…a hell of a place to lose a cow!.

…um inferno de lugar para perder uma vaca!. (A hell of a place to lose a cow)!.

…vindos do norte, (mesmo do norte deste continente), onde ele termina e nada mais existe, depois de algumas semanas, quase duas dezenas de milhar de milhas, com sol, chuva, calor, frio ou neblina, tempestade de ocasião, estradas pequenas ou grandes, tráfego pesado ou estradas desertas, cruzando lagos, grandes rios ou pequenos riachos, animais ou aves selvagens voando ou atravessando a estrada, cidades grandes ou pequenas, convivendo com pessoas com diferentes costumes, às vezes comendo em alguns restaurantes de estrada, que se podiam considerar bons, normais ou assim assim, mesmo aqueles onde não precisamos de dizer o que queremos, basta pedir a iguaria da foto número 2, 3, 4, 5, ou mesmo 6, onde não importa o sabor dos ingredientes, pois basta banhá-los em “ketchup”, que é um molho na base de uma mistura de condimentos onde sobressaiem sabores específicos, mas que geralmente incluem cebola, pimenta da Jamaica, coentro, cravo, cominho, alho, mostarda, aipo, canela, gengibre, e claro, tomate, pois geralmente é conhecido como “molho de tomate”!. (Coming from the north (even from the north of this continent), where it ends and nothing else exists, after a few weeks, almost two tens of thousands of miles, with sun, rain, heat, cold or mist, storm of occasion, small or large roads, heavy traffic or deserted roads, crossing lakes, large rivers or small streams, animals or wild birds flying or crossing the road, large or small cities, living with people with different customs, sometimes eating in some restaurants road, which could be considered good, normal or so, even those where we do not need to say what we want, just ask for the delicacy of photo number 2, 3, 4, 5, or even 6, where no matter the flavor of the ingredients, since it is enough to bathe them in “ketchup”, which is a sauce based on a mixture of condiments that emphasize specific flavors, but usually include onion, allspice, coriander, cloves, cumin, garlic, mustard, celery, cinnamon gengi bre, and of course, tomato because it is generally known as “tomato sauce”)!.

…tudo isto é verdade e normal em qualquer viajante, mas nós, como já anteriormente dissémos, basta-nos aparecer um cenário de um rio ou mesmo ribeiro, onde exista lugar para estacionar a nossa “White Fox” (nome da nossa caravana), a água fresca esteja mesmo ali, logo é um lugar que consideramos a nossa casa e, o céu aberto será o nosso tecto, e claro, se houver pessoas, ou mesmo animais, serão a nossa família de ocasião!. (All this is true and normal in any traveler, but we, as we have said before, we only have a scene of a river or even a brook where there is a place to park our “White Fox” (name of our caravan ), the fresh water is right there, soon it is a place that we consider our house and, the sky will be open our roof, and of course, if there are people, or even animals, will be our family of occasion)!.

…assim chegámos ao sul do estado de Utah, viajando na estrada estadual número 12, que é uma estrada com um lindo e exótico cenário, chamando-lhe mesmo “Estrada 12 – Uma Viagem Cénica Através do Tempo”, considerada “All-American Road” (Estrada Típica Americana)!. (So we reached southern Utah, traveling on State Highway 12, which is a road with a beautiful, exotic setting, calling it “Highway 12 — A Journey Through Time Scenic Byway”, considered “All-American Road”!

…atravessa a “Floresta Nacional Dixie”, que ocupa quase dois milhões de acres (8.000 km2) e estende-se por cerca de 170 milhas (270 km) em todo o sul de Utah, onde os pinheiros ponderosa cercam as “hoodoos” (são grandes colunas naturais em forma cónica que sustêm no seu topo um bloco de rocha maior, que funciona como protector da erosão até que, com o continuar da erosão, não seja mais possível sustentar esse bloco) de arenito vermelho, que povoam o Red Canyon em abundância!. (Runs through the “Dixie National Forest”, which occupies nearly two million acres (8,000 km2) and extends for about 170 miles (270 km) across southern Utah, where Ponderosa pine surrounds “hoodoos” (are large, conical-shaped natural columns that support a larger block of rock at its top, which acts as a protector of erosion until, as erosion continues, it is no longer possible to sustain this block) of red sandstone, which populate the Red Canyon in abundance)!.

…todavia o Red Canyon certamente não é tão famoso quanto as lendas do “Wild West” (Oeste Selvagem), da área, como Butch Cassidy, pois os seus crimes infames são bem conhecidos em toda a área e, a sua casa de infância era uma cabine situada por aqui!. (However the Red Canyon is certainly not as famous as the legends of the area’s “Wild West”, such as Butch Cassidy, as their infamous crimes are well known throughout the area, and their home childhood was a booth situated here)!.

…no entanto a sabedoria do “Wild West”, fala de um momento em que o velho Butch entrou numa zaragata, numa dança de cidade, em Panguitch, (povoação por onde também passámos), por causa de uma moça, jovem e bonita!. Acreditando que matou um homem com um duro golpe, Cassidy fugiu para as montanhas vermelhas do deserto, hoje conhecidas como Red Canyon!. O homem a quem ele bateu, viveu, mas um grupo perigoso de homens desejosos de matá-lo, foram mandados para encontrá-lo, no entanto Butch conseguiu escapar, escondendo-se ao longo da estrada acidentada que agora é famosa como a “Cassid Trail” (Trilha do Cassid)!. Vamos acabar e esquecer esta história passada por aqui, no entanto esta história deixou o Red Canyon com uma sombra do infame proscrito do “Wild West” e, ao contrário de nós, os habitantes da área não são rápidos em esquecer!. (But the wisdom of the “Wild West” speaks of a moment when old Butch burst into a city dance at Panguitch (a village we passed by), because of a young, beautiful!. Believing he killed a man with a heavy blow, Cassidy fled to the red desert mountains, now known as Red Canyon!. The man he hit lived, but a dangerous group of men eager to kill him were sent to find him, however Butch managed to escape, hiding along the rugged road that is now famous as the “Cassid Trail”!. Let’s finish and forget this past history here, however this story left the Red Canyon with a shadow of the infamous outlaw of the “Wild West” and, unlike us, the inhabitants of the area are not quick to forget)!.

…prosseguindo a nossa jornada, também seguindo aquele lema de viajantes que nos ensina de que, “Uma jornada é melhor medida em cenário do que em milhas”, chegámos ao lugar que verdadeiramente pretendíamos visitar e que, foi a razão deste desvio!. (Continuing our journey, also following that motto of travelers that teaches us that, “A journey is better measured in scenery than in miles”, we arrived at the place that we truly wanted to visit and that was the reason for this detour)!.

…afortunadamente, neste dia havia sol!. Chegados à borda espectacular do Planalto Paunsaugunt, um lugar onde torres e arcos de pedra intrincadamente esculpidos brilham numa deslumbrante variedade de cores e, nós, como todos os que chegam pela primeira vez, junto à ravinas vermelhas do Bryce Canyon National Park, a primeira expressão, logo a seguir à admiração do cenário é:

– Oooohhhh, como é possível isto existir!

(Fortunately, on this day there was sun!. Arriving at the spectacular edge of the Paunsaugunt Plateau, a place where intricately carved towers and stone arches shine in a dazzling array of colors and, we, like all first-timers, reach the red gates of Bryce Canyon National Park, the first expression, So, following the admiration of the scenario is:

     – Oooohhhh, how can this exist)!.

…sabíamos que, o estado de Utah, é o lar de muitos e bonitos Parques Nacionais e que, o Parque Nacional Bryce Canyon é considerado um dos mais magníficos e inspiradores, onde há aproximadamente15 milhões de anos a terra, principalmente nesta região começou a mudar, formando uma série de planaltos!. (We knew that the state of Utah is home to many beautiful National Parks and that, Bryce Canyon National Park is considered one of the most magnificent and inspiring, where there are approximately 15 million years of land, mainly in this region began to change, forming a series of plateaus)!.

…o Paunsaugunt, que é o nome deste extenso planalto, com o Rio Paria gradualmente erodindo a sua borda, para formar o Bryce Canyon, onde as rochas são compostas por camadas após camadas, de depósitos de sedimentos depositados há milhões de anos, quando esta área estava no fundo de um possível lago!. (The Paunsaugunt, which is the name of this extensive plateau, with the Paria River gradually eroding its edge, to form Bryce Canyon, where rocks are layered after layers of sediment deposits deposited millions of years ago, when this area was at the bottom of a possible lake)!.

…quase todos os lugares incomuns que existem no Planeta Terra têm uma identificação!. Claro, o Bryce Canyon, que verdadeiramente não é uma ravina como o seu nome indica, tem o nome de “Bryce” em homenagem a um dos primeiros colonos da região, chamado Ebenezer Bryce, um pioneiro Mórmon, que no século dezoito emigrou da Escócia, casando-se com uma moça local!. (Almost all the unusual places that exist on Planet Earth have an ID!. Of course, Bryce Canyon, which truly is not a ravine as its name implies, bears the name “Bryce” in honor of one of the earliest settlers in the region, named Ebenezer Bryce, a Mormon pioneer who in the eighteenth century emigrated from Scotland, marrying a local girl)!.

…como verdadeiro pioneiro, foi-se mudando, sempre em direcção ao sul e, em meados da década de 1870, chegou ao Rio Paria, onde ele e sua família se estabeleceram por vários anos!. Foi nessa época que Bryce fez um seu comentário imortal sobre o que hoje chamam Bryce Canyon, chamando-lhe, “um inferno de lugar para perder uma vaca”!. (As a true pioneer, he moved, always heading south, and in the mid-1870s he arrived at Paria River, where he and his family settled for several years!. It was at this time that Bryce made an immortal comment about what they now call Bryce Canyon, calling it, “a hell of a place to lose a cow”)!.

…a conservação desta área de grande beleza continua intocada, bem como o enorme valor científico da informação histórica, presa aos seus pináculos, não sendo este desfiladeiro de forma alguma um lugar estagnado, apesar de cada pináculo retroceder em média cerca de um pé a cada 50 anos e, neste cenário em constante mudança, é a água que desempenha o papel mais vital na formação e eventual destruição do magnífico cenário!. (The conservation of this area of great beauty remains untouched, as well as the enormous scientific value of historical information, stuck to its pinnacles, this gorge not being in any way a stagnant place, although each pinnacle recoils on average about a foot every 50 years and, in this ever-changing scenario, is the water that plays the most vital role in the formation and eventual destruction of the magnificent scenery)!.

…porquê?. Porque a rocha foi colocada em camadas, há uma variação na dureza da rocha formada e, quando o escoamento da água escorre pela rocha, algumas áreas são corroídas rapidamente, enquanto outras se mantêm firmes!. Como facilmente se compreende, esta variação na velocidade da erosão provoca a formação de pináculos, ou “hoodoos” (já explicámos o significado desta palavra), de rochas estáveis, onde em alguns lugares a água penetra através de rachaduras e consome buracos abaixo da superfície!. (Because?. Because the rock has been layered, there is a variation in the hardness of the rock formed, and when the water runoff flows through the rock, some areas are quickly corroded, while others stand firm!. As can easily be understood, this variation in the speed of erosion causes the formation of pinnacles, or “hoodoos” (we have already explained the meaning of this word), of stable rocks, where in some places water penetrates through cracks and consumes holes below the surface)!.

…a vista deste maravilhoso cenário, sempre em mutação de cores, que vão desde o amarelo, laranja ou marrom avermelhado, que mudam a sua cor à medida que a luz também muda, das suas formações rochosas bizarras e coloridas, composta pelas torres, paredes e arcadas é espetacular e, como acima explicámos, quando a rocha lateral se erode, mais um arco é deixado para trás, onde às vezes, eventualmente, esse arco se possa desmoronar, deixando mais dois ou talvez três pilares, que se vão juntar ao resto deste como já mencionámos, maravilhoso cenário!. (The sight of this wonderful scenery, always changing colors, ranging from yellow, orange or reddish brown, that change their color as the light also changes, its bizarre and colorful rock formations, composed of the towers , walls and arcades is spectacular and, as explained above, when the lateral rock is eroded, another arch is left behind, where sometimes this arch may eventually collapse, leaving two or perhaps three pillars, which are gone join the rest of this as we have already mentioned, wonderful scenery)!.

…este parque também contém uma grande variedade de plantas e animais selvagens, incluindo prados e florestas!. Os esquilos terrestres são abundantes perto das áreas de observação, assim como também é possível ver ocasionalmente, aqui e ali, veados, alces e antílopes pastando no arvoredo, composto principalmente por pinheiros ponderosa e pequenos ciprestes!. Dizem-nos que, alguns ursos e leões da montanha, também entram no parque ocasionalmente, mas raramente são vistos pelos turistas!. (This park also contains a wide variety of plants and wildlife, including meadows and forests!. Terrestrial squirrels are abundant near the observation areas, as well as occasionally seeing, here and there, deer, elk and antelope grazing in the grove, composed mainly of ponderosa pine and small cypresses!. We are told that some mountain bears and lions also enter the park occasionally, but are rarely seen by tourists)!.

…procurámos alguma informação sobre a habitação humana precoce na área do hoje chamado Bryce Canyon, onde houve levantamentos arqueológicos, tanto no Parque Nacional Bryce Canyon como no Planalto de Paunsaugunt, que nos mostram que as pessoas estiveram na área há pelo menos 10.000 anos, pois artefatos de Basketmaker Anasazi de vários milhares de anos, foram encontrado ao sul do parque!. Outros artefactos do Anasazi, do período Pueblo e da Cultura Fremont, também foram por aqui encontrados!. (We looked for some information on early human habitation in the area of today’s Bryce Canyon, where there were archaeological surveys in both Bryce Canyon National Park and Paunsaugunt Plateau, which show us that people have been in the area for at least 10,000 years, Anasazi Basketmaker artifacts of several thousands of years have been found south of the park!. Other artefacts from the Anasazi, from the Pueblo period and the Fremont Culture, have also been found here)!.

…isto demonstra que, os índios americanos, principalmente o povo “Paiute”, estavam lá muito antes da chegada dos pioneiros e, de acordo com a lenda e a tradição dos “Paiute”, milhões de anos antes de aparecerem na Terra, havia outro povo que vivia nesta área chamados “To-when-an-ung-wa”, (palavras sem tradução), onde naquela época, se dizia que a terra era diferente, sendo muito verde e verdejante com riachos e rios de água limpa e fresca, onde os animais e pássaros eram abundantes e os “hoodoos” ainda não haviam sido criados!. (This shows that the American Indians, especially the Paiute people, were there long before the arrival of the pioneers and, according to the legend and tradition of the Paiute, millions of years before they appeared on Earth, there were other people living in this area called “To-when-an-ung-wa”, where at that time it was said that the land was different, being very green and green with streams and rivers of clean fresh water, where animals and birds were abundant and the hoodoos had not yet been create)!.

…deixámos o cenário maravilhoso deste parque, pensando que, viajamos porque nos faz perceber que apesar da idade um pouco avançada, o quanto ainda não vimos, o quanto ainda não vamos ver, e o quanto ainda precisamos de ver!. (We left the wonderful scenery of this park, thinking that, we travel because it makes us realize that despite the age a little advanced, how much we still have not seen, how much still we will not see, and how much still need to see)!.

Tony Borie, March 2019.

One thought on “…a hell of a place to lose a cow!.

  1. Pingback: …a hell of a place to lose a cow!. – Tony Borie – "Pieces of my life"

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s