…o nosso combóio, é hora de magia!. (…our train, it’s time for magic)!.

…nascemos lá, o nosso pensamento por vezes continua lá!. 

(…we were born there, our thinking sometimes remains there)!.

…quase oito décadas depois e em outro continente, continuamos a viver um pouco a vida que levámos na nossa aldeia quase mediaval do século passado, no Vale do Ninho D’Águia, lá na Europa, naquela encosta agreste da montanha do Caramulo, onde a terra começava a ser plana e ia deslizamdo até ao mar, onde a natureza era tão simples, onde se nascia sem trazer nada, morrendo sem levar nada e no meio ninguém brigava por algo, porque sabiam que também não levavam nada!.

(…almost eight decades later and on another continent, we continue to live a little of the life we ​​led in our almost medieval village of the last century, in the Valley of the Eagle’s Nest, in Europe, on that rugged slope of the Caramulo mountain, where the land began to be flat and would slide down to the sea, where nature was so simple, where you were born without bringing anything, dying without taking anything and in the middle no one fought for anything, because they knew they didn’t take anything either)!.

…na história de hoje concentramo-nos recordando mais uma vez, talvez quase sonhando, uma daquelas viajens mágicas e maravilhosas no “nosso combóio” que todos os anos na época de verão fazíamos entre a então vila de Águeda e a cidade de Aveiro, que era o trajecto que a nossa saudosa avó materna Agar às vezes usava, quando em criança nos levava para a praia do oceano Atlântico, na aldeia da Costa Nova!. Cá vai!.

(…in today’s story we focus on remembering once again, perhaps almost dreaming, one of those magical and wonderful journeys on “our train” that every year in the summer we used to take between the then town of Águeda and the city of Aveiro, which it was the path that our dear maternal grandmother Agar sometimes used, when she was a child, took us to the beach of the Atlantic Ocean, in the village of Costa Nova!. Here it goes)!.

…era uma manhã de princípio de verão do ano de 1947!. Olhamos o relógio da estação, a nossa avó Agar diz-nos que são 9h15 e estava quase na hora do combóio chegar!. O ambiente é encantador, repleto de movimento!. Pelo cais da estação avistam-se caixotes e outras mercadorias, assim como algumas pessoas que andam atarefadas, trazendo sacas pela mão!.

(…it was an early summer morning in the year 1947!. We look at the station clock, our grandmother Agar tells us that it is 9:15 am and it was almost time for the train to arrive!. The atmosphere is charming, full of movement!. Along the station’s quay, crates and other goods can be seen, as well as some people who are busy, carrying sacks by hand)!.

…dois homens conversam, um traz o guarda chuva pendurado no pescoço, entre a samarra e o seu corpo, uma senhora traz um garoto pela mão que procura largar a mão e fugir, quer ir brincar para a área um pouco ao norte, onde há carvão espalhado pelo chão, diversas rimas de traves de madeira, alguns carris, tanto novos como usados e, um pouco ao lado, no desvio da linha, sobre os carris estão umas tantas carruagens, típicas do Vale do Vouga, ainda com varandins, mistas de primeira e terceira classe!. 

(…two men are talking, one has an umbrella hanging around his neck, between the samarra and his body, a lady brings a boy by the hand who tries to let go of his hand and run away, wants to go play to the area a little to the north, where there is charcoal scattered on the floor, several rhymes of wooden beams, some rails, both new and used and, a little to the side, on the line’s diversion, on the rails there are several carriages, typical of Vale do Vouga, still with balconies, mixed first and third class)!.

…por aqui, vê-se muita gente, algumas mulheres, talvez vindas da montanha, trajam chinelas nos pés, saias pretas de pano cardado de burel, compridas, usando uma cinta de cor vermelha bem apertada, blusa branca com bordados, por baixo de um colete verde escuro, bem justo ao corpo, apertado com botões reluzentes de prata e na cabeça um chapéu largo, de cor preta, com algumas penas de pavão servindo de enfeite!. Os homens trajam normalmente, mas alguns, usam umas calças de pano cardado, também de burel castanho e nos pés usam tamancos ou botas de cabedal com a cor natural e, na cabeça um chapéu com duas bolas caídas atrás, seguras por uma fita de pano!.

(… around here, you see a lot of people, some women, perhaps from the mountains, wear slippers on their feet, long black skirts of carded burel cloth, wearing a tight red color belt, white blouse with embroidery, for under a dark green waistcoat, tight to the body, fastened with glittering silver buttons and on his head a wide black hat, with some peacock feathers as an ornament! Men dress normally, but some wear carded cloth pants, also in brown burel, and on their feet they wear leather clogs or boots in the natural color and, on their heads, a hat with two balls falling at the back, held by a cloth ribbon)!.

…chega o combóio!. Aqui em Águeda, é uma estação intermédia com uma certa relevância, pois tem três linhas, duas delas com agulhas talonáveis e o combóio entra na mais à direita fazendo algum barulho ao travar junto ao depósito do reservatório de água, ajustando-se debaixo do enorme cano, que vem do depósito!. 

(…the train arrives!. Here in Águeda, it is an intermediate station with a certain relevance, as it has three lines, two of them with drawbars and the train enters the one on the far right, making some noise as it brakes next to the water reservoir tank, adjusting under the huge pipe, which comes from the warehouse)!.

…o maquinista, sujo de carvão na cara, puxa de um grande lenço tabaqueiro, que trazia no bolso de trás, limpa a cara e assoa o nariz, sai do seu posto, desce para o chão, com um grande martelo na mão, rodeia a locomotiva, inspeciona as rodas, sobe de novo para o seu interior, verifica o sistema, nomeadamento o nível de água, está um pouco baixo, encolhendo os ombros, resolve meter água, como tal, sai de novo e faz funcionar o sistema de abastecimento enchendo o reservatório!.

(…the machinist, smeared with coal on his face, pulls out a large tobacco handkerchief, which he had in his back pocket, wipes his face and blows his nose, leaves his station, goes down to the ground, with a large hammer in his hand, goes around the locomotive inspects the wheels, climbs back inside, checks the system, namely the water level, it’s a little low, shrugging, decides to put in water, as such, gets out again and makes the system work. supply filling the reservoir)!.

…apreciando todo este cenário, vereficamos que este maravilhoso combóio é composto por um vagão tipo Vale do Vouga, dos abertos de dois eixos, dois vagões também do mesmo tipo, mas cobertos, mais dois semelhantes ao primeiro, três carruagens de varandins de terceira classe e furgão e, na rectaguarda outra Vale do Vouga, mas mais bonita, com uma cor diferente, cremos que é verde azeitona com umas letras desenhadas a ouro, parece que é daquelas transformadas, que podem ser de primeira ou terceira classe, todavia, com o fumo que por ali havia em seu redor, não conseguimos ver bem qual o tipo ou número da locomotiva, mas estamos em crer que era uma CP E96 ou 97!.

(…appreciating all this scenario, we see that this wonderful train is composed of a wagon type Vale do Vouga, two-axle open wagons, two wagons also of the same type, but covered, plus two similar to the first, three carriages with third-class verandas and a van and, in the rear, another Vale do Vouga, but more beautiful, in a different color, we believe it is olive green with some letters drawn in gold, it seems that it is one of those transformed, which can be first or third class, however, with the smoke that was around there, we couldn’t quite see what type or number the locomotive was, but we believe it was a CP E96 or 97)!.

…com a chegada do combóio, em toda a área existe cheiro a carvão queimado, e nós, juntamente com outras pessoas, entrámos pela mão da nossa avó Agar, enquanto os homens de serviço na estação carregam alguma mercadoria!. 

(…with the arrival of the train, there is a smell of burning coal in the whole area, and we, along with other people, entered by the hand of our grandmother Agar, while the men on duty at the station were carrying some goods)!.

…entretanto, o chefe da estação, fardado rigorosamente com um boné branco ao lado de dois “carregadores”, também fardados, cigarro ao canto da boca, junto de um carro de duas rodas, com um casaco de cutim azul, também com um boné já um pouco coçado na cabeça, dá autorização de partida ao combóio, que tinha saído da estação de Sernada do Vouga, pela manhã!.

(…however, the stationmaster, in strict uniform with a white cap beside two “porters”, also in uniform, cigarette in the corner of his mouth, next to a two-wheeled car, wearing a blue cutin coat, also with a cap already a little scratched in the head, he gave the train departure authorization, which had left the Sernada do Vouga station in the morning)!

…o combóio põe-se em movimento, talvez transportando as suas mais de 100 toneladas, o maquinista acelera um pouco, sai muito vapor de ambos os lados da locomotiva, o que faz com que o chefe da estação, com a bandeira numa mão e a outra coçando a testa, gritar algumas palavras obscenas, e nós, apreciámos tudo isto porque o combóio fez uma paragem de mais ou menos 15 minutos, talvez por causa de encher o tanque com água!.

(…the train sets in motion, perhaps carrying its more than 100 tons, the driver accelerates a little, a lot of steam comes out on both sides of the locomotive, which makes the stationmaster, with the flag in his hand, and the other one scratching her forehead, screaming some obscene words, and we enjoyed all this because the train stopped for about 15 minutes, maybe because of filling the tank with water)!.

…segue a uma velocidade normal, mas cremos que às vezes aumenta a velocidade e vai resistindo a algumas curvas mais apertadas!. No interior, com bancos de madeira quase todos ocupados e algumas sacas pelo chão, vamos contentes ao sabor do vento que entra pelas janelas!. Vamos numa carruagem de terceira, mas a avó Agar diz-nos que é de segunda!. 

(…follows at a normal speed, but we believe that sometimes it increases speed and resists some tighter turns!. Inside, with wooden benches almost all occupied and some sacks on the floor, we go happy with the taste of the wind coming through the windows!. We are going in a third-party carriage, but Grandma Agar tells us it’s second-rate)!.

…olhando pela janela, após uma dessas curvas, surge uma ponte metálica, que transpõe o rio Águeda, afluente do Vouga, que passa a poucos metros dali!. Olhando para a esquerda, vemos a planície de campos, alguns alagadiços e para a direita uma montanha de pedra vermelha, tudo antes de entrar num túnel, que é talhado num impressionante esporão de uma falésia vermelha!. 

(…looking out of the window, after one of these curves, a metal bridge appears, which crosses the river Águeda, a tributary of the Vouga, which passes a few meters away!. Looking to the left, we see the plain of fields, some marshes and to the right a mountain of red stone, all before entering a tunnel, which is carved into an impressive spur of a red cliff)!.

…chegámos à estação de Eirol que tem duas vias para cruzamento, também com agulhas talonáveis, entrámos na da direita, enquanto esperámos pelo combóio que vinha da cidade de Aveiro, que se havia de cruzar com “o nosso combóio” nesta estação!. O maquinista aproveita para verificar o estado da locomotiva, nomeadamente a lubrificação do sistema que faz andar as rodas!.

(…we arrived at the Eirol station, which has two lanes for crossing, also with drawbars, we entered the one on the right, while we waited for the train coming from the city of Aveiro, which would cross with “our train” at this station!. The driver takes the opportunity to check the condition of the locomotive, namely the lubrication of the system that makes the wheels run)!.

…seguimos!. A estrada nacional de Águeda para Aveiro, acompanha-nos do lado direito, um pouco à frente, surge-nos o apeadeiro de São João de Loure e, a linha continua a ladear a estrada nacional pela esquerda!. O estuário do rio Vouga, pode-se admirar se olhar-mos para o lado direito e  existe muita água em alguns lugares cobre o campo!. Surge outra passagem de nível, onde uma guarda faz sinal que o combóio podia seguir, onde pouco depois entrámos na estação da povoação rural de Eixo, com duas linhas de agulhas talonáveis!.

(…follow on!. The national road from Águeda to Aveiro, follows us on the right side, a little ahead, the stop of São João de Loure appears and the line continues to flank the national road on the left!. The Vouga river estuary can be admired if you look to the right side and there is a lot of water in some places covers the countryside!. Another level crossing appears, where a guard signals that the train could follow, where shortly after we enter the station in the rural village of Eixo, with two lines of liftable needles)!.

…num espaço de pouco tempo, surge o apeadeiro de Azurva, com a plataforma à esquerda e, contendo apenas uma placa com o seu nome, mais à frente, após curvas e contra-curvas, aparece o apeadeiro de Esgueira, mais uma passagem de nível na estrada nacional Águeda – Aveiro, e finalmente, depois duma recta extensa, a locomotiva CP E96 ou 97, trazendo atrás de si o “nosso combóio” termina todo o seu percurso!.

(…in a short space of time, the Azurva halter appears, with the platform on the left and, containing only a plaque with his name, further on, after curves and counter-curves, the Esgueira halter appears, yet another level crossing on the Águeda – Aveiro national road, and finally, after a long straight, the CP E96 or 97 locomotive, bringing “our train” behind it, completes its entire route)!.

…depois!. Depois saímos pela mão da nossa avó Agar, ajudando a carregar os sacos com lenha, carqueija, alguns utensílios de cozinha, roupa, carne salgada de porco, farinha, entre outras coisas, atravessando a área leste da estação de Aveiro, incluindo, a passagem da linha larga do norte, entrando no edifício principal da estação, para sair  para a cidade, também pela porta principal, enquanto a locomotiva a vapor, possívelmente foi desengatada e dirigida para o depósito das locomotivas, onde iam limpar a fornalha e atestar o depósito de carvão!. 

(…later!. Then we left by the hand of our grandmother Agar, helping to carry the bags with firewood, carqueija, some kitchen utensils, clothing, salted pork meat, flour, among other things, crossing the area east of the Aveiro station, including the passageway. from the northern broad line, entering the main station building, to leave for the city, also through the main door, while the steam locomotive was possibly disengaged and directed to the locomotive depot, where they would clean the furnace and fill the depot of coal)!.

…de seguida entrámos na camionete, de cores amarela e verde, com assentos de cabedal que, depois do homem dos bilhetes, subindo por umas acrobáticas escadas, ter arrumado todos os sacos da nossa bagagem na parte superior do bonito veículo, seguindo em direcção às praias do oceno Atlântico, passando ao lado das salinas, cuja extracção manual do sal era executada pelos “marnotos” (trabalhadores das salinas), transportando à cabeça largas canastras cheias de sal, que estratégicamente iam construindo pequenas montanhas brancas ao lado da rudimentar estrada!. 

(…then we got into the van, in yellow and green, with leather seats that, after the ticket man, climbing some acrobatic stairs, had stowed all our luggage bags on top of the beautiful vehicle, heading towards the beaches on the Atlantic Ocean, passing alongside the salt pans, whose manual salt extraction was carried out by the “marnotos” (salt pan workers), carrying on their heads large canastras full of salt, which strategically built small white mountains next to the rudimentary road)!.

…continuando, travessámos algumas pontes de madeira sobre a maravilhosa Ria de Aveiro, vislumbrando lá ao fundo o Farol da Barra, que depois de percorrer uma parte ao lado da Ria que era recta e plana, chegámos ao fim do nosso destino, que era uma zona com algumas palmeiras, junto à Ria, onde se viam muitos barcos moliceiros, a que chamavam “a paragem das camionetas” na Costa Nova!.

(…continuing, we crossed some wooden bridges over the wonderful Ria de Aveiro, catching a glimpse at the far end of Farol da Barra, which after crossing a part of the Ria that was straight and flat, reached the end of our destination, which it was an area with some palm trees, next to the Ria, where you could see many moliceiro boats, which they called “the bus stop” in Costa Nova)!.

…ficando “a banhos” vivendo por aqui umas tantas semanas nos “palheiros” na aldeia dos pescadores!. Entretanto, infelizmente acordámos deste maravilhoso sonho, para voltar à realidade da presente vida!. 

(…staying “bathing” around here for a few weeks in the “palheiros” in the fishermen’s village!. However, unfortunately we woke up from this wonderful dream, to return to the reality of the present life)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…manhã no Parque da Princesa!. (…morning at Princess Park)!.

…moramos aqui há quase duas dezenas de anos, já nos dirigimos “mil vezes” para esta selva escondida, umas vezes de bicicleta, sózinhos ou acompanhados pela nossa dedicada esposa Isaura, outras de automóvel, como foi o caso de hoje e, não fazíamos uma verdadeira ideia do que existe por trás de toda esta vegetação, que afinal é um tesouro escondido!.

(…we’ve lived here for almost two dozen years, we’ve traveled “a thousand times” to this hidden jungle, sometimes by bicycle, alone or accompanied by our dedicated wife Isaura, others by car, as was the case today and, we didn’t have a real idea of ​​what’s behind all this vegetation, which after all is a hidden treasure)!.

…estamos a falar do “Princess Place Preserve”, que quer dizer mais ou menos, “Lugar Preservado da Princesa” que, tem uma história muito rica, num cenário exótico de beleza natural, onde outrora também foi cenário de índios americanos, assentamentos coloniais, guerras, servos, magnatas, casamentos, divórcios, amor, ódios, príncipes e princesas, tudo passado neste maravilhoso local, situado na parte norte do concelho de Flagler, mais propriamente na confluência do hoje Riacho Pellicer e do Rio Matanzas!.

(…we are talking about the “Princess Place Preserve”, which more or less means, “Princess Place Preserve”, which has a very rich history, in an exotic setting of natural beauty, where it was also the scene of American Indians, colonial settlements, wars, serfs, magnates, marriages, divorces, love, hates, princes and princesses, all spent in this wonderful place, located in the northern part of Flagler county, more precisely at the confluence of today’s Riacho Pellicer and the Matanzas River)!.

…dizem-nos que tudo começou por volta do final do século dezassete, quando uma parcela de mais de mil acres era concedida como uma concessão de terras espanholas a Francisco Pellicer, homem nascido em Minorca, que é uma das ilhas Baleares de Espanha, no mar Mediterrâneo, que por aqui chegou, contratado como servo mas, tal como outros  chegados da Europa, este, exercendo a profissão de agricultor e carpinteiro, prosperou assim no Novo Mundo!.

(…we are told that it all started around the end of the seventeenth century, when a parcel of more than a thousand acres was granted as a Spanish land grant to Francisco Pellicer, a man born in Menorca, which is one of the Balearic Islands of Spain , in the Mediterranean Sea, who arrived here, hired as a servant but, like other arrivals from Europe, this one, exercising the profession of farmer and carpenter, thus prospered in the New World)!.

…nós, “fotografos amadores à quinta-feira e contadores de histórias ao domingo”, com a pequena máquina fotográfica, (a tal que cabe cabe no bolso de trás), tal como uma criança, a quem dão um brinquedo novo, caminhámos por ali, descobrindo uma paisagem deslumbrante e diferente a cada curva do nosso caminho, pois aqui é um óptimo lugar para embarcar em caminhadas ao longo desta selva de árvores centenárias!.

(…we, “amateur photographers on Thursdays and storytellers on Sundays”, with the small camera, (the one that fits in the back pocket), just like a child, who is given a new toy, we walked there, discovering a stunning and different landscape at every turn in our path, as this is a great place to embark on hikes through this jungle of centuries-old trees)!.

…dentro dos limites deste parque, encontramos ao longo de trilhas fáceis de caminhar, uma casa rural histórica, com instalações para os cavaleiros trazerem os seus próprios cavalos e cavalgarem, pântanos, canais e lagos naturais para explorar, áreas selvagens de piquenique, vistas deslumbrantes da paisagem aquática, que nos proporciona aquele desafio físico que muitas vezes não sabíamos que queríamos!.

(…within the limits of this park we find along easy walking paths, a historic country house with facilities for riders to bring their own horses and ride, swamps, canals and natural lakes to explore, wild picnic areas, stunning views of the aquatic landscape, which gives us that physical challenge that we often didn’t know we wanted)!.

…não esquecemos tão cedo a majestade, o silêncio e a beleza deste parque, abundante em vida selvagem e que há muito tempo já é um dos nossos lugares favoritos para fotografar não só a paisagem como alguns animais e aves selvagens, como águias de colarinho branco, garças-reais, garças-azuis, garças-brancas, cegonhas-da-floresta ou aligatores (crocodilos)!.

(…we don’t soon forget the majesty, silence and beauty of this park, abundant in wildlife and for a long time now one of our favorite places to photograph not only the landscape but also some wild animals and birds, such as white-collar eagles , herons, blue herons, white herons, forest storks or alligators (crocodiles)!.

…a paisagem aquática faz parte do canal principal (intercoast), que segue junto ao oceano AtlIantico, como tal em alguns pontos, durante a mudança das marés, podem haver centenas de pássaros de quase uma dúzia de espécies espalhadas pelos pântanos, lagos e canais de água salgada, imediatamente adjacentes aos diversos caminhos que atravessam este maravilhoso parque!.

(…the waterscape is part of the main channel (intercoast), which runs along the Atlantic Ocean, as such at some points, during the changing tides, there may be hundreds of birds of almost a dozen species scattered throughout the swamps, lakes and channels of salt water, immediately adjacent to the many paths that cross this wonderful park)!.

…mas uma das maiores atrações para nós, pois às vezes também somos observadores de pássaros e fotógrafos da vida selvagem, este parque da “Princesa” é uma escala para muitas aves migratórias!. Por aqui passam a caminho do sul no outono e a caminho do norte na primavera, alguns cisnes com o seu bico exclusivo e penas brancas ou rosa vibrantes, fazendo uma paragem de algum tempo a cada ano para um show espetacular!.

(…but one of the biggest attractions for us, as we are sometimes also bird watchers and wildlife photographers, this “Princess” park is a stopover for many migratory birds!. Some swans with their unique beak and vibrant white or pink feathers pass through here on their way south in autumn and on their way north in spring, making a stop for some time each year for a spectacular show)!.

…estava uma manhã bonita com o céu azul, podendo ver-se algumas pequenas nuvens brancas que se atravessavam entre nós e o sol e, ao atravessar uma magnífica ponte coberta e em madeira sobre um dos canais, olhando para o lado esquerdo estava lá um “aligator” (crocodilo)  ainda bébé, que ao ver-nos não fugiu, porque já somos uma das suas vsitas frequentes e, um pouco para o seu interior, nas lagoas salobras, algumas dúzias de aligatores (crocodilos) vivem por lá, nadam e ocasionalmente agarram um caranguejo azul!.

(…it was a beautiful morning with a blue sky, you could see some small white clouds crossing between us and the sun and, when crossing a magnificent covered wooden bridge over one of the canals, looking to the left side, there was a “aligator” (crocodile) still a baby, who didn’t run away when he saw us, because we are already one of his frequent visits and, a little further inland, in the brackish lakes, a few dozen alligators (crocodiles) live there, swimming and occasionally catch a blue crab)!.

…esta caminhada é extremamente experiente, carismática, pelo menos para nós, contadores de histórias, onde podemos admirar uma área de pura selva, alguns pântanos, savanas, canais de água salgada, aves exóticas, árvores cobertas de musgo e uma fauna natural, sendo um óptimo lugar para ver e aprender!.

(…this hike is extremely experienced, charismatic, at least for us storytellers, where we can admire an area of ​​pure jungle, some swamps, savannas, saltwater channels, exotic birds, moss-covered trees and a natural fauna , being a great place to see and learn)!.

…por algum tempo percorremos os quatro cantos desta “reserva” explorando-a um pouco, onde não vimos praias de tartarugas com água azul mas, vimos o sossego de aves exóticas, tentando passar despercebidas dos olhares dos humanos, sendo muito provável que a qualquer momento encontrássemos os verdadeiros moradores deste maravilhoso parque, que são os rebanhos de veados de cauda branca, raposas vermelhas, linces, corujas, tatus, panteras da Flórida e, ocasionalmente algum urso preto, entre outros!.

(…for some time we went through the four corners of this “reserve” exploring it a little, where we didn’t see turtle beaches with blue water, but we saw the tranquility of exotic birds, trying to go unnoticed by the eyes of humans, it is very likely that at any time we could find the real residents of this wonderful park, which are the herds of white-tailed deer, red foxes, bobcats, owls, armadillos, Florida panthers and, occasionally, some black bear, among others)!.

…foi uma manhã maravilhosa, caminhando por algumas trilhas em terra, onde por vezes se juntam a um caminho de concreto ou algumas pontes em madeira, que serpenteiam por centenas de arbustos que florescem em cores brilhantes, mudando a paisagem a cada ano!.

(…it was a wonderful morning, walking along some dirt trails, where they sometimes join a concrete path or some wooden bridges, which meander through hundreds of bushes that bloom in bright colors, changing the landscape every year)!.

…é uma parte importante da nossa experiência em viagens e caminhadas, que pode ser uma história engraçada ou especial, sobre uma qualquer  experiência vivida numa montanha, numa selva, num rio, praia ou deserto, ou simplesmente uma aventura interessante na estrada!.

(…is an important part of our travel and hiking experience, which can be a funny or special story, about any experience lived in a mountain, in a jungle, in a river, beach or desert, or simply an interesting adventure on the road)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…na então Guiné Portuguesa!. (…in the then Portuguese Guinea)!.

…os últimos meses de presença em cenário de guerra, foram passados quase como todos os combatentes que cumpriram vinte e quatro longos meses de estadia na então província Portuguesa da Guiné em África!. Infelizmente e com alguma amargura, hoje ainda revivemos alguns acontecimentos!. É a vida dizem alguns!. Mas… para nós combatentes, os momentos de medo, angústia e desespero, ficaram gravados no pensamento e espetados no corpo, tal como um ferro em brasa com farpas bastante afiadas!. 

(…the last months of presence in a scenario of war, were spent almost like all the combatants who completed twenty-four long months of stay in the then Portuguese province of Guinea in Africa!. Unfortunately and with some bitterness, we still relive some events today!. It’s life some say!. But… for us combatants, the moments of fear, anguish and despair, were engraved in our thoughts and stuck in our bodies, like a red-hot iron with very sharp barbs)!.

…aquele conflito armado estava de dia para dia a aumentar as suas proporções, era já uma guerra de guerrilha feroz e traiçoeira, tornando-se muito difícil viajar de uma povoação para outra sem haver contacto com os guerrilheiros ou com qualquer das suas emboscadas e armadilhas, pois colocavam minas e fornilhos nas principais estradas, carreiros, pontões ou saídas e entradas obrigatórias nas travessias dos rios e pântanos, utilizavam os seus corredores de abastecimento durante a noite, tinham as suas “casas mato”, e claro, os guerrilheiros já tinham treino e alguma experiência em combate, sabendo bem o terreno que pisavam!.

(…that armed conflict was increasing day by day in its proportions, it was already a fierce and treacherous guerrilla war, making it very difficult to travel from one village to another without having contact with the guerrillas or any of their ambushes and traps , as they placed mines and bowls on the main roads, paths, pontoons or mandatory exits and entrances in the crossings of rivers and swamps, they used their supply corridors at night, they had their “bush houses”, and of course, the guerrillas already had training and some experience in combat, knowing well the terrain they were on)!.

…e, em algumas situações naquele cenário, as condições para se tentar recuperar um qualquer morto ou ferido, pois as vítimas, deviam ser puxados para algum tipo de posição onde houvesse alguma segurança, para serem tratados e, levar um homem ferido ou morto, requer até quatro homens como portadores, o que também enfraquecia uma unidade militar num momento crítico, portanto esses infelizes militares de combate, quando eram atingidos, alguns deles, por lá ficavam para sempre!.

(…and, in some situations in that scenario, the conditions for trying to recover a dead or injured person, as the victims should be pulled into some kind of position where there is some security, to be treated and, to take a wounded or dead man, it requires up to four men as carriers, which also weakened a military unit at a critical moment, so these unfortunate combat soldiers, when they were hit, some of them, stayed there forever)!.

…nós íamos sobrevivendo!. Naquele pequeno calendário em papel quadriculado que fizémos, onde todos os dias lá colocávamos uma cruzinha, estava a caminho de se completar!. Com alguma sorte, já não eram tantos assim os dias que nos faltavam para um possível abandono daquele miserável cenário e, o desejado regresso à Europa!. Todos os dias pela manhã, ao colocar uma cruzinha no referido quadrado, considerávamos uma conquista, que não era bem uma conquista, era uma reconquista, sentindo uma satisfação interior, que não cabia dentro de nós!.

(…we were surviving!. In that little squared-paper calendar we made, where every day we put a cross, it was on its way to completion!. With any luck, there were not so many days left for a possible abandonment of that miserable scenario and, the desired return to Europe!. Every morning, when placing a cross in the square, we considered it an achievement, which was not really an achievement, it was a reconquest, feeling an inner satisfaction, which did not fit within us)!.

…já não saíamos do aquartelamento rodeado de arame farpado, que considerávamos um “posto avançado de fronteira”, a não ser por motivos de ordem maior!. O movimento de militares, tinha aumentado na área, quase que triplicado, em alguns dias, eram centenas de militares em constante movimento, com as viaturas e equipamento de combate ocupando todos os espaços!. Era uma barafunda!. 

(…we no longer left the barracks surrounded by barbed wire, which we considered a “frontier outpost”, except for reasons of a higher order!. The movement of soldiers, had increased in the area, almost tripled, in a few days, there were hundreds of soldiers in constant movement, with vehicles and combat equipment occupying all spaces! It was a mess)!.

…com a chegada de novos militares, já ninguém se conhecia!. No dormitório, colocaram mais do dobro das camas!. Naquele momento existiam dois andares de camas, muito chegadas umas às outras, com roupa camuflada, alguma suja e molhada, colocada em cima dos mosquiteiros e em outros locais a secar, daqueles esforçados militares de combate que tinham a sorte de regressar vivos das frequentes operações de patrulha a que eram forçados a fazer!.

(…with the arrival of new soldiers, no one knew each other anymore!. In the dorm, they put more than double the beds! At that time there were two floors of beds, very close together, with camouflage clothing, some dirty and wet, placed on top of mosquito nets and in other places to dry, of those hard-working combat soldiers who were lucky enough to return alive from frequent operations of patrol they were forced to do)!.

…nós, com alguma perícia caminhávamos por um labirinto de camas, quase como vivêssemos dentro de um submarino!. Logo à entrada do dormitório estava sempre uma caixa com uns restos de munições, claro, não auxiliava nada a quem queria passar, mas também ninguém se importava com isso e, sempre que passava por lá um militar dáva-lhe um empurrão com a perna, mas alguém voltava a colocá-la no lugar inicial, porque o militar que dormia na cama ao lado queria o seu espaço!.

(…we, with some skill, walked through a maze of beds, almost like living inside a submarine!. Right at the entrance to the dorm there was always a box with some leftover ammunition, of course, it didn’t help anyone who wanted to pass, but no one cared about that either, and whenever a military man passed by, he gave him a push with his leg, but someone put it back in its original place, because the soldier who slept in the bed beside him wanted his space)!.

…em alguns dias de calor infernal, o cheiro a suor e outras coisas, era insuportável, e alguns vinham dormir ao ar livre, encostados às paredes do dormitório, onde alguns dias por mês, alguém, muitas vezes éramos nós, com um balde feito com aduelas de um barril do vinho, onde se colocava um pouco de criolina e água, e pincelávamos, com uma vassoura feita de ramos de alguns arbustos, em volta do dormitório!. 

(…on some days of infernal heat, the smell of sweat and other things was unbearable, and some came to sleep outdoors, leaning against the dorm walls, where a few days a month, someone, many times it was us, with a bucket made with staves of a barrel of wine, where a little cryoline and water were placed, and we brushed, with a broom made of branches from some bushes, around the bedroom)!.

…naquela área ao fundo do aquartelamento, onde existiam os tais furos de água quente, muito quente, a cheirar a enxofre ou coisa parecida, era um pandemónio!.  As couves e alfaces, que por lá tínhamos plantado, desapareceram, agora no seu lugar, estava cheia de bidons, uns com água, outros vazios e amolgados ao sol, quente, abafado e húmido!. 

(…in that area at the back of the barracks, where there were such hot water holes, very hot, smelling of sulfur or something similar, it was pandemonium!. The cabbage and lettuce, which we had planted there, disappeared, now in their place, it was full of drums, some with water, others empty and crushed in the sun, hot, stuffy and humid)!.

…todo o cenário estava a ficar tão difícil de suportar, que já tínhamos receio de visitar a aldeia junto ao local onde nos encontrávamos, onde sempre fomos bem recebidos, e sempre respeitámos a dignidade e o forte carácter dos naturais, que muito admirávamos!. Alguns até nos tratavam por “irmão”, e sempre seguimos as leis, as ordens e os ensinamentos dos “homens grandes”!.

(…the whole scenario was getting so hard to bear, that we were already afraid to visit the village near the place where we were, where we were always welcomed, and we always respected the dignity and strong character of the natives, who we admired so much!. Some even called us “brother”, and we always followed the laws, orders and teachings of the “big men”)!.

…que, tal como por diversas vezes já mencionámos, com toda a sua sabedoria, e com muitas “chuvas” no corpo, que deviam de ser anos, vivendo numa profunda miséria, apontando com uma espécie de bengalim, com que afugentavam algumas moscas e batiam nos cães, que famintos se aproximavam das “moranças”, que eram as suas casas cobertas de colmo, onde entre outras coisas, pronunciavam num português acrioulado, que nós compreendíamos perfeitamente, e diziam-nos: olh’a qu’la alí… cabaçú ká t’m… and’a pr’a qui… baju’da ale’m… ma’m’a firmi’… depo’s d’… tém mangá di sábi sábi… précisa d’… está altúra d’… conversa gir’o… o irmãu é qui… ficá nu Guiné… cá bai nu Portugal… e quando nos despedíamos, agarravam-nos na mão e diziam, “ca bai”, e davam-nos “mantenhas”, e às vezes até ficavam, t’chora!. Isto são palavras difíceis de traduzir, mas qualquer combatente que por lá passou, sabe um pouco o seu significado!.

(…which, as we have already mentioned several times, with all their wisdom, and with lots of “rain” on the body, which must have been years, living in deep poverty, pointing with a kind of bengalim, with which they chased away some flies and they beat the dogs, who hungrily approached the “moranças”, which were their thatched houses, where, among other things, they pronounced in Creole Portuguese, which we understood perfectly, and said to us: oh’a qu’la alí… cabaçú ká t’m… and’a pr’a qui… baju’da ale’m… ma’m’a firmi’… after d’… there’s manga di sábi sábi… need d’… it’s height d’… talk gir ‘o… his sister is here… he’s naked Guinea… here bai nu Portugal… and when we’d say goodbye, they’d grab us by the hand and say, “ca bai”, and they’d give us “keep it”, and sometimes they even stayed, t ‘cry!. These are difficult words to translate, but any combatant who has been there knows a little bit what they mean)!.

…e nós íamos escrevendo o nosso diário!. As palavras que completavam as frases eram sempre as mesmas, eram o resumo de ataques àquele “posto avançado de fronteira” pois era a partir dali que eram frequentes as emboscadas, os feridos e as mortes, só mudávamos as datas!. Às vezes ficávamos desesperados, quase em pânico e gritávamos: “merda, tirem-nos daqui, estamos a ficar doidos”!.

(…and we were writing our diary!. The words that completed the sentences were always the same, they were the summary of attacks on that “frontier outpost” because it was from there that ambushes, injuries and deaths were frequent, we only changed the dates!. Sometimes we would get desperate, almost panicky and scream: “shit, get us out of here, we’re going crazy”)!.

…hoje, toda e qualquer plataforma que permita navegar pelas histórias daquela maldita guerra, todas são relatos, embora alguns pessoais, que apresentam evidiências verdadeiras da angústia e do mêdo dos veteranos sobreviventes em combate de ambos os lados, porque os guerrilheiros que lutavam pela libertação do seu território, também sofriam a mesma situação que nós, que ali estávamos ao serviço da então nação colonial, que era Portugal do século passado!.

(…today, any platform that allows you to navigate through the stories of that damned war, all are reports, although some are personal, that present true evidence of the anguish and fear of the veterans surviving in combat on both sides, because the guerrillas who were fighting for liberation of its territory, they also suffered the same situation as us, who were there at the service of the then colonial nation, which was Portugal in the last century)!.

…enfim, hoje, embora um veterano de uma idade um pouco avançada, a todo o momento o pensamento caça-nos na vida, e nós, que naquele cenário de uma guerra terrestre de guerrilha, éramos o “Cifra”, um soldado desarmado, onde a disciplina de um campo de batalha não era lá muito eficaz para a nossa sobrevivência e, onde só talvez, os cigarros e algum excesso de álcool, nos dava algum miserável conforto!.

(…in short, today, although a veteran of a little advanced age, at every moment thought hunts us in life, and we, who in that scenario of a land guerrilla war, were the “Cifra”, an unarmed soldier, where the discipline of a battlefield was not very effective for our survival and, where just maybe, cigarettes and some excess of alcohol, gave us some miserable comfort)!.

…e já lá vão mais de 50 anos que vivemos aquele horrível cenário da guerra colonial Portuguesa em África e, nesta já avançada idade, não só históricamente como com a experiência de todos estes anos vividos, o reviver, ou seja, lembrar a angústia e o mêdo de um horrivel cenário de guerra de guerrilha nas selvas, savanas, pântanos, rios ou riachos, como era a situação geográfica da então província da Guiné, a contagem dos mortos e dos feridos de ambos os lados, onde os sobreviventes, que ficaram com doenças e traumas, não só fisica como também moralmente, hoje, toda e qualquer homenagem ou reconhecimento do esforço dispendido obrigatório em servir a bandeira da sua Pátria, não vai servir de nenhuma plataforma que permita melhorar a vida ou a saúde de um qualquer combatente, mas com toda a certeza que até um simples sorriso, vai auxiliar, pois muitos de nós ainda navegam naquelas horríveis experiências por lá vividas!.

(…and it’s been more than 50 years since we lived that horrible scenario of the Portuguese colonial war in Africa and, in this already advanced age, not only historically but with the experience of all these years lived, reliving, that is, remembering the anguish and the fear of a horrible scenario of guerrilla warfare in the jungles, savannas, swamps, rivers or streams, as was the geographical situation of the then province of Guinea, the counting of the dead and wounded on both sides, where the survivors, who remained with diseases and traumas, not only physically but also morally, today, any homage or recognition of the mandatory effort spent in serving the flag of their homeland, will not serve as any platform to improve the life or health of any combatant , but with all certainty that even a simple smile will help, as many of us are still navigating those horrible experiences lived there)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).

…esta é a vida!. Seja feliz!. (…this is life!. Be happy)!.

…depois de uma certa idade, nós os humanos, somos considerados adultos e, ser adulto tem o seu próprio conjunto de responsabilidades, como por exemplo, encontrar um emprego, constituir uma família, adquirir uma habitação, ajudar no crescimento dessa mesma família, ser responsável em pagar as suas contas, e porque não, talvez coisas simples, como cozinhar, vestir e dar banho aos filhos crianças, enfim, ajudar o companheiro ou companheira nas normais lidas de casa, ou seja, nas diversas responsabilidades para o crescimento de uma família!. 

(…after a certain age, we humans are considered adults, and being an adult has its own set of responsibilities, such as finding a job, starting a family, acquiring a home, helping the growth of that same family, being responsible for paying your bills, and why not, maybe simple things, like cooking, dressing and bathing your children, in short, helping your partner in the normal housework, that is, in the various responsibilities for the growth of a family)!.

…no entanto, nenhum de nós recebeu um manual de instruções para se ser adulto!. Esse conjunto de instruções e directrizes a seguir para dominar toda essa coisa de “adulto”, na maioria das vezes, a alguns previlegiados chegou o exemplo que tiveram ao nascer e crescer no seio de uma família com princípios honestos, que foram aprendendo e seguindo ao longo dos anos!, Outros infelizmente, foram descobrindo todo esse fenómeno de ser “adulto”, ao longo do caminho da vida, tropeçando aqui, levantando-se acolá!.

(…however, none of us received an instruction manual for becoming an adult!. This set of instructions and guidelines to follow to master the whole “adult” thing, most of the time, some privileged ones came with the example they had when they were born and raised in a family with honest principles, which they learned and followed as they progressed. Over the years!, Others, unfortunately, have been discovering this whole phenomenon of being “adult”, along the path of life, stumbling here, getting up there)!.

…a nossa idade já um pouco avançada, ensinou-nos algumas coisas que nos mostraram ser muito importantes no que é a verdadeira razão de ser “adulto” e como lidar com esse fenómeno!. Por exemplo, acreditamos que tudo começa na escola primária, ou seja, primeiros contactos com outras pessoas, como o professor ou o companheiro ou companheira de classe, que se forem amigos e com bons sentimentos, também seremos amigos e com bons sentimentos, e por outro lado, se forem agressivos e nos ofenderem por uma qualquer simples razão, também nós (talvez querendo defender-nos), seremos agressivos e conflituosos, talvez pelo resto da vida!.

(…our age, already a little advanced, taught us some things that showed us to be very important in what is the real reason for being “adult” and how to deal with this phenomenon!. For example, we believe that everything starts in primary school, that is, first contacts with other people, such as the teacher or the partner or classmate, that if they are friends and with good feelings, we will also be friends and with good feelings, and for on the other hand, if they are aggressive and offend us for any simple reason, we too (perhaps wanting to defend ourselves) will be aggressive and conflicted, perhaps for the rest of our lives)!

…a seguir, o contacto com amigos na casa dos 20 aos 30 anos, quando já estamos focados numa carreira de família, quando começamos a perder e a abandonar algumas amizades, selecionando as mais valiosas que serão possívelmente as companheiras ou companheiros para o resto da vida, que com o tempo, se não soubermos conservá-las, podem-se tornar uma fonte significativa de arrependimento no nosso futuro!. Portanto, nesta época da nossa vida, é muito importante fazer um esforço para contornar alguns obstáculos e manter as verdadeiras amizades, enquanto já se é “adulto”!.

(…then, contact with friends in their 20s to 30s, when we are already focused on a family career, when we start to lose and abandon some friendships, selecting the most valuable ones that will possibly be companions for the rest of the life, that in time, if we do not know how to preserve them, they can become a significant source of regret in our future! Therefore, at this time of our life, it is very important to make an effort to get around some obstacles and maintain true friendships while you are already an “adult”)!.

…e, lembrando que nesta época da nossa vida, normalmente somos  bastante despreocupados, todavia, ao entrar no mercado de trabalho ou ao contrair matrimónio, claro, tudo isto já como “adulto”, a ansiedade orginada por alguma responsabilidade começa a manifestar-se e, demora alguns anos, teremos que aprender maneiras de controlar toda essa ansiedade, vivendo e fazendo crescer os filhos, se os houver, num cenário pacífico, ensinando-lhes as boas maneiras de sobreviver, a selecionar os verdadeiros amigos, a criar amizades, assim como comportamentos com base na honestidade!. 

(…and, remembering that at this time in our life, we are usually quite carefree, however, when entering the labor market or contracting marriage, of course, all this already as an “adult”, the anxiety caused by some responsibility starts to manifest itself and, it takes a few years, we will have to learn ways to control all this anxiety, living and raising children, if any, in a peaceful setting, teaching them good ways to survive, selecting true friends, creating friendships, as well as behaviors based on honesty)!.

…quando se constitue uma família, portanto quando já se é “adulto”, é muito importante saber gerenciar o nosso próprio dinheiro, controlar as despesas, pagar contas e impostos, pois isto são as tais “coisas” da vida “adulta”!. No entanto, às vezes as finanças são bastante assustadoras, pelo menos para um normal casal com filhos, mas isso é algo com que muitas vezes vamos ter dificuldades, no entanto, existem algumas regras, como por exemplo a principal que é, “não gastar mais do que aquilo que se ganha”!.

(…when you start a family, so when you are already an “adult”, it is very important to know how to manage our own money, control expenses, pay bills and taxes, as these are such “things” of “adult” life!. However, sometimes finances are quite scary, at least for a normal couple with children, but this is something that we will often struggle with, however, there are some rules, for example the main one which is, “don’t spend more than what is earned”)!.

…no mundo moderno, entre outras, a facilidade com que se obtêm os cartões de crédito costumam ter uma má reputação e origem a muitos desentendimentos em casais que antes se relacionavam bem, no entanto, quando usados ​​com sabedoria, podem ser um grande trunfo, porque no sistema de vida que hoje existe, usar um cartão de crédito cria um histórico de crédito no nosso nome, o que é muito útil e, pagando as contas do cartão de crédito em dia, ajuda a aumentar a nossa pontuação de crédito, mostrando que somos uma pessoa responsável e confiável, no entanto “devemos gastar apenas o dinheiro que possuimos”!.

(…in the modern world, among others, the ease with which credit cards are obtained tends to have a bad reputation and give rise to many disagreements in couples who used to get along well, however, when used wisely, they can be a big deal. trump card, because in the system of life that exists today, using a credit card creates a credit history in our name, which is very useful and, paying credit card bills on time, helps to increase our credit score. , showing that we are a responsible and trustworthy person, however “we should only spend the money we have”)!.

…nem todos os relacionamentos começam com uma paixão incrível!. Como tal, num relacionamento forte, é muito mais importante que possam rir juntos e confiar um no outro, porque cada pessoa tem os seus próprios interesses e hobbies!. Não podemos pensar que porque gostamos de futebol a nossa namorada em potencial também gosta!. Teremos que conversar, para que reunindo conclusões, ficar-mos felizes juntos!.

(…not all relationships start with incredible passion! As such, in a strong relationship, it is much more important that they can laugh together and trust each other, because each person has their own interests and hobbies! We can’t think that because we like football, our potential girlfriend does too! We will have to talk, so that, gathering conclusions, we are happy together)!.

…e mais, pessoas que nunca brigam geralmente simplesmente não se importam, e claro, casais sem problemas geralmente estão a caminho de uma separação, contudo, não estamos dizendo que a fraca linguagem ou o abuso estão bem, mas pequenas brigas não nos devem preocupar, porque são normais e ultrapassáveis, acontecendo com todos e são um foco para aprender a se entender melhor!.

(…and what’s more, people who never fight usually just don’t care, and of course couples with no problems are usually on their way to a breakup, however, we’re not saying weak language or abuse is okay, but little fights shouldn’t worry us , because they are normal and surpassable, happening to everyone and they are a focus for learning to understand oneself better)!.

…por exemplo!. Mais cedo ou mais tarde, toda a pessoa quer passar algum tempo sózinha e, os parceiros devem entender isso e calmamente dar espaço pessoal um ao outro, sendo necessário algum descanso dos deveres familiares!. Isso não significa que o relacionamento tende a acabar, pelo contrário, ajuda a preservar sentimentos ou até mesmo a dar uma nova vida ao relacionamento!. Muitas vezes vimos, e queremos aprender as características de um relacionamento “perfeito” em filmes ou anúncios, todavia, têm pouco a ver com a realidade!. Lembre-se sempre disso ao perceber as pequenas falhas do seu parceiro!.

(…for example!. Sooner or later, everyone wants to spend some time alone and the partners must understand this and calmly give each other personal space, some respite from family duties being necessary! This does not mean that the relationship tends to end, on the contrary, it helps to preserve feelings or even give new life to the relationship! We often see, and want to learn the characteristics of a “perfect” relationship in movies or advertisements, however, they have little to do with reality! Always remember this when noticing your partner’s small flaws)!.

…resumindo, às vezes, toda esta coisa de “adulto” pode ser bastante desafiadora, no entanto, muitas vezes ao sentir-nos sobrecarregados com as pressões de ser um “adulto responsável”, estamos todos aprendendo e melhorando o longo do caminho da vida!. Portanto, não vamos colocar tanta pressão sobre nós mesmos para ser um “adulto perfeito”!. Todos nós cometemos erros e aprendemos com eles!. 

(…in short, sometimes this whole “adult” thing can be quite challenging, however often when we feel overwhelmed by the pressures of being a “responsible adult”, we are all learning and improving along the way of life!. So let’s not put so much pressure on ourselves to be a “perfect adult”! We all make mistakes and we learn from them)!.

…depois, à medida que vamos envelhecendo, vamos deixando ir os nossos descendentes viverem a sua vida, começando nós a reaprender o valor de boas amizades, tentando enriquecer a nossa vida na maneira do possível, arranjando tempo para algumas actividades divertidas, passando o tempo a escrever, a fotografar, a fazer caminhadas, a viajar quando é possível, e claro, cuidando da saúde, porque na verdade, somos o que comemos e, por isso é importante ter uma dieta saudável e equilibrada, fazendo escolhas alimentares saudáveis, ​​nunca esquecendo a medicina de manutenção!.

(…then, as we get older, we let our descendants live their lives, starting to relearn the value of good friendships, trying to enrich our lives in whatever way possible, making time for some fun activities, passing the time writing, photographing, hiking, traveling when possible, and of course, taking care of our health, because in fact, we are what we eat and, therefore, it is important to have a healthy and balanced diet, making healthy food choices, ​Never forgetting maintenance medicine)!.

…e por cá vamos continuando a viver, esperando que algumas destas “coisas” estratégicas que aprendemos ao longo dos anos ajudem alguém na sua própria jornada de “vida adulta”, envelhecendo com alguma alegria!. Todavia, nós, sempre querendo ser um exemplo de velhice, na esperança de poder usar a nossa casa que é o nosso refúgio, que possui todas as relíquias, algumas extravagantes, que trouxémos de todo o mundo por onde andámos!. E, quem não gostaria de ficar e findar os seus dias na casa que criou e considerou aconchegante e única para sempre?.

(…and over here we go on living, hoping that some of these strategic “things” we’ve learned over the years will help someone in their own journey of “adult life”, aging with some joy!. However, we, always wanting to be an example of old age, hoping to be able to use our house which is our refuge, which has all the relics, some extravagant, that we have brought from all over the world where we have been! And who wouldn’t want to stay and end their days in the house they created and considered cozy and unique forever)?.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century).