…Marcelino da Mata!.

…toda a informação que abaixo mencionamos, tivémos a liberdadade de a tomar da “Wikipédia”, que é uma enciclopédia livre, à qual muito agradecemos e, publicamos este texto no nosso blogue, com a intenção única de simplesmente lamentando a sua morte,  homenagear este militar e, enviar os nossos mais sentidos sentimentos de pesar à sua família que, talvez sem o saber, nos tenha protegido, (porque nós éramos um militar desarmado que dada a nossa especialidade sabíamos o que não devíamos saber), quando da nossa participação imposta por uma mobilização forçada, na então Guerra Colonial Portuguesa em África!. 

(…all the information mentioned below, we were free to take it from “Wikipedia”, which is a free encyclopedia, to which we thank you very much, and we published this text on our blog, with the sole intention and simply mourning his death to honor this soldier and send our most heartfelt feelings of regret to his family that, perhaps without knowing it, protected us, (because we were an unarmed military man who, given our expertise, knew what we shouldn’t know), when our participation was imposed by forced mobilization, in the then Portuguese Colonial War in Africa)!.

…o seu nome era, Marcelino da Mata, tinha nascido em Ponta Nova, então província colonial da Guiné no ano de 1940, morrendo em Fevereiro deste ano de 2021, com residência em Sintra, Portugal!. Era conhecido pelos seus actos de bravura e heroísmo, praticados durante a Guerra Colonial, tendo participado em 2412 operações de comandos e, foi o militar português mais condecorado da História do Exército de Portugal!.

(…his name was, Marcelino da Mata, he was born in Ponta Nova, then colonial province of Guinea in the year 1940, dying in February of this year 2021, with residence in Sintra, Portugal! He was known for his acts of bravery and heroism, practiced during the Colonial War, having participated in 2412 command operations and was the most decorated Portuguese military officer in the History of the Portuguese Army)!

…a história da sua vida conta-nos que, foi acidentalmente incorporado em lugar do irmão no CIM-Bolama em 3 de Janeiro de 1960, oferecendo-se como voluntário após cumprir a primeira incorporação, integrando e sendo fundador da tropa de operações especiais, no Regimento dos Comandos de Portugal, nos Comandos Africanos, actuando no cenário de guerra da sua Guiné, com operações no Senegal e na Guiné Conakry!.

(…the story of his life tells us that he was accidentally incorporated in place of his brother at CIM-Bolama on January 3, 1960, volunteering after completing his first incorporation, integrating and being the founder of the special operations troop, in the Portuguese Commandos Regiment, in the African Commands, acting in the war scenario of your Guinea, with operations in Senegal and Guinea Conakry)!.

…foi ferido várias vezes em combate, apenas sendo evacuado da sua Guiné por ter sido alvejado por acidente por um companheiro, assistindo à revolução de 25 de Abril de 1974,  na capital Lisboa em Portugal, tendo participado em operações no terreno das selvas, pântanos e savanas da sua Guiné, que ficaram para a história da Guerra Colonial, tais como “Operação Tridente”, na ilha do Como, “Operação Cajado”, “Resgate de 150 soldados portugueses cativos em território senegalês”, “Operação Mar Verde” ou “Operação Ametista Real”!.

(…he was wounded several times in combat, only being evacuated from his Guinea for being accidentally shot by a companion, watching the revolution of April 25, 1974, in the capital Lisbon in Portugal, having participated in operations in the jungle, swamps and savannas of its Guinea, which remained for the history of the Colonial War, such as “Operation Trident”, on the island of Como, “Operation Cajado”, “Rescue of 150 Portuguese captive soldiers in Senegalese territory”, “Operation Mar Verde” or “Operation Royal Amethyst”)!.

…dizem que dizia sempre, “A Guiné para os Guinéus” e, após a guerra de independência, foi proibido de entrar na sua Guiné, ou seja, na sua terra natal!. Ficou em Portugal e, no ano de 1975 foi detido num quartel militar em Lisboa, sujeito a tortura e flagelação praticada e ordenada por militares e outros elementos de um partido político revolucionário que dava pelo nome MRPP, num dos episódios mais pungentes, pela sua barbaridade e violência, no pós “revolução dos cravos” e, no decurso das perseguições de que foi alvo neste ano de 1975 conseguiu fugir para Espanha, de onde só regressou a quando do “Golpe de 25 de Novembro, participando activamente na reconstrução democrática e no restabelecimento da ordem militar interna, agindo sempre com elevada longanimidade para com os seus opressores!.

(…they say he always said, “Guinea for Guineas” and, after the war of independence, he was banned from entering his Guinea, that is, his native land !. He stayed in Portugal and, in 1975, he was detained in a military barracks in Lisbon, subjected to torture and flagellation practiced and ordered by the military and other elements of a revolutionary political party that went by the name MRPP, in one of the most poignant episodes, for its barbarity and violence, in the post “carnation revolution” and, in the course of the persecutions suffered in 1975, managed to escape to Spain, from where he only returned when the “November 25th Coup”, actively participating in the democratic reconstruction and reestablishment of the internal military order, always acting with great patience towards its oppressors)!.

…aqui está o motivo para o nosso grito de revolta!. Porquê?. Porque até ao momento, lemos apenas no sítio da Presidência da República de Portugal, umas singelas palavras, quase de ocasião, que passamos a transcrever dizendo: 

“Presidente da República evoca Tenente Coronel Marcelino da Mata. O Presidente da República apresenta sinceras condolências à Família do Tenente-Coronel Marcelino da Mata, o militar mais condecorado do Exército Português, que hoje nos deixou. Entre as numerosas distinções que recebeu conta-se a Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, a mais alta distinção concedida por Portugal. Condecorado antes do 25 de abril, em 1969, foi promovido e graduado em Tenente-Coronel, três décadas depois da condecoração”. 11.02.2021

(…here is the reason for our cry of revolt!. Because?. Because so far, we only read on the website of the Presidency of the Republic of Portugal, a few simple words, almost on occasion, which we now transcribe saying:

“President of the Republic evokes Lieutenant Colonel Marcelino da Mata. The President of the Republic offers sincere condolences to the Family of Lieutenant Colonel Marcelino da Mata, the most decorated military officer in the Portuguese Army, who today left us. Among the numerous distinctions he received was the Military Order of the Tower and Sword, of Valor, Loyalty and Merit, the highest distinction granted by Portugal. Decorated before April 25, in 1969, he was promoted and graduated in Lieutenant Colonel, three decades after the award”. February 11, 2021.

…cremos que mais nada se fez!. Na nossa modesta opinião de antigo combatente, no mínimo devia de haver algum tempo de luto nacional, com a bandeira de Portugal a meia haste, e claro, honras militares no seu funeral, prestando uma última homenagem a esta personagem, (militar condecorado com a mais alta condecoração do país Portugal, pela sua bravura em cenário de combate), símbolo de heroísmo em cenário horrível de guerra que, nascendo na então província colonial da Guiné, que na época era considerada tal como qualquer outra província do então Portugal continental, ou seja, o Alentejo, o Ribatejo, o Minho ou o Algarve, portanto Português, defendeu a bandeira do seu país, como acima já escrevemos, em cenário de combate!. 

(…we believe that nothing more has been done!. In our modest opinion of a former combatant, at least there should be some time of national mourning, with the Portuguese flag at half-mast, and of course, military honors at his funeral, paying one last tribute to this character, (military decorated with the highest honor of the country Portugal, for its bravery in a combat scenario), a symbol of heroism in a horrible war scenario that, being born in the then colonial province of Guinea, which at that time was considered just like any other province of then mainland Portugal, or that is, the Alentejo, Ribatejo, Minho or Algarve, therefore Portuguese, defended their country’s flag, as we have already written, in a combat scenario)!.

…continuando com a nossa modesta opinião de antigo combatente, o Chefe Supremo das Forças Armadas, que também é Sua Excelência o Senhor Presidente da República de Portugal, pessoa culta e informada, sempre atento a tudo o que se passa à sua volta, devia ter percebido que com esta atitude de singelas palavras de ocasião, nem sequer lamentando a sua morte, está a ferir os sentimentos dos antigos combatentes ainda vivos, companheiros do Tenente-Coronel Marcelino da Mata, que continuam a sofrer, agora ainda mais, com o desaparecimento de um companheiro que lhes salvou a vida por diversas vezes em cenário de combate!. 

(…continuing with our modest opinion of a former combatant, the Supreme Chief of the Armed Forces, who is also His Excellency the President of the Republic of Portugal, a cultured and informed person, always attentive to everything that goes on around him, should have perceived that with this attitude of simple words of occasion, not even regretting his death, he is hurting the feelings of the old combatants still alive, companions of Lieutenant Colonel Marcelino da Mata, who continue to suffer, even more now, with the disappearance of a companion who saved their lives several times in a combat scenario)!.

…também não se compreende o silêncio da imprensa escrita e falada de Portugal!. Será que está presa a algum sistema e, não lhes interessa falar de um herói que honrou a bandeira nacional num campo de batalha, sendo mais importante a notícia, às vezes em directo, de um qualquer atleta ou treinador de futebol milionário, que fala baboseiras, num palavriado a rondar o reles, mas é excitante, num argumento onde não existe qualquer excitação para o comum dos mortais!.

(…the silence of the written and spoken press in Portugal is also not understood!. Is he trapped in a system and does not care to talk about a hero who honored the national flag on a battlefield, the most important thing being the news, sometimes live, of any millionaire athlete or soccer coach, who speaks nonsense, in a slang around the paltry, but it is exciting, in an argument where there is no excitement for ordinary mortals)!.

…enfim, vivemos deste lado do Atlântico, portanto um pouco distante do modo como presentemente se vive no país onde nascemos e defendemos a sua bandeira em cenário de guerra!. Podemos não estar atentos a estes costumes de boas normas de educação mas, se  outros governantes souberam e, seguiram o exemplo de Sua Excelência o Presidente da República, embora não lastimando a sua morte, enderessando únicamente as condolências à sua família, (que no mínimo deviam dar honras militares a este soldado herói combatente), menos mal, tudo bem, mas têm que aceitar este “grito de revolta” e, se souberam e não tomaram nenhuma atitude oficial é muito grave e lamentável, pois é dos livros, “país que não reconhece a sua história e o seu passado não pode ter bom futuro”!.

(…in short, we live on this side of the Atlantic, so a little distant from the way we currently live in the country where we were born and defend its flag in a war scenario!. We may not be aware of these customs of good standards of education but, if other governments they knew and, following the example of His Excellency the President of the Republic, although not mourning his death, addressing only his condolences to his family, (who at least should give military honors to this combatant hero soldier), less evil, all right, but they have to accept this “cry of revolt” and, if they knew and did not take any official action, it is very serious and regrettable, as it is in the books, “a country that does not recognize its history and its past cannot have a good future”)!.

…nós, que naquele cenário de uma guerra terrestre de guerrilha, éramos o “Cifra”, um soldado desarmado, onde a disciplina de um campo de batalha não era lá muito eficaz para a nossa sobrevivência, onde um pequeno descuido ou desleixo, onde as emboscadas, minas ou fornilhos, podiam a qualquer momento fazer com que a nossa alma nos abandonasse, na procura de uma qualquer galáxia distante, onde uma tijela de arroz ou um naco de pão era mais importante do que uma ração de combate, às vezes até mesmo do que a espingarda G-3, onde os campos abandonados da plantação de arroz, se transformaram em pântanos perigosos, onde o volume e o ruído do fogo inimigo nos trazia estarrecidos, onde só talvez, o escesso de álcool, nos dava algum miserável conforto e, será que ainda andamos sobre a influência desse excesso de álcool, para não compreender esta atitude do presente governo de Portugal!.

(…we, in that scenario of a terrestrial guerrilla war, were “Cifra”, an unarmed soldier, where the discipline of a battlefield was not very effective for our survival, where a small carelessness or negligence, where the ambushes, mines or bowls, could at any moment cause our soul to abandon us, in search of any distant galaxy, where a bowl of rice or a loaf of bread was more important than a combat ration, sometimes even even than the G-3 shotgun, where the abandoned fields of the rice plantation turned into dangerous marshes, where the volume and noise of the enemy fire terrified us, where only maybe, the thickness of alcohol, made us miserable comfort and, are we still under the influence of this excess of alcohol, so as not to understand this attitude of the present government of Portugal)!.

…afinal é verdade quando escrevemos que, servir a nação numa zona de guerra, é um preço muito elevado!. Na lotaria da vida pode-nos sair um bilhete premiado com a morte!. Com alguma sorte podemos sobreviver mas, o síndrome de guerra, leva-nos por todo o tempo do resto das nossas vidas, a uma pesada viajem no Coração das Trevas!. Não mais esquecemos a jornada de um soldado combatente numa mortífera guerra de guerrilha, de um país que nos USOU e nos ESQUECEU, desde a nossa mobilização na época de uma pré-guerra, passando pela miserável experiência no campo de batalha, até a um difícil retorno de pós-guerra, sempre nos IGNORANDO!.

(…after all it is true when we write that, serving the nation in a war zone, is a very high price!. In the lottery of life, we can get a ticket awarded with death!. With any luck we can survive but, the war syndrome, takes us for the rest of our lives, to a heavy journey in the Heart of Darkness!. We no longer forget the journey of a combatant soldier in a deadly guerrilla war, of a country that USED and FORGOT us, from our pre-war mobilization, through the miserable battlefield experience, to a difficult one post-war return, always IGNORING us)!.

Tony Borie, Século XXI. (Tony Borie, 21st Century.)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s