the kitchen stove running at least once a day)!.

…e, no fundo, no fundo, devemos considerar-nos uns previlegiados por usufruir de algumas oportunidades que esta vida nos foi dando e continuar vivos, porque infelizmente há gente que nunca teve paz ou fartura de qualquer coisa durante a sua existência!. Tiveram sim, guerra, fome e sofrimento, sem uma simples refeição diária, um ano ou dois de escola ou um hospital a pequena distância do lugar onde sobrevivem!.

(…and, deep down, we must consider ourselves privileged to enjoy some of the opportunities that this life has given us and continue to live, because unfortunately there are people who have never had peace or plenty of anything during their existence!. They did have war, hunger and suffering, without a simple daily meal, a year or two of school or a hospital a short distance from where they survive)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…os furacões!. (…the hurricanes)!.

…quando caminhamos pelos diversos trilhos que existem ao redor do lugar onde vivemos, o cenário tornou-se um pouco diferente!. Porquê?. Porque é o início da temporada dos furacões no Atlântico e, apesar de ainda estarmos em Junho, “eles” já andam por aí!. É um fenómeno quase natural, onde existe uma lenta deslocação de grandes sistemas de baixa pressão que geralmente requerem água tropical quente para se poder formar e fortalecer!. 

(…when we walked along the various trails that exist around the place where we live, the scenery became a little different!. Because?.Because it’s the beginning of the Atlantic hurricane season and, even though it’s still June, “they” are already out there!. It is an almost natural phenomenon, where there is a slow displacement of large low pressure systems that generally require warm tropical water to form and strengthen)!

…e “eles”, os furacões passam por aqui numa variedade de tamanhos, e nós, vamos classificando-os apenas pela velocidade do vento!. Ou seja, vamos dizendo que este é grande, médio ou pequeno, porque antes de se tornarem num furacão, existem várias etapas, e quando um grande aglomerado de tempestades se torna persistente e organizada o suficiente para ter uma circulação “fechada” no vento de superfície, então sim, é denominado um furacão tropical, e neste caso, nós, já com alguma experiência, tomamos as devidas precauções!. 

…and “them”, hurricanes pass through here in a variety of sizes, and we’re just going to classify them by wind speed!. That is, let’s say this is big, medium or small, because before they become a hurricane, there are several stages, and when a large cluster of storms becomes persistent and organized enough to have a “closed” circulation in the wind from surface, so yes, it is called a tropical hurricane, and in this case, we, with some experience, take the necessary precautions)!.

…continuando, “eles”, vindos do Atlântico, afastam-se das Bermudas a caminho do Golfo do México, Alabama, Louisiana e Texas, vão destruindo parte na natureza, porque podem produzir grandes quantidades de chuva e ventos fortes o suficiente para causar sérios danos à vegetação, queda de árvores ou galhos, destruindo sobretudo linhas de energia eléctrica ou telhados em casas de habitação e às vezes, infelizmente as vitimas são humanas!.

(…continuing “they”, coming from the Atlantic, move away from Bermuda on the way to the Gulf of Mexico, Alabama, Louisiana and Texas, they go on destroying part of nature, because they can produce large amounts of rain and winds strong enough to cause serious damage to vegetation, falling trees or branches, mainly destroying electricity lines or roofs in houses and sometimes, unfortunately, the victims are human0!.

…na sua passagem transformam a paisagem, com cercas derrubadas, algumas copas das árvores desaparecem, parecendo até que existe mais céu, o nível dos rios e riachos sobe assustadoramente, os lagos e lagoas transbordam, os “alligatores” (crocodilos) vêm para os quintais das casas procurando abrigo, algumas residências ficam cercadas pela água corrente, enfim, tudo se transforme num cenário com alguns danos caóticos!.

(…in their passage, they transform the landscape, with fences knocked down, some treetops disappear, it even seems that there is more sky, the level of rivers and streams rises frighteningly, lakes and ponds overflow, “alligators” come to the backyards of houses looking for shelter , some homes are surrounded by running water, in short, everything becomes a scene with some chaotic damage)!.

…mas tudo vai passando e nesta época, pela manhã de um sábado ou domingo, normalmente é bom tempo, todavia, ao final da tarde de uma qualquer quarta ou quinta-feira, existe alguma chuva, trovoada e por vezes vento forte!.

(…but everything goes by and at this time, on a Saturday or Sunday morning, it is usually good weather, however, in the late afternoon of any Wednesday or Thursday, there is some rain, thunder and sometimes strong wind)!.

…mas, é só até Agosto, princípios de Setembro, depois é bom tempo e, a título de curiosidade, recordamos que o furacão mais intenso do Atlântico já registrado é o de “Allen”, no ano de 1980, com ventos sustentados de 190 mph, e o furacão mais intenso que atingiu o continente nos Estados Unidos foi o furacão do “Dia do Trabalho”, do ano  de 1935, com ventos sustentados de 185 mph!.

(…but it’s only until August, early September, then it’s good weather and, just out of curiosity, we remind you that the most intense hurricane in the Atlantic ever recorded is that of “Allen”, in 1980, with sustained winds of 190 mph, and the most intense hurricane that hit the continent in the United States was the “Labor Day” hurricane of the year 1935, with sustained winds of 185 mph)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…palavras mágicas!. (magic words)!.

…já lá vão quase duas décadas e, foi na companhia da nossa esposa Isaura, companheira por mais de meio século, que nos mudámos vindos do norte para o estado da Flórida, onde além de veteranos de guerra, hoje somos  sobreviventes da doença câncer!.

(…it’s been almost two decades now and it was in the company of our wife Isaura, a partner for more than half a century, that we moved from the north to the state of Florida, where in addition to war veterans, we are now cancer survivors)!.

…simples!. Alguém nos perguntou quando havia feito um check-up físico completo pela última vez?. Não nos lembrávamos mas, depois de uma consulta médica com exames de laboratório, ficámos chocados quando nos foi diagnosticado uma forma agressiva de câncer de próstata!.

(…simple!. Did someone ask us when you last had a full physical check-up?. We couldn’t remember but, after a medical appointment with laboratory tests, we were shocked when we were diagnosed with an aggressive form of prostate cancer)!.

…o mundo para nós mudou e a mente também!. A princípio, pensámos que todos os nossos normais problemas de vida tinham acabado ou estabilizado, agora o problema era só um, a luta pela cura do maldito câncer e, já não éramos nós, passámos a ser um pacote de dinamite que iria explodir, era uma questão de tempo!.

(…the world for us has changed and so has the mind!. At first, we thought that all our normal life problems were over or stabilized, now the problem was just one, the fight to cure the damned cancer and, it wasn’t us anymore, we were a package of dynamite that would explode, it was a matter of time)!.

…seguiram-se mais análises e uns tempos depois, com muitas noites sem dormir, começámos a mentir a nós mesmos, gritando bem alto, “sou mais forte que o câncer”, iniciando os dolorosos tratamentos, onde de dia para dia, se ia perdendo grande parte da vontade de viver!.

(…more analyzes followed and some time later, with many sleepless nights, we started to lie to ourselves, screaming loudly, “I’m stronger than cancer”, starting the painful treatments, where day by day you went losing much of the will to live)!.

…mas as tais palavras mágicas “sou mais forte que o câncer” surgiam no horizonte do nosso pensamento, sentilando, escritas em letras grandes, às vezes com luzes de diversas cores, querendo divulgar uma mensagem, conectando-nos com o resto do mundo, com outras pessoas que sofriam da mesma doença, mas sorriam explicando-nos as suas paixões, alegrias ou medos, transformando os desafios da vida em amor, esperança e alguma gratidão por estar-mos a ser tratados e observados por profissionais da maldita doença!.

(…but the magic words “I am stronger than cancer” appeared on the horizon of our thinking, feeling, written in large letters, sometimes with lights of different colors, wanting to spread a message, connecting us with the rest of the world, with other people who suffered from the same disease, but smiled explaining their passions, joys or fears, transforming life’s challenges into love, hope and some gratitude for being treated and observed by professionals of the damn disease)!.

…e ao fim de quase um ano, deram-nos por normais e saudáveis pessoas, embora sujeitas a um certo rigor alimentar, exercícios fisicos regulares e análizes frequentes e, cremos mesmo que vivemos mais emoções neste ano de vida, desde o diagnóstico até ao final do tratamento, do que vivemos nos anos anteriores a isto, recebendo mais abraços, carinho e alguns olhares de compaixão, do que normais apertos de mão!.

(…and after almost a year, they considered us to be normal and healthy people, although subject to a certain dietary rigor, regular physical exercise and frequent analyses, and we really believe that we experience more emotions in this year of life, from diagnosis to end of treatment, of what we experienced in the years before this, receiving more hugs, affection and some compassionate looks than normal handshakes)!.

…depois, pensando que às vezes a doença câncer é um tiro certeiro que nos diz, “ei, não vamos ficar aqui para sempre e, se  há coisas que desejamos fazer, é melhor fazê-las já”!. E claro, seguindo este lema, começámos a escrever, no entanto, as primeiras 50 páginas foram apagadas, não querendo olhar para trás, mas hoje, compartilhamos com o mundo a nossa experiência de vida, que nos vai ajudando, tornando-se parte integrante da nossa cura!.

(…then thinking that sometimes the disease cancer is a straight shot that tells us, “hey, we’re not going to stay here forever and if there are things we want to do, we better do them now”! Of course, following this motto, we started to write, however, the first 50 pages were erased, not wanting to look back, but today, we share with the world our life experience, which helps us, becoming an integral part of our cure)!.

…lentamente, vamos fazendo longas caminhadas, tendo contacto permanente com a natureza, adorando o calor do sol ou receber a chuva no corpo e às vezes, ficamos “molhados até aos ossos”, dedicando algum tempo à fotografia, principalmente da natureza, onde podemos encontrar directamente a vida selvagem, de pássaros até aos crocodilos, assim como todas as belezas naturais que a área onde vivemos tem para nos oferecer!.

(…slowly, we go on long walks, having permanent contact with nature, adoring the heat of the sun or receiving the rain on our bodies and sometimes we get “wet to the bone”, dedicating some time to photography, especially in nature, where we can directly encounter wildlife, from birds to crocodiles, as well as all the natural beauty that the area where we live has to offer)!.

…e claro, algumas viajens com aventura, preenchendo a nossa vida com actividades importantes, como visitas à família ou amigos e, quando nos estamos sentindo menos bem, lembramos as palavras mágicas, “sou mais forte que o câncer”!.

(…and of course some adventure travel, filling our life with important activities like visiting family or friends and when we’re feeling less well we remember the magic words, “I’m stronger than cancer”)!.

…e, tal como no início, quando nos foi diagnosticada a doença, cremos que mentíamos a nós mesmos, era normal, andávamos um pouco perdidos e é normal se sentir perdido às vezes, no entanto, quando dizíamos que sabíamos o que queríamos, hoje, cremos que estávamos mentindo, mas era uma mentira que nos ajudava a sobreviver!.

(…and, just like in the beginning, when we were diagnosed with the disease, we believed that we lied to ourselves, it was normal, we walked a little lost and it’s normal to feel lost sometimes, however, when we said we knew what we wanted, today , we believe we were lying, but it was a lie that helped us survive)!.

…somos sobreviventes da doença câncer, já lá vai dezena e meia de anos e, afortunadamente, tudo bem, tudo bem, tudo bem!.

(…we are cancer survivors, it’s been ten and a half years and, luckily, it’s ok, it’s ok, it’s ok)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…a Tundra do Ártico, Alaska!. (…the Artic Tundra, Alaska)!.

…”quando cruzámos aquela grande linha, lá no polo norte, viajando numa estrada deserta construída sobre a Tundra, que é uma área onde o subsolo é “permafrost”, ou seja, solo permanentemente congelado, formando uma planície sem árvores ou plantas de baixo crescimento, como o musgo ou a urze, onde a terra é nua e às vezes rochosa que inclui vastas áreas do norte da Rússia e Canadá, até à região de Prudhoe Bay, junto do Oceano Ártico, onde ao tocar-mos naquele chão e naquela água, tivémos a sensação do previlégio que é viver, de que a vida deve ser preservada e de quanto importante ela é!.

(…”when we crossed that great line, down at the north pole, traveling on a desert road built over the Tundra, which is an area where the subsoil is“ permafrost ”, that is, permanently frozen soil, forming a plain without trees or plants below growth, such as moss or heather, where the land is bare and sometimes rocky that includes vast areas of northern Russia and Canada, up to the Prudhoe Bay region, next to the Arctic Ocean, where when we touch that ground and that water, we had the feeling of the privilege that it is to live, that life should be preserved and how important it is)!.

…porquê?. Porque no nosso caso, descendentes do povo “Celta”, que formaram um ramo da família indo-europeia e se espalharam por grande parte da Península Iberica, onde está localizado o país Portugal onde nascemos e, quando crianças em pleno crescimento, corríamos descalços e com pouca roupa no corpo, descendo ou subindo aquelas encostas agrestes, imitando os guerreiros medievais, e claro, por norma ainda somos aventureiros, gostamos do mar, da natureza pura e de procurar lugares exóticos!.

(…because?. Because in our case, descendants of the “Celtic” people, who formed a branch of the Indo-European family and spread over a large part of the Iberian Peninsula, where the country where Portugal was born is located and, when children were growing up, we ran barefoot and with little clothes on their bodies, going down or going up those rough slopes, imitating medieval warriors, and of course, as a rule we are still adventurers, we like the sea, the pure nature and looking for exotic places)!.

…uau, desculpem o desabafo e vamos à história de hoje!. 

…wow, sorry for the outburst and let’s go to today’s story)!.

…ao contrário da maioria das pessoas que experimentaram o extremo norte, vimos a “Tundra Ártica” viajando na companhia da nossa dedicada esposa Isaura, companheira de vida por mais de meio século, numa rota de aventura para o norte, desde a cidade de Fairbanks, no Alaska e, não havendo sinal de GPS, seguimos guiados quase pelo nosso fascínio infantil por aventuras e mapas descrevendo lugares exóticos, como acima já explicámos!.

(…unlike most people who have experienced the far north, we saw the “Arctic Tundra” traveling in the company of our dedicated wife Isaura, life companion for more than half a century, on an adventure route north from the city of Fairbanks , in Alaska and, with no GPS signal, we continue to be guided almost by our childhood fascination with adventures and maps describing exotic places, as we explained above)!.

…não era a primeira vez!. Alguns anos atrás já tínhamos tentado, entrando no início desta famosa rota, percorrendo mesmo algumas milhas, mas a chuva, o nevoeiro, o vento, o frio, a neve e os acidentes que havia pelo percurso, além dos avisos feitos pelas pessoas de uniforme, alguns militares, que frequentemente nos apareciam, fizeram com que desanimados, voltásse-mos para trás, desistindo, percorrendo um caminho de regresso com alguma revolta, jurando que um dia havia-mos de nela viajar, pelo menos até ao Circulo Ártico!. 

(…it was not the first time!. A few years ago we had already tried, entering the beginning of this famous route, covering even a few miles, but the rain, the fog, the wind, the cold, the snow and the accidents that were on the route, in addition to the warnings given by the people in uniform , some military personnel, who frequently appeared to us, made us discouraged, turning back, giving up, following a path of return with some revolt, swearing that one day we would travel there, at least to the Arctic Circle)!.

…assim começámos de novo esta nossa aventura, que frustrados e revoltados, fomos obrigados a desistir uns anos atrás!. Agora o tempo estava a nosso favor, um céu limpo, não sendo necessário esperar por outros aventureiros para seguir em “combóio”!. Seguimos sózinhos em frente, convictos de que o lema é, “Conduzir no Dalton Highway, é uma aventura, talvez uma vez na vida, mas os viajantes devem preparar-se para se saber defender sózinhos”!.

(…so we started this adventure again, which, frustrated and angry, we were forced to give up a few years ago!. Now the weather was on our side, a clear sky, and there was no need to wait for other adventurers to go on “train”!. We move on alone, convinced that the motto is, “Driving on the Dalton Highway is an adventure, maybe once in a lifetime, but travelers should be prepared to know how to defend alone”)!.

…era num mês de verão e naquela posição geográfica, porque viajávamos para lá do paralelo 48.º N, havia pelo menos mais de vinte horas com luz do dia e até algum sol, como tal, por mais que os nossos olhos se concentrássem no horizonte, nunca veríamos a aurora boreal com as suas cores verde, azul ou amarelas, dançando no alto das cristas dos picos brancos e brilhantes, alguns cobertos de neve, enquanto cruzávamos a divisão do Ártico!. Assim, além da aventura, era uma exploração diferente, e daquele dia em diante, um pequeno pedaço do ártico, para nós, não era mais apenas um ponto atraente no mapa!.

(…it was a summer month and in that geographical position, because we traveled beyond the parallel 48º N, there were at least more than twenty hours in daylight and even some sun, as such, no matter how much our eyes focused on horizon, we would never see the aurora borealis with its green, blue or yellow colors, dancing on top of the ridges of the white and shiny peaks, some covered with snow, while crossing the Arctic division !. So, in addition to the adventure, it was a different exploration, and from that day on, a small piece of the arctic, for us, was no longer just an attractive point on the map)!.

…pela manhã, ao deixar-mos a cidade de Fairbanks, a floresta boreal no sopé das montanhas mostrava um cenário brilhante e, ao longe erguiam-se os cumes rochosos e acidentados, polvilhados com neve, fazendo sobressair um céu azul cobalto!. As vistas da vida selvagem não eram muitas mas ouviam-se as corujas-gavião ou mesmo algumas águias, que voavam daqui para ali e até um urso pardo cruzando um pequeno lago onde os castores nadavam activamente, talvez preparando-se para a sua vida de inverno!.

(…in the morning, when we left the city of Fairbanks, the boreal forest at the foot of the mountains showed a brilliant scenery and, in the distance, the rocky and rugged peaks sprinkled with snow, making a cobalt blue sky stand out!. The views of the wildlife were not many, but the hawks owls or even some eagles could be heard flying from here to there and even a grizzly bear crossing a small lake where the beavers were actively swimming, perhaps preparing for their life Winter)!.

…já por diversas vezes escrevemos sobre a Estrada James Dalton, no Alaska, que alguns chamam “Haul Road”, que é uma das poucas estradas na terra que nos conecta ao Ártico!. Construída no ano de 1974 para atender ao Oleoduto Trans-Alaska e aos campos de petróleo ao redor de Prudhoe Bay e que divide algumas das áreas selvagens mais remotas e atraentes do Alaska!. Não é realmente uma estrada, mas uma faixa de serviço ampla, onde nos aparecem longos troços de lama ou cascalho grosseiro, a “Dalton Highway” começa na floresta boreal do Alaska, aproximadamente a 85 milhas (135 Km) ao norte de Fairbanks!. 

(…we have written several times about James Dalton Road in Alaska, which some call “Haul Road”, which is one of the few roads on earth that connects us to the Arctic!. Built in 1974 to serve the Trans-Alaska Pipeline and the oil fields around Prudhoe Bay and it divides some of the most remote and attractive wilderness areas in Alaska !. It is not really a road, but a wide service strip, where long stretches of mud or coarse gravel appear, the “Dalton Highway” begins in the boreal forest of Alaska, approximately 85 miles (135 km) north of Fairbanks)!.

….segue sinuosamente para o norte, atravessando a floresta, rios frígidos, a tundra alpina, os contrafortes e montanhas da cordilheira Brooks e da encosta norte e, 414 milkas (666 km) depois, termina na planície costeira ártica, a algumas milhas do Mar de Beaufort, no pequeno posto avançado industrial de Deadhorse, porta de entrada para o enorme complexo industrial de petróleo que domina quase toda a planície costeira!. 

(…winds northwards, crossing the forest, frigid rivers, the alpine tundra, the foothills and mountains of the Brooks mountain range and the northern slope and, 414 milkas (666 km) later, ends in the Arctic coastal plain, a few miles from Mar de Beaufort, at the small industrial outpost of Deadhorse, gateway to the huge industrial oil complex that dominates almost the entire coastal plain)!.

…a estrada é acidentada e os serviços são extremamente limitados e, como anteriormente já explicámos, os viajantes devem ser auto-suficientes e bem preparados!. Mas para aqueles que são atraídos por espaços vazios e exóticos tal como nós, esta rota oferece-nos uma oportunidade incomparável de descobrir um pedaço de deserto ártico e alguma vida selvagem que lá existe!. 

(…the road is bumpy and services are extremely limited and, as we have already explained, travelers must be self-sufficient and well prepared!. But for those who are attracted to empty and exotic spaces just like us, this route offers us an incomparable opportunity to discover a piece of arctic desert and some wildlife that exists there)!.

…o Oleoduto Trans-Alaska quase que nos acompanha e, a cada subida, descida ou curva da estrada, revela-nos a imensidão da paisagem!. Nas encostas, os abetos escuros retorcem-se no meio de alguns álamos verdes aqui e ali, mostrando vestígios de incêndios de verão!. Mais ao norte, além do pequeno povoado de Coldfoot, onde parámos para comprar gasolina e café, o sopé acidentado da cordilheira Brooks começa a invadir a estrada!.

(…the Trans-Alaska Oil Pipeline almost accompanies us and, with each climb, descent or curve of the road, it reveals the immensity of the landscape!. On the slopes, the dark fir trees twist in the middle of some green poplars here and there, showing traces of summer fires!. Further north, beyond the small town of Coldfoot, where we stopped to buy gasoline and coffee, the rugged foothills of the Brooks mountain range begin to invade the road)!.

…a Dalton Highway é a única rota no estado do Alaska que atravessa o Círculo Polar Ártico, que é o ponto mais ao norte, dos abstratos ou imaginários principais círculos de latitude, como é mostrado nos mapas da Terra!. Ele marca o ponto mais setentrional no qual o sol do meio-dia é visível no solstício de inverno do norte e, a região ao norte deste círculo é conhecida como o Ártico, e a zona apenas para o sul é chamada de Zona Temperada Norte!

(…the Dalton Highway is the only route in the state of Alaska that crosses the Arctic Circle, which is the most northerly point of the abstract or imaginary main circles of latitude, as shown on Earth maps!. It marks the northernmost point at which the midday sun is visible on the northern winter solstice, and the region to the north of this circle is known as the Arctic, and the area just to the south is called the North Temperate Zone)!.

…nós, ficámos fascinados e algo surpresos por ver este fenómeno, pois ao norte do Círculo Ártico, o sol está acima do horizonte por vinte e quatro horas contínuas pelo menos uma vez por ano, portanto, visível à meia-noite e, abaixo do horizonte por vinte e quatro horas contínuas pelo menos uma vez por ano, portanto, não visíveis ao meio dia, isso também é verdade dentro do Círculo Polar equivalente no Hemisfério Sul, o Círculo Antártico. A posição do Círculo Ártico não é fixa, mas o normal é 66º33’46.8 ao norte do Equador!

(…we were fascinated and somewhat surprised to see this phenomenon, because to the north of the Arctic Circle, the sun is above the horizon for twenty-four continuous hours at least once a year, therefore visible at midnight and, below the horizon for twenty-four continuous hours at least once a year, therefore, not visible at noon, this is also true within the equivalent Polar Circle in the Southern Hemisphere, the Antarctic Circle. The position of the Arctic Circle is not fixed, but the normal is 66º33’46.8 north of the Equator)!.

…depois, já no pequeno conforto da nossa “White Fox” (caravana), descansando desta jornada e derivado sobretudo à nossa já um pouco avançada idade, admirando os contrafortes que se erguerem sobre o vale do rio Middle Fork Koyukuk onde à medida que as montanhas ficavam maiores, as árvores ficavam menores e mais dispersas, resolvemos virar para sul!.

(…then, in the small comfort of our “White Fox” (caravan), resting from this journey and derived mainly from our already a little old age, admiring the foothills that rise over the Middle Fork Koyukuk river valley where as the mountains got bigger, trees got smaller and more dispersed, we decided to turn south)!.

…continuando a viajar na intimidade de uma estrada algo perigosa e deserta, muito primitiva em alguns locais, com rochas afiadas, buracos, saliências no seu piso, tipo “tábua de lavar”, que fazem estremecer tudo dentro veículo, mas que nos proporcionava um espectáculo maravilhoso, sendo perigo e aventura da cabeça aos pés e, entre nós e um urso castanho, que ao atravessar a estrada parava para “cagar”, não existia nenhuma diferença, porque nós fazíamos o mesmo, porque não existiam “áreas de descanso” e, no fundo, no fundo, esta animalidade toda, de tão natural, acabava por ser pura e limpa como a “cagada” do urso!.

(…continuing to travel on the intimacy of a somewhat dangerous and deserted road, very primitive in some places, with sharp rocks, holes, protrusions on its floor, like a “washing board”, which make everything shake in the vehicle, but which provided us with a wonderful spectacle, being danger and adventure from head to toe and, between us and a brown bear, that when crossing the road stopped to “shit”, there was no difference, because we did the same, because there were no “rest areas” and, at the bottom, at the bottom, this whole animality, so natural, turned out to be pure and clean like the “shit” of the bear)!.

…até que eventualmente as árvores desaparecem completamente, deixando uma paisagem pintada por plantas, rochas e neve que se estendiam por todo o solo, onde há muitas dezenas de anos atrás, alguns pioneiros na preservação da natureza, exploram as partes da Cordilheira Brooks a pé, de barco ou de trenó, descrevendo o cenário como “montanhas infinitas subindo e descendo como as ondas de um oceano gigantesco, se tivessem de repente congelado em pleno movimento”!.

(…until eventually the trees disappear completely, leaving a landscape painted by plants, rocks and snow that stretched across the soil, where many decades ago, some pioneers in nature preservation, explored the parts of the Brooks Mountain Range on foot , by boat or sled, describing the scenery as “infinite mountains rising and falling like the waves of a gigantic ocean, if they had suddenly frozen in full motion”)!.

…não queremos terminar sem explicar uma pequena curiosidade que é, durante o nosso percurso, por vezes éramos seguidos ou seguíamos os camionistas da rota Dalton Highway, que têm os seus próprios nomes para as várias áreas, existindo mesmo algumas placas de sinalização (rudimentares e escritas à mão), como por exemplo, “The Taps”, “The Shelf”, “The Bluffs”, “Oil Spill Hill”, “Beaver Slide”, “Two and Half Mile”, “Oh Shit Corner” ou “Roller Coaster”!.

(…we don’t want to end without explaining a small curiosity that is, during our journey, we were sometimes followed or followed the truck drivers on the Dalton Highway route, who have their own names for the various areas, even with some signposts (rudimentary and handwritten), such as “The Taps”, “The Shelf”, “The Bluffs”, “Oil Spill Hill”, “Beaver Slide”, “Two and Half Mile”, “Oh Shit Corner” or “Roller Coaster”)!.

…a “Tundra do Ártico”, que foi o local mais a norte no planeta Terra que já visitámos em toda a nossa existência, pode ser perigosa para os humanos, mas é um lugar fascinante e, antes de começar a longa jornada para o sul, não conseguíamos evitar a sensação de que estávamos deixando algo que talvez nunca mais iríamos ver, porque experimentar o ártico no seu pico de vida, compreendemos totalmente a sua beleza, mas ao mesmo tempo a sua fragilidade e, a grande urgência que existe em preservá-la!.

(…the “Arctic Tundra”, which was the most northerly place on planet Earth that we have visited in our entire existence, can be dangerous for humans, but it is a fascinating place and, before starting the long journey south , we couldn’t help feeling that we were leaving something that we might never see again, because experiencing the arctic at its peak, we fully understand its beauty, but at the same time its fragility and the great urgency that exists to preserve -there)!.

…enfim, isto são curiosidades do Alaska, Terra da Última Fronteira!. 

(…anyway, these are curiosities from Alaska, Land of the Last Frontier)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…veterano de guerra!. (…war veteran)!.

…éramos um soldado desarmado que, dada as nossas tarefas sabíamos mais do que devíamos saber mas, continuamos vivos, sendo hoje “um veterano de guerra”!. Fizémos coisas, passando momentos horríveis de desespero e angústia quando de ataques e emboscadas, ao local por onde estávamos ou passávamos, deixando por lá companheiros enterrados, por não os poder resgatar, cenários de combate que hoje ainda nos assombram pelo menos durante noite, não nos deixando dormir!. Ainda quase crianças, estivémos longe da nossa família, noutro continente, sacrificando a nossa liberdade, contribuindo para que vocês, novas gerações, podessem hoje viver em liberdade!. E fizémos tudo isto porquê?. Porque fizémos um juramento ao nosso país e, viveremos por este juramento até ao dia da nossa morte, porque somos e seremos sempre “um veterano de guerra”!.

 (…we were an unarmed soldier who, given our tasks, knew more than we should have known, but we are still alive, being today “a war veteran”!. We did things, going through horrible moments of despair and anguish when attacked and ambushed, to the place where we were or passed, leaving companions buried there, for not being able to rescue them, combat scenarios that today still haunt us at least during the night, no letting us sleep!. Still almost children, we were far from our family, on another continent, sacrificing our freedom, contributing so that you, new generations, could today live in freedom!. And why did we do all this?. Because we have taken an oath to our country and we will live by this oath until the day we die, because we are and will always be “a war veteran”)!.

…voltamos a repetir a frase, “e tudo isto porquê?. Porque o país onde nascemos que dá pelo nome de Portugal, depois de 500 anos de domínio colonial, não só não conseguiu produzir nenhum governador negro, director, inspetor de polícia ou professor, mas também não conseguiu produzir um único comandante de patente sénior nas suas forças Armadas!. Como tal, por várias gerações, os ditos administradores coloniais portugueses foram vítimas do legado de suas próprias políticas discriminatórias, beneficiando e enriquecendo algumas élites, onde se incluiam alguns governantes, limitando a população local na educação, o que, em grande parte, barrou negros africanos indígenas de uma educação igual e adequada até bem depois do início da sua insurgência!.

(…we repeat the phrase, “and why is this?. Because the country where we were born, which gives the name of Portugal, after 500 years of colonial rule, not only failed to produce a black governor, director, police inspector or teacher, but it also failed to produce a single senior patent commander in his armed forces!. As such, for several generations, the so-called Portuguese colonial administrators were victims of the legacy of their own discriminatory policies, benefiting and enriching some elites, which included some rulers, limiting the local population in education, which, in large part, barred blacks indigenous Africans with an equal and adequate education until well after the start of their insurgency)!.

…e uma das vítimas fomos nós, antigos combatentes da Guerra Colonial Portuguesa, sendo mobilizados, forçados e treinados para combate, para ir lutar contra pessoas que nunca antes tínhamos visto e nada tínhamos em contra, tal como a população local, que ficou a viver num cenário onde uma das partes mais trágicas, talvez para alguns esperançosa, era a cara da necessidade humana, era o doente abandonado, a família faminta, a criança que não sabia ler, eram homens e mulheres, alguns sem abrigo, com roupa em farrapos, lutando pela sobrevivência, numa terra muito rica e com um solo muito fértil!. 

(…and one of the victims was us, former combatants of the Portuguese Colonial War, being mobilized, forced and trained to fight, to go and fight against people we had never seen before and had nothing against, just like the local population, who lived in a scenario where one of the most tragic parts, perhaps for some hopeful, was the face of human need, it was the abandoned patient, the hungry family, the child who could not read, they were men and women, some homeless, with clothes in tatters, fighting for survival, in a very rich land with very fertile soil)!.

…e, no nosso caso fomos parár à então província colonial da Guiné, viver uma guerra de guerrilha, que ficou denominada como “o Vietname de Portugal”, onde se iniciou um conflito, contra alguns movimentos armados que lutavam pela independência do seu território, querendo expulsar os Europeus que por lá andavam há mais de quinhentos anos, como acima já mencionámos!.

(…and, in our case, we went to the then colonial province of Guinea, to live a guerrilla war, which became known as “the Vietnam of Portugal”, where a conflict started, against some armed movements that were fighting for the independence of their territory, wanting to expel the Europeans who had been there for more than five hundred years, as mentioned above)!.

…lutávamos contra movimentos com guerrilheiros bem armados, bem treinados, bem liderados e equipados, que recebiam apoio substancial de portos seguros em países vizinhos, tornando assim as savanas, pântanos e rios da então Guiné, num cenário de combate, que a proximidade dos seus aliados perto da fronteira provaram ter uma vantagem significativa em fornecer uma superioridade táctica  de combate, durante ataques transfronteiriços e missões de reabastecimento para os guerrilheiros desses movimentos armados, que lutavam pela independência daquele território, como acima já referenciámos!. 

(…we fought against movements with well-armed, well-trained, well-led and equipped guerrillas, who received substantial support from safe ports in neighboring countries, thus making the savannas, swamps and rivers of then Guinea, a combat scenario, that the proximity of their allies close to the border proved to have a significant advantage in providing tactical superiority in combat, during cross-border attacks and resupply missions for the guerrillas of these armed movements, who were fighting for the independence of that territory, as we have already mentioned)!.

…este conflito armado, envolvendo os guerrilheiros e o Exército Português provaria ser o mais intenso e prejudicial de todos os conflitos na Guerra Colonial Portuguesa, bloqueando as tentativas portuguesas de pacificar o território, porque entretanto apareceu mais do que um movimento armado e insurgente, mas muito activos, pelo menos no norte do território, que também lutava pela independência e, a luta foi-se intencificando, espalhando-se para a parte oriental e sul do território, e claro, depois começaram a receber abertamente outros apoios não só militares, de outros países não fronteiriços, e claro, além das populações rurais que iam aderindo a esses movimentos de libertação!.

(…this armed conflict, involving guerrillas and the Portuguese Army would prove to be the most intense and damaging of all conflicts in the Portuguese Colonial War, blocking Portuguese attempts to pacify the territory, because in the meantime more than an armed and insurgent movement has appeared, but very active, at least in the north of the territory, which was also fighting for independence and, the struggle was intensified, spreading to the eastern and southern part of the territory, and of course, afterwards they began to openly receive other support, not only military, from other non-border countries, and of course, in addition to the rural populations that were joining these liberation movements)!.

…quando regressámos à Europa em Maio de 1966, já era difícil transitar de uma aldeia ou vila para outra sem ser acompanhados por colunas das forças armadas, onde frequentemente havia emboscadas, onde muitos dos nossos companheiros morreram, ficando por lá para sempre, embrulhados no seu camuflado, perfurado pelas balas e sujo com o seu próprio sangue!. 

(…when we returned to Europe in May 1966, it was difficult to move from one village or town to another without being accompanied by armed forces columns, where there were often ambushes, where many of our comrades died, staying there forever, wrapped up in the his camouflage, pierced by bullets and dirty with his own blood)!.

…mas o mais lamentável é que, tal como já por diversas vezes referimos nos nossos escritos, os famintos, os doentes, os analfabetos e a miséria que naquela época eram constantes, infelizmente continuaram, mesmo depois, quando parecia que já havia paz, fazendo-me lembrar que defacto nós os militares de Portugal, saímos de África físicamente, mas possívelmente não trouxémos as armas, as bombas e as balas, deixando lá apenas, como seria nossa inteira obrigação, todas as maravilhosas armas da paz do século XX!. 

(…but the most regrettable thing is that, as we have already mentioned several times in our writings, the hungry, the sick, the illiterate and the misery that were constant at that time, unfortunately continued, even afterwards, when it seemed that there was peace, making remind me that we, the military of Portugal, left Africa physically, but possibly we did not bring the weapons, bombs and bullets, leaving there, as would be our entire obligation, all the wonderful weapons of peace of the 20th century)!.

…e, quando regressámos à Europa, ao fim de dois longos anos, como veteranos de guerra, passando por algumas experiências de vida mais traumáticas que se possam imaginar, a família que nos recebeu, sabia, notava imediatamente, que alguma coisa estava mal connosco, pela nossa linguagem, maneira de nos comportar, que estávamos diferentes, talvez um pouco loucos e algo agressivos!.

(…and when we returned to Europe, after two long years, as war veterans, going through some of the most traumatic life experiences imaginable, the family that received us, knew, immediately noticed, that something was wrong with us, because of our language, the way we behave, that we were different, maybe a little crazy and a little aggressive)!.

…e claro, o mêdo ou talvez a coragem, que nos ajudou a sobreviver num campo de batalha, não funciona muito bem agora, nesta avançada idade, porque o pensamento caça-nos na vida!. Sim, ele, o pensamento anda sempre lá, por vezes ameaçando a nossa consciência, a memória ainda existe hoje, enterrada lá no fundo, é parte antiga do também já um pouco selvagem, mas que  ainda vamos dominando, que é presentemente o nosso cérebro, lembrando-nos constantemente o desastre que foi a Guerra Colonial Portuguesa, em África!.

(…and of course, fear or perhaps courage, which helped us to survive on a battlefield, does not work very well now, at this advanced age, because thought hunts us in life!. Yes, he, the thought is always there, sometimes threatening our conscience, the memory still exists today, buried deep inside, it is an old part of the already a little wild, but that we are still dominating, which is presently our brain , constantly reminding us of the disaster that was the Portuguese Colonial War, in Africa)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…cortámos a nossa árvore Magnólia!. (…we cut down our Magnolia tree)!.

…ainda não sabemos porquê e qual a razão de estar contentes, mas ao mesmo tempo muito tristes!. Existem poucas coisas que adoramos na vida, mas as árvores que fazem parte da natureza, essas, adoramos!.

…we still don’t know why and why we are happy, but at the same time very sad!. There are few things that we love in life, but the trees that are part of nature, these, we love)!.

…continuando, estamos tristes e um pouco confundidos com a sua perda, mas felizes com o tal “futuro”!. Porquê?. Porque a nossa magnólia estava enorme, parecia um gigante que assombrava a nossa casa a todo o momento, estava prigosa, porque num dia destes e na zona onde vivemos, aproximando-se a época dos tornados, a mesma natureza que adoramos podia trazer um dia de chuva com vento ciclónico e, causaria uma pequena catástrofe, até talvez morte para os humanos, pois junto a si estava um poste de electricidade com material bastante perigoso!.

…continuing, we are sad and a little confused by his loss, but happy with that future!. Because?. Because our magnolia was huge, it looked like a giant that haunted our house all the time, it was dangerous, because on a day like this and in the area where we live, the time of the tornadoes approaching, the same nature that we love could bring one day rain with cyclonic wind and, it would cause a small catastrophe, maybe even death for humans, because next to it was an electricity pole with very dangerous material)!.

…ela era bonita, tinha flores mostrando uma linda vista panorâmica, fornecia sombra, os esquilos e as rolas faziam lá o seu ninho, mas infelizmente, às vezes demonstrava alguma tristeza e deixava cair as suas folhas durante um certo tempo, onde a nossa dedicada esposa Isaura, varria e as colectava constantemente e, se por algum período de tempo se tivesse que ir ao norte ver a família ou qualquer outra viajem, quando regressávamos, a nossa área até parecia de uma casa abandonada!.

…she was beautiful, she had flowers showing a beautiful panoramic view, she provided shade, squirrels and doves made her nest there, but unfortunately, sometimes she showed some sadness and dropped her leaves for a while, where our dedicated wife Isaura, swept and collected them constantly and, if for some period of time one had to go north to see the family or any other trip, when we returned, our area even looked like an abandoned house)!.

…quando se falava sobre ela aos nossos vizinhos e as outras pessoas que nos visitavam, sim, ouviam-nos e compreendiam quando a elogiávamos mas, talvez dando um sinal de que viam o mesmo problema que nós, acabavam sempre por dizer, “é melhor cortá-la, essa árvore é idiota, produz muitas raízes, alguns arboristas até brincam, dizendo que essas árvores estarão aqui depois de um apocalipse!. 

…when we talked about it to our neighbors and the other people who visited us, yes, they listened to us and understood when we praised it, but, perhaps giving a sign that they saw the same problem as us, they always ended up saying, “it is better cut it, this tree is stupid, it has many roots, some arborists even play, saying that these trees will be here after an apocalypse)!.

…enfim, escrevemos tudo isto para dizer que a nossa magnólia se foi!. E, já não sintimos tanta falta de quanto pensávamos que sentiríamos. Há por aqui, ainda em zonas desocupadas, outras árvores que tornam o solo saudável para sequestrar o carbono, fornecendo-nos oxigênio e refúgio para os animais!.

…anyway, we wrote all this to say that our magnolia is gone!. And, we no longer miss as much as we thought we would. There are other trees around here, still in unoccupied areas, that make the soil healthy to sequester carbon, providing us with oxygen and refuge for the animals)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…o ceú toca o mar!. (…sky touches the sea)!.

…a nossa dedicada esposa Isaura, companheira de vida por mais de cinco décadas, apanhou-nos nesta foto ao pôr do sol, durante as nossas caminhadas pela praia!. É um fenómeno da natureza que, no hemisfério norte, onde actualmente nos encontramos, o sol se põe a oeste, pelo menos da primavera até ao outono e, a sua hora é definida como o momento em que o sol desaparece abaixo do horizonte, tudo isto devido à rotação do nosso planeta!.

(…our dedicated wife Isaura, life partner for more than five decades, caught us in this photo at sunset, during our walks on the beach!. It is a phenomenon of nature that, in the northern hemisphere, where we are currently, the sun sets in the west, at least from spring until autumn, and its time is defined as the moment when the sun disappears below the horizon, everything this due to the rotation of our planet)!.

…ao longe vemos um distinto crepúsculo, que se vai apagando, entrando no escuro da noite, não iluminando mais o céu, tal como a nossa já um pouco longa vida, que também já é quase um crepúsculo, onde lutamos para que não desapareça no horizonte da vida, e volte sempre amanhã, nem que seja só para ver o pôr do sol por momentos, mesmo lá no horizonte, naquela ilusão de ótica, semelhante à ilusão da lua!.

(…in the distance we see a distinct twilight, which fades, entering the dark of the night, no longer illuminating the sky, just like our already a little long life, which is also almost a twilight, where we fight so that it does not disappear in the horizon of life, and always come back tomorrow, if only to watch the sunset for a moment, even there on the horizon, in that optical illusion, similar to the illusion of the moon)!.

…durante os dias da nossa vida, tivémos o previlégio de admirar milhares  e milhares de dias com aqueles lindos componentes azuis e verdes, (quando dizemos: “hoje está um lindo dia”), que ao cair da tarde são removidos quase completamente, deixando os tons de laranja e vermelho em comprimentos de onda mais longos, que podemos ver a essas horas!. 

(…during the days of our life, we had the privilege to admire thousands and thousands of days with those beautiful blue and green components, (when we say: “today is a beautiful day”), which in the evening are removed almost completely, leaving the shades of orange and red at longer wavelengths, which we can see at these hours)!.

…continuamos a adorar e respeitar a natureza!. Todavia, compreendemos que as cores do pôr-do-sol são geralmente mais brilhantes do que as cores do nascer do sol!. E porquê?. Porque entre outros fenómenos, (cinzas das erupções vulcânicas), o homem, fazendo quase tudo o que lhe dá lucro fácil, tenta destrui-la, não a respeitando, poluindo-a, contribuindo diáriamente para que o ar ao final da tarde contenha mais partículas do que o ar da manhã!.

(…we continue to adore and respect nature !. However, we understand that the colors of the sunset are generally brighter than the colors of the sunrise !. It’s because?. Because among other phenomena (ashes from volcanic eruptions), man, doing almost everything that gives him an easy profit, tries to destroy it, not respecting it, polluting it, contributing daily so that the air at the end of the afternoon contains more particles than the morning air)!.

…para nós, o pôr do sol foi sempre melhor do que o nascer do sol, pela simples razão de que o pôr do sol adicionou-nos a experiência de viver um dia inteiro e, não importa o lugar onde nos encontramos, a linguagem do pôr do sol é aquela que todos entendem, onde observar o sol a pôr-se abaixo do horizonte enquanto o céu está inundado de vermelho, claro, é sempre um momento especial!.

(…for us, the sunset was always better than the sunrise, for the simple reason that the sunset added to the experience of living a whole day and, no matter where we are, the language of the sunset is one that everyone understands, where watching the sun set below the horizon while the sky is flooded with red, of course, is always a special moment)!.

…e, a Mãe Natureza não precisa de filtro, quando há um belo pôr do sol!. Deixe os seus olhos banquetearem-se com o pôr do sol, lembrando-se sempre que a vida é preciosa!.

(…and, Mother Nature does not need a filter, when there is a beautiful sunset!. Let her eyes feast on the sunset, always remembering that life is precious)!

Tony Borie Século XXI. (Tony Borie 21st Century).

…Fort Mose, St. Augustine, Florida!.

…é história!. No entanto a história faz parte do nosso futuro e, ela conta-nos que infelizmente, centenas de milhares de africanos escravizados, foram importados no século 18, enviados através do Atlântico para as Carolinas, onde o seu trabalho era essencial para a economia das plantações!.

(…it is history!. However, history is part of our future and, she tells us that unfortunately, hundreds of thousands of enslaved Africans were imported in the 18th century, sent across the Atlantic to the Carolinas, where their work was essential for plantation economics.)!

….e a história é-nos contada durante a nossa visita guiada, por actores vestidos a rigor num cenário de floresta tropical, onde se cruzam alguns pântanos, inundados de água e lama escondendo conchas partidas e afiadas, fazendo-nos meditar naquilo que foi o caminho que há mais de 300 anos atrás, corajosos africanos escaparam da escravidão nas colónias britânicas das Carolinas e da Geórgia, fugindo para o sul a pé, buscando a ajuda dos nativos, que viviam no entnao assentamento de Santo Agostinho na Flórida, criando assim a primeira “Ferrovia Subterrânea”!.

(…and the story is told to us during our guided tour, by actors dressed strictly in a tropical forest setting, where some marshes, flooded with water and mud, hiding broken and sharp shells, making us meditate on what it was the path that more than 300 years ago, courageous Africans escaped slavery in the British colonies of the Carolinas and Georgia, fleeing south on foot, seeking the help of the natives, who lived in the then settlement of St. Augustine in Florida, creating thus the first “Underground Railway”)!.

…num breve resumo explicamos as palavras “Ferrovia Subterrânea”, que era uma rede de pessoas, tanto afro-americanas como brancas, que oferecia abrigo e ajuda aos escravos fugitivos do sul, e que lembra o episódio passado no ano de 1831, quando o homem escravizado, de nome Tice Davis, escapou de Kentucky para Ohio, e o seu proprietário culpou uma “ferrovia subterrânea” por ajudar Davis à liberdade e, passados 8 anos, em 1839, um jornal de Washington relatou que um homem escravo fugitivo chamado Jim, revelou sob tortura, todo o seu plano de ir para o norte, seguindo uma “ferrovia subterrânea para Boston”!.

(…in a brief summary we explain the words “Underground Railroad”, which was a network of people, both African-American and white, that offered shelter and help to runaway slaves from the south, and reminiscent of the episode that took place in 1831, when the enslaved man, Tice Davis, escaped from Kentucky to Ohio, and its owner blamed an “underground railroad” for helping Davis to freedom and, 8 years later, in 1839, a Washington newspaper reported that a runaway slave man called Jim, he revealed under torture his whole plan to go north, following an “underground railway to Boston”)!.

…continuando, nem todos sobreviveram!. Aqueles que conseguiram chegar a Santo Agostinho receberam asilo do governo espanhol, recebendo também uma oferta que era única, que era, “a liberdade, em troca de conversão ao catolicismo”, recebendo assim nomes cristãos e, para os homens, um período de serviço militar!.

(…continuing, not everyone survived!. Those who managed to reach Saint Augustine received asylum from the Spanish government, also receiving an offer that was unique, which was, “freedom, in exchange for conversion to Catholicism”, thus receiving Christian names and, for men, a period of service military)!.

…voltando ao nosso percurso por esta floresta tropical, que é a área de Forte Mose, aqui e ali surgiam-nos as personagens que exemplificavam aquela época, explicando que, os primeiros buscadores da liberdade chegaram por volta do ano de 1687, num grupo que incluía oito homens, duas mulheres e uma criança de três anos de idade!.

(…returning to our journey through this tropical forest, which is the area of Forte Mose, here and there the characters that exemplified that time appeared to us, explaining that, the first searchers of freedom arrived around the year 1687, in a group that included eight men, two women and a three-year-old child)!.

…o sabor da liberdade fazia crescer o desejo de muitos homens e mulheres!. A sua bravura era evidente, porque a sua perseguição era interminável!. A viajem incómoda por bosques densos, pântanos e medo de serem capturados mantinha-os em movimento e, aqueles que conseguiram chegar à Florida, estavam livres!.

(…the taste of freedom made the desire of many men and women grow!. His bravery was evident, because his pursuit was endless!. The uncomfortable journey through dense forests, swamps and fear of being captured kept them moving and those who made it to Florida were free)!.

…e, meio século depois, mais de 100 pessoas em busca da liberdade, haviam obtido asilo numa pequena aldeia fortificada, chamada “Gracia Real de Santa Teresa de Mose” que ia sendo construída na fronteira norte de Santo Agostinho!.

(…and, half a century later, more than 100 people in search of freedom, had obtained asylum in a small fortified village, called “Gracia Real de Santa Teresa de Mose” that was being built on the northern border of Saint Augustine)!.

…assim, “Gracia Real de Santa Teresa de Mose”, ou Forte Mose, tornou-se o local da primeira comunidade negra livre, no que hoje são os Estados Unidos!.

(…thus, “Gracia Real de Santa Teresa de Mose”, or Forte Mose, became the site of the first free black community, in what today is the United States)!.

…também nos explicaram que foi um ex-escravizado africano, (era um Mandinga, nascido na região da Gâmbia ou da Guiné, em África, e baptizado como Francisco Menéndez, que havia sido capturado por traficantes de escravos e enviado através do Atlântico para a colónia da Carolina), que liderou a milícia negra livre de Forte Mose!. Como acima explicámos, o seu nome era Capitão Francisco Menéndez, que durante anos, com outros guerreiros, protegeram valentemente a então aldeia de Santo Agostinho!.

(…also explained to us that he was a former African slave, (he was a Mandinga, born in the Gambia or Guinea region in Africa, and baptized as Francisco Menéndez, who had been captured by slave traders and sent across the Atlantic for the Carolina colony), which led the free black militia of Forte Mose!. As we explained above, his name was Captain Francisco Menéndez, who for years, with other warriors, valiantly protected the then village of Saint Augustine!.

…no entanto, quando a Espanha cedeu toda a “La Florida” para a Inglaterra, no ano de 1763, infelizmente os cidadãos de Forte Mose mais uma vez enfrentaram a escravidão!. Assim, os que conseguiram, abandonaram o forte e buscaram segurança na ilha de Cuba, então ainda espanola!.

(…however, when Spain gave up all of “La Florida” to England, in the year 1763, unfortunately the citizens of Forte Mose once again faced slavery!. So, those who succeeded, left the fort and sought security on the island of Cuba, so it still spanks)!.

…e nós, no final da nossa visita a este lugar histórico, prestámos a nossa homenagem silenciosa a estes heróis, abandonando este que foi um refúgio para escravos refugiados das colónias do sul ao norte, porque hoje “Gracia Real de Santa Teresa de Mose, ou Forte Mose, é considerado o “local principal na Trilha do Património Negro da Flórida”, destacando-se como um local precursor da “Ferrovia Subterrânea”!.

(….and at the end of our visit to this historic place, we paid our silent tribute to these heroes, abandoning what was a refuge for refugee slaves from the colonies from south to north, because today “Gracia Real de Santa Teresa de Mose”, or Fort Mose, is considered the “main site on the Florida Black Heritage Trail”, standing out as a precursor to the “Underground Railroad”!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).